Controle de produã?ã?o em fabricaã?ã?o intermitente

Controle de produã?ã?o em fabricaã?ã?o intermitente

CONTROLE DE PRODUÇÃO EM FABRICAÇÃO INTERMITENTE

O resultado final das decisões nas áreas de planejamento de produção, Leiaute de Fábrica, Manuseio de Materiais e Controle de Estoques é que, a um dado momento, a empresa terá uma certa capacidade de Produção. Isto significa que tipos e quantidades específicas de equipamento de Produção, acessórios de maquinas, pessoal, espaço útil, equipamento de manuseio de materiais, matéria prima, e peças compradas serão disponíveis para uso na atividade de produção.

Após o estabelecimento desta capacidade, estarão entrando pedidos reais para dadas quantidades de vários produtos. Estes pedidos poderão ser produtos padronizados, ou não. No que se refere a produtos padronizados, estes terão sido produzidos para estoque, com base em uma previsão de vendas. No entanto, como os estoques destes artigos foram diminuídos, ao se satisfazer as demandas da clientela, o Almoxarifado, de fato, estará providenciando pedidos junto ao Departamento de Produção para reposição de estoque, em quantidades determinadas pelos métodos discutidos nos capítulos sobre Controles e Estoques. No que se refere aos produtos não padronizados estes não terão sido produzidos antecipadamente e, assim, o departamento de produção estará de fato recebendo pedidos para estes artigos diretamente dos clientes da empresa, e não do Almoxarifado.

Todos os pedidos recebidos pelo Departamento de Produção estipularão as datas de entrega prevista, alem das quantidades necessárias dos produtos considerados. Assim, do Departamento de Produção esperar-se-á que fabrique os produtos da empresa não só nas quantidades necessárias, mas também a tempo de satisfazer as datas de entrega previstas. Como regra, isto só poderá ser conseguido se for exercido algum controle sobre as atividades da fabrica. Este controle, que chamamos de “Controle de Produção”, envolve desenvolvimento e implantação de um plano que seja capaz de produzir os resultados desejados.

Cada plano destes requer a preparação de um cronograma de operação. Para um dado pedido, a atividade do cronograma de Produção envolvera determinar quais as operações necessárias, o tipo e quantidade de fatores de Produção que devem ser empregados e os pontos em que cada uma destas operações devera ser iniciada e completada se a data de entrega estabelecida deve ser obedecida. Após o estabelecimento do cronograma de operação, as instruções necessárias devem ser enviadas aos Departamentos de Produção. Devem ser estabelecidos, então, métodos para determinar o andamento da produção, para avaliar este andamento com relação ao cronograma existente e para fazer os ajustes dos desvios constatados.

Mas um sistema de Controle de Produção não pode fazer milagres. Se as quantidades e prazos de entregas estipulados no pedido forem irreais , no sentido de que impõem demandas impossíveis à capacidade de Produção da empresa, pouco ou nada o Departamento de Controle de Produção poderá fazer para corrigir a situação. Resumindo, o Controle de Produção e incapaz de eliminar os efeitos adversos do mau planejamento da Produção, podendo, no máximo, tentar minimiza-los. Isto não significa no entanto que um bom planejamento de produção elimine a necessidade de controle de produção. Embora tenha sido providenciada a capacidade de produção necessária deve-se tomar providencias para utiliza-la efetivamente. A não ser que isto seja feito os pedidos poderão não ser processados a tempo, mesmo que haja capacidade em excesso.

SISTEMAS BÁSICOS DE CONTROLE DE PRODUÇÃO

Nesta apresentação discutiremos dos sistemas básicos de Controle de Produção. Um deles é chamado “controle de pedido”; o outro é chamado “controle de fluxo”. O controle de pedido é adotado pelas empresas que trabalham com fabricação intermitente, enquanto que o controle de fluxo é adotado pelas empresas que trabalham com fabricação intermitente, enquanto que o controle de fluxo e adotado pelas empresas que trabalham com fabricação contínua.

A existência destes dois métodos de Controle de Produção é atribuída ao fato de que a fabricação intermitente difere da fabricação continua em certos aspectos importantes que já discutimos.

