A importância da Logística

A importância da Logística

(Parte 2 de 2)

Com o aumento dos custos de estocagem, as empresas estão buscando definir seus níveis de estoque com base em três fatores principais, que são: 1) O aumento do número de produtos; 2) O alto custo de oportunidade no uso de capital, em virtude das elevadas taxas de juros praticadas no Brasil; 3) Necessidade de gerenciar adequadamente o capital circulante líquido. Estes três fatores, se mal dimensionados podem causar transtornos irreversíveis à empresa, pois se o ramo de atividade possuir grande variedade de itens e a empresa tiver que manter grande quantidade de cada item, todo o capital de giro poderá ser gasto somente em estoque, desfalcando as demais necessidades a serem atendidas. Isso pode acontecer com todos os três fatores citados acima.

Alguns dos aspectos que têm colaborado para o aumento da eficiência dos processos de movimentação de estoque são a gestão do transporte, armazenagem e processamento de pedidos, que podem ser gerenciados através de formação de parcerias entre empresas na cadeia de suprimentos, fato iniciado com as montadoras e fornecedores na indústria automobilística japonesa, que tem permitido redução de custos com a eliminação de atividades que não agregam valor ao processo, tais como controle de qualidade no recebimento, licitações e cotações de preços. Outro aspecto é através do surgimento de operadores logísticos, que são empresas especializadas em transportes de cargas fracionadas, tais como FedEx,

TNT entre outras, e finalmente com a adoção de novas tecnologias de informação para a captura e troca de dados entre empresas, através da aplicação do código de barras, EDI, Internet e outros tipos de automação, com a redução de processos de retrabalhos, através da eliminação da interferência humana na colocação de pedidos. O aspecto do quando pedir, a empresa busca determinar se a empresa vai

seguir ou não a metodologia sugerida de ponto de pedido

Na localização dos estoques na cadeia de suprimentos, o que se procura é definir se centraliza ou não os estoques, visando o melhor atendimento aos clientes.

2.5 A tecnologia e a Logística

A tecnologia da informação, os recursos tecnológicos materiais e os serviços oferecidos para o processo logístico estão evoluindo constantemente e desta forma as empresas podem fazer as suas escolhas, diante de diversas opções, tanto de software como de equipamentos, indo em busca daquilo que mais se adequa às suas necessidades.

Dentre estes recursos disponíveis no mercado pode-se citar diversos, os quais abrangerão as necessidades de todos os tipos de usuários como:

- Consultoria e treinamento (Assessoria, projetos, palestras e eventos);

- Recursos de movimentação e armazenagem (Balanças, revestimentos de pisos, demarcações, faixas, portas especiais, cortinas, escadas, rampas, produtos de segurança, alimentadores, redutores e imóveis);

- Estruturas de estocagem (Armazéns, galpões, reservatórios, tanques, silos mezaninos, pontes rolantes, transelevadores, armários modulares, gaveteiros, carrosséis verticais e horizontais e sistemas de estocagem).

- Serviços de logística (Operadores logísticos, armadores, desembaraço aduaneiro, terminais diversos, armazéns gerais, motoboys, distribuição física, transportes marítimos, aéreo, ferroviário, rodoviário, terceirização de mão-de-obra para movimentação, gestão de embalagens retornáveis, seguros e escoltas de cargas;

- Identificação e automação industrial e comercial (Código de barras

(etiquetas impressoras, coletores, scanners, terminais de radiofreqüência, software), softwares (WMS, estoque, ERP, MRP, SCM, de simulação, sistemas logísticos e otimização de cargas, de transporte e frota, rastreadores);

- Transportadores contínuos (correias, correntes, canecas, elevadores, assessórios para transportadores contínuos, carregadores, transportadores diversos);

- Embalagens, recipientes e utilizadores (Racks, caçambas, paletes e acessórios, estrados, caixas engradados, aplicadores diversos, cantoneiras para reforço de embalagens, estabilizadores de caixas, embalagens (impressoras, máquinas para fechamento, separadores)

- Veículos e máquinas industriais (Empilhadeiras, carrinhos, carretas, caminhões, carros elétricos, escavadeiras, guindastes, pás-carregadeiras, retroescavadeiras, guinchos, rebocadores, tratores).

A combinação desses aplicativos conduz para a otimização do sistema logístico e melhora o processo de gestão integrada dos diversos componentes, ou

manufatura

seja, estoques, armazenagem, transporte, processamento de pedidos, compras e

2.6 Gestão da Cadeia de Suprimentos – Supply Chain Management

O conceito de Cadeia de Suprimentos surgiu por volta dos anos de 1970 e 1980, porém ainda é algo novo para os gestores de empresas, despontando através de fabricantes japoneses de automóveis, que administravam o fornecimento de insumos além dos contratos convencionais com os fornecedores diretos.

