(Parte 1 de 6)

Boa Vista – R 2010

Projeto de Escadas apresentado ao Professor Dr. José Neres da Silva Filho, da disciplina de Concreto Armado I.

Boa Vista – R 2010

LISTA DE TABELASiv
LISTA DE FIGURASv
ESCRITÓRIO ARMADA TRANSVERSALMENTE1
1.1. Dados iniciais do projeto1
1.2. Dimensões1
1.3. Ações3
1.4. Reações de apoio nas vigas4
1.5. Momento fletor máximo no vão livre4
1.6. Dimensionamento da armadura4
1.7. Detalhamento6
1.8. Vigas de apoio (V1 e V2)8

1. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO DE

ESCRITÓRIO ARMADA LONGITUDINALMENTE1
2.1. Dados iniciais do projeto1
2.2. Dimensões1
2.3. Ações13
2.4. Reações de apoio nas vigas14
2.5. Momento fletor máximo no vão livre14
2.6. Dimensionamento da armadura14
2.7. Detalhamento16

2. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO DE

3. AVALIAÇÃO CRÍTICA ENTRE A ESCADA ARMADA TRANSVERSALMENTE E A ARMADA LONGITUDINALMENTE................................................................................ 19

OBTIDO CONSIDERANDO A SUPERFÍCIE HORIZONTAL DE COMPRIMENTO20
4.1. Superfície horizontal20
4.2. Superfície inclinada20
5. PRINCIPAIS TIPOS DE ESCADAS2

4. DEMONSTRAÇÃO QUE O VALOR DO MOMENTO FLETOR MÁXIMO PARA UMA SUPERFÍCIE INCLINADA É IGUAL AO MOMENTO FLETOR MÁXIMO

EM BALANÇO ENGASTADA EM UMA VIGA LATERAL23
7. EMPUXO NO VAZIO25

6. FUNCIONAMENTO DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE UMA ESCADA

DE PINHEIRO, 2003)26
8.1. Dados iniciais do projeto26
8.2. Dimensões do parapeito26
8.3. Dimensões da escada27
8.4. Ações28
8.5. Reações de apoio nas vigas29
8.6. Momento fletor máximo no vão livre29
8.7. Dimensionamento das lajes L1 e L230
8.8. Detalhamento32

8. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL CONSIDERANDO A EXISTÊNCIA DE UM PARAPEITO DE ALVENARIA DE TIJOLOS CERÂMICOS FURADOS (UTILIZAÇÃO DAS TABELAS

COMENTÁRIOS DO PROFESSOR AMÉRICO CAMPOS FILHO)34
9.1. Dados iniciais do projeto34

9. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL CONSIDERANDO A EXISTÊNCIA DE UM PARAPEITO DE ALVENARIA DE TIJOLOS CERÂMICOS FURADOS (UTILIZAÇÃO DOS 9.2. Dimensões do parapeito ............................................................................................ 34

9.3. Dimensões da escada35
9.4. Ações36
9.5. Reações39
9.6. Momento fletor máximo39
9.7. Dimensionamento das lajes L1 e L240
9.8. Detalhamento42
APRESENTA DOIS VÃOS PERPENDICULARES ENTRE SI4
10.1. Dados iniciais do projeto4
10.2. Dimensões dos degraus4
1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS56

10. DIMENSIONAMENTO DA ESCADA DE UM PRÉDIO RESIDENCIAL QUE ANEXOS ................................................................................... Erro! Indicador não definido.

iv

Tabela 1 - Comprimento das barras (item 1)7
Tabela 2 - Quantidade e relação das barras (item 1)7
Tabela 3 - Comprimento das barras (item 2)17
Tabela 4 - Quantidade e relação das barras (item 2)17
Tabela 5 - Comparação entre as escadas dos itens 1 e 219
Tabela 6 - Comprimento das barras (item 8)32
Tabela 7 - Quantidade e relação das barras (item 8)32
Tabela 8 - Comprimento das barras (item 9)42

LISTA DE TABELAS Tabela 9 - Quantidade e relação das barras (item 9) ........................................................... 42

