casos clinicos de enfermagem

casos clinicos de enfermagem

ESTUDO DE CASO :

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA E ANEMIA

Processo de Enfermagen

1. Histórico

A L S, paciente feminina, 78 anos, branca, viúva, cinco filhos (parto normal, sem abortos, último filho aos 42 anos). Aposentada (trabalhou desde pequena na lavoura), estudou até o segundo ano do ensino fundamental, católica praticante, relata sentir falta de ir à igreja. Vive em casa de madeira de seis cômodos, com um filho e dois netos. Residência possui água encanada e tratada, energia elétrica, fossa séptica e coleta de lixo. Não costuma ir ao dentista e faz consultas com médico hematologista a cada dois meses. Procurou o serviço médico em decorrência de “anemia muito profunda” sic. Já esteve internada em outras ocasiões devido a problemas reumatológicos e para hemotransfusão de concentrado de hemácias (realiza hemotransfusão a cada 2 – 3 meses), sem ter se submetido a nenhum procedimento cirúrgico. Antes da internação fazia uso dos seguintes medicamentos: CAPTOPRIL, FURASEMIDA e PREDNISONA. Costuma fazer caminhadas não muito longas (50 – 100 m) devido a limitações causadas pela artrite reumatóide, e trabalhos manuais (brolha, tricô, crochê). Não relata ter vícios (fumo, álcool). Gosta de sair para passear nos vizinhos e de ir as festas da igreja. Antes da internação tinha 10 horas noturnas de sono sem uso de sedativos, acorda descansada e bem disposta e dorme um pouco durante a tarde. Tem pouco conhecimento sobre sua patologia e não sente necessidade de esclarecimentos. Diz que sua anemia “já foi por excesso de ferro” sic. Relata não sentir falta de muitas atividades que realizava antes do internamento, não tem grandes preocupações e mostrou-se calma, serena e bastante colaborativa durante toda a entrevista de enfermagem. Relata uma dieta adequada a sua idade e estado de saúde (pouca carne, não faz uso de gordura animal. Muitos vegetais, em especial os de cor verde escuro; muita fruta). No hospital mudou sua dieta devido fortes náuseas. Relata tomar pouco liquido. Teve sua eliminação alterada após a internação (freqüência aumentada 3 – 4 vezes/dia, com fezes pastosas de cor amarelada). Tem bom padrão de higiene, banha-se diariamente, escova os dentes duas vezes ao dia.

2. EXAME FÍSICO

2.1. Cabeça e pescoço

Cabeça normocefálica arredondada e simétrica, sem lesões, galos ou sulcos. Couro cabeludo íntegro, cabelos grisalhos e secos. Nódulos linfáticos não palpáveis. Narinas desobstruídas, sem desvio de septo, lesões ou pontos dolorosos. Mucosa rósea normohidtratada, vibrissas presentes. Face hipocorada, desidratada, turgor diminuído e presença de pelos na região mentoniana (hirsutismo). Com a presença de rugas normais para a idade Seios paranasais sem sensibilidade a palpação. Cavidade oral com uso de prótese dentária superior e gengiva inferior desdentada, rósea e úmida. Mucosa oral rósea normohidtratada. Notada presença de saburra e pontos roxos na região sub lingual e halitose. Lábios hipocorados e ressequidos. Olhos brilhantes, simétricos, sem nistagno, pálpebras com oclusão normal, conjuntiva palpebral rósea e esclerótica amarelada (ictérica). Pupilas isocóricas fotorreagentes. Acuidade visual diminuída e uso de óculos (miopia e hipermetropia). Terceiro (oculomotor), quarto (troclear) e sexto (abducentre) pares de nervos cranianos testados e com atividade normal. Orelhas externas alinhadas com os olhos, integras, simétricas de cor idêntica a facial, meato externo com grande quantidade de cerúmen. Artérias carótidas com pulso rítmico e normal, sem presença de ruídos durante a ausculta. Traquéia reta, posicionada na linha média. Tireóide não palpável e sem presença de ruídos à ausculta. Pescoço livremente móvel.

