Dibs em busca de si mesmo

Dibs em busca de si mesmo

(Parte 1 de 4)

DIBS: EM BUSCA DE SI MESMO Virginia M. Axline

CÍRCULO DO LIVRO CÍRCULO DO LIVRO S.A. Caixa postal 7413 São Paulo, Brasil

Edição integral Título do original: "Dibs in search of self" Tradução: Célia Soares Linhares Layout da capa: Yae Takeda

Licença editorial para o Círculo do Livro S.A. por cortesia da Livraria Agir Editora

Composto pela Linoart Ltda. Impresso e encadernado em oficinas próprias

Nota da tradutora

Verdadeiro e generoso como a própria vida, Dibs mostra a ventura conquistada na aventurosa busca da gratuidade do viver e do encontrar-se. É um convite para entender e amar a criança que continua escondida em cada um de nós e sentir a grandiosidade da participação no mistério cósmico que nos une às montanhas, ao mar, às chuvas, às árvores, aos passarinhos e a todos os animais, às crianças, aos jovens, aos adultos, num agigantamento de nosso ser e num apro de nossa originalidade pessoal. A experiência relatada neste livro é indizível, impossível de submeter-se a uma descrição, mas as pessoas que se permitiram atingir a estatura do humano sentem e completam os retalhos que aqui foram escolhidos. A elas, portanto, a alegria de conhecer e amar este Dibs e todos os Dibs do mundo.

Rio de Janeiro, julho de 1973. Célia Soares Linhares

Prólogo Esta é a história de uma criança em busca de si mesma, através do processo psicoterápico. Foi toda ela vivida na sua autenticidade por uma pessoa idêntica a nós - um menino chamado Dibs. Enquanto essa criança desabrochava no esforço de encontrar as forças da vida, crescia dentro dela um novo conceito próprio - a inusitada e incessante descoberta de que, dentro dela, existiam uma estatura e sabedoria que se expandiam e se contraíam "semelhante, às sombras que são influenciadas pelo sol e pelas nuvens". Dibs experimentou profundamente o complexo processo de crescimento na busca do precioso presente da vida, curando-se a si próprio pelos raios de sol de suas esperanças e pelas chuvas de suas mágoas. Vagarosamente, e por tentativas multifacetadas, Dibs descobriu que a segurança de seu mundo não estava centralizada no contexto circunstancial, mas que o núcleo estabilizador que ele procurava com tal intensidade tinha profundas raízes dentro de si mesmo. Porque Dibs expressa uma linguagem que desafia a complacência de muitos de nós, e porque ansiou e lutou para conquistar sua identidade humana digna de uma missão e lugar neste mundo, sua história tornou-se a história de cada pessoa à procura de seu autêntico caminho. Através de sua experiência numa sala de ludoterapia, em seu lar, em sua escola, sua personalidade desenvolveu-se e enriqueceu de diferentes maneiras a vida daqueles que tiveram o privilégio de conhecê-lo.

7 Introdução

Esta é a história do desabrochar de uma personalidade forte e saudável, em uma criança anteriormente marcada por profundos traumatismos. Quando esta narrativa começa, Dibs vinha freqüentando a escola há quase dois anos. Não falava de modo algum, a princípio. Algumas vezes, sentava-se, mudo e imóvel, durante toda a manhã ou engatinhava ao redor da sala absorto em si mesmo e desligado das outras crianças e da professora. Outras vezes, tinha violentos acessos de raiva. Os professores, o psicólogo e o pediatra da escola estavam dolorosamente confusos com ele. Seria Dibs um retardado mental? Teria seu cérebro sofrido alguma lesão quando de seu nascimento? Ninguém sabia. O livro oferece, inicialmente, uma visão daquilo que a autora chama "a busca de si mesmo", e, neste caso, pateticamente empreendida por um pequeno ser humano atormentado. No final, Dibs consegue emergir como uma pessoa brilhante e talentosa, um verdadeiro líder, como resultado da respeitosa e extraordinária habilidade clínica da Dra. Axline. A autora já é famosa em todo o mundo da psicologia por suas contribuições para a teoria e prática da ludoterapia infantil. Seu livro Play therapy: the inner dynamics of childbom! tem merecidamente conquistado o mais amplo aplauso aceitação. Dibs: em busca de si mesmo é um livro agradável e fascinante para qualquer leitor. Será lido com prazer e especial proveito por todos os pais que estão interessados nas maravilhas do desenvolvimento mental de seus filhos. Também os estudiosos da infância e da natureza normal e anormal da vida mental nele encontrarão vívidos ensinamentos. A criança descrita neste livro era, a princípio, muito excêntrica. Entretanto, psicólogos e psiquiatras têm, desde há muito, reconhecido que aspectos novos dos processos típicos e normais do desenvolvimento da saúde mental podem ser obtidos pelo estudo de diferentes e exageradas formas de comportamento que aparecem em indivíduos atípicos. Pode ser observado que, historicamente, a moderna psicologia muito deve às análises detalhadas de casos singulares. Neles podem ser incluídos os primeiros trabalhos de Freud e Morton Prinde. Não há dúvida de que um dos grandes problemas desta era tecnológica, caracterizada por grandes aglomerados urbanos, é a compreensão autêntica das técnicas que possibilitam mudanças duráveis na personalidade e no comportamento. Dibs: em busca de si mesmo, como estudo da organização mental e da modificação de atitudes, é importante nesse contexto. As pessoas que vierem a ler e compreender este livro jamais poderão acreditar novamente que o crescimento psicológico do homem, o sucesso na escola, ou a aquisição de complexas habilidades possam ser conquistadas pela mera repetição generalizada ou pelo reforço de simples modelos de reação. Outra idéia enfatizada neste livro é a de que o tratamento verdadeiramente profundo e efetivo de uma criança com distúrbios tende a ajudar, de maneira real, a saúde mental de seus pais. É o reverso da informação tão difundida de que o tratamento clínico bem-sucedido dos pais representa, freqüentemente, a melhor forma de terapia para uma criança com problemas emocionais. Mas acima de tudo, Dibs: em busca de si mesmo é uma leitura deliciosa! Tão empolgante para mim como as histórias de detetive de primeira categoria.

Leonard Carmichael Washington, D.C.

Capítulo I Era hora do almoço, hora de ir para casa, e as crianças circulavam com seu barulho habitual, ziguezagueando para apanhar seus casacos e chapéus. Todas, menos Dibs. Ele recuara até o canto da sala, e lá permanecia agachado, cabeça baixa, braços dobrados e firmemente cruzados sobre o peito, ignorando o mundo à sua volta. Os professores aguardavam. Esse era seu comportamento habitual na hora de ir para casa. Miss Jane e Hedda ajudavam as outras crianças quando se fazia necessário e, disfarçadamente, observavam Dibs. Uma a uma, as outras crianças iam deixando a escola, à medida que suas mães as chamavam. Quando as professoras ficavam a sós com Dibs, trocavam rápidos olhares entre si e o olhavam premido contra a parede. - Sua vez! - Miss Jane dizia, e caminhava calmamente para fora da sala. - Vamos, Dibs. Está na hora de voltar para casa. Está na hora do almoço - Hedda falava com paciência. Dibs não fazia nenhum movimento. Sua resistência era total e cheia de tensão.

