Introdução à microeconomia

Introdução à microeconomia

4

UEA – UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

Disciplina: Introdução à Economia

Professor: Erich Paul Gustav Krüugel, MSc.

MICROECONOMIA

2 . INTRODUÇÃO À MICROECONOMIA

2.1 – Conceito

  • O estudo da microeconomia (ou teoria dos preços) abrange as inter-relações dos agentes econômicos: produtor (vendedor), consumidor (comprador) e os mecanismos de mercado e seu funcionamento, como segue:

    • Formação de preços no mercado;

    • Interação entre produtor (vendedor) e consumidor (comprador);

    • Determinação da quantidade de um produto em determinado mercado;

    • O funcionamento da oferta e da demanda;

  • Os custos incorridos e as oportunidades sacrificadas;

  • As estruturas de mercado;

Observação: Não deve ser confundida com a economia de empresas;

2.2 – Fundamentos básicos da análise microeconômica

A hipótese “coeteris paribus”

  • É uma expressão latina que quer dizer que: “tudo o mais constante”, que faz lembrar que todas as demais variáveis, salvo as que estão em observação (análise), são consideradas constantes.

  • Permite por exemplo: que o preço de um serviço se modifique, considerando que os homens que trabalham na execução da tarefa, o tempo de trabalho, e a quantidade do serviço executado permaneçam inalterados (constantes).

Exemplo:

Para efetuar a descarga de um navio, foram contratados 10 estivadores, que num período de tempo de trabalho de 8 horas descarregaram 800 sacos, ao preço unitário de R$1,00, o que resultou num valor total de R$800,00. Qual seria o valor total se o preço unitário passasse para R$1,20 ?

Observação:

Pela 1ª. Hipótse: (figura 2.2) os itens (1), (2) e (3) são variáveis constantes, enquanto o item (4) é um item em análise;

Pela 2ª. Hipótese: (respondendo a interrogação do presente exemplo), os itens (1), (2) e (3) permanecem constantes, enquanto que o item (4), por ser um item em análise tem o seu valor alterado, estabelecendo um novo valor total resultante.

  • Por meio de uma simples observação, é possível constatar que, se na 2ª. hipótese os itens constantes na coluna (1), (2) e (3) não permaneçam constantes, isso inviabilizaria totalmente a efetuação de uma comparação válida com os resultados da 1ª. hipótese. Destarte, o princípio de “coeteris paribus” permite comparar situações iguais (ou semelhantes), desde que nessa constatação se leve em consideração apenas uma variável em análise, enquanto as demais permanecem constantes.

Discriminação

Estivadores

Tempo de trabalho

Descarga

de sacos

Preço por unidade

Valor

total

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

Quantidade

horas

Quantidade

R$/ Saco

R$

1ª. Hipótese

10

8

800

1,00

800,00

2ª. Hipótese

10

8

800

1,20

960,00

Variáveis

Constantes

Em análise

Resultados

Princípio de “coeteris paribus

Havendo uma variável em análise, as demais permanecem como estão (constantes).

Figura: 2.2 – Princípio de “coeteris paribus

Preços relativos

  • Na análise microeconômica, são mais relevantes os preços relativos (comparativos com outros) do que os preços absolutos (isolados) das mercadorias;

Objetivos da empresa

  • Embora existam outras abordagens para os objetivos da empresa, a teoria tradicional ou marginalista, é a mais usada porque compõe a teoria microeconômica propriamente dita.

  • A grande questão da Microeconomia é o princípio da racionalidade, pois o empresário (marginalista), sempre busca a maximização do lucro total, enfatizando:

Com maior enfoque

Com menor enfoque

    • Receita marginal;

  • Receita média;

    • Custo marginal;

    • Custo médio;

    • Produtividade marginal.

    • Produtividade média.

2.3 – Análise Microeconômica

    • A análise microeconômica:

      • Preocupa-se em explicar como se determina o preço dos bens e serviços.

      • Não é um manual de técnicas para a tomada de decisões do dia-a-dia, mas uma ferramenta útil para estabelecer políticas e estratégias econômicas.

  • Para as empresas, o estudo da microeconômica, permite:

    • Avaliar a política de preços das empresas;

    • Elaborar a previsão de demanda e faturamento;

    • Estabelecer a previsão de custos de produção;

    • Efetuar a escolha da melhor alternativa de produção;

    • Avaliar a elaboração de projetos de investimentos;

    • Escolher a melhor política de propaganda e publicidade;

    • Definir a localização da empresa em relação aos fatores de produção e da demanda;

    • Analisar a diferenciação dos mercados.

      • Em relação à política econômica, pode contribuir para:

        • Avaliação de projetos de investimentos públicos;

        • Efeitos de impostos sobre mercados específicos;

        • Política de subsídios;

        • Fixação de preços mínimos na agricultura;

        • Controle de preços;

        • Política salarial;

        • Política de tarifas públicas (água, luz e outras);

        • Políticas de preços públicos (petróleo, aço, etc.);

        • Leis antitruste (controle de lucros de monopólios e oligopólios);

2.4 – Divisão do estudo Microeconômico

Análise da demanda

  • A teoria da demanda divide-se em: teoria do consumidor (demanda individual) e teoria da demanda de mercado.

Análise da oferta

  • A teoria da oferta divide-se em:

    • Oferta da firma individual; e

    • Oferta de mercado;

  • Na análise da oferta da firma são abordados:

    • Teoria da produção;

    • Teoria dos custos da produção.

Análise das estruturas de mercado

      • A partir da demanda e da oferta de mercado são determinados o preço e a quantidade de equilíbrio de um dado bem ou serviço;

      • As estruturas do mercado de bens e serviços, são:

        • Concorrência perfeita;

        • Concorrência imperfeita ou monopolista;

        • Monopólio;

        • Oligopólio;

        • Concorrência monopolística.

          • As estruturas do mercado de fatores de produção, são:

            • Concorrência perfeita;

            • Concorrência imperfeita;

            • Monopsônio;

            • Oligopsônio.

Questionamentos sugeridos:

  1. Conceitue o estudo da microeconomia.

  2. Explique os fundamentos básicos da análise microeconômica.

    1. A hipótese coeteris paribus.

    2. Preços relativos;

    3. Os objetivos da empresa;

3. Descreva resumidamente a divisão do estudo microeconômico.

BIBLIOGRAFIA

1. MANKIW, N.Gregory – Introdução à Economia – 2ª.Ed., São Paulo, Campus, 2001.

2. MATESCO, Virene R. & SCHENINI, Paulo H. – Economia para não-economistas – Rio de Janeiro, SENAC, 2005.

3. SOUZA, Nali de J. de (Coordenador) – Introdução à Economia – 2ª. Ed. , São Paulo, Atlas, 1997.

5. Tomaz de Aquino – Os Pensadores – São Paulo, Nova Cultural, 1996.

4. TROSTER, Roberto L. & MOCHÓN, Francisco – Introdução à Economia – São Paulo, Makron, 2002.

5. WESSELS, Walter J. – Microeconomia – Teoria e Aplicações – Sção Paulo, Saraiva, 2002.

6 . VASCONCELOS, Marco A. S. de e GARCIA, Manuel E. – Fundamentos de Economia – 2ª. Ed. São Paulo, Saraiva, 2005.

Comentários