(Parte 1 de 10)

Nome do Aluno

Botânica

Organizadores Paulo Takeo Sano

Lyria Mori

Elaboradores Gregório Ceccantini

Fabíola Bovo Mendonça

BiologiaBiologiaBiologiaBiologiaBiologia

6 módulo

Governador: Geraldo Alckmin

Secretaria de Estado da Educação de São PauloSecretaria de Estado da Educação de São PauloSecretaria de Estado da Educação de São PauloSecretaria de Estado da Educação de São PauloSecretaria de Estado da Educação de São Paulo

Secretário: Gabriel Benedito Issac Chalita

Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – CENPCoordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – CENPCoordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – CENPCoordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – CENPCoordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – CENP Coordenadora: Sonia Maria Silva

Reitor: Adolpho José Melfi Pró-Reitora de GraduaçãoPró-Reitora de GraduaçãoPró-Reitora de GraduaçãoPró-Reitora de GraduaçãoPró-Reitora de Graduação

Sonia Teresinha de Sousa Penin

Pró-Reitor de Cultura e Extensão UniversitáriaPró-Reitor de Cultura e Extensão UniversitáriaPró-Reitor de Cultura e Extensão UniversitáriaPró-Reitor de Cultura e Extensão UniversitáriaPró-Reitor de Cultura e Extensão Universitária Adilson Avansi Abreu

Presidente do Conselho Curador: Selma Garrido Pimenta Diretoria Administrativa: Anna Maria Pessoa de Carvalho Diretoria Financeira: Sílvia Luzia Frateschi Trivelato

Coordenadora Geral: Eleny Mitrulis

Vice-coordenadora Geral: Sonia Maria Vanzella Castellar Coordenadora Pedagógica: Helena Coharik Chamlian

Coordenadores de ÁreaCoordenadores de ÁreaCoordenadores de ÁreaCoordenadores de ÁreaCoordenadores de Área

Biologia:Biologia:Biologia:Biologia:Biologia:

Paulo Takeo Sano – Lyria Mori

Física:Física:Física:Física:Física:

Maurício Pietrocola – Nobuko Ueta

Geografia:Geografia:Geografia:Geografia:Geografia:

Sonia Maria Vanzella Castellar – Elvio Rodrigues Martins

História:História:História:História:História:

Kátia Maria Abud – Raquel Glezer

Língua Inglesa:Língua Inglesa:Língua Inglesa:Língua Inglesa:Língua Inglesa:

Anna Maria Carmagnani – Walkyria Monte Mór

Língua Portuguesa:Língua Portuguesa:Língua Portuguesa:Língua Portuguesa:Língua Portuguesa:

Maria Lúcia Victório de Oliveira Andrade – Neide Luzia de Rezende – Valdir Heitor Barzotto

Matemática:Matemática:Matemática:Matemática:Matemática:

Antônio Carlos Brolezzi – Elvia Mureb Sallum – Martha S. Monteiro

Química:Química:Química:Química:Química:

Maria Eunice Ribeiro Marcondes – Marcelo Giordan

Produção EditorialProdução EditorialProdução EditorialProdução EditorialProdução Editorial

Dreampix Comunicação

Revisão, diagramação, capa e projeto gráfico: André Jun Nishizawa, Eduardo Higa Sokei, José Muniz Jr. Mariana Pimenta Coan, Mario Guimarães Mucida e Wagner Shimabukuro

Cartas aoCartas aoCartas aoCartas aoCartas ao AlunoAlunoAlunoAlunoAluno

Carta da Pró-Reitoria de Graduação

Caro aluno,

Com muita alegria, a Universidade de São Paulo, por meio de seus estudantes e de seus professores, participa dessa parceria com a Secretaria de Estado da Educação, oferecendo a você o que temos de melhor: conhecimento.

Conhecimento é a chave para o desenvolvimento das pessoas e das nações e freqüentar o ensino superior é a maneira mais efetiva de ampliar conhecimentos de forma sistemática e de se preparar para uma profissão.