- Vou ajudá-lo a vestir o casaco - Hedda dizia aproximando-se dele vagarosamente, levando-lhe o agasalho. Ele nem sequer olhava para cima. Comprimia-se contra a parede e cobria a cabeça com os braços. - Por favor, Dibs. Sua mãe logo estará aqui. Ela chegava sempre atrasada, provavelmente esperando que a batalha do chapéu e do casaco já tivesse terminado e que, então, Dibs pudesse segui-la pacificamente. Hedda aproximava-se mais de Dibs e, inclinando-se, batia com carinho em seu ombro. - Vamos, Dibs, você sabe que é hora de ir - repetia gentilmente. Como um monstrinho ele a agredia: esbofeteando-a, arranhando-a, tentando mordê-la, gritando estridentemente.

- Não VOU para casa. Não VOU para casa. Não VOU para casa. - Era o mesmo clamor todos os dias. - EU Sei - Hedda insistia. - Mas você tem que ir para casa almoçar. Você quer ser grande e forte, não é Verdade? Dibs ficava passivo de repente. Abandonava a atitude de luta contra Hedda. Deixava que ela colocasse seus braços dentro das mangas do casaco e o abotoasse. - Você voltara amanhã - dizia-lhe Hedda. Quando sua mãe o chamava, Dibs seguia com ela, com o rosto manchado de lágrimas e uma expressão de vazio nele estampada. Quando a batalha era mais longa e a mãe chegava antes que estivesse terminada, o motorista era enviado para apanhá-lo. Era um homem multo alto e forte. Entrava, tomava Dibs nos braços e carregava-o para o carro, sem dirigir uma palavra a ninguém. Em determinadas ocasiões, Dibs esmurrava-o e gritava dominado pela fúria. Em outras, tornava-se subitamente silencioso, inerte, derrotado. O homem nunca falava com o garoto. Parecia ser-lhe indiferente se ele lutava e vociferava ou se permanecia submisso. Havia quase dois anos que Dibs freqüentava essa escola particular. Os professores haviam tentado por todos os meios estabelecer relações com ele, suscitar-lhe uma resposta. Mas haviam sido tentativas repetidas e frustradas. Ele parecia decidido a manterse isolado das pessoas. Pelo menos era o que Hedda pensava. Seu progresso na escola era evidente. Quando começou a freqüentá-la não falava nada e jamais se arriscava a sair de sua cadeira. Durante toda a manhã permanecia sentado, mudo, insensível. Decorridas várias semanas, principiou a levantar-se e engatinhar ao redor da sala, parecendo perceber algumas coisas à sua volta. Quando alguém se aproximava, Dibs precipitava-se como uma bola no chão e não mais se movia. Nunca olhava diretamente para os olhos de uma pessoa. Jamais respondia quando alguém lhe falava. Sua assiduidade era perfeita. Todos os dias sua mãe o trazia para a escola de carro. Ou ela mesma o conduzia, austero e silencioso, ou o motorista carregava-o, colocando-o junto à porta dentro da escola. O menino jamais gritava ou chorava no caminho para o colégio. Deixado bem na entrada, Dibs ali permanecia choramingando e esperando até que alguém viesse e o levasse para a sala de aula. Quando usava agasalho não esboçava nenhum movimento para tirá-lo. Uma das professoras cumprimentava-o, tirava-lhe o casaco e deixava-o pronto para fazer o que desejasse. Logo as outras crianças ocupavam-se diligentemente com atividades em grupos ou com trabalhos individuais. Dibs passava o tempo engatinhando ao redor da sala, escondendo-se sob as mesas ou atrás do piano, olhando livros durante horas. Havia alguma coisa em relação ao comportamento de Dibs que impedia os professores de classificá-lo, segura e rotineiramente, e deixálo seguir seu caminho. Suas atitudes eram tão paradoxais. Às vezes, apresentava indícios de retardamento mental em grau extremo. Outras vezes realizava certas atividades com tanta rapidez e tranquilidade, que evidenciava possuir, de fato, um nível de inteligência superior. Se desconfiava que o estavam olhando, imediatamente recolhia-se à sua concha. Durante a maior parte do tempo, engatinhava em volta da sala espreitando por baixo da mesa, balançando-se para a frente e para trás, mastigando um lado da mão, chupando o polegar e deitando-se de bruços, rígido, no chão, quando qualquer professora ou colega tentava fazê-lo participar de alguma atividade. Era ele uma criança solitária, num mundo que certamente lhe parecia frio e hostil. Não raras vezes, era acometido por acessos de raiva, na hora de ir para casa, ou quando tentavam obrigá-lo a fazer algo que ele não queria. Os professores tinham decidido, havia bastante tempo, que sempre o convidariam para participar do grupo, mas jamais tentariam impor-lhe qualquer atividade, a não ser que fosse absolutamente necessário. Ofereciam-lhe livros, brinquedos, quebracabeças; enfim, todo tipo de material que lhe pudesse interessar. Dibs nunca recebia nada diretamente de alguém. Se o objeto fosse colocado na mesa ou no chão perto dele apanhava-o depois de certo tempo e o examinava cuidadosamente. Nunca deixava de aceitar um livro. Olhava atentamente as páginas escritas "como se pudesse ler", como Hedda freqüentemente dizia. Em muitas ocasiões, uma professora sentava-se perto dele e lia uma estória ou falava-lhe sobre alguma coisa, enquanto Dibs deitava a cabeça no chão, sem se mover, mas jamais olhava para cima ou demonstrava um interesse evidente. Miss Jane ocupava-se dele da seguinte maneira: explicava-lhe muitas coisas, enquanto segurava os objetos na mão, demonstrando o que expunha. Às vezes, o assunto era ímãs e o princípio da ação magnética; outras, uma pedra interessante. Ela conversava sobre qualquer assunto que julgasse capaz de despertar-lhe o interesse; confessava em várias oportunidades que se sentia como uma tola, como se estivesse falando sozinha; entretanto, pequenos detalhes, como a atitude atenta do menino, davam-lhe a nítida impressão de que ele estava ouvindo. Além disso, perguntava-se freqüentemente o que ela teria a perder. Os professores estavam inteiramente frustrados em relação a Dibs.