2.2. Tórax anterior

Pele íntegra, hipocorada e coloração homogênea, com abaulamento (peito em quilha), disposição simétrica de todas as estruturas, expansão simétrica com a inspiração. Freqüência respiratória de 19 mr/m. Mamas simétricas, sem achados anormais na palpação, gânglios axilares não palpáveis. Pulsos supraclaviculares rítmicos e simétricos, pulso apical rítmico e freqüência normal. Murmúrios vesiculares na periferia dos pulmões e broco vesicular na ausculta realizada sobre o esterno. Bulhas cardíacas rítmicas, com sopro no fechamento das valvas aórticas.

2.3. Abdome anterior

Contorno simétrico, arredondado (globoso), flácido com presença de estrias e levemente distendido. Ruídos hidroaéreos presentes e normais em todos os quadrantes. Abdome sem sensibilidade dolorosa ao toque, cólon palpável. Fígado palpável, macio e firme. Baço palpável a aproximadamente 2 – 3 cm do rebordo costal. Sons timpânicos em quadrante superior esquerdo e direito e inferior direito; maciço no quadrante inferior esquerdo. Bexiga não palpável.

2.4. Tórax posterior

Simétrico, tom de pele levemente pálido, homogêneo, com boa expansão torácica, coluna vertebral ereta, frêmito presente e igualmente intenso (simétrico). Lobos auscultados e lobos inferiores de ambos os pulmões com sons estertores crepitantes na inspiração.

2.5. MMSS

Massa muscular distribuída bilateralmente simétrica, atividade e coordenação motora diminuída. Pele desidratada com turgor diminuído e presença de hematomas sem sensibilidade dolorosa. Punção venosa em MSD, com cateter nº 20, em boas condições, sem hematoma ou edema. Paralisia parcial dos dedos de ambas as mãos, boa perfusão periférica, unhas grossas e compridas, com sensibilidade dolorosa moderada à palpação. Pulsos: radial forte, rítmico e simétrico com 68 b/m, pulso braquial forte, rítmico e simétrico com 68 b/m, PA braquial 120/70 mmHg, temperatura axilar 36,4ºC.

2.6. MMII

Massa muscular distribuída bilateralmente simétrica. Atividade, coordenação motora e força muscular diminuídas, turgor da pele diminuído. Presença de hematomas e feridas sem sensibilidade dolorosa, pele desidratada e hipocorada. Movimentação dos dedos comprometida (movimentação apenas do hálux de ambos os pés), unhas secas, grossas e compridas, com sensibilidade dolorosa aumentada. Boa perfusão periférica, pulso femoral rítmico e assimétrico com 62 b/m, pulso poplíteo rítmico e assimétrico com 62 b/m, pulso pedioso rítmico e assimétrico com 62 b/m, PA poplítea 140/100 mmHg.

2.7. Impressões sobre o paciente

Paciente calma, tranqüila. Sem preocupações e colaborativa.

2.8. Diagnóstico médico

Anemia profunda, ICC.

2.9. Medicação prescrita

  • Dipirona 2ml + 8ml de água destilada (EV) se necessário

  • Lasix 40mg (VO) cedo

  • Plasil 2ml + 8ml de água destilada (EV) se necessário

  • Predinisona 20mg (VO) uma vez ao dia

  • SF 0,9% 1000ml + KCl 19,1% 10ml + GH 50% 20ml – (EV) 28 gts/min

  • Digoxina 0,25 g (VO) cedo

  • Captopril 25mg (VO) 12/12hs

  • Quepazol 20mg (VO) 12/12hs

2.10. Medicação em uso

  • DIPIRIONA:

  • Indicações: antipirético, analgésico, antiartrítica. Cuidados especiais: não usar em caso de gravidez, não amamentar até 48 horas após o uso do produto, não usar em crianças menores de três meses ou com menos de 5 Kg de peso, infecção respiratória crônica. Problemas hematológicos exigem avaliação do risco beneficio, uma vez que a dipirona tem grande tendência a causar discrasias sanguíneas. Reações adversas: ataques de asma em pacientes predispostos, diminuição acentuada de granulócitos, choque, reação na pele (do tipo alérgica) ou nas mucosas (em especial boca e garganta). Posologia: disponível na forma de comprimidos de 500 mg, ampolas de 1 e 2,5 g e em gotas para a administração em intervalos de 6 – 8 horas

  • PREDNISONA:

  • Indicações: antiinflamatório esteróide (imunossupressor), tratamento de distúrbios crônicos (inflamatórios, alérgicos, hematológicos, neoplásicos e auto-imunes). Terapia de reposição ou complementação na insuficiência adrenal. Posologia: VO, adultos – 5 a 60 mg/dia em dose única ou em doses divididas; crianças – 0,14 mg/dia (4mg/m2), divididos em três doses. Contra indicações/Precauções: infecções sem controle ativas, (pode ser usado em pacientes em tratamento de meningite tuberculosa), amamentação (recomenda-se evitar o uso crônico).

