Construção Enxuta - Processo de Construção Civil

Construção Enxuta - Processo de Construção Civil

(Parte 1 de 7)

Dissertação apresentada à Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade de Passo Fundo, para obtenção do título de Mestre em Engenharia.

Passo Fundo 2005

Juliana Kurek

Dissertação de Mestrado

Juliana Kurek

ORIENTADOR: Professor Adalberto Pandolfo, Dr.

Dissertação apresentada à Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade de Passo Fundo, para obtenção do título de Mestre em Engenharia.

Passo Fundo 2005

A Comissão Examinadora, abaixo assinada, aprova a Dissertação:

“Introdução dos princípios da filosofia de construção enxuta no processo de produção em uma construtora em Passo Fundo-RS”

Elaborada por:

Juliana Kurek

Como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia

Aprovado em: 15/04/2005 Pela Comissão Examinadora

Professor Adalberto Pandolfo, Dr. UPF – Universidade de Passo Fundo Orientador

Professor Marco Aurélio Stumpf González, Dr. UNISINOS-Universidade do Vale dos Rio do Sinos

Professor Antonio Thomé, Dr. Coord. Prog. Pós-Graduação em Engenharia

UPF – Universidade de Passo Fundo

Professor Fernando Pugliero Gonçalves, Dr. UPF – Universidade de Passo Fundo

Professor Pedro Domingo Marque Prietto, Dr. UPF – Universidade de Passo Fundo

Professora Luciana Londero Brandli, Dra. UPF – Universidade de Passo Fundo UNIJUI – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Passo Fundo 2005

Dedico este trabalho a minha mãe Jurema, aos meus irmãos Marta e Rodrigo e ao José Waldomiro por todo o amor e carinho.

Agradeço à UPF- Universidade de Passo Fundo pela bolsa de estudos que possibilitou o desenvolvimento desta dissertação.

Ao professor Adalberto Pandolfo pela orientação deste trabalho, por me proporcionar e incentivar o crescimento científico e pessoal e, também, por confiar e acreditar no meu trabalho.

Às empresas Coplan e Investplan, em especial, aos seus diretores Dr. Milton Roos e Helena Roos, que colaboraram e acreditaram em mim e por me proporcionarem experiência profissional e pessoal.

Aos colegas de empresa Arquiteta Gabriele, Engenheiro Vitor Hugo Loss, ao Gesisnei, à Ju e à Sandra, que me ajudaram muito neste período de pesquisa e coleta de dados.

Aos professores e colegas do Mestrado em Engenharia, por estes dois anos de companheirismo, em especial ao professor Alcione Becker.

À professora Luciana Brandli, ao professor Luis Airton e ao professor Marco Aurélio pelas críticas e sugestões que contribuíram para dar foco a este trabalho.

Ao José Waldomiro pela inesgotável paciência, compreensão, amor e pela pessoa maravilhosa que é.

Ao meu irmão Rodrigo que, mesmo estando tão longe, esteve sempre presente, motivando-me. À Marta por ser minha irmã querida.

Aos meus amigos pelos momentos de alegria e descontração.

E o meu especial e eterno agradecimento ao meu pai Pedro (in memória) e à minha mãe Jurema, por ser minha maior incentivadora nesta vida.

A melhoria é sempre um processo inacabado. Adaptado de Taiichi Ohno

Durante muitos anos, a indústria da construção tem desenvolvido suas atividades com base em um modelo de gerenciamento da produção, com ênfase às atividades de conversão, as quais representam atividades de processamento ou modificação da forma ou substância de um material. Esse modelo negligencia as demais atividades envolvidas, na realização de um serviço, tais como inspeção, transporte e espera. Esforços estão sendo realizados, nos últimos anos, no sentido da modernização do setor e introdução de um modelo de produção, que considera as atividades de conversão e fluxo, denominada filosofia de produção enxuta. Estas iniciativas são baseadas em pesquisas, desenvolvidos pela comunidade acadêmica, programas institucionais envolvendo entidades setoriais e governamentais e iniciativas individuais, por parte de algumas empresas de construção. Esta dissertação propõe introduzir os princípios fundamentais da construção enxuta, em uma empresa de construção, na cidade de Passo Fundo, observando a realidade regional e as oportunidades de melhorias, no processo de produção da empresa. A pesquisa foi realizada através de um estudo de caso, em uma empresa construtora, sendo dividida em três fases. Inicialmente, foi realizada uma análise exploratória, com a identificação da empresa para o estudo e observação direta no canteiro de obras e descrição dos processos. Na segunda fase, foram apresentados à empresa os princípios da construção enxuta e realizada a intervenção da obra. E, na terceira fase desta pesquisa, foram realizadas a avaliação e discussão dos resultados e uma proposta de lista de verificação, para o diagnóstico e para implantação dos princípios da construção enxuta, em empresas construtoras. Entre as principais conclusões deste estudo, pode-se destacar: que as ferramentas como o PCP, programa 5S, e a integração dos princípios da construção enxuta ao PBQP-H, proporcionam a introdução da nova filosofia de produção na construção e possibilitam a geração de melhorias da produção de obras. Também identificam, com clareza, a necessidade de ampliação das boas práticas, propostas pelos princípios lean, para as demais empresas de construção da região de Passo Fundo, possibilitando a discussão, desenvolvimento e aprendizado dos princípios e conceitos apresentados pela filosofia de construção enxuta.