A psicóloga da escola o havia observado e tentado testá-lo várias vezes, mas ele não estava pronto para ser testado. O pediatra da escola, depois de examiná-lo diversas vezes, desistiu, desanimado. Dibs predispôs-se contra o médico de jaleco branco e não o deixava aproximar-se. Recuava até ficar com as costas contra a parede e colocava as mãos para cima "prontas para arranhar", prontas para lutar se alguém tentasse aproximar-se. - Ele é um tipo estranho - disse o pediatra. - Quem pode saber? Retardado mental? Psicótico? Lesão cerebral? Quem pode se aproximar o suficiente para descobrir as causas de sua estranha conduta? Aquela não era uma escola para retardados mentais ou crianças com problemas emocionais. Na realidade, era uma escola particular, destinada exclusivamente a crianças de três a sete anos de idade, instalada numa antiga e bela mansão, na parte mais luxuosa do lado leste de Nova York. Tinha uma tradição que atraía os pais de crianças especialmente inteligentes e sociáveis. Para matriculá-lo, a mãe de Dibs persuadiu a diretora e usou sua influência através do conselho de diretores. Sua tia contribuía generosamente para a manutenção da escola. Em razão dessas pressões, Dibs foi admitido no grupo de nível maternal. Os professores haviam sugerido repetidas vezes que Dibs necessitava de ajuda profissional. A resposta da mãe era sempre a mesma: - Dêem-lhe mais tempo! Quase dois anos haviam decorrido e, embora Dibs tivesse apresentado algum progresso, os professores sentiam que aquilo não era suficiente. Parecia-lhes injusto deixar a situação prolongarse por mais tempo. Podiam apenas esperar que ele saísse de sua concha. Quando discutiam sobre o garoto e não havia dia em que não o fizessem -, terminavam sempre sentindo-se perplexos e desafiados pela criança. Afinal de contas, Dibs tinha somente cinco anos de idade. Poderia ele, na verdade, estar consciente do mundo que o circundava e manter tudo trancado dentro de si? Parecia ler os livros que examinava. Isso, diziam de si para si, era ridículo. Como poderia uma criança ler se não sabia expressar-se verbalmente? Poderia tal criança, tão complexa, ser considerada retardada mental? Seu comportamento não confirmava tal hipótese. Seria ele um autista? Estaria em contato com a realidade? Muito freqüentemente parecia que seu mundo era uma atroz realidade, um tormento de infelicidades. O pai de Dibs era um renomado cientista - brilhante, todos diziam - mas ninguém na escola jamais o vira. Dibs tinha uma irmã mais nova. Sua mãe dizia que Dorothy era "muito inteligente" e uma "criança perfeita". Ela não freqüentava a mesma escola. Certa vez, Hedda encontrou-a em companhia da mãe no Central Park. Dibs não estava com elas. Hedda declarou aos professores que, em sua opinião, a "perfeita Dorothy" não passava de uma "pirralha mimada". Estava simpaticamente interessada em Dibs e admitia ser tendenciosa sua avaliação sobre Dorothy. Sua fé em Dibs levava-a a crer que algum dia, de alguma maneira, ele se libertaria de sua prisão de medo e ódio. A equipe de professores decidiu, finalmente, tomar uma atitude em relação a Dibs. Alguns pais já começavam a reclamar de sua presença na escola - sobretudo depois que ele arranhou uma criança. Foi nessa altura dos acontecimentos que me convidaram para participar de uma reunião dedicada aos problemas de Dibs. Como psicóloga clínica, tenho-me especializado no trabalho com crianças e seus pais. A primeira vez que ouvi falar sobre Dibs foi nessa reunião, e o que aqui escrevi me foi relatado pelos professores, psicólogo e pediatra da escola. Pediram-me que observasse o garoto e a mãe, e então emitisse uma opinião para a equipe docente e administrativa do colégio, antes que decidissem dispensá-lo e registrá-lo como um de seus fracassos. O encontro foi na escola. Ouvi com interesse todas as observações. Fiquei impressionada com o impacto que a personalidade de Dibs havia causado naquelas pessoas. Sentiam-se frustradas e desafiadas continuamente pelo seu comportamento estranho. Sua firmeza limitava-se a uma antagônica e hostil rejeição às pessoas que poderiam aproximar-se muito dele. Sua evidente infelicidade preocupava aquelas pessoas sensíveis, que sentiam sua triste depressão. - Tive um encontro com sua mãe na semana passada - disse-me Miss Jane. - Comuniquei-lhe que, muito provavelmente, deveremos desligá-lo da escola, porque sentimos ter feito o que podíamos para ajudá-lo, mas mesmo nosso máximo esforço não basta. Ela ficou muito frustrada. Mas ela é uma pessoa muito difícil de descrever. Concordou em deixar-nos chamar uma psicóloga clínica e tentar, mais uma vez, avaliá-lo. Falei-lhe sobre você. Aquiesceu em ter uma conversa com você sobre Dibs, e deixar que o observe aqui. Depois pediu que, se não pudéssemos mantê-lo conosco, lhe sugeríssemos uma escola com internato para crianças excepcionais. Disse que ela e o marido já aceitaram o fato de que Dibs é um retardado mental ou provavelmente tem alguma lesão cerebral. Tal observação suscitou uma explosão em Hedda: - Ela prefere acreditar que ele é um retardado mental, a admitir que talvez ele seja emocionalmente perturbado e que talvez seja ela a responsável - exclamou. - Parece que não somos capazes de ser bastante objetivos em relação a Dibs. Penso que ficamos com ele por tanto tempo e fizemos muito pelo pouco progresso que ele conseguiu. Não poderíamos expulsá-lo, pois lá fora não haveria mãos que o defendessem. Não temos sido capazes de discutir sobre Dibs sem ficarmos envolvidos em nossas próprias reações emocionais relacionadas a ele e às atitudes de seus pais. E não estamos mesmo certos de que nosso julgamento sobre seus pais seja justificado. - Estou convencida de que ele está prestes a desabrochar - Hedda prognosticou. - Não acredito que possa segurar suas defesas por mais tempo. Havia, obviamente, alguma coisa nessa criança que cativava os interesses e sentimentos de todos. Pude sentir a compaixão daqueles que trabalhavam na escola por esse garoto. Pude sentir o impacto de sua personalidade. Pude sentir e compreender a consciência opressiva de nossas limitações para entendermos, em termos claros e precisos, os intrincados mistérios de uma personalidade. Pude admirar o respeito por esse menino, que transparecia na reunião. Estava decidida que veria Dibs em uma série de sessões de ludoterapia - se seus pais concordassem. Não tínhamos nenhuma maneira de saber o que poderia ser ainda acrescentado à história de Dibs.