  • OMEPRAZOL:

  • Indicações: inibidor da bomba de prótons, antiúlcera péptica, esofagite erosiva, úlcera duodenal, úlcera gástrica. Posologia: VO, adultos – 20 a 40 mg/dia, durante 4 – semanas. Doses maiores que 120 mg/dia devem ser fracionadas em 2 – 3 doses. Uso cuidadoso na gravidez. Reações adversas: rash, urticária, prurido, alopecia, boca seca, diarréia, dor abdominal, náusea, vômito, constipação, atrofia da língua, sintomas de insuficiência respiratória, epistaxe, cefaléia, tontura, astenia, insônia, apatia, parestesia, febre, dor nas costas. Contra indicações/precauções: hipersensibilidade. Cuidados de Enfermagem: VO: a medição deva ser administrada antes das refeições, as cápsulas não devem ser macerada ou mastigadas. IV: doses de 40 mg têm ação imediata (redução de 90% da acidez gástrica), deve ser diluído somente em solvente próprio, depois de diluído se mantêm estável por 4 horas, não deve ser infundido com outros medicamentos.

  • CAPTOPRIL (VO):

  • Indicações: hipotensor arterial, inibidor da ECA. Cuidados especiais: hipersensibilidade, gravidez, ICC. Lupus eritematoso e imunodeprimidos. Reações adversas: taquicardia, hipotensão, angina, pericardite, rash, prurido, aumento transitório das enzimas hepáticas, irritação gástrica, úlcera péptica, constipação, proteinúria, leucopenia, agranulocitopenia, pancitopenia, anorexia, tontura, febre, hipercalemia, linfodenopatia. Posologia: 6,25 mg – 12,5 mg, 2 a 3 vezes por dia. Cuidados de enfermagem: o medicamento deve ser administrado 1 hora antes ou 2 horas após as refeições.

  • DIGOXINA:

  • Indicações: cardiotônico, digitálico, antiarrítmico, usado na ICC. Reações adversas: arritmias, possível agravamento da ICC, hipotensão, náuseas, vômito, diarréia, halos amarelos e verdes em torno da imagem, visão turva, fotofobia, diplopia, anorexia, fadiga, astenia, agitação, alucinação, cefaléia, desmaio, parestesia. Contra indicações/precauções: fibrilação e taquicardia ventriculares (exceto quando devido a ICC). Cuidados de Enfermagem: administrar a medicação em intervalos de 8 horas. Posologia: 0,5-1 mg/Kg/dia, mais dose de manutenção de 0,125-0,5 mg/Kg/dia

  • LASIX/FUROSEMIDA (VO):

  • Indicações: diurético, anti-hipertensivo, usado no tratamento do edema causado pela ICC, hipertensão arterial. Posologia: idosos podem ser mais sensíveis às doses usuais. Iniciar com 20-80 mg/dia em dose única, aumentando aumentar a dose em 20-40 mg a cada 6 ou 8 horas até se obter o efeito desejado, usado dose de manutenção de 20-40 mg/dia, em dose única. Contra-indicação/precauções: hipersensibilidade, distúrbio hidroeletrolítico, coma hepático ou anúria. Reações adversas: hipotensão, rash, fotossensibilidade, hiperglicemia, constipação, diarréia, boca seca, náuseas, vômito, poliúria, discrasias sanguíneas, hiperurecima, desidratação, hipocloremia, hipocalemia, hipomagnesemia, hiponatremia, hipovolemia, alcalose metabólica, artralgia, cãibras musculares, mialgias, perda da audição, zumbido, tontura, encefalopatia, insônia, nervosismo. Cuidados de Enfermagem: idosos são mais suscetíveis à diurese excessiva e a complicações tromboembolíticas, monitorização do balanço hídrico.

