Gregório de Matos "Discreta e formosíssima Maria"

Gregório de Matos "Discreta e formosíssima Maria"

Análise estilística do poema “Discreta e formosíssima Maria”

Gregório de Matos

Gregório de Matos Guerra nasceu em 20 de dezembro de 1636 cidade de salvador. Por conta das dificuldades que a cidade vinha passando, Gregório de Matos foi obrigado a continuar seus estudos em Lisboa aos 14 anos. Dois anos depois ingressou na Universidade de Coimbra, onde se formou em 1661 aos 25 anos no curso de Direito. O autor mais expressivo do barroco faleceu aos 59 anos de idade no Recife.

Graças a linguagem maliciosa e ferina com que criticava pessoas e instituições da época (não dispensava palavras de baixo calão), recebeu o apelido de Boca de Inferno, tendo que se exilar-se por algum tempo em Angola, perseguido pelo filho do governador Antônio da Câmara Coutinho o qual era vítima constante das sátiras. Suas Obras geralmente dividem-se em poesia lírico-amoroso, poesia religiosa e poesia satírica.

Com exceção de Gregório de Matos, nenhum outro escritor se destacou no Barroco brasileiro. O padre Antônio Vieira, embora tenha escrito boa parte de sua obra no Brasil, pertence mais à literatura portuguesa do que à nossa.

Gregório de Matos constrói seus poemas baseados nas principais idéias barrocas. As principais características barrocas são: culto do contraste, consciência da transitoriedade da vida, gosto pela grandiosidade frases interrogativas, cultismo e conceptismo.

Agora nos detendo a análise do Poema “Discreta e formosíssima Maria”:

Discreta, e formosíssima Maria,Enquanto estamos vendo a qualquer horaEm tuas faces a rosada Aurora,Em teus olhos, e boca o Sol, e o dia:Enquanto com gentil descortesiaO ar, que fresco Adônis te namora,Te espalha a rica trança voadora,Quando vem passear-te pela fria:Goza, goza da flor da mocidade,Que o tempo trota a toda ligeireza,E imprime em toda a flor sua pisada.Oh, não aguardes, que a madura idadeTe converta em flor, essa belezaEm terra, em cinza, em pó, em sobra, em nada.(Gregório de Matos)

O poema está estruturado em soneto composto por 14 versos distribuídos em 4 estrofes , sendo os dois primeiros quartetos e os dois últimos são tercetos. As rimas estão distribuídas da seguinte forma 1º quarteto ABBA, 2º quarteto ABCA, 1º terceto DEF e o ultimo terceto DEF, é rico em metrificação.

Neste soneto dedicado a sua esposa Maria percebemos o dualismo (característica do Barroco) entre a juventude e a velhice, observe o verso 3 da 1º estrofe verso que exprime a beleza da juventude, enquanto que no verso 1ao 3 da última estrofe o autor fala que a madura idade ou velhice leva a formosura da juventude. Observemos ainda o 2 verso da 2 quarteto na qual Gregório de Matos coloca Adônis, o deus grego da agricultura e vegetação para expressar e realçar a juventude de sua esposa. Com isso o autor reforça que enquanto possui juventude a mulher pode despertar paixões até nos deuses, mas quando chega a madura idade tudo se perde, tudo se torna em nada.

O soneto também ressalta muito a questão da brevidade da juventude, que esta passa rapidamente e por isso deve ser aproveitada antes que se vá, pois o autor tem consciência que o tempo tudo consome tudo leva consigo, conduzindo inevitavelmente à morte, todo poema á marcado pela idéia da efemeridade da vida, mas tomaremos como base o 1º terceto para exemplificar a transitoriedade da vida.

“Goza, goza da flor da mocidade,Que o tempo trota a toda ligeireza,E imprime em toda a flor sua pisada.”

Observa que o autor utiliza os verbos no modo imperativo como forma de advertência, “aproveita a mocidade porque ela passa o tempo não espera e ainda deixa marcas profundas.”

Vejamos um trecho de outro poema de Gregório de Matos no qual é latente a questão da transitoriedade da vida:

“Nasce o sol, e não dura mais que um dia,

Depois da luz, se segue a noite escura,

Em tristes sombras morre a formosura,

Em continuas tristezas a alegria.”