Capítulo I Encontrava-me diante do desconhecido, onde uma luz baixa escondia as linhas da realidade e arremessava uma nuvem de incertezas sobre o amanhã. Nada se podia afirmar, nem negar. Sem os lampejos da evidência inequívoca, defrontava-me com o mistério daquele ser, numa atitude de respeito e de humildade. Sabia que as trevas da ignorância proporcionam um espaço crescente para julgamentos incoerentes e acusações tendenciosas, expressas ao sabor das emoções. Nessa atmosfera, qualquer conclusão definitiva traz em seu bojo a ambigüidade. É aí que os benefícios da dúvida podem obrigar-nos a refletir melhor sobre os objetivos e limites da avaliação humana. O estreitamento ou a ampliação do horizonte interior do ser humano não pode ser medido por outra pessoa. O processo do desenvolvimento pessoal só se torna compreensível à luz da experiência própria do procurar-se e encontrar-se, onde, então, de diferentes maneiras, é sentida a posição axial da autoconsciência. A partir desta base, espontaneamente, aceita-se que cada personalidade tenha seu mundo muito particular de significações, gerado na integridade de sua história, mesmo não se dispondo de elementos para explicar as razões de ser de cada um. Dentro de mim, trazia, da reunião, um sentimento de respeito e de ansiedade de encontrar Dibs. Havia sido contagiada por uma impaciência confiante e por uma satisfação de procurar ajudá-lo em sua busca. Não abandonaríamos as esperanças. Tentaríamos uma vez mais. Destrancaríamos as portas de nossas respostas até aqui inadequadas a seus problemas. Desconhecemos as receitas prontas, elaboradas para dissolver os bloqueios mentais. Cremos que muitas de nossas impressões são frágeis. Compreendemos o valor da objetividade, da calma do estudo ordenado. Sabemos que a pesquisa é uma fascinante combinação de intuição, especulação, subjetividade, imaginação, esperanças e sonhos mesclados com dados coletados objetivamente e submetidos à realidade da ciência matemática. Um elemento isolado não basta. O conhecimento da complexa causalidade ajuda-nos a construir a longa estrada que nos conduz à verdade. Decidi que me manteria disponível para atender Dibs. Iria à escola observá-lo no grupo dos outros meninos. E tentaria vê-lo sozinho por algum tempo. Depois, conversaria com sua mãe, e caso tivéssemos sua aquiescência, marcaríamos os dias para as entrevistas na sala de ludoterapia do Centro de Orientação Infantil. Lá, teríamos novos ângulos para lidar com sua problemática. Buscávamos uma solução para Dibs e sabíamos que essa experiência adicional seria apenas um pequeno vislumbre na vida íntima dessa criança. Ignorávamos o que isso poderia significar para ele. Procuraríamos apanhar o fio da meada que poderia desembaraçar o carretel de sua história pessoal para auxiliar nossa compreensão. Enquanto descia a East River Drive, pensava nas várias crianças que havia conhecido - algumas infelizes e frustradas na tentativa de auto-realização, outras mais tenazes que, apesar dos mesmos obstáculos para desabrochar como pessoa, continuavam a luta com redobrada coragem. Expressando seus sentimentos, pensamentos, sonhos e esperanças, novos horizontes abriram-se para cada um desses pequeninos. Alguns superavam seus pavores e ansiedades lutando contra o mundo, que por muitas razões lhes era insuportável. Outros haviam emergido com renovada força e capacidade para enfrentar seu ambiente muito mais construtivamente. Outros, ainda, foram incapazes de resistir ao impacto de seu ultrajante destino. E não há explicação simples para tão dramáticos desencontros. Afirmar que a criança foi rejeitada ou não-aceita nada significa em termos de entendimento de seu mundo interior. Muito freqüentemente, esses termos valem apenas como convenientes rótulos que funcionam como álibis para desculpar nossa ignorância. Devemos cortar clichês, interpretações rápidas e explicações. Se, de fato, queremos aproximar-nos da verdade, devemos olhar profundamente as razões de nosso comportamento. Irei à escola amanhã bem cedo, decidi. Telefonarei para a mãe de Dibs e marcarei um encontro com ela em sua casa o mais cedo possível. Na próxima quinta-feira já começarei as sessões de ludoterapia com Dibs. E onde tudo isso irá terminar? E se ele não conseguir quebrar as paredes que tão rigidamente construiu ao redor de si mesmo? Esta, sem dúvida, seria uma possibilidade. Mas não era a dominante. Animava-me a certeza de que daria àquele garoto meu apoio para que empreendesse a aventura de decifrar-se. Cada ser humano tem seu próprio caminho. E o que pode representar grande ajuda para uma criança poderá ter baixa ou nenhuma funcionalidade com outra. Mas não desistimos facilmente. Nunca classificamos um caso como sem esperanças, sem tentar uma vez mais. Alguns julgam ser desonesto manter a esperança quando não há evidências que a estimulem. Mas não esperamos um milagre. Estamos buscando compreensão, acreditando que o verdadeiro entendimento nos conduzirá ao portão dos caminhos mais efetivos para estimularmos a pessoa a desenvolver-se e utilizar suas capacidades positivamente. Preparamo-nos sempre para persistir na investigação das causas, lutando para iluminar a fantástica selva de nossa ignorância. Na manhã seguinte, cheguei à escola antes dos alunos. As salas ocupadas pelas turmas do maternal e jardim da infância eram claras e legres, com equipamento apropriado e atraente. - As crianças chegarão daqui a pouco - disse Miss Jane. - Estou muito interessada em saber sua opinião sobre Dibs. Espero que possa ajudá-lo. A preocupação que esse garoto me inspira assemelha-se a uma angústia de morte. Você sabe, quando a criança é realmente retardada ental, há uma consciência global em seu comportamento que se evidencia em seus interesses e ações. Mas, e Dibs? Nunca sabemos em que estado de ânimo ele se encontra, embora estejamos certos de que não esboçará nenhum sorriso. Jamais algum de nós o viu sorrindo. Jamais alguém percebeu um ar de felicidade, ainda que remota, a iluminar-lhe o rosto. Isso nos leva a crer que seu problema vai além de um retardamento mental; envolve a esfera afetiva. Veja, estão chegando algumas crianças gora. Em poucos minutos o colégio estava repleto de crianças. Quase todas expressavam no rosto a feliz expectativa ante o novo dia escolar ue iniciavam. Depois da entrada, tiravam os chapéus e agasalhos, dependurando-os cada um em seu próprio cabide. Pareciam descontraídos e cercados de conforto naquele ambiente. Cumprimentavam-se entre si e aos professores, com espontaneidade. Alguns se aproximaram de mim para conversar. Perguntaram meu nome e por que estava em sua escola. A primeira atividade das crianças foi baseada na livre escolha. Cada uma buscava os brinquedos que mais a atraíam. Divertiam-se e conversavam juntos com muita naturalidade. Foi então que Dibs chegou. Sua mãe levou-o até dentro da classe. Num relance, percebi-a falando apressadamente com Miss Jane para, em seguida, despedir-se. Inerte, Dibs ali permaneceu. Usava casaco e gorro de lã cinza. Miss Jane perguntou-lhe se gostaria de tirar o agasalho. Nada respondeu. Era um garoto bem crescido para sua idade. Sua face estava muito pálida. Tinha os cabelos negros e cacheados. Seus braços flácidos pareciam pendurados em seu ombro. Miss Jane tirou-lhe o sobretudo e o boné. Dibs parecia não querer colaborar. Foi ainda a professora quem guardou seus apetrechos no armário. - Bem, eis Dibs - disse Miss Jane num sussurro, enquanto se aproximava de mim. - Como ele nunca tira o casaco e o gorro por si mesmo, nós o fazemos, já rotineiramente. Temos tentado repetidas vezes entrosá-lo com as outras crianças em alguma atividade; ou sugerimos-lhe uma tarefa específica para que a execute. Mas Dibs rejeita todas as nossas ofertas. Esta manhã, quando o deixarmos sozinho, você poderá observar sua conduta. Talvez mantenha-se ali por muito e muito tempo. Talvez movimente-se de uma escolha para outra. Tudo depende de como esteja se sentindo. Na verdade, com certa freqüência, ele parece saltar de um brinquedo para outro, como se não tivesse nenhuma capacidade de concentrar a atenção. Mas, em outras ocasiões, fixa-se durante longo período numa atividade que lhe interessa. Miss Jane voltou-se para atender outras crianças. Com o olhar discreto observava Dibs. Tentava disfarçar o foco de minha atenção. Dibs continuava em pé. Lenta e cautelosamente virou-se de frente. Levantou os braços num gesto de desespero e logo depois deixou-os cair novamente. Virou-se, e ficou numa posição que alargava o ângulo de sua visão. Poderia ver-me se prestasse atenção. Suspirou, mordeu os lábios e continuou de pé. Um dos garotinhos da turma correu para ele, convidando-o. - Ei, Dibs! Venha brincar! Dibs lançou-se sobre o garoto. E ele o teria esmurrado, se não fosse a rapidez do menino recuando para trás, de imediato. - Gato, gato, gato - gritou o pequeno. Miss Jane acorreu, sugerindo ao menino que fosse brincar no outro lado da classe. Movimentando-se em direção à parede, Dibs aproximou-se de uma mesinha, sobre a qual estavam pedras, conchas, pedaços de carvão e outros minerais. Parou e, muito devagar, apanhou primeiro um objeto, depois outro. Correu os dedinhos em volta deles, roçou-os em seu queixo, cheirou-os e finalmente provou-os com a língua. Então, recolocou-os em seus lugares cuidadosamente. Num relancear de olhos captou minha presença e com a velocidade de um relâmpago desviou a direção do olhar. Abaixou-se recurvado sob a mesa; ali sentou-se numa tentativa de esconder-se. As outras crianças trouxeram suas cadeirinhas para formar um círculo em volta de uma das professoras. Era a hora em que cada um mostrava aos outros o que trouxera para a escola e narrava algumas coisas importantes para eles. A professora complementava a conversa com uma estória. Cantavam algumas canções. Dibs não estava muito afastado. Continuava quieto em seu esconderijo. De sua localização estratégica, poderia ouvir tudo o que falavam e ver o que mostravam, desde que lhe interessasse. Teria ele previsto essa atividade do grupo quando se acocorou debaixo da mesa? Era difícil de dizer. Ele permaneceu ali até que o círculo se dissolveu e seus participantes foram se dedicar a outras atividades. Então, buscou um outro entretenimento. Engatinhou em volta da sala, conservando-se próximo à parede. De quando em quando, parava para examinar diversas coisas que encontrava. Chegando próximo ao peitoril de uma janela, onde estavam um aquário e um viveiro, Dibs ergueu-se fixando neles o olhar perscrutador. Então, esticou a mãozinha e procurou tocar um dos bichinhos. O contato era leve e rápido. Ele ficou ali por meia hora, parecendo absorvido nessa observação. Sua trajetória em volta da sala era interrompida a todo instante pelo exame de um objeto, que, no entanto, não lhe cativava o interesse por muito tempo, sendo logo substituído por outro. Enfim, quando chegou ao recanto dos livros, Dibs passou a mão sobre cada um dos que estavam sobre a mesa, escolheu um, apanhou uma cadeira, e arrastando-a cruzou a sala em direção a um canto, sentou-se nela, de frente para a parede. Abriu o livro nas páginas iniciais e calmamente examinou cada folha, virando-as cuidadosamente. Estaria ele lendo? Estaria pelo menos compreendendo as ilustrações? Uma das professoras aproximou-se dele. - Ah! sim - comentou. - Você está olhando o livro dos pássaros. Que tal se conversássemos sobre eles? - perguntou-lhe suave e carinhosamente. Arremessando com violência para longe o livro, Dibs respondeu com seu eloqüente silêncio. E atirou-se ao chão, rígido como um cadáver, com o rosto para baixo, imóvel. - Desculpe-me - falou a professora. - Não queria aborrecê-lo, Dibs. - Ela apanhou o livro, colocando-o de novo sobre a mesa, caminhando em minha direção. - Isso é rotineiro - explicou-me. - Já aprendemos a não perturbálo. Mas eu queria que você visse. Dibs, ainda rígido, virou a cabeça a fim de poder ver a professora. Fingíamos não o estar observando. Finalmente, levantou-se e, de novo, caminhou vagarosamente em volta da classe. Em sua passagem, ia pegando frascos de tinta, lápis de cores, porções de argila, pregos, martelo, diferentes pedaços de madeira, tambor, címbalos. Um após o outro. Escolhia-os e os abandonava, de imediato. As outras crianças, envolvidas em suas tarefas, pareciam ignorar sua presença. Dibs evitava qualquer contato físico com elas e elas o deixavam em