Ingressar numa universidade de reconhecida qualidade e gratuita é o desejo de tantos jovens como você. Por isso, a USP, assim como outras universidades públicas, possui um vestibular tão concorrido. Para enfrentar tal concorrência, muitos alunos do ensino médio, inclusive os que estudam em escolas particulares de reconhecida qualidade, fazem cursinhos preparatórios, em geral de alto custo e inacessíveis à maioria dos alunos da escola pública.

O presente programa oferece a você a possibilidade de se preparar para enfrentar com melhores condições um vestibular, retomando aspectos fundamentais da programação do ensino médio. Espera-se, também, que essa revisão, orientada por objetivos educacionais, o auxilie a perceber com clareza o desenvolvimento pessoal que adquiriu ao longo da educação básica. Tomar posse da própria formação certamente lhe dará a segurança necessária para enfrentar qualquer situação de vida e de trabalho.

Enfrente com garra esse programa. Os próximos meses, até os exames em novembro, exigirão de sua parte muita disciplina e estudo diário. Os monitores e os professores da USP, em parceria com os professores de sua escola, estão se dedicando muito para ajudá-lo nessa travessia.

Em nome da comunidade USP, desejo-lhe, meu caro aluno, disposição e vigor para o presente desafio.

Sonia Teresinha de Sousa Penin. Pró-Reitora de Graduação.

Carta da Secretaria de Estado da Educação

Caro aluno,

Com a efetiva expansão e a crescente melhoria do ensino médio estadual, os desafios vivenciados por todos os jovens matriculados nas escolas da rede estadual de ensino, no momento de ingressar nas universidades públicas, vêm se inserindo, ao longo dos anos, num contexto aparentemente contraditório.

Se de um lado nota-se um gradual aumento no percentual dos jovens aprovados nos exames vestibulares da Fuvest — o que, indubitavelmente, comprova a qualidade dos estudos públicos oferecidos —, de outro mostra quão desiguais têm sido as condições apresentadas pelos alunos ao concluírem a última etapa da educação básica.

Diante dessa realidade, e com o objetivo de assegurar a esses alunos o patamar de formação básica necessário ao restabelecimento da igualdade de direitos demandados pela continuidade de estudos em nível superior, a Secretaria de Estado da Educação assumiu, em 2004, o compromisso de abrir, no programa denominado Pró-Universitário, 5.0 vagas para alunos matriculados na terceira série do curso regular do ensino médio. É uma proposta de trabalho que busca ampliar e diversificar as oportunidades de aprendizagem de novos conhecimentos e conteúdos de modo a instrumentalizar o aluno para uma efetiva inserção no mundo acadêmico. Tal proposta pedagógica buscará contemplar as diferentes disciplinas do currículo do ensino médio mediante material didático especialmente construído para esse fim.

O Programa não só quer encorajar você, aluno da escola pública, a participar do exame seletivo de ingresso no ensino público superior, como espera se constituir em um efetivo canal interativo entre a escola de ensino médio e a universidade. Num processo de contribuições mútuas, rico e diversificado em subsídios, essa parceria poderá, no caso da estadual paulista, contribuir para o aperfeiçoamento de seu currículo, organização e formação de docentes.

Prof. Sonia Maria Silva Coordenadora da Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas

Apresentação da área

Antes de virar estas páginas, faça uma pausa...

animaisVocê consegue enxergar tudo isso através dessas páginas? Sim?

Você se dá conta que, nesse exato momento, enquanto seus olhos percorrem cada letra deste texto, milhões de informações chegam até você pela retina? Pense nisso! Pense também que essas informações, para saírem do papel e alcançarem as células nervosas de seu cérebro, percorrem um caminho longo e fantástico! Caminho que pode começar muito antes do que a gente vê... Pode começar quando essa folha de papel era ainda uma árvore, que fazia parte de uma floresta, que por sua vez abrigava outras árvores e inúmeros Não? Vamos ajudá-lo: é sobre essas coisas tão próximas de você que vamos falar aqui...