Na concepção de FLEURY et all (2000:42) “o SCM é uma abordagem sistêmica de razoável complexidade, que implica alta interação entre os participantes, exigindo a consideração simultânea de diversos trade-offs”. Isso significa que a função do SCM é a coordenação e interação dos diversos fatores que compõem o canal de distribuição dos processos desde o fornecedor até o consumidor final e vice-versa. O processo de implantação do conceito de suppy chain management passa invariavelmente por sete fases ou processos-chaves, conforme descreve FLEURY et all (2000:45):

1- Relacionamento com os clientes; 2- Serviço aos clientes;

3- Administração da demanda; 4- Atendimento de pedidos;

5- Administração do fluxo de produção; 6- Compras / suprimento;

7- Desenvolvimento de novos produtos. É importante focar estes processos chaves nos objetivos pré-definidos, ou seja, o desenvolvimento de equipes focadas nos clientes estratégicos, buscando entendimento comum sobre características de produtos e serviços, fornecer um ponto de contato único para todos os clientes, atendendo de forma eficiente as suas consultas e requisições, captar compilar e atualizar dados de demanda, com o objetivo de equilibrar a oferta com a demanda, atender aos pedidos dos clientes sem erros e dentro do prazo de entrega, desenvolver sistemas flexíveis de produção que sejam capazes de responder às mudanças no mercado, gerenciar relações de parceria com fornecedores para garantir respostas rápidas e melhoria de desempenho, buscar o mais cedo possível o envolvimento dos fornecedores no desenvolvimento de produtos.

Embora a quebra de paradigmas internos e o comprometimento da equipe sejam importantes para o sucesso do SCM, o envolvimento dos participantes internos e externos ao processo também será fator preponderante no processo de implantação dessa importante ferramenta.

2.7 Logística Integrada

baseados no tempo, mensuração abrangente e benchmarking

Como já descrito alhures sobre os conceitos de logística, pode-se complementar que para a completa satisfação dos seus objetivos, devem atender pelo menos a seis pontos considerados básicos, quais sejam, a busca do sucesso do cliente, a integração interna e externa da cadeia de suprimentos, processos

Para entender o processo de logística integrada, a empresa precisa primeiro entender ou definir qual o nível de relacionamento que ela deseja ter com seus parceiros, ou seja, cliente e fornecedor, pois é importante para a empresa entender que o seu sucesso depende também do sucesso dos seus clientes, pois fazem parte

da cadeia de suprimento

O sucesso da integração logística é dependente do bom gerenciamento integrado dos diversos sistemas internos, eliminando retrabalhos, e externos, através de parcerias e relacionamentos cooperativos com os vários participantes da cadeira de suprimentos, baseados na confiança, capacitação técnica e troca de informações, para reduzir custos, eliminar duplicidades e acelerar o aprendizado.

Diante dessas afirmações, é importante concluir que, apesar de a maioria das empresas sempre terem avaliado seus processos de forma separada, o novo contexto empresarial recomenda que a avaliação seja de forma integrada e as mudanças culturais e organizacionais devem ser feitas e acompanhadas. A persistência, a paciência e habilidade de negociação são fundamentais para o sucesso da aplicação.

3 Considerações Finais

Ao encerrar este opúsculo, resta fazer um apanhado geral das abordagens aqui expostas, ou seja, reafirmar que a adequada gestão de estoques passa obrigatoriamente pela adoção de novas tecnologias, a utilização dos conceitos de logística, logística integrada, bem como novas filosofias de gestão, como o Supply

Chain Management dentre outros. As novas tecnologias de informação aplicáveis a logística tendem a tornar-se rotina nas organizações. A logística empresarial é um assunto vital, pois exerce a função de estudar e dar formas de como a administração pode obter cada vez mais eficácia e eficiência em seus serviços de distribuição a seus clientes e consumidores, levando em consideração planejamento, organização e controle efetivos para as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos. A própria definição de gestão de estoques evidencia seus objetivos, que são planejar os estoques, as quantidades de materiais que entram e saem, as épocas em que ocorrem as entradas e saídas, o tempo em que decorre entre essas épocas e os pontos de pedido de materiais.

Portanto, sem querer aqui esgotar o assunto, compete somente reafirmar que esses objetivos acima colocados podem ser atingidos se a empresa mantiver uma adequada aplicação dos conceitos de logística em seus processos de gestão.

Bibliografia

BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Bookman, 2002. CORREA, H. L. Planejamento Programação e Controle da Produção – MRP I /

ERP, Conceitos, uso e implantação, São Paulo: Atlas, 2000. DRUCKER, Peter F. Administrando em tempos de grandes mudanças. São

Paulo: Pioneira, 2000. FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa,

2ª ed. Rio de Janeiro: ed. Nova Fronteira. 1986. FILHO, Armando Oscar Cavanha. Logística - novos modelos. RJ. Ed. Qualitymark:

2001. FLEURY, Paulo Fernando, WANKE, Peter, FIGUEIREDO, Kleber Fossati (organizadores). Logística Empresarial: Ed. Atlas São Paulo, 2000. São Paulo: Pioneira, 2001. MENDES, M. L. Vanguarda Logística, Revista Exame. REVISTA TECNOLOGÍSTICA. O Boticário mapeia seus custos logísticos com o ABC: ago., 2002. TORRES, L. MILLER, J. Alinhamento estratégico com o cliente, HSM Management, nº21, ano 4, jul/ago de 2000.

(Parte 2 de 2)

Comentários