(Parte 1 de 2)

1Aluno de graduação/UFLA 2Aluno de Pós-Graduação em Fitotecnia/UFLA 3 Professor do Departamento de Agricultura/UFLA

CULTURA DA GRAVIOLEIRA (Annona muricata)

Keize Pereira Junqueira 1 Márcio Ribeiro do Vale3

Rafael Pio2 José Darlan Ramos3

1 Importância da cultura

O Brasil vem se destacando mundialmente como um importante produtor e consumidor de frutas, especialmente as tropicais e subtropicais. Muitas frutíferas são nativas do Brasil e grande parte ainda é pouco conhecida e estudada.

A gravioleira (Annona muricata L.) é uma frutífera tropical da família Annonaceae, originária da América Central e norte da América do Sul, e destinada principalmente à indústria de sucos, abrangendo também a produção de sorvetes, doces e geléias. No Brasil, é uma fruta mais conhecida nos mercados das Regiões Norte e Nordeste, embora ultimamente seu maior pólo de produção seja a região agroeconômica de Brasília e sul da Bahia. Na família das Anonáceas, também se destacam economica- mente a pinha, ata ou fruta-do-conde (Annona squamosa), cherimólia (Annona cherimola) e atemóia (híbrido entre cherimólia e pinha).

São bastante recentes os interesses de exploração e principalmente de exportação da graviola. Entretanto, a crescente demanda e o interesse pela polpa de tal fruta, tanto por parte do consumidor como da indústria de sucos, já incluíram-na entre as frutas tropicais brasileiras de excelente valor comercial.

2 Clima e solo

A gravioleira prefere os solos com boa drenagem, profundos, com pH entre 6,0 e 6,5 e férteis naturalmente ou corrigidos.

Quanto ao clima, a gravioleira não tolera geadas e vegeta muito bem em altitudes de até 1200 metros.

Em regiões agroeconômicas no sul de Minas Gerais, são encontradas gravioleiras em quintais com boa frutificação, desde que não ocorram geadas. Temperaturas inferiores a 12ºC provocam abortamento de flores e quedas de frutinhos. Por ser uma “novidade”, ainda não há dados sobre a existência de grandes plantios comerciais de gravioleiras no sul de Minas Gerais. Entretanto, caso as devidas práticas culturais sejam adotadas, a região tende a apresentar elevado potencial para a produção da gravioleira, já que, nessas condições edafoclimáticas, as plantas florescem de outubro a abril, época em que não ocorrem temperaturas baixas.

3 Cultivares

No Brasil, são conhecidas as cultivares nordestinas, Fao (mexicana), Lisa, Morada e Blanca (cultivares colombianas e venezuelanas). Dentre essas, constatou-se, mediante pesquisas realizadas que as cultivares Morada e Lisa foram as melhores quanto à produtividade e resistência a pragas e doenças na região dos cerrados.

4 Propagação

A gravioleira pode ser propagada por sementes (péfranco), estaquia e enxertia.

Na maioria das regiões produtoras, é propagada usualmente através da via sexual, isto é, por sementes. Entretanto, essa metodologia pode originar plantas diferentes da planta-mãe, às vezes de baixa produtividade. A multiplicação via estacas ainda é um processo caro. Assim, a fim de ter uniformidade entre as plantas do pomar, muitos produtores têm utilizado a enxertia.

8 4.1 Propagação por sementes

Na formação de mudas tipo pé-franco, as sementes são extraídas de frutos maduros, lavadas e secas à sombra por 3 a 4 dias. A seguir, podem ser semeadas ou armazenadas em refrigerador doméstico (5-10ºC) por período de até 6 meses, acondicionadas em sacos plásticos.

Para regiões de elevada insolação, deve-se fazer o viveiro com meia sombra, usando tela com 50% de insolação, cobertura com ripas, varas, bambus, capim ou qualquer cobertura que propicie 50% da luminosidade.

