(Parte 1 de 5)

LISTA DE TABELASiv
LISTA DE FIGURASv
1. DADOS INICIAIS DO PROJETO1
2. DIMENSIONAMENTO CONSIDERANDO TODAS AS LAJES APOIADAS2
2.1. Vinculação das lajes2
2.2. Pré-dimensionamento da altura útil e das espessuras das lajes2
2.2.1. Apresentação da espessura das lajes3
na NBR 6120:1980)4
2.3.1. Carga Permanente ( )4
2.3.2. Carga Acidental ( )4
2.3.3. Carga Total ( )4
2.3.4. Resumo do carregamento nas lajes5
2.4. Reações de apoio6
2.4.1. Apresentação das reações das lajes7
2.5. Momentos Fletores7
2.5.1. Apresentação dos momentos fletores nas lajes9
2.6. Disposições construtivas9
2.7. Dimensionamento das armaduras1
2.7.1. Apresentação do dimensionamento da armadura das lajes13

2.3. Carregamentos nas lajes (Peso específico dos materiais e cargas de uso consultados

ENGASTAMENTOS14

3. DIMENSIONAMENTO CONSIDERANDO A POSSIBILIDADE DE 3.1. Vinculação das lajes ................................................................................................... 14

3.2. Pré-dimensionamento da altura útil e das espessuras das lajes14
3.2.1. Apresentação da espessura das lajes15
na NBR 6120:1980)16
3.3.1. Carga Permanente ()16
3.3.2. Carga Acidental ( )16
3.3.3. Carga Total ( )16
3.3.4. Resumo do carregamento nas lajes17
3.4. Reações de apoio18
3.4.1. Apresentação das reações das lajes19
3.5. Momentos Fletores20
3.5.1. Apresentação dos momentos fletores nas lajes21
3.5.2. Compatibilização dos momentos de engaste21
3.6. Disposições construtivas2
3.7. Dimensionamento das armaduras24
3.7.1. Apresentação do dimensionamento da armadura positiva das lajes26
3.7.2. Apresentação do dimensionamento da armadura negativa das lajes28
3.8. Verificação da flecha da laje mais solicitada (laje L1)29
3.8.1. Flecha imediata29
3.8.2. Flecha diferida30
3.8.3. Flecha total31
3.8.4. Flecha limite31
3.9. Verificação quanto ao Cisalhamento (L6)31
3.10. Detalhamento das armaduras32

3.3. Carregamentos nas lajes (Peso específico dos materiais e cargas de uso consultados 3.10.1. Comprimento das barras positivas ................................................................. 3

3.10.2. Comprimento das barras negativas34
3.10.3. Armadura de canto (N25)36
3.10.4. Quantidade, relação e resumo das barras37
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS40

iv

Tabela 1 - Espessura das lajes3
Tabela 2 - Carregamentos atuantes nas lajes5
Tabela 3 - Coeficiente para o cálculo das reações6
Tabela 4 - Reações de apoio das lajes7
Tabela 5 - Coeficientes para a obtenção dos momentos8
Tabela 6 - Momentos fletores atuantes nas lajes9
Tabela 7 - Dimensionamento da armadura das lajes13
Tabela 8 - Espessura das lajes15
Tabela 9 - Carregamentos atuantes nas lajes17
Tabela 10 - Coeficientes para a obtenção das reações18
Tabela 1 - Reações de apoio das lajes19
Tabela 12 - Coeficientes para a obtenção dos momentos20
Tabela 13 - Momentos fletores atuantes nas lajes21
Tabela 14 - Compatibilização entre os momentos fletores negativos das lajes L6 e L122
Tabela 15 - Compatibilização entre os momentos fletores negativos das lajes L11 e L122
Tabela 16 - Dimensionamento da armadura positiva das lajes26
Tabela 17 - Dimensionamento da armadura negativa das lajes28
Tabela 18 - Comprimento das barras positivas34
Tabela 19 - Comprimento das barras negativas36
Tabela 20 - Dimensionamento da armadura de canto37
Tabela 21 - Quantidade de barras37
Tabela 2 - Relação de barras38

