Peroxissomos - CEDERJ

Peroxissomos - CEDERJ

30 Peroxissomos

Ao fi nal desta aula, você deverá ser capaz de:

• Caracterizar os microcorpos em termos históricos, morfológicos e bioquímico.

• Evidenciar a importância evolutiva dos peroxissomos.

• Descrever a biogênese de peroxissomos.

• Relacionar os peroxissomos às funções celulares de: — detoxifi cação

— oxidação de lipídeos;

— germinação de sementes;

— fotossíntese pela via C4;

— síntese de lipídeos. • Relacionar peroxissomos e doenças hereditárias.

aula

OBJETIVOS Pré-requisitos Metabolismo mitocondrial.

Fotossíntese. Lipídeos de membrana.

aula_30.indd 15115/7/2004, 17:04:59

Biologia Celular I | Peroxissomos

CEDERJ152

INTRODUÇÃONo início da década de 60, a combinação de observações ao microscópio eletrônico com métodos bioquímicos levou à descoberta de um novo tipo de organela capaz de produzir peróxido de hidrogênio (água oxigenada) e usar a enzima CATALASEpara gerar água e oxigênio mais adiante (Figura 30.1). Denominadas inicialmente microcorpos, a presença de enzimas oxidativas e a produção de peróxido de hidrogênio levou os pesquisadores a criar o termo peroxissomos para designar essas organelas de formato geralmente esférico, medindo cerca de 0,5µm de diâmetro.

Os peroxissomos diferem das mitocôndrias e dos cloroplastos em vários aspectos: • são envolvidos por apenas uma membrana;

• não possuem DNA próprio;

• as reações oxidativas que nele se processam não levam à produção de moléculas energéticas, como ATP e NADH.H+.

Assim como mitocôndrias e cloroplastos, novos peroxissomos surgem a partir do crescimento e da fi ssão de peroxissomos preexistentes. Da mesma forma que essas organelas, os peroxissomos também realizam reações de oxidação, o que deve ter sido fundamental para a sobrevivência dos eucariontes primitivos e anaeróbios num planeta onde o surgimento de bactérias fotossintéticas fez aumentar muito o teor de oxigênio. Para esses anaeróbios, o oxigênio era extremamente tóxico. O surgimento, talvez a partir da internalização de um procarioto, de uma organela capaz de utilizar o O2, neutralizando assim seus efeitos, permitiu a sobrevivência desses eucariontes primitivos. O estabelecimento dos peroxissomos como organelas é bem anterior às mitocôndrias, por isso, os peroxissomos já teriam transferido todo o seu DNA para o núcleo. Com o estabelecimento da relação simbiótica que resultou na mitocôndria, os peroxissomos se tornaram, num certo sentido, organelas obsoletas, já que as mitocôndrias utilizam o oxigênio de uma forma muito mais vantajosa para a célula, levando à produção de ATP.

(a) Os peroxissomos são capazes de oxidar moléculas (RH), dando origem à água oxigenada (HO). (b) A HO gerada é, a seguir, degradada a HO e O.

(b) 2HO → 2 HO + O aula_30.indd 15215/7/2004, 17:05:14

CEDERJ153

MÓDULO 5 Então o peroxissomo é uma organela dispensável?

De forma alguma! Os peroxissomos continuam presentes em todas as células eucariontes, desempenhando importantes funções de detoxifi cação e metabolizando lipídeos. De acordo com o tipo celular, as enzimas peroxissomais podem variar; assim, os peroxissomos formam, na verdade, uma família de organelas com funções específi cas em tipos celulares diversos.

A concentração de enzimas no interior dos peroxissomos pode ser tão grande que elas chegam a se cristalizar (Figura 30.1). Veremos, a seguir, a importância dos peroxissomos em diversos tipos celulares.

Figura 30.1: Grupo de três peroxissomos em hepatócito de rato. A enzima urato-oxidase forma um arranjo pára-cristalino em dois deles.

Possivelmente, você já sabe que tanto o fígado quanto os rins são órgãos fundamentais para a neutralização e eliminação de moléculas tóxicas que circulam em nosso sangue, sejam elas ingeridas voluntariamente, como o álcool, ou produzidas pelo METABOLISMO celular. As células desses órgãos são ricas em peroxissomos (Figura 30.2), e cerca de 25% do etanol consumido por uma pessoa é oxidado a acetaldeído pelos peroxissomos. A água oxigenada gerada no processo é posteriormente convertida em água pela ação da catalase.

