Aula 14 - Reagente Limitante

Aula 14 - Reagente Limitante

FACULDADES INTEGRADAS ESPIRITO-SANTENSE

FAESA – CAMPUS I

ENGENHARIA CIVIL

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL

1º A – 2010/1

REAGENTE LIMITANTE

Professores: Osmar S. Barros

Gilberto M. Brito

Igor Estrada Achá 1040207

Marina Tonini 1040245

VITÓRIA-ES

18 de junho de 2010

1 INTRODUÇÃO

Neste trabalho serão analisados os fenômenos pelos quais uma(ou mais substâncias) é transformada em outra(s), este por sua vez, é chamado de reação química. A equação química é uma representação abreviada da transformação ocorrida. Em condições idênticas, uma reação química obedece sempre às mesmas relações ponderais, ou seja, obedece a uma determinada estequiometria. Havendo excesso de um dos reagentes, esse excesso não reage, podendo ser recuperado ao final deste processo.

2 OBJETIVO

Este trabalho visa um estudo mais aprofundando sobre os reagentes limitantes de uma reação, o mesmo irá analisar cada passo desta experiência, estudando de forma detalhada oque ocorre com os reagentes durante a reação destes entre si, seus procedimentos, os respectivos materiais utilizados, as proporções das soluções a serem utilizadas, os próprios reagentes, as soluções envolvidas e o resultado final da reação, bem como também o precipitado. Levando assim a um maior conhecimento sobre o assunto e principalmente da importância de utilizar as medidas corretas, fazendo com que os reagentes tenham o maior rendimento possível, evitando desta maneira desperdícios.

3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

Materiais:

Tubos de ensaio médio(6)

Funil de Vidro(2)

Reagentes:

Solução de cromato de potássio 0,01 M

Solução de nitrato de chumbo(II) 0,01 M

Papel de filtro

Procedimento:

  1. Colocou-se em dois tubos de ensaio 2mL de cromato de potássio;

  2. Acrescentou-se ao 1° tubo 1mL de nitrato de chumbo;

  3. Acrescentou-se ao 2° tubo 3mL de nitrato de chumbo;

  4. Agitou-se os dois tubos e estes foram deixados em repouso por 3 minutos;

  5. Observou-se e foi anotado;

  6. Filtrou-se o conteúdo dos dois tubos e recolheu-se o filtrado em tubos de ensaio;

  7. Observou-se e anote-se a cor dos dois filtrados;

  8. Dividiu-se o filtrado do 1° tubo igualmente em dois tubos(A e B), para assim serem etiquetados e colocados no suporte;

  9. Dividiu-se o filtrado do 2° tubo igualmente em dois tubos(C e D), e entao o filtrado foi etiquetado e colocado no suporte;

  10. Acrescentou-se aos tubos A e C 1mL de nitrato de chumbo;

  11. Observou-se e anotaram- se os dados obtidos;

  12. Acrescentou-se aos tubos B e D 1mL de cromato de potássio;

  13. Foram observados e anotados os dados obtidos.

  1. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Após serem colocados 2 mL de cromato de potássio, e 1mL e 2 mL de nitrato de chumbo nos tubos 1 e 2 respectivamente, formando no fundo do frasco um precipitado. Ocorrendo a seguinte reação:

K2CrO4(aq) + Pb(NO3)2(aq) PbCrO4(S) + 2 KNO3(aq)

Tubo 1:

K2CrO4(aq)

Pb(NO3)2(aq)

PbCrO4(S)

2 KNO3(aq)

Inicio

2,00.10-5mol

1,00.10-5 mol

0

0

Reage

1,00.10-5mol

1,00.10-5 mol

1,00.10-5mol

2,00.10-5mol

Forma

1,00.10-5mol

0

1,00.10-5mol

2,00.10-5mol

TABELA: dados referentes a reação no tubo 1.

No tubo 1 ambos reagentes foram totalmente consumidos.

Subdividimos o tubo 1 em tubos A e B

No tubo A

K2CrO4(aq)

Pb(NO3)2(aq)

PbCrO4(S)

2 KNO3(aq)

Inicio

0,50.10-5

1,00.10-5 mol

0

1,00.10-5 mol

Reage

0,50.10-5

0,50.10-5

0,50.10-5

1,00.10-5 mol

Forma

0

0,50.10-5

0,50.10-5

2,00.10-5mol

No tubo A o K2CrO4(aq) era o reagente limitante, o Pb(NO3)2(aq) estava em excesso. Ocorrendo 3 mg de PdbCrO4(S) de precipitado.

Tubo B

K2CrO4(aq)

Pb(NO3)2(aq)

PbCrO4(S)

2 KNO3(aq)

Inicio

2,00.10-5mol

3,00.10-5mol

0

0

Reage

2,00.10-5mol

2,00.10-5mol

2,00.10-5mol

4,00.10-5mol

Forma

0

1,00.10-5mol

2,00.10-5mol

4,00.10-5mol

Tubo C

K2CrO4(aq)

Pb(NO3)2(aq)

PbCrO4(S)

2 KNO3(aq)

Inicio

1,00.10-5mol

0,50.10-5mol

2,00.10-5mol

0

Reage

1,00.10-5mol

0,50.10-5mol

2,00.10-5mol

2,00.10-5mol

Forma

0

1,50.10-5mol

0

2,00.10-5mol

Tubo D

K2CrO4(aq)

Pb(NO3)2(aq)

PbCrO4(S)

2 KNO3(aq)

Inicio

1,00.10-5mol

0,50.10-5

0

Reage

0,50.10-5

0,50.10-5

0,50.10-5

1,00.10-5mol

Forma

0,50.10-5

0

0,50.10-5

3,00.10-5mol

No tubo D o K2CrO4(aq) estava em excesso, e o Pb(NO3)2(aq) era o reagente limitante, formou-se um precipitado de 2mg.

5 CONCLUSÃO

.

Com este trabalho concluimos que em reações nas quais se obtem como resultado final uma substância que se precipita no fundo do tubo de ensaio, esta se chama precipitado e sua massa é calculada assim que se descobre qual dos reagentes é o limitante e qual é o que está em excesso, já que a massa desta substância que se depositou no fundo do tubo de ensaio é nada mais do que a parte do reagente que se encontrava em excesso e nao reagiu, formando desta forma o precipitado, que ao final da reação pode ser filtrado.

6 REFERÊNCIAS

INFOPEDIA - REAGENTES LIMITANTES On-line. Disponível em: <http://www.infopedia.pt/$reagentes-limitantes>. Acesso em: 21 jul. 2010.

7 ANEXO

  1. Os filtrados obtidos têm características diferentes?O que se pode supor a partir desta observação?

Os filtrados possuem características semelhantes, tendo em vista que os elementos que os compõe são diferentes, logo os filtrados possuem uma cor amarelada, no caso do tubo 1 e é incolor no caso do tubo 2.

  1. Analise as observações feitas no último item do experimento e identifique qual o reagente em excesso no 1° e 2° tubos? Verifique também nos tubos A, B, C e D.

Nos tubos 1 e 2 não houveram excesso, no tubo A o Pb(NO3)2 esta em execesso, no tubo D K2CrO4 estava em excesso, os tubos C e B não apresentaram excessos.

  1. Supondo que no 1° tubo partimos de 58,2g de cromato de potássio e 66,2g de nitrato de chumbo, qual a massa de precipitado obtida? Qual a massa do reagente em excesso?

A massa de precipitado obtida foi de 5,8g e o nitrato de chumbo estava com 29,3 de excesso.

Comentários