Os recipientes utilizados são sacos plásticos com dimensões entre 15 a 18 cm de diâmetro por 25 a 30 cm de altura, os quais devem ser preenchidos com um substrato composto de terra fértil e esterco de curral curtido em proporção de 3 partes de terra para 1 de esterco de curral. A cada 1.0 litros dessa mistura, deve-se adicionar de 3 a 5 kg de superfosfato simples e 1 kg de cloreto de potássio.

tar os tratos culturais dentro do viveiro

Depois de preparado o substrato, deve-se encher os sacos plásticos e colocá-los lado a lado, formando canteiros nas dimensões de 10 x 1 m, espaçados de 0,6 m entre si para facili-

As sementes devem ser semeadas em número de 3 a 4 em cada recipiente, em profundidade de 2 a 3 cm e cobertas com o próprio substrato ou terra peneirada. Rega-se de 1 a 2 vezes por dia, de forma a deixar o substrato úmido todo o tempo, mas sem encharcar. A emergência ocorrerá após 20 a 30 dias, a depender da temperatura da época da semeadura, realizando-se posteriormente o desbaste. A muda estará pronta para ir para o campo após 18 meses, a partir da semeadura.

Durante o desenvolvimento das mudas no viveiro, podem surgir algumas pragas e doenças que devem ser combatidas preventiva e curativamente. É muito comum a ocorrência de tombamento, causado por fungos (Pythium, Rhizoctonia); antracnose na folhagem; e podridão de raízes e caule por Phytophthora (gomose). O controle pode ser feito com pulverizações semanais utilizando-se calda bordalesa ou calda sulfocálcica (1 Kg de cal + 1 Kg de cobre diluídos em 100 litros de água).

Para produzir mudas enxertadas, utiliza-se a própria

4.2 Propagação por enxertia gravioleira como porta-enxerto ou cavalo, seguindo-se os mesmos passos descritos para a formação de mudas por sementes. A semeadura é feita em sacos plásticos, dispostas em fileiras duplas no viveiro, permanecendo por mais 2 a 3 meses até o momento da enxertia. O tipo de enxertia mais utilizado é a garfagem. O melhor pegamento é obtido quando se utiliza portaenxertos ou cavalos com diâmetro de cerca de 1,5 a 2 cm na região da enxertia.

O produtor deve retirar garfos de plantas matrizes produtivas, cujos frutos tenham as características da variedade. Tais garfos devem medir aproximadamente 15 cm de comprimento, devendo ser mantidos em sacos plásticos à sombra durante o procedimento de enxertia.

Os processos de enxertia tipo garfagem mais utilizados são o de fenda cheia e à inglesa simples.

A enxertia é feita com um corte em bisel a cerca de 25 cm do colo do porta-enxerto e outro corte bisel no enxerto. Unem-se as duas partes com uma fita plástica transparente, sendo esta retirada após o pegamento da enxertia (45 a 60 dias após a realização do processo) (Figura 1).

As mudas enxertadas devem ser mantidas no viveiro por um período de 20 meses após a semeadura do porta-enxerto.

Figura 1: Etapas de enxertia tipo garfagem lateral no topo ou inglesa simples, adaptado de Pinto e Silva, 1994.

1 5 Instalação do pomar

5.1 Correção e preparo do solo

A correção deve ser feita de acordo com a análise do solo, nas camadas de 0 a 20 cm de profundidade. O pH do solo deverá ser ajustado para a faixa de 6,0 a 6,5. A fosfatagem, se necessária, deve ser feita na linha de plantio, abrangendo uma faixa de 1,5 metro de largura e, no mínimo, 20 cm de profundidade. O preparo do solo é similar ao de qualquer outra frutífera, observando-se os aspectos de conservação do solo (plantio em nível e terraço).

5.2 Espaçamento

Os espaçamentos para cultivo da gravioleira variam de região para região; os mais usuais são: 7 x 4m; 7 x 5m; 7 x 6m; 7 x 7m; 8 x 5m; 8 x 6m. Os pomares mais tecnificados têm adotado o espaçamento 7 x 4m. Há uma tendência em reduzir esse espaçamento, mediante a adoção de podas mais intensas nas plantas.