Diversas bebidas, como o vinho e a cerveja, são produzidas por fermentação, isto é, leveduras convertem o açúcar contido nas uvas e na cevada anaerobicamente (glicólise) em piruvato e subseqüentemente em acetaldeído e etanol. Nossos peroxissomos, em especial os dos hepatócitos, se encarregam de fazer o contrário, converter etanol em acetaldeído e daí em piruvato, que poderá ser utilizado pelas mitocôndrias na produção de ATP. Entende-se, portanto, porque o consumo habitual de álcool, entre outros problemas ainda mais graves, pode levar o indivíduo a engordar.

aula_30.indd 15315/7/2004, 17:05:15

Biologia Celular I | Peroxissomos

CEDERJ154

Figura 30.2: As células hepáticas possuem grande quantidade de peroxissomos, importantes para que o organismo elimine substâncias tóxicas como o álcool e outras drogas.

Uma das funções mais importantes das reações oxidativas que ocorrem nos peroxissomos é a β-oxidação de lipídeos, que vem a ser a quebra de cadeias de ácidos graxos. Nesse processo, que também ocorre na matriz mitocondrial, as longas cadeias de ácidos graxos vão sendo desmontadas pela remoção de dois átomos de carbono de cada vez (Figura 30.3), dando origem à acetil-coenzima A (acetil-CoA). A acetil-CoA produzida é exportada para o citossol, onde é reciclada em novas reações de síntese, ou entra na mitocôndria, onde toma parte no ciclo do ácido cítrico. Nas células dos mamíferos, a mitocôndria também realiza β-oxidação, com a vantagem de que os produtos dessas reações são utilizados na cadeia respiratória e no ciclo do ácido cítrico, isto é, em última instância, produzem ATP. Em contrapartida, as células vegetais e os fungos são completamente dependentes dos peroxissomos para essas reações.

aula_30.indd 15415/7/2004, 17:05:18

CEDERJ155

30 MÓDULO 5

Figura 30.3: Naβ-oxidação, os carbonos são removidos em grupos de dois da cadeia de hidrocarbonetos, dando origem à acetil-coenzima A.

ABAINHADEMIELINAque reveste os neurônios (veja o box) é rica em um tipo de fosfolipídeo chamado plasmalogênio. As primeiras etapas da síntese dessas moléculas ocorre nos peroxissomos. Isso explica por que muitas anomalias que afetam os peroxissomos resultam em doenças neurológicas.

O sistema nervoso dos animais é formado pelos neurônios, células capazes de captar e transmitir sinais para outros neurônios ou para as chamadas células efetoras (músculos e glândulas, por exemplo). As mensagens nervosas caminham longas distâncias entre o local onde são recebidas e o local onde serão repassadas. Para que esse sinal viaje com rapidez e segurança, isto é, para que não perca sua intensidade e não seja repassado a células às quais não está direcionado, os neurônios são envolvidos pelas células de Schwan. Estas se enrolam em torno do neurônio, formando camadas e mais camadas de membranas ricas em fosfolipídeos: a bainha de mielina (Figura 30.4), que atua como uma fi ta isolante, impedindo que ocorra um curto circuito entre neurônios que estejam muito próximos. Observe a fi gura a seguir e, caso persistam dúvidas, volte à aula de transporte ativo. Estudaremos mais sobre essa associação em Biologia Celular I.

Figura 30.4: A célula de Schwan forma um verdadeiro "rocambole" de membranas em torno do axônio do neurônio.

aula_30.indd 15515/7/2004, 17:05:21

Biologia Celular I | Peroxissomos

CEDERJ156

A utilização dos ácidos graxos armazenados nas sementes em germinação também depende da atuação dos peroxissomos na sua conversão a açúcares que são utilizados nas primeiras etapas do desenvolvimento da planta. Essas reações são conhecidas como ciclo do glioxilato, o que levou esses peroxissomos a serem batizados de glioxissomas(Figura 30.5). As células animais, em contrapartida, são incapazes de converter ácidos graxos em carboidratos.

Na Aula 29, você também viu (Figura 29.1) que o glicolato produzido no cloroplasto durante a fotorrespiração passa para o peroxissomo, onde é convertido em glicina, e daí para a mitocôndria, onde são produzidos CO2 e serina. Voltando ao peroxissomo, a serina dá origem à glicina, que volta fi nalmente ao cloroplasto na forma de glicerato. Um conjunto de reações complexo e metabolicamente inútil,

Além da denominação genérica de microcorpos, fazem parte dessa família de organelas os peroxissomos propriamente ditos (que contêm catalase), os glioxissomos das sementes e os glicossomos. Este último é uma organela encontrada exclusivamente nos protozoários da família dos tripanosomatídeos (Figura 30.6).

Figura 30.5: Nas sementes de vegetais, os glioxissomos contêm enzimas capazes de quebrar os lipídeos armazenados na semente e garantir as primeiras etapas de desenvolvimento do vegetal. [de WP Wergin, PJ Gruber & EH Newcomb, J. Ultrastruct. Res. 30 (1970)] aula_30.indd 15615/7/2004, 17:05:24

CEDERJ157

30 MÓDULO 5

Esses protozoários são todos parasitas e muitos são agentes de doenças das quais você certamente já ouviu falar: a doença de Chagas, a leishmaniose e a DOENÇADOSONO.

