Gerenciamento de Obras

Gerenciamento de Obras

(Parte 1 de 11)

Profa. Débora de Gois Santos 1

Aula: Planejamento, programação, acompanhamento e controle de obras.

Disciplina: Gerenciamento de Obras – 101295 Profa. Débora de Gois Santos

São Cristóvão, Sergipe Versão 3

Profa. Débora de Gois Santos 2

I. Planejamento da produção de edificações

O gerenciamento das construções é composto por planejamento, programação, acompanhamento e controle. No planejamento é definido o que fazer, em que seqüência e quando. A programação determina onde, quanto fazer e com que recursos. O acompanhamento trata da execução propriamente dita e o controle é utilizado para conferir contra um padrão e verificar ou não a ocorrência de desvios a serem corrigidos, preferencialmente durante a execução do empreendimento.

1) Definição

Planejamento pode ser definido como “um futuro desejado e osmeios eficazes para alcançá-lo”. Ou seja, trata de documentar o que foi decidido para todo o empreendimento, de modo a permitir a tomada de decisão apropriada para cada situação. É uma representação devido à capacidade limitada da memória humana e da incerteza envolvida nos processos. Deve ser feito principalmente quando executamos tarefas nunca antes realizadas. Além disso, as incertezas envolvidas na construção de um empreendimento são muitas e devem ser evitadas ou contornadas para evitar interrupções constantes na construção do empreendimento. É sabido que alterações ou interrupções levam ao aumento de prazo e ao acréscimo de custo.

Ainda, segundo Formoso (1991), planejamento é “o processo de tomada de decisão que envolve o estabelecimento de metas e dos procedimentos necessários para atingí-las, sendo efetivo quando seguido de um controle”.

2) Dimensões

As dimensões do planejamento são: a) Horizontal – etapas pelas quais o processo de planejamento e controle é realizado.

b) Vertical – como essas etapas são vinculadas entre os diferentes níveis gerenciais de uma organização.

a) Horizontal

A figura 01 apresenta as várias etapas do planejamento horizontal. Compreende as etapas de preparação do processo de planejamento (I), coleta de informações (I), preparação de planos (I), difusão da informação (IV), avaliação do processo de planejamento (V) e ação (VI). As etapas (I) e (V) ocorrem somente quando do lançamento de novos empreendimentos.

O planejamento deve ser elaborado por profissional que acompanhe a execução do edifício. Suas funções são: estar de acordo com os planos formais; se retroalimentar com as informações de canteiro; integrar os diferentes níveis de decisão do planejamento.

Profa. Débora de Gois Santos 3

Figura 01: Etapas da dimensão horizontal do planejamento.

Onde:

(I) Preparação do processo de planejamento- são decisões relativas ao horizonte e ao nível de detalhes do planejamento, freqüência de replanejamento, grau de controle a ser efetuado.

O horizonte é o intervalo de tempo entre a preparação do plano e a realização da ação para as metas fixadas no plano.

Compreende: como os planos serão utilizados; grau de detalhamento; técnicas mais apropriadas para a construção; decomposição da obra em subsistemas (estabelecimento de hierarquias, de acordo com o tipo da obra e o grau de controle determinado pela empresa); e divisão dos subsistemas em pacotes de trabalho.

Os subsistemas (ex: alvenaria – marcação, elevação, encunhamento) são divididos em pacotes de trabalho. Pacote de trabalho nada mais é do que um conjunto de tarefas similares a serem realizadas em uma área definida, usando informações de projeto, materiais, mão-de-obra e equipamentos e relacionadas a pré-requisitos.

(I) Coleta de informações - inclue contratos, plantas, especificações técnicas, descrição de condições de canteiro e ambientais, tecnologia a ser utilizada, viabilidade de terceirização ou não de processos, índices de produtividade, dados de equipamentos e metas estabelecidas pela alta gerência.

Durante a construção compreende os recursos consumidos e as metas alcançadas. O objetivo é a redução da incerteza. Normalmente ela não é considerada.

(I) Preparação de planos - é a etapa que recebe maior atenção. Alguns profissionais utilizam nesta fase a técnica PERT/CPM, mas estes representam apenas 9% do total.