A influência destas características, nos sistemas de Controle de Produção correspondentes, tornar-se-á aparente quando dos respectivos sistemas forem descritos. Mas, mesmo neste ponto, pode-se sentir, intuitivamente, que a fabricação intermitente exigirá o método mais complexo. Se não houvesse nenhum outro motivo, isto já seria verdade, devido ao maior numero de produtos cuja fabricação deve ser controlada. Além disto, uma grande quantidade de produtos cuja fabricação deve ser controlada. Além disto, uma grande quantidade de trabalho de preparação está envolvida, cada vez que a Produção deve começar, para um dado produto, e, na fabricação intermitente, o processamento de um único produto pode ser inaugurado, digamos, 10 ou de 12 vezes por ano, comparado com, provavelmente, uma só vez para um produto que seja fabricado continuamente. Finalmente, o fato de que um dado equipamento pode ser usado para processar dezenas de produtos diferentes, na fabricação intermitente apresenta, também, dificuldades especiais. Deve-se tomar providências para uma variedade de ajustes em uma só oficina, para informar o supervisor e o operador do que deve ser feito em seguida, para colocar os materiais e os acessórios de máquina apropriados à disposição, quando necessários, quando necessários, e assim por diante. Na fabricação contínua, por outro lado, um só conjunto de instruções bastará pata manter uma oficina ativa por um tempo apreciável.

Antes de passarmos para uma descrição de controle de pedido e controle de fluxo, devemos mencionar que, em qualquer empresa, ambos ao sistemas podem existir ao mesmo tempo. Isto devido ao fato de que alguns dos produtos da empresa poderão ser fabricados intermitentemente e outros de modo contínuo. Mas, o que é mais importante, muitas empresas terão um sistema que conterá elementos tanto do controle de pedido como do controle de fluxo. A razão para tanto é que há casos em que a fabricação é, basicamente, embora não completamente, contínua. Como por exemplo, há o caso de uma fábrica de montagem de automóveis. De um modo geral, a fábrica está produzindo um único produto continuamente. A linha de montagem foi projetada especificamente para efetuar as operações necessárias, e todas as peças fluindo através da linha sofrem os mesmos processos. No entanto, nem todo automóvel que sai desta linha é igual. Alguns têm duas portas, outros têm quatro; alguns são verdes, outros são pretos; alguns têm pneus de faixa branca, outros não. Em suma, há variações no produto acabado, e alguma providência deve ser tomada para manejar estas variações. Basta dizer que o sistema de Controle de Produção que será designado para enfrentar esta situação será um misto entre controle de fluxo. Exatamente quais os elementos de cada um que estarão presentes será evidenciado após havermos considerado os respectivos sistemas.

Natureza da Apresentação. Começaremos nossa apresentação com uma discussão do controle de pedido. Como este é o mais complexo dos dois sistemas, se for considerado em primeiro lugar, os detalhes do controle de fluxo poderão ser compreendidos com menos dificuldade. Nesta apresentação de controle de pedido e, na subsequente, de controle de fluxo, descreveremos cada um dos passos em termos algo gerais. Como isto sugere, não tentaremos escrever o método específico empregado por uma dada empresa. A razão para tanto é que não há dois sistemas exatamente iguais, tanto para controle e pedido como para controle de fluxo. Na realidade, cada um é constituído de modo a refletir as características de operação e as necessidades peculiares da empresa em que será usado. Consequentemente, os processos e as formas que consideraremos são apenas aproximações daqueles que podem ser empregados em um caso específico. No entanto, as funções básicas do Controle de Produção serão como as descreveremos, mesmo que as maneiras de desempenhá-las possam variar de empresa para empresa.

Além disto, iremos nos referir ao Departamento de Controle de Produção como sendo o responsável por todos os passos no processo. Em uma dada empresa, no entanto, muitas destas responsabilidades podem ser delegadas a indivíduos que são membros de algum outro grupo. De fato, existem empresas que não tem um departamento especificamente chamado de “Controle de Produção”. Mas, enquanto a função for de Controle de Produção, falaremos dela como sendo desempenhada pelo Departamento de Controle de Produção.

ORDENS DE SERVIÇO

Na fabricação intermitente, toda a atividade de Controle de Produção é inaugurada quando o departamento é informado daquilo que deve ser produzido, suas quantidades e a data em que as quantidades estipuladas para um dado produto devem estar concluídas. Referir-nos-emos à forma pela qual todas estas informações são apresentadas como uma ordem de serviço. Realmente, as ordens de serviço podem tomar uma entre três formas. A primeira destas é um pedido de venda, a segunda uma requisição de fabricação e a terceira em programa-mestre. Discutiremos as três na ordem apresentada.