Os glicossomos receberam este nome por concentrarem numa organela nove das enzimas da via glicolítica, geralmente encontradas no citoplasma nas outras células eucarióticas. Essa organela permite que os parasitas utilizem a via glicolítica com grande efi ciência, o que compensa o baixo rendimento energético dessa via anaeróbia.

Por que DOENÇA DO SONO?

Na tripanosomíase africana, ou doença do sono, os parasitas Trypanosoma gambiense ou T. rodhesiense se instalam no sangue do hospedeiro humano eroubam glicose diretamente do sangue dele. Como a via preferencialmente executada por esses protozoários para produção de energia é a glicolítica, a baixa de glicose no sangue do hospedeiro resulta na fraqueza e sonolência que dão nome à doença.

Os peroxissomos são capazes de reações diferentes daquelas executadas pelas mitocôndrias ou cloroplastos. Assim, seguem sendo organelas essenciais, e mutações que afetem a correta síntese ou importação de proteínas peroxissomais resultam em graves anomalias para o organismo afetado.

As proteínas peroxissomais são sintetizadas em ribossomos livres no citoplasma e, mediante uma seqüência de endereçamento específi ca, direcionadas para um peroxissomo preexistente que cresce e se divide (Figura 30.7).

Figura 30.6: Os glicossomas são organelas exclusivas dos tripanosomatídeos que contém enzimas da via glicolítica. Em (a) vemos um micrografi a eletrônica de Phytomonas davidi onde estão assinalados os glicossomas (g), a mitocôndria (M), o núcleo (N), o retículo endoplasmático (ER) e o corpo multivesicular (MVB). Em (b) vemos alguns glicossomas em grande aumento. São envoltos por uma membrana e seu conteúdo tem uma densidade semelhante ao dos peroxissomas de outras células. (Fotos: Márcia Attias) aula_30.indd 15715/7/2004, 17:05:27

Biologia Celular I | Peroxissomos

CEDERJ158

Figura 30.7: Acredita-se que novos peroxissomos se formam sempre a partir do crescimento e fi ssão de outros preexistentes. O crescimento depende da importação de proteínas peroxissomais produzidas no citossol e importadas pelas peroxinas.

Os detalhes do processo ainda não são bem conhecidos, mas sabe-se que essas seqüências de endereçamento são reconhecidas por proteínas do citossol que as importam para os peroxissomos. Já foram identifi cadas e classifi cadas como peroxinas mais de 20 proteínas que participam desse processo, que é movido pela hidrólise de ATP, isto é, trata-se de um transporte ativo.

Diferentemente do que acontece na importação de proteínas em mitocôndrias e cloroplastos, as proteínas peroxissomais são importadas na sua forma fi nal, já enoveladas, como também é o caso das proteínas exportadas para o núcleo. Também é curioso assinalar que a pex5 é uma peroxina que, após conduzir sua carga para dentro do peroxissomo, libera-a e volta para o citossol.

Então os peroxissomos são importantes mesmo?

Uma prova irrefutável da importância do correto funcionamento dos peroxissomos é a síndrome de Zellwegger, doença hereditária na qual a importação das proteínas peroxissomais é defeituosa, o que resulta em peroxissomos vazios. Os indivíduos que nascem com esta síndrome possuem graves anomalias em seu cérebro, fígado e rins, morrendo em pouco tempo.

aula_30.indd 15815/7/2004, 17:05:29

CEDERJ159

30MÓDULO 5 RESUMO

Os peroxissomos são organelas pertencentes a uma família, a dos microcorpos.

Os peroxissomos se caracterizam por possuírem enzimas oxidativas que dão origem a peróxido de hidrogênio e catalase, enzima que converte esse peróxido

Os peroxissomos participam na eliminação de substâncias tóxicas absorvidas pelas células, do metabolismo de síntese e degradação de lipídeos e de importantes vias metabólicas dos vegetais.

Embora não possuam DNA próprio, acredita-se que os peroxissomos surgiram como endossimbiontes das células eucariontes primitivas, onde ajudaram a neutralizar os efeitos tóxicos do acúmulo do O2 produzido pelas bactérias fotossintéticas, sendo substituídosnessa função pelas mitocôndrias.

As proteínas dos peroxissomos são sintetizadas em ribossomos livres no citossol e transportadas para a organela, já na sua forma final, pelas peroxinas. Anomalias hereditárias que afetem a síntese ou endereçamento dos peroxissomos resultam em sérias anomalias neurológicas, hepáticas e renais que comprometem a sobrevida dos indivíduos afetados.

EXERCÍCIOS 1. Por que os peroxissomos têm esse nome? 2. Quais as principais diferenças entre peroxissomos e mitocôndrias e cloroplastos? 3. Por que os peroxissomos formam uma família de organelas? 4. Quais são as principais funções dos peroxissomos? aula_30.indd 15915/7/2004, 17:05:30

Comentários