Palavras-chaves: Construção Enxuta, Gerenciamento da Produção, Melhorias no Processo Construtivo.

For many decades, the construction industry has been developed based on a production management model which emphasizes conversion activities, i.e. the processing or modification in the shape or substance of the materials. This model clearly neglects all the flow activities involved in the production process, such as inspection, transport, and delay time. In the last few years, however, general efforts are being made aiming at the construction industry modernization and the implementation of a production model that considers both conversion and flow. This new approach, which has been generally called Lean Production or Lean Construction, is the result of a great deal of research work done mainly by the academic community with the cooperation of governmental and industrial institutions as well as of individual construction companies. In this context, the main objective of the present work is to introduce the basic principles of Lean Production in a construction company in the city of Passo Fundo/RS, taking into account the regional reality and the actual possibilities of intervention in the company production processes. The case study described herein was divided into three different phases. At first, an exploratory study was carried out to get basic information and set a benchmark for the analysis, which included the identification of the company, the full description of the production processes, and the direct site observation of working people. In the second phase, the principles of lean construction were presented to the company staff and the interventions in the production processes were planned and implemented. In the last phase, from the evaluation and discussion of the results, a checklist for the diagnosis and implementation of basic Lean Production principles in similar construction companies was proposed. Amongst the main conclusions drawn from the case study, it can be highlighted that management tools, as the planning and production control, and the 5S program, along with the integration of the Lean Construction principles to the Brazilian Program of Habitat Quality and Productivity (PBQP-H), provide a new standard that makes possible major improvements in the construction industry. Also, the study showed the necessity of extending the work done to other construction companies in the Passo Fundo region, so the principles of Lean Construction could be widely discussed, learned, and practiced. Keywords: Lean Construction; Production Management; Production Process Improvements.

1 INTRODUÇÃO13
1.1 Considerações iniciais13
1.2 Problema da pesquisa13
1.3 Justificativa15
1.4 Objetivos16
1.4.1 Objetivo geral16
1.4.2 Objetivos específicos16
1.5 Escopo e delimitação do trabalho17
1.6 Estrutura do trabalho17
2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA19
2.1 A Produção Enxuta: surgimento e conceitos19
2.2 A Gestão da produção na construção23
2.3 A Nova filosofia de produção para a construção27
2.3.1 Aplicação dos princípios da construção enxuta30
Enxuta37
2.4.1 Planejamento de longo prazo39
2.4.2 Planejamento de médio prazo40
2.4.3 Planejamento de curto prazo40
2.5 A organização do canteiro de obras41
3 MÉTODOS E MATERIAIS43
3.1 A classificação e a estratégia da pesquisa43
3.2 O delineamento da pesquisa4
3.2.1 Fase I: Caracterização da empresa e do canteiro de obras45
3.2.1.1 Análise documental46
3.2.1.2 Entrevistas47
3.2.1.3 Observação direta47
3.2.1.4 Descrição da empresa e seus processos47
3.2.2 Fase I: Implantação dos princípios da Construção Enxuta48
3.2.2.1 Observação participante48
3.2.2.2 Melhorias percebidas pela empresa49

2.4 O Planejamento e controle da produção como ferramenta de implantação da Construção 3.2.3 Fase I: Avaliação e discussão dos resultados............................................................50

4 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS51
4.1 Características gerais da empresa51
4.1.1 Estrutura organizacional51
4.1.2 Descrição da obra em estudo5
4.1.3 Análise do processo de gerenciamento e execução56
2.2 O novo planejamento e controle da produção na empresa56
4.3 Apresentação dos princípios da Construção Enxuta à Empresa59
4.3.1 Redução da parcela de atividades que não agregam valor60
4.3.2 Aumentar o valor do produto através das considerações dos clientes62
4.3.3 Reduzir variabilidade64
4.3.4 Redução do tempo de ciclo65
4.3.5 Simplificação pela minimização do número de passos e partes6
4.3.6 Aumento da flexibilidade na execução do produto68
4.3.7 Aumento da transparência69
4.3.8 Focar o controle no processo global72
4.3.9 Estabelecimento de melhoria contínua ao processo74
4.3.10 Equilíbrio entre melhorias nos fluxos e nas conversões76
4.3.1 Fazer benchmarking7
4.4 Avaliação das melhorias no processo de produção da empresa7
Construção Enxuta79

