(Parte 1 de 7)

ÍNDICE

  1. INTRODUÇÃO

  1. UNITIZAÇÃO DE CARGAS

  1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

  1. TRANSPORTE TERRESTRE

  1. TRANSPORTE AÉREO

  1. TRANSPORTE MULTIMODAL

  1. SEGUROS NO TRANSPORTE INTERNACIONAL

  1. INCOTERMS

  1. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

  1. COMPETITIVIDADE

  1. BIBLIOGRAFIA

TRANSPORTE NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

1. INTRODUÇÃO

O Comércio Internacional está estruturado sobre muitas variáveis, sendo também uma importante área na formulação das políticas econômicas dos países. Uma delas, de valor fundamental, é o transporte de bens vendidos, comprados ou trocados, ou seja, a locomoção destes bens de seu ponto de origem até seu ponto de destino, o elo de ligação entre a zona de produção da mercadoria e sua respectiva zona de consumo. Pelo seu peso e valor relativo na transação, o transporte é componente decisivo no custo final da mercadoria , atendimento de prazos e condições de entrega pré estabelecido. Uma logística de transporte montada adequadamente, baseada nestas variáveis importantes do processo, pode representar a lucratividade ou prejuízo na atividade exportadora ou importadora e, consequentemente, a sua manutenção, incremento ou retirada do jogo das trocas internacionais.

No seu conceito mais técnico, o Transporte no Comércio Internacional pode ser definido como um deslocamento da carga regido por um contrato internacionalmente aceito. Efetivamente, esse contrato é representado pelo conhecimento de embarque, documento de transporte emitido pelo proprietário do veículo transportador, o qual irá se constituir em prova fundamental de que a mercadoria foi efetivamente embarcada.

A tomada de decisão da logística de transporte deve passar pela correta opção entre os modais disponíveis e viáveis, que poderão proporcionar o alcance das metas propostas.

1.1 Tipos de Modais: Aquaviário , Terrestre e Aéreo

Aquaviário: Marítimo, Fluvial e lacustre

Marítimo

O transporte marítimo é aquele realizado por navios em oceanos e mares e pode ser utilizado para todos os tipos de carga e para qualquer porto do globo, sendo o único meio de transporte que possibilita a remessa de milhares de toneladas ou de metros cúbicos de qualquer produto de uma só vez.

O transporte marítimo é dividido em:

  • Navegação de longo curso: faz a ligação entre países próximos ou distantes (navegação internacional);

  • Navegação de cabotagem: realiza a conexão entre os portos de um mesmo país (navegação nacional).

Fluvial

Navegação fluvial é a interna, ou seja, dá-se dentro do país e/ou continente (típica de interligação do interior), pois é a navegação praticada em rios.

A exemplo do marítimo, também pode haver transporte de qualquer carga e com navios de todos os tipos e tamanhos, desde que a via navegável os comporte.

Lacustre

Navegação lacustre é aquela realizada em lagos e tem como característica a ligação de cidades e países circunvizinhos. É um tipo de transporte bastante restrito em face de serem poucos os lagos navegáveis. Também pode ser utilizado para qualquer carga, a exemplo do marítimo.

Terrestre: Rodoviário e Ferroviário

Os transportes rodoviário e ferroviário são executados nacional e internacionalmente, ligando com facilidade países limítrofes.

Embora apresentem limitações em relação aos meios de transporte marítimo e aéreo, são utilizados também para o transporte entre continentes, como ocorre na Europa e Ásia.

Nestes modais, a exemplo do aquaviário, pode-se transportar qualquer produto. As cargas são transportadas nos mais diversos tipos de caminhões e carretas, bem como em vagões especializados para os mais variados tipos de carga.

Aéreo

É o transporte realizado por empresas de navegação aérea, através de aeronaves de vários tipos e tamanhos, nacional e internacionalmente e pode ser utilizado praticamente para todas as cargas, embora com limitações em relação ao marítimo, quanto à quantidade e especificação.

Através da navegação aérea pode-se atingir qualquer ponto do planeta, sendo esta opção interessante para cargas de alto valor ou de alta perecibilidade, ou amostras, que necessitem chegar rapidamente ao seu destino.

2. UNITIZAÇÃO DE CARGAS

O avanço no embarque de cargas deu-se com a criação do conceito de carga unitizada, primeiramente, de forma mais rudimentar, através de amarrados, tambores, redes, etc. e, posteriormente, através da criação de pallets e, principalmente, pela criação do container, a grande vedete da unitização.

No começo, a conteinerização teve seus problemas, visto que estas grandes caixas não eram padronizadas e cada armados, negociante ou construtor tinha as suas próprias unidades, de tamanhos completamente diferentes. Além disso, havia a falta de estrutura dos portos que não possuíam equipamentos adequados para o seu manuseio.

Com o decorrer do tempo, o problema do tamanho foi resolvido e hoje, através da ISO (International Organization for Standardization), os containeres são padronizados e utilizados mundialmente, sendo que os portos também estão, em menor ou maior grau, equipados para sua movimentação.

2.1. Conceito de Unitização

Unitizar uma carga significa juntar vários volumes pequenos em um único maior, com o intuito de facilitar a movimentação, armazenagem e transporte, fazendo com que esta transferência, do ponto de origem até o seu destino final, possa ser realizada, tratando o total de volumes envolvidos em cada unitização como apenas um volume, tendo como intuito principal.