  • PLASIL/METOCLOPRAMIDA (EV):

  • Indicações: antiemético Posologia: 1-3 ampolas/dia. Contra-indicações/precauções: hipersensibilidade, hemorragia GI, epilepsia, em caso de câncer de mama e lactação. Reações adversas: hipertensão transitória, náuseas, diarréia, inquietação, sonolência, fadiga, insônia, reações extrapiramidais, distonia, tontura e ansiedade. Cuidados de Enfermagem: infundir lentamente além de 2 a 3 minutos. Pode causar tontura e sonolência.

  • CLORETO DE POTÁSSIO (KCl 0,9%):

  • Indicações: remineralizante, mantém o equilíbrio ácido-base, a isotonicidade e o equilíbrio eletrofisicocelular, essencial à transmissão de impulsos nervosos, contração dos músculos cardíaco, esquelético e liso, secreção gástrica, função renal, síntese tecidual e metabolismo de carboidratos. Usado em reposição e prevenção de deficiência. Posologia/Tempo de infusão: até 200 mEq/dia, a droga deverá ser administrada somente depois de diluída, deve ser infundida na concentração de soro glicosada 40-80mEq/l (não exceder 10-20mEq/h).

  • Contra-indicações/Precauções: hipercalemia, prejuízo renal grave e doença de Addison. Uso cuidadoso em casos de doença cardíaca, diabetes mellitus. Reações adversas: arritmias, alterações no ECG, irritação (IV), paralisia, parestesias, confusão, inquietação, fraqueza.

  • GLICOSE: Indicações: agente calórico, repositor de líquidos (5%) ou suplemento calórico por via injetável (10 – 25 – 50%). Posologia: Velocidade máxima de infusão é 0,5 g/Kg/h, velocidades maiores causam glicosúria. Contra indicações/precauções: alergia ao milho, coma diabético, desidratação, delirium tremens, hemorragia intracraniana ou intraespinhal, nível de glicose no sangue igual a 250 mg/dl por 3 dias. Reações adversas: aumento da glicose no sangue, aumento do volume do sangue, aumento exarcebado da PA, confusão mental, danos ou necrose o tecido muscular, diurese osmótica, flebite, esclerose da veia, hiperosmolaridade, inchaço, inconsciência, ICC e síndrome hiperosmolar.

3. EXAMES SOLICITADOS

HEMOGRAMA

10/09/04

13/09/04

Eritrócito

4.530.000

4.700.000

Hemoglobina

1,2

11,8

VG

35,4

35,8

VCM

78,0

76,0

HGM

24,8

25,2

CHGM

31,7

33,1

LEUCOGRAMA

Leucócitos

15.700

18.500

Plaquetas

342.000

474.000

4. SÍNTESE DA FISIOPATOLOGIA ATUAL

4.1. Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC):

Consiste na incapacidade do coração em bombear sangue suficiente para suprir as necessidades corporais de oxigênio e nutrientes. Comumente a ICC ocorre devido a distúrbios no miocárdio (diminuição da contratibilidade do coração) em decorrência da aterosclerose coronária, hipertensão arterial e disfunção valvular. A aterosclerose coronária é a principal causa de ICC, encontrada em mais de 60% dos pacientes com ICC. A HAS ou a pulmonar aumenta o trabalho do coração e leva a hipertrofia das fibras e conseqüente aumento da força e diminuição da capacidade de enchimento do coração. Na cardiopatia valvular o funcionamento das válvulas que impedem o refluxo de sangue está comprometido, aumentado a pressão intracardíaca, impedindo que o sangue saia do coração de forma adequada.

A visão atual da insuficiência cardíaca é diferente em relação ao início do século, quando as principais causas de insuficiência cardíaca congestiva eram miocardiopatia hipertensiva e valvopatias, especialmente estenose mitral. Atualmente, a insuficiência cardíaca é vista como doença de progressão lenta, permanecendo compensada por muitos anos, tendo como principal causa a miocardiopatia isquêmica, seguida pelas miocardiopatias idiopática e hipertensiva; no Brasil, a miocardiopatia chagásica ainda é prevalente.

A síndrome da insuficiência cardíaca é conseqüência da incapacidade dos ventrículos em bombear quantidades adequadas de sangue para manter as necessidades periféricas do organismo. Essa síndrome era descrita primariamente como um distúrbio hemodinâmico. De acordo com esse modelo, a insuficiência cardíaca sobrevém após agressão cardíaca, que prejudique sua habilidade de ejetar sangue, levando à diminuição do débito cardíaco, com conseqüente baixo fluxo renal, levando à retenção de sódio e água e ao surgimento de edemas periférico e pulmonar. Esse pensamento foi a base para o uso de digitálicos e diuréticos no tratamento dessa entidade. A despeito dos controles da retenção hídrica e da freqüência cardíaca, a insuficiência cardíaca progredia, levando o paciente inexoravelmente ao óbito.