paz. Chegou a hora de brincar ao ar livre. - Nunca sabemos se ele irá ou não. Também nisso, é realmente imprevisível - disse-me uma das professoras. A hora do recreio foi, então, anunciada. E Dibs foi consultado se gostaria ou não de ir. - Não vou - disse num tom seco e pesado. Eu disse que achava que ia sair, pois estava lindo o dia. Vesti meu casaco. - Dibs vai - disse ele de repente. A professora vestiu-lhe o agasalho. Com o caminhar trôpego e vacilante, dirigiu-se ao pátio de recreação. Sua coordenação de movimentos era deficiente e reveladora de que Dibs estava amarrado, física e emocionalmente. As crianças brincavam na caixa de areia e nos balanços, nas barras de ginástica e nas bicicletas, de bola, luta, esconde-esconde. Como corriam, deslizavam, trepavam e pulavam! Mas Dibs, não. Saiu para um canto afastado, apanhou um pequeno bastão, agachou-se e começou a arranhar para a frente e para trás o chão coberto de detritos. Para a frente e para trás. Para trás e para a frente. Traçando vincos na sujeira. Sem olhar para qualquer pessoa. Olhos no bastão e fixos no chão. Curvado em sua atividade solitária. Silencioso. Recolhido. Distante. Decidimos que, quando as crianças voltassem para a classe e tivessem seu período de repouso, levaria Dibs para a sala de brinquedos, no final do corredor. Se ele se dispusesse a ir comigo. Quando a professora tocou o sino, todas as crianças entraram. Até Dibs. Miss Jane ajudou-o a tirar o casaco. Ele deu-lhe o gorro, dessa vez. A professora colocou uma música suave e relaxante na radiola. Cada criança apanhou seu colchãozinho, abriu-o sobre o piso para o período de descanso. Dibs também pegou o seu e desenrolou-o, colocando-o sob a mesa da biblioteca, longe das outras crianças. Deitou-se debruçado e com o polegar na boca, descansando com os outros. O que estaria ele pensando sobre seu solitário pequeno mundo? Quais seriam seus sentimentos? Por que ele se comportava dessa maneira? Que aconteceu a essa criança para causar tal espécie de afastamento das pessoas? Poderíamos captar seu mistério? Depois de alguns minutos de repouso, a criançada levantou-se e, uma a uma, guardou seu pequeno acolchoado. Dibs enrolou o seu e recolocou-o no lugar correto, na prateleira. As crianças foram divididas em grupos menores. Um deles trabalharia com madeira. O outro pintaria ou brincaria com argila. Dibs permaneceu junto à porta. Atravessei a sala e perguntei-lhe se gostaria de vir comigo para uma salinha de brinquedos. Expliquei-lhe que ficava em seu colégio, no fim do hall. Estendilhe minha mão. Ele hesitou por um momento, e, depois, segurou-a, sem dizer uma palavra. Juntos caminhamos. Durante o percurso, escutava-o murmurando palavras que não consegui entender. Não lhe perguntei o que havia dito. Estava curiosa para conhecer sua reação. Estava surpresa pelo fato de ele ter aceito o convite de uma pessoa estranha e com ela ter saído de sua sala sem olhar para trás. Senti o forte aperto enquanto ele segurava minha mão. Estava tenso, embora quisesse ir. No final do hall, sob a escada de trás, havia uma pequena sala designada como sala de ludoterapia. Era um ambiente sóbrio, sem grandes atrativos, um pouco monótona pela sua falta de cores e decoração. Pela janela estreita, alguns raios de sol penetravam, mas o recinto ainda ficava escuro, até mesmo quando as luzes estavam acesas. As paredes eram de um marrom esquálido, cor de couro escuro, com diferentes manchas, já lavadas aqui e ali. Algumas marcas tinham também nódoas de tinta, que se uniam à rústica superfície dos remendos de gesso. O piso, recoberto por um linóleo castanho, apresentava-se riscado pela recente passagem de esfregões. Pairava no ar um cheiro de barro úmido, de areia molhada e de tintas velhas de aquarela. Os brinquedos encontravam-se na mesa, espalhados no piso e em algumas prateleiras que circundavam a sala. No chão havia uma casa de bonecas. Os compartimentos eram modestamente mobiliados com peças fortes e simples. Uma família de bonequinhos encontrava-se em frente à casa. Todos ali amontoados: mãe, pai, filhos e filhas e também um bebê. Próximo, ainda estava uma caixa aberta contendo outras miniaturas de bonecas e alguns animaizinhos de borracha, como um cavalo, um leão, um cachorro, um gato, um elefante e um coelho. Havia carrinhos e aviões. Caixas de blocos para armar e construir. No grande depósito de areia, várias panelas, colheres e pratos estavam espalhados; sobre a mesa, encontrava-se uma jarra de argila e algumas tintas. No cavalete, papéis para desenhos e pinturas. Uma mamadeira cheia de água estava exposta na prateleira. Uma grande boneca de pano exibia-se em uma cadeira. No canto, ficava um alto boneco de borracha inflado que, pela sua base pesada, poderia reassumir sua posição inicial logo depois de esmurrado. Os brinquedos eram feitos com material resistente, mas pareciam muito usados e até gastos. Nada havia naquela sala que tendesse a refrear qualquer atividade da criança. Nada parecia ser tão fraco ou requintado a ponto de não poder ser tocado ou mesmo socado. O ingrediente da experiência pessoal de cada criança faria o ambiente único e diferente para ela. Aqui cada uma pode buscar, no silêncio, o entendimento dos velhos sons, gritar suas descobertas e encontros com seu profundo eu e escapar da prisão de incertezas, ansiedades e medos. Cada uma pode trazer para dentro da sala o impacto de todas as configurações e vozes, o choque das cores e dos movimentos e reconstruir seu mundo, aqui reduzido a um tamanho que ela pode manipular. Enfim, esse recinto proporciona a cada pequeno uma zona segura, onde pode extravasar seus sentimentos sem receios e, assim, aceitando-os e entendendo-os, desabrochar a original unicidade do seu ser. - Nós ficaremos uma hora juntos aqui nesta sala de brinquedos - disse-lhe quando entramos. - Você poderá ver e examinar todo o material que temos. E então decidir o que gostaria de fazer. Sentei-me em uma cadeirinha perto da porta. Dibs permaneceu no meio da sala, de costas para mim, torcendo as duas mãozinhas. Esperei. Tínhamos bastante tempo. Não havia pressa para executar qualquer coisa. Poderia brincar ou não brincar. Conversar ou manter-se silencioso. Aqui, não faria nenhuma diferença. A sala era pequena e em qualquer local em que ficasse não estaria longe demais de mim. Havia uma mesa, sob a qual poderia esconder-se, se quisesse. Cadeira, brinquedos, tudo à sua disposição. No entanto, Dibs continuava parado no centro da sala. Observava. Então, vagarosamente, virou-se e começou a andar com muita vacilação, atravessando a sala e, depois, passeando em volta, junto às paredes. Trocava um brinquedo por outro, na ânsia de experimentar todos. Não olhava diretamente para mim. Em raras ocasiões, quando tentava ver-me, desviava os seus quando nossos olhos se encontravam. Continuava sua tediosa caminhada ao redor da sala. Seus passos eram pesados. Parecia não haver alegria ou felicidade naquela criança. A vida para ele era um negócio horrível. Caminhou até a casa de bonecas, passou sua mão no telhado, ajoelhou-se perto e, assim, diminuindo de tamanho, penetrou no seu interior. Vagarosamente, segurava, uma a uma, as peças do mobiliário. Como havia feito antes, enquanto caminhávamos pelo corredor, ia murmurando com pausado questionamento e inflexão de voz. Falava muito baixo e com monotonia. - Cama? Cadeira? Mesa? Berço? Guarda-roupa? Rádio? Chuveiro? Banheiro? - Cada objeto da casinha foi, assim, erguido, indagado em sua denominação e recolocado em seus lugares. Virou-se para o monte de bonequinhos e identificou-os um a um. Escolheu um homem, uma mulher, um garoto, uma garota e um bebê. Foi como se ele tentasse reconhecê-los, ao dizer: - Mamãe? Papai? Irmã? Bebê? - Então escolheu os pequenos animais. - Cachorro? Gato? Coelho? - Seu olhar era insistente e profundo. Parecia difícil e dolorosa aquela tarefa que ele se havia imposto. Cada vez que ele inquiria sobre a denominação de um objeto, tentava comunicar-lhe minha compreensão da palavra falada e dizia: - "Sim. Isso é uma cama", ou, "Acho que é um guarda-roupa", ou, ainda, "Parece um coelho". - Tentava responder de uma maneira breve, de acordo com o que havia dito, mas com a variação necessária para escapar à monotonia. Quando ele ergueu o boneco pai e disse: - Papai? - respondi-lhe: - Pode ser papai. E foi assim que começamos nossa conversa. Imaginei que aquela fora sua maneira de iniciar uma comunicação verbal. Denominar os objetos parecia ser um início bastante seguro. Então, sentou-se no chão, olhando fixamente a casa de bonecas por um longo tempo. Não o estimulei a qualquer atividade. Se o que desejava era sentar-se ali em silêncio, assim o faria. Deveria haver alguma razão para o que ele estava fazendo. Queria que a iniciativa de tecer os laços de nossas relações fosse dele. Muitas vezes, essa abertura do ser pela comunicação é realizada pelos adultos, em sua ansiedade, privando a criança de construí-la. Dibs apertava as mãozinhas juntas contra o peito e dizia, repetindo várias vezes: - Portas trancadas, não. Portas trancadas, não. Portas trancadas, não. Sua voz trazia um apelo de desesperada ansiedade. - Dibs não gosta de portas trancadas - disse ele. Havia um soluço em sua voz. - Você não gosta que as portas sejam trancadas - disse a ele. Dibs parecia estar sofrendo. Sua voz tornou-se um sussurro. - Dibs não gosta de portas fechadas. Não gosta de portas fechadas e trancadas. Dibs não gosta de paredes à sua volta. Obviamente, ele vivenciou algumas experiências infelizes com portas fechadas e trancadas. Reconheci o que sentia e expressava. Começou, então, a tirar um após outro os bonecos da casa onde os havia colocado. Primeiro foi o boneco pai e a boneca mãe, a quem ordenou: - Vão para a loja. Vão para a loja. Vão embora para a loja. Vão embora - ordenava enquanto os colocava longe da casa. - Então a mamãe vai para a loja - comentei. - E o papai também? E a irmã? Descobriu então que as paredes divisórias da casa de bonecas podiam ser removidas. Deslocou-as, uma a uma, dizendo: - Não gosto de paredes. Dibs não gosta de paredes. Jogue fora, bem longe, todas as paredes, Dibs. E nessa sala de ludoterapia, Dibs começou a libertar-se das asfixiantes paredes que havia construído ao redor de si. Era dessa maneira que ele, lenta e quase dolorosamente, brincava. Quando a hora se passou, falei-lhe que nosso período de brincadeira ali estava quase terminado e que deveríamos voltar para sua classe. - Temos mais cinco minutos e então deveremos ir - disse-lhe. Sentou-se no chão, bem em frente à casa de bonecas. Não se moveu, nem falou. Tampouco eu o fiz. Logo que os minutos se esgotassem, voltaríamos. Não lhe perguntei se queria ir. Na verdade, não havia escolha para ele. Não lhe perguntei se desejaria retornar àquela brincadeira. Não estaria em condições de comprometer-se consigo mesmo. Além disso, não se tratava de uma opção exclusivamente dele. Não prometi reencontrá-lo na semana seguinte, pois nada havia decidido com sua mãe. O garoto já tinha sofrido o suficiente, sem minhas promessas que poderiam não se concretizar. Não lhe perguntei se havia se divertido. Por que deveria espicaçá-lo, obrigando-o a avaliar uma experiência que apenas começava? Se uma brincadeira de criança é seu meio natural de expressão, por que tentarmos enquadrá-la em um esquema rígido de uma resposta estereotipada? Uma criança apenas se confunde com questões que tenham sido respondidas por alguém antes de ela ser perguntada. - Está na hora de irmos agora, Dibs. - falei quando os cinco minutos se esgotaram. Lentamente, ele ergueu-se, tomou minha mão, e deixamos a sala. Retornamos pelo mesmo hall. A meio caminho, quando já visualizávamos a porta de sua sala, perguntei-lhe se ele julgava que poderia ir sozinho até lá. - Está bem - respondeu. Soltou minha mão e, por si mesmo, dirigiu-se à porta de sua sala de aula. Assim procedi, pois desejava que Dibs fosse gradualmente tornandose mais e mais seguro de si mesmo e mais responsável. Queria comunicar-lhe minha confiança em sua capacidade de corresponder às expeciativas. Acreditava que ele poderia fazê-lo. Se ele tivesse hesitado, mostrando sinais de que eu lhe estava pedindo demais nesse primeiro dia, eu teria seguido um pouco mais adiante com ele. Teria percorrido todo o caminho até a porta de sua sala, se ele demonstrasse necessitar desse maior apoio. Mas ele quis ir sozinho.