As desvantagens são: necessidade de especialistas para gerar o plano; problemas com variabilidade das durações; dificuldade de assegurar continuidade das operações em canteiro (restrição de recursos); complexidade da rede; e dificuldade de se explicar as atividades de fluxo.

As vantagens são: determinar a lógica de construção do empreendimento e auxiliar no estabelecimento dos recursos necessários.

Pode-se utilizar a técnica de linha de balanço. A técnica deve ser hierarquizada para a disponibilização e alocação de recursos no canteiro.

(IV) A difusão da informação apresenta problemas como – algumas pessoas podem impor obstáculos à implementação; existem muitas informações em

Profa. Débora de Gois Santos 4 formato inadequado; dois sistemas de informação paralelos – tático (sistema formal feito no escritório) e operacional (informal, no curto prazo, com decisões para a execução).

No tático os planos são mais detalhados, usados para realização de estudos de viabilidade e instrumento de contratação. No operacional, a gerência operacional da obra usa os planos do nível tático como referência para suas decisões no curto prazo.

(V) Avaliação do processo de planejamento - ocorre no término da construção ou quando há mudança das metas estabelecidas nos planos.

(VI) Ação – nele o progresso da produção é controlado e monitorado e as informações são usadas para atualizar os planos e preparar relatórios sobre o desempenho da produção. Situações inesperadas ocorrem quando o plano já está em fase de execução.

c) Vertical

O planejamento é realizado em todos os níveis gerenciais da organização. Por causa da incerteza no processo construtivo, os planos são detalhados em cada nível com o grau apropriado, que varia com o horizonte de planejamento.

Os níveis são:

- Estratégico – define o escopo e as metas. Decisões de questões de longo prazo, vinculadas às etapas iniciais do processo de projeto.

- Tático – enumera os meios e as limitações para alcançar as metas, identificar os recursos, estrutura o trabalho, faz o recrutamento e treinamento de pessoal. O horizonte é de longo ou médio prazo.

- Operacional – nele é feita à seleção do curso das ações através das quais as metas são alcançadas. Corresponde às decisões a serem tomadas no curto prazo.

O horizonte de planejamento considera as incertezas e o grau de detalhamento dos planos. O planejamento tático, em termos de horizonte de tempo, compreende o planejamento delongo e médio prazo. Já o operacional é o de curto prazo. Assim:

- Planejamento de longo prazo – tem baixo grau de detalhamento e é chamado de plano mestre. É usado para facilitar a identificação dos objetivos do empreendimento. Descreve o trabalho a ser executado através de metas gerais. Destina-se à alta gerência, para informá-la e para estabelecer contratos.

- Planejamento de médio prazo – vincula as metas do plano mestre com o curto prazo. É um planejamento móvel (lookahead planning), sendo essencial para a melhoria do plano de curto prazo, para a redução de custos e durações. Ele considera: análise de fluxo, especificação de métodos construtivos, identificação de recursos necessários à execução, quantificação de recursos disponíveis em canteiro e restrições relacionadas ao desenvolvimento dos trabalhos.

Possibilita que trabalhos interdependentes sejam agrupados e ajusta os recursos disponíveis do fluxo do trabalho.

O lookahead planning tem um horizonte de 4 semanas planejadas, começando a contar a partir da segunda semana, uma vez que a primeira semana refere-se ao curto prazo. Ele determina que atividades devem ser concluídas no plano de médio prazo. Busca identificar e remover as restrições que impedem o fluxo contínuo do trabalho, conforme figura 02.

Profa. Débora de Gois Santos 5

Obra: Engenheiro: Mestre: Data: folha: 01

Equipe:
Serviço 1
Serviço 2
Serviço 3

Atividades S T Q Q S S T Q Q S S T Q Q S S T Q Q S Necessidades Figura 02: Planejamento e programação, extraído de Bernardes (2001).

- Planejamento de curto prazo – tem a função de proteger a produção contra os efeitos da incerteza. Trata de um plano com análise de cumprimento dos requisitos e das razões para que as tarefas planejadas não sejam cumpridas.

A incerteza de execução de uma atividade aumenta com o aumento do horizonte necessário para a implementação do plano.

(Parte 1 de 11)

Comentários