fichamento de transcriçao

fichamento de transcriçao

FACULDADES DE EDUCAÇAO FÍSICA MONTENEGRO

FICHAMENTO DE TRANSCRIÇÃO

IBICARAÍ-BA

2010

FACULDADES DE EDUCAÇAO FÍSICA MONTENEGRO

Trabalho a ser entre a professora Fabiana Cauark da disciplina Elaboração de Projetos em Educação Física, pela graduanda Nájala Matos do 8º semestre do curso de Educação Física.

IBICARAÍ-BA

2010

Fichamento de transcrição

Referencia bibliográfica

Taffarel, Celi Zulke. Problemáticas e Reivindicações da Educação Física & Esporte e Lazer No Brasil. 2004. 19 p.

Local: auditório Alceu Amoroso Lima

Eis posicionamentos importantes, citado pela autora, sobre as questões problemáticas, difíceis que atualmente os trabalhadores vêm enfrentando no campo da política pública para a educação física e esporte e lazer, assuntos que envolvem a sociedade e a política pública do país, no governo Lula, onde serão abordados vários temas que abrangem a Educação Física na sua vasta aérea de conhecimento, assim deixa claros seus argumentos esclarecendo que tem o objetivo de defender a causa e debater as temáticas que envolvem as políticas públicas principalmente o espaço da Educação Física:

“Não existe no Brasil, evidencias de uma Política Publica Integral, para fomento e desenvolvimento das atividades físicas & esportivas nos seus diferentes âmbitos de manifestação social - educação, saúde, lazer, treino, informação -, o que indica a necessidade do desenvolvimento de uma macrovisão integrada, da relevância e importância social de uma das dimensões significativa da vida no mundo contemporâneo, que são as atividades do âmbito da Cultura Corporal & Esportiva”. (p.04)

“O Desenvolvimento Cientifico & Tecnológico da Educação Física & Esporte está limitado devido a existência de estruturas de poder, burocratizadas, hierarquizadas, anacrônicas a atrasadas em termos de gerenciamento cientifico - democrático. Setorializada em feudos, ora em Departamentos e Centros nas Instituições de Ensino Superior, ora em estruturas setorializadas no Estado. Os baixos investimentos, a dependência externa, e a fragmentação em setores incomunicáveis, ligados ora a Saúde, ou Educação, ou Cultura, ou isolada no setor Desporto – deixam evidente o atraso cientifico e tecnológico. O que vemos indicado é a necessidade de formas atualizadas, democráticas e interdisciplinares, interativas e comunicativas, investimentos públicos adequados para a produção e gerenciamento de políticas públicas para: - Produção do Conhecimento na Área; - Formação Profissional; - Projetos e Programas na educação, saúde, lazer, treino, informação; - Equipamentos e Instalações”. (p. 04)

“O Brasil não conta com EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES, principalmente no interior dos Estados, para o desenvolvimento de Atividades Física & Esportivas que beneficiem, especialmente os 60% da população que vive no limite da pobreza critica. Os equipamentos e instalações, muitas vezes, tornam-se barreiras arquitetônicas pois são projetados na perspectiva exclusiva do desporto competitivo de alto rendimento - o que indica a necessidade de políticas de interiorizado e integração regional que potencialize recursos e beneficie amplos setores marginalizados dos benefícios de políticas sociais na perspectiva do desenvolvimento da Cultura Corporal & Esportiva”. (p. 05)

“No que tange à EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR, constata-se que a precária legislação atual não é comprida, não ocorrendo a devida atenção a Educação Física em todos os âmbitos e níveis escolares, o que pode ser constatado: - na miséria das aulas; - nos pressupostos sustentados nas práticas pedagógicas; - no perfil do profissional que intervém na rede de ensino; - na falta de continuidade de planos e programas; - na falta de atualização curricular; - na falta de relação dos conteúdos básicos para essa área de conhecimento com as características e necessidades regionais; - na carência de pesquisa cientifica em torno da prática pedagógica; - na falta de informações e difusão do conhecimento cientifico; - na falta de espaços, materiais, fontes bibliográficas e Planos de formação continuada, persistentes e consistentes; - o que indica necessidade de revisão da legislação, revisões curriculares, estabelecimento de novas diretrizes curriculares para o ensino da Educação Física na Escola, onde a problematização, a unidade metodológica, a interdisciplinaridade, a autogestão do coletivo de alunos e o eixo curricular de ampliação da capacidade de reflexão critica, signifiquem o estabelecimento de critérios e requerimentos mínimos para a prática pedagógica com qualidade para todos; viabilizando-se aos docentes salários dignos, programas de Capacitação continuada, atualização, planos de carreira e condições de trabalho apropriadas”. (p. 06-07)