Pedidos de venda. Sabemos que produtos fabricados intermitentemente podem ser artigos não padronizados, produzidos diretamente sob encomenda dos clientes. Quando um pedido é recebido para um artigo não padronizado, uma cópia deste pedido pode ser mandada diretamente para o Departamento de Controle de Produção. No que se refere a este departamento, a informação relevante contida no pedido seria a descrição do que deve ser produzido, as quantidades necessárias e a data de entrega. Na maioria dos casos, o Departamento de Vendas estabelecerá a data de entrega consultando, primeiramente o Departamento de Controle de Produção. Quando a empresa receber consulta por parte de um cliente, o Departamento de Controle de Produção será solicitado a fazer um estudo algo geral dos fatores de Produção disponíveis e, com base no que encontrar, fornecer ao Departamento de Vendas um prazo de entrega possível. Se este não for satisfatório para o cliente, o prazo deverá ser revisto a fim de constatar uma possível adequação. Há casos no entanto, em que o Departamento de Vendas promete um prazo de entrega, independentemente do Departamento de Controle de Produção. Isto seria possível se o Departamento de Vendas tivesse algum conhecimento potencial produtivo da fábrica e, na base das experiências anteriores com pedidos similares, fosse capaz de chegar a prazos razoavelmente realísticos. Há casos, é claro em que o pessoal de Vendas promete o prazo que for necessário para fechar o negócio e, então, deixa que o Controle de Produção se preocupe com a situação. Isto pode criar problemas especiais, que consideraremos mais tarde.

De qualquer modo, quando o Departamento de Controle de Produção recebe cópia de um pedido deste tipo tem autorização para programar a Produção dos artigos e quantidades envolvidas.

Requisições para Fabricação. O pedido de venda não seria aplicável àqueles produtos fabricados para estoque. Como sabemos, de nossa discussão de controle de estoques, alguns destes artigos padronizados serão produzidos em lotes de tamanho uniforme, que será o lote econômico, enquanto que outros não. No caso dos produtos que são fabricados em lotes de tamanho uniforme, a autorização para produzir tomará forma de uma requisição de fabricação.

Para os artigos que caem nesta categoria deverá ser mantido um registro de estoque. Quando o ponto de nova encomenda, indicado para uma dada peça ou produto, é alcançado, o pessoal do Almoxarifado ou do Controle de Estoque preparará uma requisição de fabricação e enviará uma cópia ao Departamento de Controle de Produção. Esta requisição identificará o artigo e estipulará a quantidade necessária para efeito de completar o estoque. A quantidade, é claro, será igual ao lote econômico pré determinado, o qual também consta do registro de estoque.

No que concerne à data de entrega prevista, devemos lembrar que o ponto de nova encomenda será afetado pelo tempo de espera. Assim, uma estimativa da extensão deste período deveria ser obtida, junto ao Departamento de Controle de Produção, antes do estabelecimento do ponto de nova encomenda. Este prazo de entrega previsto poderá constar na requisição de fabricação ou, se não, presumiremos que o Departamento de Controle de Produção saiba para quando a entrega está prevista.

Assim, quando o Departamento de Controle de Produção recebe uma requisição de fabricação, recebe autorização para programar a Produção dos artigos solicitados na mesma e espera-se que ele providencie a entrega das quantidades estipuladas dentro de um certo período de tempo.

Programas Mestre. Como vimos em nosso estudo das regras de decisão de estoque, que todos os produtos produzidos serão fabricados em lotes uniformes. Na realidade, o tamanho do lote pode variar de pedido para pedido. Quando isto acontecer, nenhum valor fixo para quantidade a pedir e o ponto de novo pedido poderá constar do registro de estoque para o artigo em pauta e, assim, deverá ser empregada alguma outra forma que não a requisição de fabricação para autorizar a Produção destes produtos. A autorização que se utiliza é chamada “programa mestre” e é preparada como segue:

Após ter sido determinado o plano de Produção que será adotado para a fabricação destes artigos padronizados, o pessoal de controle de estoque informará devidamente o Departamento de Controle de Produção. Especificamente, identificarão os produtos que devem ser fabricados, as quantidades referentes a cada um e as datas do período considerado em que devem ser produzidos. Estas são as datas em que devem ser completadas as últimas operações necessárias, requeridas para os vários produtos. Estas instruções que chamamos de programa mestre, assumem normalmente a forma de tabela. No entanto, para nossos fins, a informação contida no programa mestre, pode ser mostrada mais facilmente de forma gráfica.

programa mestre, requisição de fabricação e pedido de venda são os meios pelos quais o Departamento de Controle de Produção pode ser notificado do que deve ser produzido, em que quantidades e quedo deve ser produzido. Em qualquer empresa, um ou mais destes três tipos de autorização de Produto estará em uso.

Comentários