- Até logo, Dibs! - disse-lhe. - Está bem! - falou. Sua voz estava suave e gentil. Ele seguiu pelo hall, abriu a porta de sua sala, e então olhou para trás. Acenei-lhe com a mão. A expressão de seu rosto era interessante. Parecia surpreso - quase satisfeito. Entrou em sua sala e firmemente fechou a porta atrás de si. Foi essa a primeira vez que Dibs foi sozinho a algum lugar. Um de meus objetivos no estabelecimento dessa relação com Dibs era ajudá-lo a conseguir independência emocional. Não gostaria de complicar seu problema, promovendo-me como um elemento de apoio tão indispensável, que o fizesse dependente de mim. Isso adiaria o desenvolvimento mais completo de seus sentimentos de segurança interior. Se Dibs fosse uma criança com carências na esfera emocional - e as indicações eram de que sim -, tentar desenvolver uma fixação afetiva a essa altura poderia parecer a satisfação de uma necessidade profunda da criança, mas criaria um problema que, em última instância, só poderia ser resolvido por ela. Quando saí daquela primeira ludoterapia com Dibs, pude compreender por que os professores e os outros membros da escola não conseguiram inscrevê-lo no livro dos casos perdidos e sem esperança. Senti um profundo respeito pela sua força e capacidade interiores. Dibs era uma criança de extraordinária coragem.