LISTA DE TABELAS Tabela 23 - Resumo das barras ............................................................................................. 39

Figura 1 - Vãos efetivos da laje L12
Figura 2 - Vãos efetivos da laje L314

LISTA DE FIGURAS Figura 3 - Comprimento das barras positivas ...................................................................... 3

1. DADOS INICIAIS DO PROJETO

A residência está localizada em zona urbana; Classe de agressividade ambiental I (tabela 6.1 – NBR 6118:2003); Para facilidade de cálculo, consideraram-se os vãos teóricos até os eixos dos apoios; ;

(de acordo com a tabela 7.2 da NBR 6118:2003); ;

Cimento CP-32 I; 1 Reservatório de 1 mil litros localizado na laje L9 (banheiro); Aço CA-50 e CA-60.

2. DIMENSIONAMENTO CONSIDERANDO TODAS AS LAJES APOIADAS

2.1. Vinculação das lajes A vinculação das lajes é apresentada nos anexos.

2.2. Pré-dimensionamento da altura útil e das espessuras das lajes A altura útil de lajes apoiadas, segundo MACHADO (2003), é dada por:

Onde: é o menor vão entre (menor vão) e .

A espessura da laje é obtida através da seguinte equação:

Como a classe de agressividade ambiental é classe I (ambientes urbanos internos secos), o cobrimento nominal é de: . E adotando-se para o prédimensionamento , teremos:

Logo: Laje L1:

Figura 1 - Vãos efetivos da laje L1

Cálculo da altura útil:

Adotar:

As demais lajes foram calculadas de maneira análoga, com o auxílio do software Excel.

2.2.1. Apresentação da espessura das lajes

Tabela 1 - Espessura das lajes

2.3. Carregamentos nas lajes (Peso específico dos materiais e cargas de uso consultados na NBR 6120:1980)

2.3.1. Carga Permanente ()

Peso próprio: As lajes são de concreto armado.

Revestimento: O revestimento da laje é de argamassa de cal, cimento e areia

Carga Permanente ():

2.3.2. Carga Acidental () Sobrecarga:

Observação: A carga total calculada acima é válida para todas as lajes, exceto para a laje L9, pois, nesta, além do carga já calculada, temos que considerar um reservatório de 1000 litros, assim, temos a seguinte relação:

Os vãos efetivos da laje L9 são:

Assim o carregamento gerado pelo reservatório na laje L9 é:

2.3.4. Resumo do carregamento nas lajes

Tabela 2 - Carregamentos atuantes nas lajes

2.4. Reações de apoio

O cálculo das reações de apoio das lajes foi feito seguindo as tabelas de PINHEIRO (2007). As tabelas fornecem coeficientes adimensionais, como todas as lajes são simplesmente apoiadas, as mesmas cairam no “caso 1”. Os coeficientes a serem obtidos são: e .

As reações de apoio são obtidas da seguinte forma:

Laje L1:

Para entrarmos na tabela, temos:

A laje L1, assim como as demais lajes, tem suas 4 bordas simplesmente apoiadas, se encaixando no “caso 1”. Assim, entrando na tabela 2.2a (PINHEIRO, 2007), obtemos os seguintes coeficientes:

Tabela 3 - Coeficiente para o cálculo das reações Assim, temos:

As demais lajes foram calculadas de maneira análoga, com o auxílio do software Excel.

2.4.1. Apresentação das reações das lajes

Tabela 4 - Reações de apoio das lajes

2.5. Momentos Fletores

O cálculo dos momentos fletores atuantes nas lajes foi feito seguindo as tabelas de

PINHEIRO (2007). As tabelas fornecem coeficientes adimensionais, como todas as lajes são simplesmente apoiadas, as mesmas se encaixaram no “caso 1”. Os coeficientes a serem obtidos são: e .

Os momentos fletores atuantes são obtidos da seguinte forma:

Laje L1:

Para entrarmos na tabela, temos:

(Parte 1 de 5)

Comentários