É evidente o dualismo o contraste enfim traços característicos do barroco assim como no poema “ Discreta e formosíssima Maria”.

Podemos incluir este soneto de Gregório de Matos na tendência conceptista e cultista do barroco. Ou seja, Gregório de Matos exagera no uso de raciocínio engenhosos fazendo um jogo intelectual de paradoxos e sutilezas lógicas, essa é a tendência conceptista, vejamos um exemplo deste artifício no soneto.

“Enquanto com gentil descortesia”

Observe neste verso que Gregório de Matos utiliza o oxímoro fazendo uma combinação de palavras incoerentes com objetivo de promover a ambigüidade. Já no que concerne ao cultismo, ou seja, no exagero da dimensão sensorial o autor utiliza-se de vários tipos de figuras de linguagem tornando o texto mais estilístico.

No 1º quarteto a partir dos 2 verso por exemplo temos um exemplo de assonância, a repetição de vogais no inicio de cada verso. No 2º quarteto a partir do 1º verso há oximoro o qual já foi citado anteriormente. Ainda no segundo quarteto verso dois temos o uso da personificação atribuição de características, sentimentos e atitudes a animais, vegetais ou seres inanimados, no caso do verso “O ar que fresco Adônis te namora”, Gregório de Matos personifica o ar na figura do deus grego da agricultura e vegetação, do mesmo modo que Adônis expressa também a juventude de Maria.

Ainda no 1º quarteto temos o exemplo de sinestesia ( fusão dos sentimentos humanos numa só impressão) “Em tuas faces a rosa Aurora em teus olhos e boca, o sol e o dia”.

No 1º terceto temos a metáfora(substituição do significado de uma palavra) “que o tempo trata a toda ligeireza e imprime em toda flor sua pisada...”

O tempo cuida de que as coisas mudem repentinamente e deixa marcas com sua passagem (verso três do 2º terceto). O poeta ainda singulariza a flor comparando -a com Maria.

As metáforas utilizadas no 1º terceto traz o ideal do “Carpe Diem” horaciano tão comum aos poetas barrocos “goza, goza da flor da mocidade”. Ainda neste terceto temos o uso da aliteração na repetição da consoante “t” tempo trata, toda. No último terceto temos três tipos de figuras de linguagem no 1º verso, por exemplo, temos o uso da apóstrofe, ou seja, exclamação que interrompe o fluxo poético ou narrativo, dirigida a uma pessoa, coisa real ou fictícia. “o não aguardes...” A metáfora mais uma vez é utilizada no 2º verso do ultimo terceto, o autor faz menção da juventude metaforizando com o vocábulo flor. E no último verso temos um exemplo de amplificação (o desdobramento de uma palavra ou de uma idéia, desenvolvendo todos os seus aspectos. As técnicas utilizadas para a amplificação são a enumeração e a gradação). No caso do poema temos o exemplo de gradação no ultimo verso do último terceto veja “Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada”. Perceba que os elementos estão organizados numa ordem decrescente que é a característica da gradação.

Dessa forma Gregório de Matos constituiu o mais importante poeta brasileiro do Barroco e um dos exemplos mais expressivos do comportamento da época. Ele contrapõe assim a idéia de que o barroco não pode ser considerado arte, mas expressão de uma sociedade retrógada como afirmou Diogo Mairnadi no texto Santos Ridículos.

Gregório de Matos e o sujeito lírico e influências na sua obra.

No soneto “À sua mulher antes de casar”o sujeito lírico se coloca como alguém consciente da efemeridade da vida, que tudo passa tudo se transforma em nada com o tempo.

O eu-liríco apresentado no texto se vê diante de uma situação inevitável o fim da juventude o fim da beleza. Entretanto não demonstra tristeza nem melancolia diante de tal fato, muito pelo contrário o sujeito lírico ciente da condição humana, fragilidade e mortalidade, incita que a mulher a quem se dirige o poema aproveite os primeiros anos e não despreze a mocidade que é breve e efêmera. Para tanto o autor utiliza-se das figuras de linguagem, do dualismo barroco juventude-velhice, dos ideais conceptista e cultista.

