etapas do processo de enfermagem

etapas do processo de enfermagem

Etapas do Processo de Enfermagem INVESTIGAÇÃO

  • Ms. Regina Dodt

  • reginadodt@yahoo.com.br

Processo de Enfermagem

  • É um método utilizado para se implantar, na prática profissional, uma teoria de enfermagem.

  • O processo de enfermagem fornece estrutura para a tomada de decisão durante a assistência de enfermagem, tornando-a mais científica e menos intuitiva (JESUS, 2002).

  • A ciência da enfermagem está baseada em uma ampla estrutura teórica, e o processo de enfermagem é uma das ferramentas por meio da qual essa estrutura é aplicada à prática de enfermagem – ou seja, é o método de solução dos problemas do cliente.

Etapas do Processo de Enfermagem

INVESTIGAÇÃO

  • Consiste na coleta de informações referentes ao estado de saúde do cliente, da família e da comunidade (definidos de acordo com a teoria de enfermagem utilizada como marco conceitual), com o propósito de identificar as necessidades, os problemas, as preocupações e as reações humanas desse cliente.

  • As informações devem ser o mais precisas e fidedignas possível.

INVESTIGAÇÃO

  • COLETA DE DADOS

  • VALIDAÇÃO DOS DADOS

  • AGRUPAMENTO DOS DADOS

  • IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES

  • COMUNICAÇÃO E REGISTRO DE DADOS

COLETA DE DADOS

  • Os dados referentes ao estado de saúde do cliente são investigados de maneira direta e indireta.

  • DADOS DIRETOS: anamnese, exame físico

  • DADOS INDIRETOS: familiares, amigos, prontuários, registros de outros profissionais, resultados de exames, outros.

ANAMNESE

  • Termos grego

  • ANA = Recordar

  • MNESIS = Memória

  • É o núcleo em torno do qual se desenvolve toda a relação profissional-paciente, sendo o elemento básico na tomada de decisões diagnósticas e terapêuticas.

Objetivos da anamnese ou entrevista

  • Estabelecer condições para a relação profissional – paciente.

  • Fazer a história clínica e conhecer os fatores pessoais, familiares e ambientais relacionados com o paciente.

  • Estabelecer os aspectos do exame físico que mereçam mais investigação

  • Definir a estratégia relativa a exames complementares

  • Escolher o procedimento terapêutico mais adequado em função do diagnóstico e do conhecimento global do paciente.

VALIDAÇÃO DOS DADOS

  • Comprova se os dados estão corretos

  • Compara

  • Verifica se a informação coletada é factual e completa, no intuito de evitar erros na identificação dos problemas ou deixar de coletar dados relevantes, não fazer presunções, entre outros aspectos.

AGRUPAMENTO DOS DADOS

  • Os dados de saúde devem ser agrupados em conjuntos de informações relacionadas, mantendo-se o enfoque de enfermagem e aproximando-se os padrões de resposta e funcionamento humanos.

  • É um princípio do pensamento crítico que exige do enfermeiro um julgamento baseado em evidências.

  • Instrumentos – visão holística, assegurando que as esferas biológica, sociais, psicológicas e espirituais sejam levadas em conta, conforme a teoria de enfermagem utilizada.

IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES

  • O enfermeiro deverá identificar impressões iniciais dos padrões de comportamento humano e decidir sobre o que é relevante, direcionando a investigação para adquirir mais informações, ou seja, buscar os fatores que contribuem para a criação do padrão.

  • Ex: Taquipnéia – o enfermeiro deve inferir quais são os fatores relacionados com o aparecimento das evidências apresentadas pelo cliente.

COMUNICAÇÃO E REGISTRO DE DADOS

  • Dados significativos (ou anormais)

  • O registro dos dados promove a continuidade da assistência, a exatidão das anotações e o pensamento crítico, uma vez que o enfermeiro pode avaliar o registro e com isso analisar os dados coletados e aprofundar seus conhecimentos.

  • A organização dos dados é essencial para a interpretação dos mesmos e para o processamento apto e crítico de inferências e julgamentos.

A Entrevista e o Exame Físico

  • Rapport (palavra francesa que significa padrão). Para estabelecer rapport, fazer perguntas, escutar e observar constitui a chave de uma relação positiva enfermeira- paciente, sendo essencial à obtenção dos fatos.

ANTES da entrevista

  • Organize-se

  • Não confie na memória

  • Planeje tempo suficiente

  • Assegure privacidade

  • Concentre-se

  • Visualize-se como uma pessoa confiante, acolhedora e útil.

Ao INICIAR

  • Diga seu nome e cargo

  • Verifique o nome da pessoa e pergunte como gostaria de ser chamada

  • Explique com brevidade seu propósito

  • DURANTE a entrevista

  • Dê atenção total á pessoa

  • Não tenha pressa

  • Sente-se

Como OUVIR

  • Seja empático;

  • Use frases complementares curtas

  • Ouça os sentimentos, além das palavras

  • Permita que a pessoa saiba que você percebe a linguagem corporal;

  • Mantenha a calma, permita que a pessoa conclua suas frases

  • Seja paciente, caso ocorra um bloqueio de memória

  • Evite o impulso de interromper

  • Permita pausas na conversa – o silêncio possibilita reunir e ordenar os pensamentos.

Como FAZER PERGUNTAS

  • Pergunte, primeiro, a respeito do principal problema da pessoa;

  • Focalize suas perguntas, específicas nos sinais e sintomas

  • Não use perguntas indutoras

  • Faça uso de enunciados exploratórios – conte-me...

  • Use técnicas de comunicação que intensifiquem sua capacidade de pensamento crítico e de obtenção dos fatos;

  • Evite perguntas fechadas - Você tem dor?

Como OBSERVAR

  • Use os seus Sentidos

  • Observe o aspecto geral

  • Observe a linguagem corporal

  • Perceba padrões de interação (adeque-se)

Obrigada!

Comentários