4.4 Proposta de lista de verificação para diagnóstico de implantação dos princípios da

princípios da Construção Enxuta80
5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES PARA TRABALHOS FUTUROS84
5.1 Conclusões84
5.2 Recomendações para trabalhos futuros85
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS87

4.4.1 O desenvolvimento da lista de verificação para diagnóstico para implantação dos

PLANEJAMENTO DE MÉDIO PRAZO E CURTO PRAZO91

ANEXO A –MODELOS DE PLANILHAS PARA ELABORAÇÃO DE ANEXO B - ROTEIRO DA ENTREVISTA DE AVALIAÇÃO COM A DIRETORIA.92

ANEXO C – LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA DIAGNÓSTICO E IMPLANTAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA...........................................................93

Figura 1 - Linha de tempo da produção19
Figura 2 - Modelo tradicional de processo26
Figura 3 - Modelo de processo na lean contruction26
Figura 4 - Delineamento da pesquisa45
Figura 5 - Estrutura organizacional da empresa52
Figura 6 - Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) da Empresa53
Figura 7 - Cronograma da obra utilizado pela empresa54
Figura 8 - O novo planejamento de longo prazo57
Figura 9 - Planejamento de médio prazo58
Figura 10 - Planejamento de curto prazo59
Figura 1 - Arranjo físico para armazenamento e fluxo de materiais no canteiro de obra60
Figura 12 - Registros do canteiro de obras antes da intervenção61
Figura 13 - Registros do canteiro de obras com implementação do layout61
Figura 14 - Trabalhador utilizando o antigo vibrador62
Figura 15 - Trabalhador utilizando o vibrador portátil62
Figura 16 - Inspeção de serviço controlado63
Figura 17 - Reuniões de planejamento da obra63
Figura 18 - Amostras padrão de areia64
Figura 19 - Gráfica de problemas por atraso das tarefas65
Figura 20 - Divisão das tarefas em pacotes de trabalho6
Figura 21- Gráfico dos PPC6
Figura 2 – Aço cortado e dobrado pelo fabricante67
Figura 23 - Pré-moldagem das vergas67
Figura 24 - Utilização das vergas pré-moldadas67
Figura 25 - Apartamentos tipo padrão68
Figura 26 - Apartamento com as solicitações de modificações do cliente69
Figura 27 - Equipe vencedora 5 S70
Figura 28 - Tapume da obra70
Figura 29 - Dispositivos visuais de comunicação71
Figura 30 - Aviso para empilhamento máximo de sacos71
Figura 31 - Tubo-fone para comunicação com o guincheiro72
Figura 32 - Itens de inspeção de materiais73
Figura 3 - Os três níveis do PCP da obra74
Figura 35 - Quadro de medição de indicadores75
Figura 36 - Mapofluxo do processo de montagem da armadura76
Quadro 1 - Produção Convencional versus Produção Enxuta29
Quadro 2 - Sugestões de aplicação dos princípios da produção enxuta31
Quadro 3 - Símbolos básicos do Diagrama de Fluxo de Dados48

LISTA DE QUADROS Quadro 4 - Símbolos empregados nos Diagramas de Fluxo e Mapofluxo...........................................49

1 INTRODUÇÃO

1.1 Considerações iniciais

O conceito de Mentalidade Enxuta ou Lean Thinking foi formulado no início da década de 90, baseado no Sistema Toyota de Produção e firmou-se como o novo paradigma de produtividade na manufatura, existindo aplicações em vários setores industriais.

O setor da construção civil tem demonstrado grande interesse neste conceito, tendo diversas empresas e pesquisadores discutido essa aplicação. É um conceito relativamente novo para o setor e uma pequena parcela de seu potencial de aplicação foi explorado até hoje (PICCHI, 2001).

Desde o trabalho pioneiro de Koskela (1992), diversos pesquisadores e empresas têm buscado interpretar os conceitos para este ambiente, bem como realizar aplicações práticas (FORMOSO, 1993; BALLARD e HOWELL, 1997; HOWEL, 1999; KOSKELA, 2000; SANTOS, 2002). Segundo Picchi (2001), a compreensão sistêmica dos conceitos e experiências desenvolvidos até o momento é um grande desafio para todos os setores, que buscam o uso da mentalidade enxuta, que é uma complexa combinação de filosofia, sistema e técnicas (ou ferramentas).

1.2 Problema da pesquisa

Durante muitos anos a construção civil tem desenvolvido suas atividades com base em um modelo de administração da produção, com ênfase nas atividades de conversão, as quais representam atividades de processamento ou modificação da forma ou substância de um material. Esse modelo negligencia as demais atividades envolvidas na realização de um serviço, como inspeção, transporte e espera, que não sejam consideradas com a devida importância (KOSKELA, 1992).

(Parte 1 de 7)

Comentários