No que diz respeito à influência sofrida na composição de suas obras temos os escritores espanhóis D. Luiz Góngora o maior representante do cultismo e D. Francisco de Quevedo o mais representativo e influente autor do estilo conceptista, graças as influências desses autores espanhóis que Gregório de Matos se tornou o poeta barroco de maior destaque na literatura brasileira. Entretanto há autores como Emília Carrila e Sílvio Júlio que criticam as obras de Gregório, entre os mais contundentes críticos da obra de Gregório de Matos temos Silvio Júlio que teve a facilitar- lhe a tarefa a familiaridade na convivência com autores espanhóis e latinos americanos em geral, cujas literaturas pesquisaram e ensinou, busca eliminar, de saída, o argumento-muito freqüente entre os admiradores de Gregório de Matos segundo o qual a autoria controversa beneficia a imagem do poeta baiano.

Sílvio Júlio apresenta “como claramente plagiado por Luís de Gôngora três sonetos deste último, dois dos quais teriam sido astuciosamente fundidos para disfarçar o processo de apropriação: aos quartetos do soneto “Ilustre e Hermosíssima”, Gregório teria acrescentado os tercetos do soneto gongórico” Mientras por competer com tu cabello”. Veja em seguida os dois quartetos do soneto de Gôngora “ Ilustre e Hermosíssima Maria”, verso, aliás, que o autor das soledades que de acordo com Silvio Júlio copio por completo da Ecloga III de Gracilaso de la veja”:

Ilustre e hermosíssima Maria

Mientras se dejan ver a cualquer hora

En tus mejellas la rosada aurora

Febo en tus ojos, y en tu frente el dia

Mientras con gentil descortesia

Mireve ele viento la hebra voladora

Que la Arabia en sus venas atesora

Y el rico tajo en sus arenas cria (...)

Agora veja a transcrição dos tercetos do outro soneto “Mientras por competer com tu cabello com o qual Gregório realizou a fusão:

(...) Goza Cuello, cabelo, lábio y frente antes que lo que fué en tu donda oro, lírico, clave, cristal, luciente,

No solo em plata o viola troncada se vuelva, mas tu y ello juntamente

En tierra, en humo, en polvo, em sombra, em nada.

Digamos, de passagem, que o último verso dos tercetos acima dos mais famosos de toda a literatura espanhola foi largamente definido e imitado nos séculos XVIII não só na Espanha como em Portugal e Brasil, Júlio afirma que Gregório de Matos, “após a aplicação das duas quadras do primeiro, tomou para os dois tercetos” do segundo soneto do que resultou este outro igualmente tocado pelo tema do “carpe diem” que já citamos anteriormente. Segundo Silvio Júlio poema de nossa análise é uma cópia dos poemas de Gongora.

Quantos aos supostos plágios relativos a acusação é bem mais ampla e detalhada: Sílvio Júlio recenseou treze procedimentos imitativos na poesia de Gregório de Matos sobre os textos.Divulga, ainda, uma versão castelhana do famoso soneto “Pequei, senhor, mas não porque hei pecado”, tradicionalmente atribuído ao poeta baiano e encontrado em seus apógrafos, como sendo da autoria de Sá de Miranda, segundo informação colhida em Teófilo Braga, sem comprovação da veracidade . Vejamos o exemplo: A verdade é que Gregório de Matos não publicou em vida nenhuma edição de sua obra, o que deixa dúvidas sobre a autenticidade de muitos textos a ele atribuídos. De fato Gregório de Matos com sua poesia ora satírica, ora religiosa, ora amorosa deixou sua marca na literatura brasileira.

Referência Bibliográfica

Português, volume único: Livro do professor ( João Domingues Maia_ São Paulo, Editora Ática 2002).

Novas Palavras: Português, volume único livro do professor (Emília Amaral. Etal_ 2 edição_ São Paulo: FTD,2003).

Outros autores: Mauro Ferreira, Ricardo Leite, Severino Antônio.

Gregório de Matos “O Boca de Brasa, Gomes, João Carlos Teixeira- Petrópolis, 1985.

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia _ UESB.

Departamento de Ciências Humanas e Letras_ DCHL.

Disciplina: Literatura brasileira I.

Curso: Letras II semestre.

Docente: Anísio Assis Filho.

Discentes: Carla Valéria de Souza Sales.

Evanilda Jesus Pereira.

Análise do Poema: “ Discreta e formosíssima Maria”

(Gregório de Matos)

Campus de Jequié, 25 de novembro de 2008.

Comentários