Figura 1 - Abertura da escada associada a uma laje maciça (dimensões em cm – item 1)2
Figura 2 - Dimensões da escada (item 1)3
Figura 3 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 1)4
Figura 4 - Detalhamento das barras N1 (item 1)7
Figura 5 - Detalhamento das barras N2 (item 1)8
Figura 6 - Detalhamento da viga de apoio (item 1)10
Figura 8 - Dimensões da escada (item 2)13
Figura 9 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 2)14
Figura 10 - Detalhamento das barras N1 (item 2)17
Figura 1 - Detalhamento das barras N2 (item 2)18
Figura 12 - Superfície horizontal (item 4)20
Figura 13 - Superfície inclinada (item 4)21
Figura 14 - Detalhamento I (item 6)23
Figura 15 - Detalhamento I (item 6)23
Figura 16 - Detalhamento I (item 6)24
Figura 17 - Ancoragem correta para o combate ao empuxo ao vazio (item 7)25
Figura 18 - Planta de fôrmas da escada (item 8)27
Figura 19 - Cortes A-A’ e B-B’ (item 8)27
Figura 20 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 8)30
Figura 21 - Detalhamento do lance 1 (item 8)3
Figura 2 - Detalhamento do lance 2 (item 8)3

LISTA DE FIGURAS Figura 7 - Abertura da escada associada a uma laje maciça (dimensões em cm – item 2) . 12 Figura 23 - Planta de fôrmas da escada (item 9) ................................................................... 35

Figura 24 - Cortes A-A’ e B-B’ (item 9)35
Carregamento atuante na laje (item 9)38
Figura 26 - Diagrama de esforço cortante com reações (item 9)39
Figura 27 - Diagrama de momento fletor (item 9)39
Figura 28 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 9)40
Figura 29 - Detalhamento do lance 1 (item 9)43

vi Figura 30 - Detalhamento do lance 2 (item 9) ...................................................................... 43

1. DIMENSIONAMENTO E DETALHAMENTO DA ESCADA DE UM EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIO ARMADA TRANSVERSALMENTE

1.1. Dados iniciais do projeto Aço CA-50 e CA-60;

fck= 20 MPa; CAA I (de acordo com a tabela 6.1 da NBR 6118:2003);

Cnom = 2,0 cm (de acordo com a tabela 7.2 da NBR 6118:2003);

Dmáx.agr = 19 m; Cimento CP-32 I;

Obs.: Calcular a armadura das vigas VE1 e VE2.

1.2. Dimensões Para a obtenção de uma escada confortável, as seguintes considerações são válidas:

Adotando-se:

Verificação:

O desnível (lv) que a escada irá vencer é de 285 cm, assim, temos: Número de Degraus:

Desenvolvimento horizontal:

Outras dimensões: Vão livre da escada:

Largura da viga: Vão efetivo da escada (eixo a eixo das vigas):

Inclinação:

Avaliação da espessura da laje:

Figura 1 - Abertura da escada associada a uma laje maciça (dimensões em cm – item 1) Pela NBR 6118:1982:

Onde: : altura útil da laje;

: menor vão Aço CA50

Adotar: Cálculo da espessura média da laje:

Para a obtenção da espessura média (hm), antes precisamos de h1, assim: Obs.:

Verificação:

Figura 2 - Dimensões da escada (item 1)

1.3. Ações Peso próprio (Pp):

Revestimento (Prevest):

Carga de uso (q): A escada tem acesso ao público, assim:

Carregamento total: 1.4. Reações de apoio nas vigas

1.5. Momento fletor máximo no vão livre

1.6. Dimensionamento da armadura

Figura 3 - Modelo de cálculo (dimensões em cm - item 1) Altura útil:

Obtenção de Kc e Ks (Valores obtidos conforme tabela 1.1 de PINHEIRO, 2003):

Cálculo de as:

Armadura mínima: Conforme a tabela 17.3 da NBR 6118:2003, para o concreto C20, tem-se:

L1 l

Verificação:

Armadura de distribuição:

(Parte 1 de 6)

Comentários