Você vai saber um pouco mais sobre a célula e seus componentes; sobre o funcionamento de cada uma e do organismo que elas compõem. Aprenderá a respeito de como os seres vivos se organizam e se distribuem nesse nosso planetinha azul. Vamos falar de plantas e de bichos, de vírus e bactérias, de fungos e do ser humano. Sim, do ser humano, de você inclusive! Como você funciona por dentro e por fora. Como suas ações podem ter resultados que vão muito além daqueles que se espera.

sejam os melhores! Estamos aqui para colaborar com issoPorém, não se

E já que falamos de resultados, esperamos que os seus, durante a vida, esqueça: depende muito mais de você! Nós, aqui, só vamos direcionar um pouco seu olhar para algumas coisas importantes, mas quem vai enxergar, de fato, é você! Portanto, não confie só no que está ao longo dessas páginas. Vá além! Leia muito! Jornais, revistas, coisas sobre ciências e sobre o mundo - afinal, ele é grande demais para caber em alguns fascículos! Não se esqueça que acumular conhecimento é o ganho mais efetivo que se pode ter: não se desgasta e ninguém nos tira!

Conte conosco durante essa tarefa. Pode estar certo: torcemos por você!

Apresentação do módulo

Você já se deu conta de quanto a Botânica faz parte de seu cotidiano? Seja pelas folhas de papel em que esse texto está escrito, ou mesmo no arroz e feijão de cada dia, a nossa relação com os vegetais é bastante antiga. Mesmo antes de os humanos se entenderem como “gente”, já dependíamos dos vegetais como fonte de alimento. Depois, passamos a depender deles para a construção de ferramentas, objetos e como fonte de materiais (madeira, borracha, papel e muitos outros). Também não podemos esquecer da importância das áreas verdes que ainda restam e que nos oferecem bem-estar e lazer.

Este módulo sobre Botânica está dividido em duas grandes unidades, subdivididas em pequenos capítulos. A primeira unidade, “Diversidade dos organismos estudados pela Botânica”, aborda a diversidade, a caracterização e a classificação dos principais grupos estudados pela Botânica: fungos, algas, musgos, samambaias, plantas com sementes nuas e plantas com flores. A segunda unidade, “Forma e função andam juntas”, trata de assuntos relacionadas à morfologia interna e externa dos vegetais, bem como os aspectos do seu funcionamento e as interações com outros organismos.

Nos textos dessas unidades, tivemos como objetivo tratar de assuntos tradicionalmente abordados pela Botânica, mas de uma forma integrada e inovadora, não maçante e até divertida. Ao mesmo tempo, procuramos estimular o aluno a enxergar a Botânica com outros olhos, explorando outras habilidades como observação, dedução lógica e interpretação de resultados, em detrimento da memorização de nomes. Esperamos que as informações desse módulo ajudem você não apenas nas provas vestibulares, mas também a se interessar mais pelas plantas e pela Botânica.

Sem perceber, você se verá rodeado pelas plantas. Essa é a hora de mudar os olhares e tentar olhar o mundo pelos “olhos” delas!

Fabíola Bovo Mendonça Gregório Ceccantini

Diversidade dos organismos estudados pela Botânica

Unidade 1

Organizadores Paulo Takeo Sano

Lyria Mori

Elaboradores Gregório Ceccantini

Fabíola Bovo Mendonça

Imagine que hoje é um domingo de sol e que você está morrendo de vontade de andar de skate, mas tem que estudar para o vestibular. Justo hoje, está marcado na sua agenda o estudo de biologia e você chegou no capítulo de Botânica. Pinta aquela dúvida, mas você toma a decisão acertada de ficar estudando, apesar de imagens iradas de skates esvoaçando em manobras radicais preencherem a sua mente.

Será que o skate e a Botânica estão tão distantes assim?

Do que são feitos os skates em geral? O shape (prancha) geralmente é feito de compensado. Os compensados são lâminas de madeira coladas e prensadas (Figura 1.1). A madeira é o caule serrado das árvores. Essa prancha é pintada ou envernizada. O verniz e a base para as tintas podem vir da resina dos pinheiros (Pinus elliotii). As rodinhas podem ter diversos componentes, entre eles a borracha. A borracha pode ser feita de petróleo, mas há uma parte que vem da borracha extraída do látex da seringueira (Hevea brasiliensis). O látex é uma mistura complexa secretada dos troncos quando são feitos cortes na casca da árvore.