Atualmente, a insuficiência cardíaca tem sido vista como uma doença da circulação e não apenas do coração. Quando o débito cardíaco cai após agressão miocárdica, mecanismos neuro-hormonais são ativados com o objetivo de preservar a homeostase circulatória. Embora originalmente vista como uma resposta compensatória benéfica, a liberação endógena de neuro-hormônios vasoconstritores parece exercer papel deletério no desenvolvimento da insuficiência cardíaca congestiva, pelo aumento da sobrecarga de volume e da pós-carga do ventrículo com contratilidade já diminuida. Isso leva à progressão da insuficiência cardíaca já existente. Esses neuro-hormônios podem exacerbar as anormalidades metabólicas já existentes, ocasionando o aparecimento de arritmias cardíacas. Por esses mecanismos, a ativação neuro-hormonal contribui de maneira significativa para os sintomas de insuficiência cardíaca, assim como está envolvida na alta mortalidade dos portadores dessa doença.

4.2. Anemia:

Condição na qual o número de eritrócitos ou quantidade de hemoglobina (proteína que transporta oxigênio), contida nos mesmos está abaixo do normal, resultando num baixo aporte de oxigênio nas células e tecidos, causando fraqueza, fadiga e incapacidade de realizar exercícios. Caso se torne grave pode levar a um infarto agudo do miocárdio ou acidente vascular cerebral (AVC). Existem vários tipos de anemias, dentre os quais podem ser citados: perniciosa – afeta principalmente pessoas de idade média e do sexo feminino, sua sintomatologia típica consiste em astenia, sintomas digestivos (especialmente glossite) e sintomas neurológicos (parestesias, neurites, esclerose combinada na medula); hipocrômica ou ferropriva ­– ocorre quando os estoques de ferro, em conseqüência de várias causas (tumores, alterações glandulares, alimentação deficiente) estão baixos; secundária ou sintomática – conseqüente de estados mórbidos crônicos (cirrose hepática, câncer, tuberculose) ou de hemorragias (pós-operatório ou traumas).

4.3. Classificação

De acordo com o tamanho das hemácias:

  1. Microcíticas: anemia ferropriva ( a mais comum de todas), hemoglobinopatias (talassemia, hemoglobinopatia C, hemoglobinopatia E), secundárias a algumas doenças crônicas, anemia sideroblástica.

  2. Macrocíticas: anemia megaloblástica, anemia perniciosa, alcoolismo, devido ao uso de certos medicamentos (Metrotrexato, Zidovudina),

  3. Normocítica: por perda de sangue, [anemia aplásica]], secundárias a doenças crônicas

5. DIAGNÓSTICO

O Hemograma é o principal exame a ser realizado quando há uma suspeita de anemia. O mais importante em um hemograma, no que diz respeito a uma suspeita de anemia, é a avaliação da série vermelha (glóbulos vermelhos ou hemácias). Esta avaliação inclui a determinação do número de hemácias, hematócrito, hemoglobina, do volume corpuscular médio (volume da hemácia), hemoglobina corpuscular média (peso da hemácia) e concentração corpuscular média (concentração da hemoglobina dentro de uma hemácia). Normalmente realiza-se uma análise estatística em testes realizados em um grande grupo de indivíduos normais para se chegar aos límites estabalecidos para hemoglobina, hematócrito e número de hemácias, isto quer dizer que cada região possui um límite de normalidade. A normalidade varia de acordo com sexo, idade e etinia. A morfologia das hemácias ou estudo da sua forma ajuda a diagnosticar alguns tipos de anemias. Algumas formas só aparecem em alguns tipos de anemia.

A contagem de reticulócitos é usada para avaliar a produção de hemácias. Expresso em porcentagem, o valor normal é de até 2%. Há um aumento quando ocorre uma anemia hemolítica ou após perda de sangue. Reticulócitos são hemácias immaturas e possuem residuos de RNA em seu interior, são visualizadas ao microscópio usando-se corantes especiais.