“O Brasil, apesar de ser reconhecido como uma região potencialmente voltada para o TURISMO, LAZER E RECREAÇÃO, na perspectiva de atividades econômicas e culturais, não apresenta uma política, planos ou programas específicos para a área, seja no sentido de integração com outros setores da economia e da cultura, seja na perspectiva da produção do conhecimento, da formação de recursos humanos ou na difusão, em todo o Brasil, de programas que permitam a população conhecer e vivenciar diferentes opções de atividades Físicas & Esportivas para o Lazer - o que indica a necessidade de formação de profissionais com competências para intervir no setor, produção do conhecimento, reformulações curriculares e ainda, integração de ações para o desenvolvimento de estratégias, recursos e estruturas, observando-se interesses humanos e sociais objetivados e equacionados, em responsabilidades educacionais conjuntas entre o Estado e os interesses econômicos da iniciativa privada”. (p. 07)

“Quanto ao DESPORTO COMPETITIVO DE ALTO RENDIMENTO/DESPORTO ESPETÁCULO, não existem políticas regionais de desenvolvimento dessas atividades orientadas por legislações, projetos e programas integrados entre iniciativa privada e setor público, com metas claramente definidas e com ampla participação dos segmentos envolvidos nesses âmbitos”. (p. 08)

“Reconhecendo, portanto, que as possibilidades de práticas corporais & esportivas, socializadas e distribuídas democraticamente para todos, constituem, também, a essência social do exercício da democracia, reafirmamos e reconhecemos o compromisso e a responsabilidade de cada cidadão e do Estado, de garantir a moralidade dos processos de gestão política para o desenvolvimento cientifico & tecnológica da Educação Física & Esporte no Brasil, com suas diferentes possibilidades de manifestação social - enquanto disciplina curricular, enquanto campo de desenvolvimento do conhecimento, campo de formação profissional, campo de atividades culturais-econômicas, campo de políticas públicas - lazer, saúde, educação, trabalho”. (p. 09)

“Por possibilitar a ampliação da compreensão e intervenção na construção da cultura, por expressar novas relações psíquicas, sociais e ecológicas, a Educação Física & Esporte, em todas as possibilidades de manifestações, deverá estar presente, em todas as suas formas de manifestação, na vida de todos os Brasileiros, enquanto um bem, historicamente construído, a ser criticamente observado, criativamente ensinado, ludicamente exercitado por TODOS”. (p. 14)

“Nesse sentido, os que assumem o compromisso de encampar a luta pelas reivindicações, junto a diferentes setores da sociedade, em prol do desenvolvimento da Educação Física & Esportes para Todos, com qualidade socialmente referenciada, em seus diferentes âmbitos de manifestação social - Educação, Saúde, Lazer, Trabalho – assumem também o compromisso de enfrentar as contradições, equívocos e distorções da atual política nacional de esporte do Governo Lula”. (p.14-15)

“GARANTIR, CRITICAR, CRIAR E PRESERVAR A CULTURA CORPORAL – Eixo articulador da prática: a) praticas corporais diversificadas que cultivem a identidade cultural em uma perspectiva critica; b) espaços, implementos e equipamentos coletivizados; c) tempos e orientações técnicas e pedagógicas adequadas aos interesses dos diferentes segmentos sociais; d) aprendizagens sociais significativas na linha da solidariedade, da cooperação, da diversificação, da criatividade, da emancipação, para a construção da cultura esportiva e de lazer dignificada; e) a valorização dos patrimônios naturais, humanos e culturais, ampliando-se formas de relações nas práticas esportivas e de lazer que preservem a natureza, as relações humanas dignas e os valores culturais que contribuam para a emancipação do ser humano; f) as gestões e administrações autodeterminadas, participativas, democráticas e autônomas das comunidades em relação ao Esporte e Lazer. g) o acesso de todos ao patrimônio cultural esportivo e de lazer, imprescindíveis a vida humana com dignidade; h) relações interativas cooperativas entre escolas, comunidades e suas formas de organização, bem como relações interativas inter e entre secretarias para otimizar ações no campo da cultura esportiva e de lazer; h) uma pratica do esporte e do lazer sem violência e agressões entre seres humanos, ou com a natureza e o patrimônio cultural das populações; i) o esporte e lazer que amplie as possibilidades de trabalho, com preservação do meio-ambiente; i) programas e projetos decididos por coletivos políticos ampliados, legitimados e relacionados com perspectivas de trabalho que promovam a autodeterminação e a emancipação dos participantes; J) o controle e avaliação publica na utilização de recursos e na implementação de programas e projetos”. (p. 16-17)

“Estamos nos dispondo a aprofundar e ampliar o debate acerca da proposta de construção da POLITICA DE ESPORTE E LAZER PARA UM PROGRAMA DE TRANSIÇÃO e SEU MANIFESTO EM DEFESA DE UMA POLITICA CULTURAL que tenha no centro a EMANCIPAÇÃO HUMANA do trabalho alienado, base da sociedade capitalista”.(p. 17)

Comentários