Apostila Calderaria

Apostila Calderaria

Disciplina DESENHO DE CALDEIRARIA

Facilitador: László Yuri Villas Boas Micska yuri.villasboas@ig.com.br

1 PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE CHAPAS4

Apresentação, 3

1.1 Prisma RETO de secção retangular e em ângulo em uma das extremidades (Conjunto). 1.2 Cilindro reto e em ângulo em uma das extremidades (Conjunto). 1.3 Desenvolvimento lateral de um cilindro. 1.4 Planificação de cilindro com uma base(boca) não paralela, processos 1, 2 e 3. 1.5 Planificação de cilindro com duas bases(bocas) não paralelas.

2 DESENVOLVIMENTO DE TUBO C/ INTERSEÇÃO CILÍNDRICA OBLÍQUA1

2.1 Interseção perpendicular de dutos redondos com diâmetros diferentes (Conjunto). 2.2 Interseção de um cilindro por outro de diâmetro igual. 2.3 Interseção de um cilindro por outro de diâmetros diferentes.

3 DESENVOLVIMENTO DE TUBO COM INTERSEÇÃO CÔNICA OBLÍQUA14

3.1 Desenvolvimento de cone. 3.2 Interseção oblíqua de dutos redondos com diâmetros diferentes.

3 LEITURA DE DESENHOS17

4.1 Caldeiraria. 4.2 Estrutura Metálica. 4.3 Tubulação.

5 APLICAÇÃO DE SOFTWARES DE DESENHO38
6 TABELAS E NORMAS40

5.1 MicroStation. 5.2 AutoCad.

6.1 Fórmulas, Equivalência e conversões. 6.2 Normas, códigos e especificações.

Prezado aluno(a),

Esta apostila tem como objetivo, além de auxiliá-lo(a) nos estudos e incentivá-lo(a) com indicações bibliográficas e normas, ser uma base dos conhecimentos necessários à sua formação e não como fim em si mesma. Tentem fazer os desenhos e leiam os textos antes das aulas. Busquem em outras fontes, informações ou assuntos que possam ser discutidos em sala. Procure dedicar-se ao curso que você escolheu, aproveitando-se do momento que é fundamental para sua formação pessoal e profissional. Acompanhe as aulas, pesquise e estude que certamente fará diferença neste mundo competitivo.

Sucesso!

As figuras 1, 2 e 3 mostram o desenvolvimento lateral de um cilindro, que é um retângulo, cujo comprimento é igual ao diâmetro médio encontrado, multiplicado por 3,142. Em planificação de chapas, tanto em funilaria industrial como em caldeiraria, deve-se sempre usar o diâmetro médio, indicado aqui pelas letras DM. Método para se encontrar o DM. Se o diâmetro indicado no desenho for interno, acrescenta-se uma vez a espessura do material e multiplica-se por 3,142.

1º exemplo: Diâmetro indicado no desenho 120mm interno; espessura do material, 3mm

120 + 3 = 123. O número 123 é o DM encontrado e é ele que deve ser multiplicado por 3,142.

2º exemplo: O diâmetro indicado no desenho é 120mm externo: subtrai-se uma vez a espessura do material. Assim, 120 – 3 = 117. O número 117 é o DM encontrado e é ele que deve ser multiplicado por 3,142.

Obs.: Em chaparia é costume usar-se apenas o número 3,14 ao invés de 3,142. Entretanto se acrescentarmos 0,0004 (quatro décimos milésimos) ao 3,1416 obteremos o número 3,142 que dá uma melhor precisão ao diâmetro da peça que será confeccionada.

Para comprovar seguem-se dois exemplos:

PLANIFICAÇÃO DE CILINDRO COM UMA BASE (BOCA) NÃO PARALELA – PROCESSO 1

Acha-se o diâmetro médio e desenha-se inicialmente a vista de elevação (fig. 5). A seguir, traça-se o semicírculo 1-7, o qual será dividido em um número qualquer de partes iguais, 1- 2-3-4-5-6-7. A partir destes pontos serão levantadas perpendiculares que tocarão a parte inclinada do cilindro marcando-se os pontos que tocarão a parte inclinada do cilindro marcando-se os pontos 1’-2’-3’-4’-5’-6’-7’. A seguir, multiplica-se o DM por 3,142 e sobre uma reta que deverá ser traçada ao lado da fig. 5, marca-se o comprimento encontrado. Divide-se esta reta em partes iguais (exatamente o dobro das divisões feitas na fig. 5). Por estas divisões serão levantadas perpendiculares. Depois, partindo dos pontos 1’-2’-3’-4’-5’- 6’-7’ (localizados na parte inclinada do cilindro), traçam-se retas horizontais que cruzarão com as verticais levantadas anteriormente, marcando os pontos 1”-2”-3”-4”-5”-6”-7”. Finalmente, unem-se estes pontos com o auxilio de uma régua flexível.

PLANIFICAÇÃO DE CILINDRO COM UMA BASE (BOCA) NÃO PARALELA – PROCESSO 2

Como sempre, acha-se primeiro o diâmetro como foi explicado nas figuras 1, 2 e 3. A seguir, desenha-se a vista de elevação do cilindro e marca-se o ângulo de inclinação ABC. Traça-se o arco AC e divide-se em um número qualquer de partes iguais. Multiplica-se o DM por 3,142 e marca-se o comprimento encontrado 1-1 sobre uma reta qualquer. Levantam-se as perpendiculares 1-7 e 1-14. Transporta-se com o compasso o arco AC para as verticais 1-7 e 1-14, dividindo-os em partes iguais. Unem-se estas partes através das retas 1-8, 2-9, 3-10, 4-1, 5-12, 6-13, 7-14. Divide-se a reta 1-1 no mesmo número de partes iguais e levantam-se perpendiculares que cruzarão com as horizontais traçadas anteriormente. Marcam-se os pontos de cruzamento e unem-se com uma régua flexível.