Capítulo I Telefonei para a mãe de Dibs, solicitando um encontro com ela o mais cedo possível. Respondeu-me que estava aguardando minha chamada. Teria o maior prazer em receber-me em sua casa para um chá, no dia seguinte, às quatro horas. Agradeci-lhe e aceitei o convite.

A família morava em uma bela mansão antiga, revestida de pedras, no luxuoso lado leste da cidade. O exterior havia sido conservado com grande cuidado e meticulosamente. A porta de entrada estava muito bem polida, o puxador de metal brilhando. Privilegiada em sua localização, a vivenda compunha uma requintada rua tradicional. A essência da época em que aquelas lindas antigas mansões foram construídas parecia ali preservada. Abri o portão de ferro todo trabalhado, subi os degraus e toquei a campainha da porta. Através da porta fechada, podia ouvir gritos abafados: - Portas fechadas, não. Portas fechadas, não. Não! Não! Não! - a voz repetia até que foi mergulhada no silêncio. Pressenti que Dibs não iria participar de nosso chá. A empregada uniformizada abriu a porta. Apresentei-me e fui então conduzida a uma formal e requintada sala de visitas. O ambiente, caracterizado pela beleza e sobriedade do mobiliário, exibia tão impecável ordem, que ninguém ousaria afirmar que ali houvesse estado uma criança, ainda que por cinco minutos. De fato, não havia sinais de que qualquer pessoa vivesse naquela casa. A criada, muito sisuda, aparentava tal seriedade que parecia estar com a família há bastante tempo. Era precisa, protocolar e distante. Vendo-a, mil cogitações ocorreram-me: Será que essa criatura já sorriu alguma vez? Será que já experimentou o lado bom da vida? Se, na verdade, isso aconteceu, uma rígida disciplina a envolve, anulando seus aspectos de identificação individual e de espontaneidade. A mãe de Dibs cumprimentou-me cortesmente, embora bastante séria. Fizemos os costumeiros comentários acerca do clima e sobre o prazer de nos encontrarmos. O chá foi então servido. O serviço era deslumbrante. Ela não perdeu muito tempo expondo a situação: - Sabemos que você foi chamada à escola como psicóloga para observar Dibs - disse ela. - É muita gentileza sua assumir essa tarefa. Gostaríamos que você soubesse que nós não esperamos nenhum milagre. Já aceitamos a tragédia de Dibs. Conhecemos sua reputação profissional e temos um grande respeito pela pesquisa em todas as áreas científicas, inclusive nas ciências do comportamento humano. Não mantemos expectativas de obter qualquer mudança na conduta de Dibs; mas, se o estudo de seu caso lhe proporcionar uma melhor compreensão do fenômeno humano, creia que estamos mais que disponíveis para prestar nossa cooperação. Era inacreditável! Uma mãe, em nome da ciência, oferecia-me alguns dados para estudos. Não uma criança doente e torturada. Uma criança que era seu próprio filho. Não. Apenas alguns elementos para pesquisas. E fez questão de esclarecer que não esperava nenhuma alteração nos dados fornecidos. Pelo menos nenhuma melhora. Passou a relatar informações estatísticas em relação à vida de Dibs. Data de seu nascimento. Seu lento progresso. Seu retardamento óbvio e a possibilidade de uma deficiência orgânica. Sentada à minha frente, demonstrava terrível nervosismo. Tentava sufocá-lo, dominando-o sob controle. Mas, de quando em quando, mordia os lábios desconcertadamente. Sua face estava pálida. Os cabelos acinzentados estavam presos na nuca. Os olhos eram azulclaros. Os lábios, finos. Era uma bela senhora, porém fria e fugidia em seu relacionamento. Usava um vestido cinza em estilo simples e clássico. Seria difícil calcular sua idade. Aparentava estar aproximando-se dos cinqüenta anos, mas provavelmente era bem mais nova. Expressava-se com elegância e inteligência. Parecia assumir a coragem e a estatura de um guerreiro. Não obstante, muito provavelmente, era tão profunda e tragicamente infeliz quanto Dibs. Perguntou-me, então, se pretendia observar Dibs em sua própria casa, em seu quarto de brinquedos, que se localizava no andar superior, nos fundos da residência. - É um recanto tranqüilo e ninguém os interromperá ou aborrecerá lá. Ele tem grande número de brinquedos. E teremos o maior prazer em adquirir qualquer outro que a senhora queira ou julgue necessário. - Não, muito obrigada - respondi-lhe. - Será melhor que as sessões sejam realizadas na sala de ludoterapia do Centro de Orientação