Dentro do conceito de unitização de cargas, inclusive porque os modais cada vez mais requerem este procedimento, várias são as vantagens resultantes, como:

  • Redução do número de volumes a manipular;

  • Menor número de manuseio da carga;

  • Menor utilização do uso de mecanização;

  • Melhoria no tempo de operação de embarque e desembarque;

  • Redução dos custos de embarque e desembarque;

  • Redução de custo com embalagens;

  • Diminuição das avarias e roubos de mercadorias;

  • Incentivo da aplicação do sistema door-to-door (porta a porta);

  • Padronização internacional dos recipientes de unitização.

Na unitização de cargas, quando considerados volumes pequenos e manipuláveis, os principais tipos de recipientes utilizados para este procedimento são:

  • Pallet

  • Container

É importante ressaltar que há diferença entre o que se denomina como recipiente para unitização de carga e a unidade de transporte de carga, pois enquanto o primeiro é um equipamento para unitização de pequenos volumes, o segundo trata-se do próprio veículo transportador, que é um recipiente no momento em que está transportando graneis , líquidos e sólidos como uma só carga unitizada.

2.2. Pallet: Conceitos, Padrões Internacionais e Utilização

Pallet e seus Tipos

Pallet é uma unidade semelhante a um estrado plano, construído principalmente de madeira, podendo, porém, ser também de alumínio, aço, plástico, fibra, polipropileno, papelão, com determinadas características para facilitar a unitização, armazenagem e transporte de pequenos volumes.

Os pallets podem ser descartáveis, ou seja, construídos para serem utilizados em apenas uma viagem (one way), ou para uso constante. A adoção de cada tipo depende da logística escolhida, que envolve um estudo sobre custos e o seu retorno.

No formato, o pallet pode ser quadrado ou retangular. Quanto às faces, para acomodação de cargas, pode ser simples (mais frágil), dando à carga a possibilidade de utilização apenas desta face; ou ter duas faces diferentes, sendo uma para receber a carga e a outra apenas de suporte; ou ainda ter duas faces iguais, ou seja, ser um pallet reversível, podendo ser utilizado para carga em qualquer uma das duas faces.

O pallet deve dispor de asas (aletas), que são saliências para içamento, ou seja, extensão das faces para além das vigas que o compõem, para que possa ser operado por guindastes e outros equipamentos, e não somente por meio de ganchos especiais de içamento.

Deverá haver também, uma altura livre entre as duas faces, para possibilitar a entrada dos garfos dos equipamentos mecânicos.

Preferencialmente, precisa ter quatro lados que permitam a entrada dos equipamentos para agilização na sua movimentação, o que fica limitado quando possui apenas duas entradas.

O pallet tem de ser suficientemente resistente e adequadamente construído, oferecendo segurança para:

  • Sustentar, em repouso ou quando movimentada, a carga que sobre ele é depositada;

  • Permitir a manipulação e a movimentação da carga unitizada por meio de equipamento mecânico apropriado, tanto em terra quanto nos veículos transportadores, e nos embarques e desembarques.

Paletização

As medidas e as demais características físicas do pallet a ser escolhido devem ser tais que se adaptem às várias fases do transporte e aos diferentes tipos de equipamentos mecânicos em operação nos portos de carga e de descarga, de forma que a movimentação da carga unitizada se realize com rapidez e segurança.

A uniformidade e as medidas dos volumes a serem paletizados são de grande importância para produzir uma carga unitizada, bem enquadrada em seus quatro lados, e nivelada na sua face superior, para permitir a melhor ocupação do espaço do veículo transportador.

A princípio, qualquer carga é paletizável, desde que adaptada ao pallet economicamente viável.

A amarração dos volumes para constituir uma carga unitizada rígida deve ser feita através do emprego de cintas, que podem ser de nylon, polipropileno, poliester, metálicas, complementadas, ás vezes, por tábuas e sarrafos de madeira e folhas de papelão, bem como sacos ou filmes plásticos encolhíveis (shrink), ou filmes estiráveis de polietileno (stretch), que são esticados e colocados sobre a carga. Os filmes e os sacos têm a finalidade também de evitar o furto de volumes.

A paletização de cargas traz muitas vantagens, como melhor aproveitamento dos espaços nos armazéns, agilização na movimentação da carga e nas operações de embarque e desembarque; redução do custo de movimentação; diminuição de roubos; manipulação segura da carga; simplificação do controle das mercadorias; redução das estadias dos veículos transportadores nos pontos ou portos de embarque e desembarque.

Padronização

Com o crescimento internacional da unitização foi necessária a padronização das dimensões do pallet, visando a possibilidade de utilização em todos os modais. Dessa forma, a ISO aprovou medidas, muito embora a sua utilização nem sempre seja respeitada, já que se pode ver e operar pallets de vários tamanhos.

Equipamentos de Movimentação de Pallets

Os pallets são movimentados nos armazéns por paleteiras e empilhadeiras. Nos embarques e desembarques em caminhões ou vagões ferroviários são utilizadas empilhadeiras, e nos portos são usados guindastes, tanto do navio quanto do porto, que possuem ganchos, e outros equipamentos específicos para sua movimentação.

2.3 Container: Conceito, Padronização e Medidas

Conceito

Container é uma caixa, construída em aço, alumínio ou fibra, criada para o transporte unitizado de mercadorias e suficientemente forte para resistir ao uso constante.

Constitui um equipamento do veículo transportador, que se caracteriza pela resistência e facilidade de transporte de mercadorias, por um ou mais modais. É provido de portas, escotilhas e aberturas que permitem o seu estufamento e esvaziamento com facilidade, cumprindo os objetivos propostos para sua criação e utilização.

(Parte 1 de 7)

Comentários