12 5.3 Cultivos intercalares

Considerando-se amplo distanciamento entre as plantas e fileiras da gravioleira, e visando reduzir os custos de implantação e formação da cultura, pode-se adotar cultivos intercalares de ciclo médio para curto como: maracujazeiro, mamoeiro, abacaxizeiro, entre outros. O tempo de duração desse consórcio dependerá do espaçamento adotado.

5.4 Coveamento

Em plantios não irrigados, as covas deverão ter dimensões de 60 x 60 x 60 cm. Se o plantio for irrigado e o solo fértil, as mudas podem ser plantadas em covas de 30 x 30 x 30 cm ou em sulcos.

5.5 Adubação das covas

Cada cova deve receber de 10 a 15 litros de esterco de gado curtido, 1200g de superfosfato simples, 200g de calcário dolomítico e 200g de cloreto de potássio. Todos devem ser bem misturados e colocados nas covas, preferencialmente 2 meses antes do plantio.

Em geral, invertem-se as camadas do solo da superfície e do fundo da cova; usa-se metade do calcário dolomítico com esterco curtido na parte inferior, e a outra metade com adubo mineral, na porção superior da cova (Figura 2).

Figura 2: Abertura e preparo de cova para plantio de gravioleira.

5.6 Plantio

Deve ser feito no inicio das chuvas se o sistema não for irrigado. Sob irrigação, o melhor período para o plantio é de agosto a outubro, para a Região Sudeste.

Por ocasião do plantio, as mudas deverão apresentar pelo menos 40 cm em altura e bom estado fitossanitário.

14 6 Tratos culturais

6.1 Poda

Quando as mudas atingirem 60 cm em altura, elas devem ter seu broto terminal cortado. Isso deve ser feito para evitar que elas cresçam muito em altura e a colheita seja dificultada.

Após o corte do broto terminal, o produtor deve deixar 3 a 4 brotos laterais mais vigorosos nos últimos 20 cm da haste principal, responsáveis pela formação da copa. Outras podas devem ser feitas no sentido de evitar que a planta cresça na vertical.

Recomenda-se ainda a poda de limpeza e raleio. A poda de limpeza consiste em retirar todos os ramos secos e indesejáveis, anualmente, no período pouco antes das chuvas. A poda de raleio consiste em abrir a copa para permitir a entrada de luz em seu interior. Isso é necessário porque, para florescer, os ramos internos da copa precisam receber a luz solar, pois de contrário as plantas ficam muito vigorosas e não frutificam. Esse tipo de poda é feito pela eliminação de alguns galhos centrais e, se necessário, de alguns galhos laterais. Pincelar com pasta bordalesa todos os locais podados.

15 6.2 Adubação de formação e de manutenção

A adubação deve ser realizada no período das chuvas. Até o terceiro ano de idade, deve ser feita na base de 1 Kg de adubo por ano, dividido em até 8 vezes/ano. As opções de formulados são:10 - 15 – 15, 10 - 13 - 15 ou 10 - 10 – 10.

Outra alternativa é fazer uma mistura à base de 3 sacos de sulfato de amônio + 1 saco de cloreto de potássio, e aplicar, por planta, de 60 a 120 g dessa mistura a cada 45 dias. Se o plantio não for irrigado, as adubações devem ser iniciadas no começo das chuvas, porém em doses maiores.

A partir do quarto ano de idade, a quantidade de adubo aplicada deve ser de 4 Kg por planta, divididos em até 8 vezes. No período de junho a agosto, não se recomendam adubações, pelo fato de a gravioleira reduzir ou paralisar sua atividade metabólica em função do frio. A análise de solo anualmente poderá fornecer subsídios para o esquema de adubação.

6.3 Controle de plantas daninhas

Em plantas ainda pequenas, o controle das plantas daninhas deve ser feito coroando-se as mudas com enxadas ou utilizando-se herbicidas com o uso do protetor de derivas, como o "chapéu-de-napoleão" ou bacia de plástico. A bacia de plástico ainda é o melhor protetor de deriva, pois ela gira quando toca em algum obstáculo. Nesse caso, basta fazer um furo ou orifício bem no centro do fundo de uma bacia de plástico com 40 cm em diâmetro, onde será inserido o bico do pulverizador costal.