Pensando dessa forma, a Botânica não está tão longe assim das pessoas.

Materiais originados de vegetais estão sempre ao nosso redor. Antes de partir para um estudo mais formal de temas de Botânica, é útil pensar em tudo que está ao seu redor e que tem origem vegetal.

1) Quais os materiais que estão ao seu redor são derivados de vegetais? Escreva uma lista em um papel (feito de fibras vegetais de pinheiro e eucalipto, principalmente).

Olhe para os móveis ao seu redor. A mesa sobre a qual você está escrevendo deve ter partes que são de madeira e outras que não são. Há partes que não são de madeira sólida, mas também são derivadas das árvores, como aglomerados ou chapas de fibra (tipo eucatex) e ainda outras com palha ou outros tecidos. Examine bem. Pense também nos materiais de construção da sua casa.

2) Escreva o nome das madeiras que você conhece. Dessas madeiras, quais você sabe que são de reflorestamento, e quais ainda são extraídas da nossa floresta nativa? Faça uma pesquisa.

E a roupa que você está vestindo? Você sabe de que tecidos elas são feitas? Dê uma espiada nas etiquetas das roupas que informam a composição do tecido e verifique do que as peças são feitas. Veja que alguns produtos são

Fig 1.1 - Compensado de madeira com várias camadas de madeira laminada colada e com orientação do veio cruzada em cada camada.

sintéticos (viscose, poliéster etc) e outros são de origem vegetal, como o algodão, que é a fibra que envolve a semente do algodoeiro (Gossypium hisutum) (Figura 1.2).

3) Agora converse com seus colegas e faça uma lista dos produtos vegetais usados para fazer tecidos. Lembre-se que há fibras mais grossas, como o sisal e o buriti, usadas em artesanato e também usadas por nós. Faça uma lista de fibras, lembrando que podem ocorrer em esteiras, vassouras, cestas etc.

4) E nos sapatos? Há algo de vegetal?

Depois de pensar em tudo isso, não te dá uma vontade de comer um chocolate? É fácil reconhecer que a alface é um vegetal, mas isso não ocorre com todos os alimentos dessa origem. O chocolate, por exemplo, é feito com a gordura extraída da semente do cacaueiro (Teobroma cacao), muito cultivado na Bahia, mas que foi descoberto pelos astecas, no México, há muitos séculos.

5) Quais outros alimentos da sua rotina são vegetais ou de origem vegetal? Faça listas dessas duas categorias. Procure lembrar de alimentos como os cereais matinais, a margarina, o tofu, bem como de outros cuja origem vegetal não é tão óbvia.

Você pode não perceber, mas estamos o tempo todo classificando o mundo à nossa volta: classificamos filmes em comédia, drama, romance ou aventura; classificamos a comida em doce ou salgada, e entre essas as que não gostamos e as preferidas; classificamos as pessoas em amigos, conhecidos ou estranhos.

Em um supermercado, por exemplo, os produtos estão dispostos de acordo com uma classificação (Figura 1.3), há corredores em que encontramos os enlatados, outros onde há doces e guloseimas, setores com produtos de origem vegetal, produtos de limpeza etc. Em cada um desses corredores ou setores, há também uma organização em sub-grupos; por exemplo, no corredor de higiene pessoal há prateleiras com produtos de banho, produtos para higiene dos dentes e assim por diante. Em cada uma dessas prateleiras, os produtos ainda estão separados pelo tipo de uso (por exemplo, nos produtos de banho podemos encontrar conjuntos de sabonetes e xampus). Além disso, em

Fig 1.2 - Algodoeiro com fibras que envolvem a semente. (Foto de Gregório Ceccantini).

Figura 1.3 – Figura 1.3 – Figura 1.3 – Figura 1.3 – Figura 1.3 – Hierarquia de produtos de higiene em um supermercado.

(Parte 1 de 10)

Comentários