PLANIFICAÇÃO DE CILINDRO COM UMA BASE (BOCA) NÃO PARALELA – PROCESSO 3

Muitas vezes, a chapa em que se está traçando a peça é pequena, sendo suficiente apenas para fazer o desenvolvimento, não tendo espaço para se traçar à vista de elevação do cilindro. Neste caso, utiliza-se o processo 3, que consiste em se traçar a vista de elevação (fig. 9) em qualquer pedaço de chapa (em separado) com todos os detalhes já indicados nas figuras anteriores. Depois se traça a linha AB na chapa em que se está traçando a peça. Dividir-se-á em partes iguais e levantam-se perpendiculares. Então, abre-se o compasso com abertura igual a 1A (fig. 9) e marca-se esta medida no desenvolvimento (fig. 8). Voltase ao perfil e pega-se a medida 2B passando-a para o desenvolvimento. Pega-se a medida 3C transportando-a também. E assim por diante, sempre marcando as medidas à esquerda e à direita da linha de centro 7G da fig 8.

Esta peça é bastante semelhante às que foram desenhadas anteriormente, com a única diferença de que tem as duas bocas inclinadas. Pelo próprio desenho desta página, verificase como é fácil a planificação. Basta que se divida o semicírculo AB em partes iguais e se levantem perpendiculares, marcando os pontos 1-2-3-4-5-6-7 e 1’-2’-3’-4’-5’-6’-7’. Levantam-se perpendiculares também na parte que será desenvolvida (fig. 1). O cruzamento das linhas horizontais que partem da fig. 10, com as verticais da fig. 1 formam as linhas de desenvolvimento EF e CD. Obs.: Esta figura também pode ser desenvolvida transportando-se as medidas com o compasso ao invés de se cruzarem as linhas.

A interseção de dois cilindros saindo a 90º um do outro, também chamada “boca de lobo”, é uma das peças mais usadas em funilaria industrial e é de fácil confecção. Basta que se trace inicialmente à vista de elevação, e se divida o arco AB (fig. 13) em partes iguais e marquem-se os pontos 1-2-3-4-5-6-7. A partir destes pontos levantam-se perpendiculares até tocar o tubo superior, marcando os pontos 1’-2’-3’-4’-5’-6’-7’. A seguir acha-se o diâmetro médio, multiplica-se por 3,142 e a medida encontrada marca-se em uma reta CD na mesma direção de AB e divide-se em partes iguais marcando-se os pontos M-N-O-P-QR-S-R-Q-P-O-N-M (fig. 12). A partir destes, levantam-se perpendiculares. Depois, partindo dos pontos 1’-2’-3’-4’ etc., traçam-se linhas horizontais que cruzarão com as verticais e levantadas anteriormente, marcando os pontos 1”-2”-3”-4”-5”-6”-7” etc. Terminando, unem-se estes pontos com uma régua flexível.

A interseção de cilindros com diâmetros diferentes, saindo a 90º um do outro é feita da mesma forma como foi explicado nas figuras 12 e 13. A única diferença é que quando os diâmetros são iguais, um tubo encaixa no outro até a metade e quando os diâmetros são diferentes isso não ocorre, como mostra a vista lateral (fig. 16) desenhada nesta página.

DESENVOLVIMENTO DE CONE Aprenda mais: Site www2.ucg.br/design/da2/solidosgeometricos.pdf

Traça-se a vista de elevação do cone (fig. 18) e em sua base o arco 1-7 o qual divide-se em partes iguais. Ao lado, com o mesmo comprimento de A7, traça-se a reta B1 de modo que cruze a linha de centro (LC) logo acima de A. Centra-se em B e com abertura igual a B1 traça-se o arco 1-1º. Abre-se o compasso igual a uma das divisões feitas no arco 1-7 e marcam-se estas divisões no arco 1-1º. Finalmente liga-se 1º a B (fig.19). Obs.: A marcação com o compasso pode causar diferença ao comprimento da peça desenvolvida, daí ser necessário sempre multiplicar o diâmetro médio da base por 3,142 para conferir o desenvolvimento.

Lembrete: Definição de cone: Cone é um sólido gerado pela rotação completa de um triângulo retângulo em torno de um dos lados do ângulo reto.

A superficie lateral planificada de um cone é um setor de uma circunferência. O raio da circunferência planificada é a geratriz do cone e o arco é a circunferência da base do cone.

Por exemplo: ===> construir um cone com raio de base igual a R e geratriz igual a G.

Trace uma circunferência de raio igual a (G) e faça um angulo de ==> (R÷G)x360 graus, com vértice no centro da circunferência.

Ex: G=20cm e R=10cm ==> (10÷20)360=180° (metade da circunferência. Este setor, assim definido, é a superfície do cone planificada.

Se vc quer construir o cone dado R da base e a altura H do cone, obterá a geratriz G construindo um triangulo retangulo de catetos R e H sendo a hipotenusa desse triangulo a geratriz G. ( e o problema recai na construção anterior).

CALDEIRARIA Exemplo 01

CALDEIRARIA Exemplo 02

- 19 - ESTRUTURAS METÁLICAS

PERFIS MAIS CONHECIDOS: Aprenda mais : Site w.comercialgerdau.com.br/

ESTRUTURA METÁLICA Planta

ESTRUTURA METALICA Detalhes

Comentários