Quando se desconhece a causa da anemia, outros exames são utilizados para ajudar no diagnósticos. A dosagem de ferritina ajuda no diagnóstico da anemia ferropriva, assim como do ferro sérico. A eletroforese de hemoglobina é usada para detectar o tipo de hemoglobinopatia que tem causa genética. A deficiência de G6PD, uma enzima, é detectada pelo teste de G6PD. Resistência Globular Osmótica (ou RGO) ajuda no diagnóstico de algumas anemias hemolíticas (esferocitose, eliptocitose). Teste de Coombs é usado para detectar se a anemia é um defeito extracorpuscular adquirido. Teste de HAM serve para detectar anemia causada pela hemoglobinúria paroxística noturna. DHL aumentado aparece quando há hemácias lisadas, portanto em casos de hemólise.

6. Evolução

Evolução:– cliente sem queixas, aceitando dieta hospitalar, além de bolachas, sucos e frutas trazidas pelos familiares. Ingesta hídrica superior a 300ml no período. Diurese 2 x no período, urina clara, com odor característico em volume moderado, evacuação ausente no período. Realizado hidratação da pele, corte de unhas, higiene oral, colocado bolsa de água quente para aquecer os pés, controle de sinais vitais e orientação quanto injesta de ferro e vitamina C. Exame físico realizado céfalo-caudal, sem achados anormais. PA braquial: 120/70, Pulso: braquial: 68 pc/m, radial: 68 pc/m, supraclavicular: 68 pc/m; todos fortes rítmicos e simétricos. Pulso poplíteo rítmico e assimétrico, 83 bc/m.

– cliente sem queixas, aceitando dieta hospitalar além de frutas, bolachas, refrigerante e sucos trazidos pela família. Injesta hídrica superior a 250ml no período, diurese presente 1 x no período, clara com odor característico, evacuação ausente no período. Realizado hidratação da pele, higiene oral colocado bolsa de água quente nos pés, estimulo a movimentação, explicação sobre a patologia ressaltando a importância de uma dieta rica em ferro e vitamina C.

7. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM:

7.1 Problemas de enfermagem

  • Pele ressecada

  • Dor nas articulações

  • Punção Venosa

  • Náusea/Vômito

  • Ingesta Hídrica Inadequada

  • Cuidados corporais deficientes

  • Anemia de causa desconhecida (aguarda laudo MO)

  • Eliminação intestinal aumentada

7.2 Necessidade humana básica afetada

  • Cuidado corporal

  • Eliminação

  • Equilíbrio hidroeletrolítico

  • Hidratação

  • Integridade Cutânea

  • Percepção dolorosa/Conforto

  • Regulação Vascular

  • Regulação eletrolítica

7.3 Diagnóstico de Enfermagem

  • Alteração do Conforto: Dor

  • Dano potencial da integridade da pele

  • Deficiência do autocuidado: Hidratação

  • Risco de desequilíbrio de volume de líquido

  • Deficiência de auto cuidado: Halitose

  • Risco de infecção

7.4 Prescrição de enfermagem para cada diagnóstico:

  • Administrar os medicamentos prescritos

  • Auscultar os ruídos pulmonares para detectar diminuição ou ausência dos estertores pulmonares

  • Cortar e limpar as unhas

  • Estimular a ingesta hídrica

  • Garantir uma adequada ingesta de líquidos

  • Hidratar a pele com óleo de cadeia média (linoléico ou outro óleo hidratante)

  • Informar sobre alimentos ricos em ferro e vitaminas (ácido fólico e ascórbico)

  • Manter o conforto (oferecer coxins - travesseiros, bolsas de água quente, ...)

  • Monitorar periodicamente as condições da punção venosa

  • Mudança de decúbito

  • Oferecer distração

  • Orientação sobre a forma correta e a freqüência adequada realizar a higiene oral

  • Realizar a higiene oral

  • Orientar sobre uma dieta rica em fibras

  • Proteger o local da punção

  • Realizar massagens que estimulem o retorno venoso

  • Realizar os procedimentos de acordo com a técnica

  • Verificação de sinais vitais a cada 4 horas

Bibliografia

  • Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. 3ª ed. Rio de Janeiro: EPUB, 2002.

  • NANDA, North American Nursing Diagnosis Association. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: Definições e Classificações – 1999-2000. Porto Alegre: Artmed: 1999.

  • SMELTZER, Suzanne C.; BARE, Brenda G. BRUNNER E SUDDARTH: Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

13

Comentários