Nas entrelinhas, recomenda-se o uso de herbicidas.

Quando se fizer uso desses, o produtor deve tomar cuidado para não atingir as folhas. Os herbicidas utilizados podem ser a base de glifosate, paraquat e diquat.

7 Polinização

A polinização manual da gravioleira é uma condição indispensável para aumento da produtividade e da qualidade do fruto. Por meio de pesquisas realizadas, constataram-se acréscimos superiores a 60% no índice de pegamento de frutos em plantas polinizadas artificialmente.

Nas flores da gravioleira, observa-se o fenômeno da protogenia, isto é, a maturação dos órgãos femininos e masculinos nas flores não ocorrem simultaneamente, mas em dias distintos, ou seja, em um botão floral recém-aberto, a parte feminina (estigma) encontra-se receptiva, mas a parte masculina (anteras com os grãos de pólen) ainda não está viável. No dia seguinte ou após 1 a 2 dias, ocorre uma inversão nas partes reprodutivas, ou seja, a parte feminina não estará mais receptiva, enquanto as anteras estarão liberando grãos de pólen para polinizar estigmas de outras flores que se encontram no estádio feminino.

Para realização da polinização artificial (manual com pincel), segue-se o seguinte método: deve-se coletar botões florais no estádio feminino ao final das tardes, deixando-os em local arejado até o dia seguinte pela manhã, quando a parte masculina (anteras) já estará se abrindo e liberando os grãos de pólen, que poderão ser transferidos (polinização). A polinização manual deve ser feita com auxílio de um pincel. Cada flor poderá render pólen para polinizar 5 a 6 outras flores. O período de melhor resultado da polinização é das 6 às 10 horas da manhã, quando as flores estiverem semi-abertas.

8 Principais pragas a) Broca-do-coleto (Heilipus catagraphus):

É um besouro do tipo caruncho ou gorgulho, preto, com duas faixas laterais brancas de aproximadamente 2 cm de comprimento. Ataca preferencialmente a região do coleto de plantas adultas, fazendo várias galerias e provocando, inicialmente, amarelecimento unilateral e, posteriormente, tombamento e morte das plantas. Essa praga ainda não foi observada em plantios irrigados.

b) Broca-do-tronco (Cratosomus bombina bombina):

É um besouro que ataca os ramos, galhos e o tronco da gravioleira. Primeiramente, provoca exsudações escuras, como um escorrimento preto, que ocorre nos ramos mais novos, nos quais são observados pequenos furos. Aos poucos, a praga vai abrindo galerias em direção ao tronco e aos galhos mais grossos; os furos vão se tornando cada vez maiores e os sinais mais perceptíveis. Nas plantas jovens, a praga deposita os ovos nos ramos mais novos e nas intersecções dos ramos mais grossos, também provocando o aparecimento de manchas escuras.

c) Broca-da-semente (Bephrateloides masculicollis):

Quando adulta, é uma vespinha semelhante a um marimbondo, de cor escura e com manchas amarelas nas laterais. Possui asas transparentes com uma listra preta transversal e cerca de 0,6 cm de comprimento. Seus ovos são depositados sobre os frutos e, ao nascerem, as larvas entram na polpa e se instalam no interior da semente, completando ali seu ciclo de vida. Assim, quando saem do fruto, deixam orifícios na semente, polpa e casca.

d) Broca-do-fruto (Cerconota anonella):

Quando adulto, o inseto é uma mariposa de coloração branco-acinzentada com reflexos prateados. Possui cerca de 2,5 cm de envergadura e hábito noturno. É a praga de maior importância na região dos cerrados e a de mais difícil controle.

Os ovos são depositados na casca e, ao nascerem, as larvas entram na polpa, onde podem empupar e completar seu ciclo. As larvas desenvolvidas medem em torno de 2 cm de comprimento e têm coloração variando de marrom ao verde-pardo. No fruto, aparecem manchas escuras com galerias. O ataque aos frutos pequenos provoca, geralmente, a queda dos mesmos.

e) Lagarta-das-folhas (Gonodonta spp., Cocitius anteus e

Pseudodirphia sp.):

(Parte 1 de 2)

Comentários