Infantil. Teremos uma entrevista semanal com a duração de uma hora. A minha firme decisão causou-lhe impacto, mas não a impediu de apresentar novos argumentos. - Dibs possui um incalculável número de brinquedos encantadores. E teremos a maior satisfação em aumentar seus honorários para que venha em casa. - Lamento, mas não posso atendê-la - disse-lhe. - E, além disso, a terapia não será paga de maneira alguma. - Oh! mas nós podemos pagar - retorquiu imediatamente. - Insisto mesmo em que lhe paguemos por esse estudo. - É uma gentileza sua - respondi-lhe. - Mas, de fato, não recebemos remuneração. O que nós solicitamos é que o levem regularmente ao Centro, na hora certa, e, só em caso de doença, o deixem faltar. Gostaria de sua aquiescência para escrever os relatórios completos de todas as entrevistas para nossos estudos. De minha parte, dar-lhe-ei uma declaração por escrito, afirmando que, se por uma eventualidade esse material assim recolhido for usado para fins de ensino ou qualquer tipo de publicação, todas as informações identificadoras de Dibs e de sua família serão de tal forma omitidas, que ninguém será capaz de reconhecê-las. - Entreguei-lhe a declaração que já havia sido assinada antes do encontro. Ela estudou-a cuidadosamente. - Muito bem - disse depois de algum tempo. - Poderei guardar esta via? - Sem dúvida. E a senhora e o seu marido poderiam assinar o consentimento para a elaboração dos relatórios? - indaguei-lhe, apresentando o documento já redigido. - Poderia guardá-lo para discuti-lo com meu marido e enviá-lo pelo correio se o aceitarmos na íntegra? - Certamente - respondi-lhe. - Apreciaria muito se me fizesse ciente de sua resolução tão logo a tomem. Segurou a folha de papel com cuidado. Umedeceu os lábios. Provavelmente, sentia-se constrangida diante do momento presente e de suas implicações para o futuro desconhecido. Seu filho iria iniciar uma ludoterapia. Mas seria sua a deliberação. Percebi que deveria aceitar o período necessário para que a decisão fosse assumida. Assim, poderia contar com a presença de Dibs no Centro de Orientação Infantil. - Logo que optarmos, avisá-la-ei - declarou. Meu coração parou. Será que essa oportunidade de escolha ajudá-laia a fugir do confronto consigo, a que a terapia do filho poderia conduzi-la? Mas, por outro lado, caso aceitasse nossa ajuda, estaria comprometida até seu final. E cumpriria sua tarefa, como um dever livremente escolhido. Mas, se o tratamento lhe fosse impingido, não poderíamos esperar uma freqüência regular. - Não compreendo por que, quando uma família tem condições de oferecer uma remuneração substancial, que lhe possibilitaria dar assistência a uma outra criança cujos pais não têm recursos financeiros, a senhora formalmente se recusa a não receber -

tragédia. Dibs éBem, Dibs... é... um retardado mental. Já

insistiu depois de uma longa pausa. - Meu trabalho é fundamentalmente dedicado à pesquisa, visando a uma maior compreensão da psicologia infantil - expliquei-lhe. - Já recebo meu salário pelo trabalho que desenvolvo. Isso, portanto, independe de sua possibilidade de pagar. E não posso receber honorários de ninguém. Se a senhora quiser, poderá oferecer uma contribuição ao Centro, sem nenhum vínculo com nosso caso particular. A senhora poderá decidir à vontade. Aliás, as pesquisas são basicamente financiadas por fundo assim coletados. - Entendo - respondeu. - Mas ainda continuo querendo pagá-la, pessoalmente. - Estou certa disso - respondi-lhe. - E agradeço toda a sua preocupação a meu respeito. Entretanto, já fui bastante clara sobre as condições em que posso atender Dibs. Mantive minha posição com firmeza. Sabia que, com a velocidade de uma serra elétrica, suas palavras poderiam cortar todos os liames que me uniam a Dibs. Mas, se conseguíssemos contornar aquela pequena controvérsia, estaríamos construindo importante degrau inicial, no edifício de sua responsabilidade como mãe. Seria, sem dúvida, mais confortável pagar por sua omissão em relação ao filho. Por isso mesmo, decidi que seria da maior importância eliminar esse elemento. Percebi-a estarrecida por alguns minutos. Apertava as mãos, com sofreguidão, sobre seu colo. Olhava-as. De repente, lembrei-me de Dibs, jogando-se no chão, rosto para baixo, imóvel, rígido. Novamente, senti entre ambos uma identidade de problemas. Levantou a vista e, ao encontro de meus olhos, desviou os seus. - Devo dizer-lhe alguma coisa mais - confessou. - Em caso de necessitar de maiores detalhes sobre o caso de Dibs, posso apenas lhe indicar a escola como a melhor fonte para obtê-los. Pessoalmente, nada mais posso acrescentar. E nem tampouco comparecer a entrevistas. Se suas condições de trabalho implicam um assíduo contato com a mãe da criança, prefiro que cancele o compromisso que assumiu há pouco. Nenhuma informação tenho para adicionar às que já lhe forneci. É uma tragédia - uma enorme nasceu assim. Quanto a mim, não me sinto em condições de responder a questionários e participar de discussões sobre seu caso - enfatizou, olhando-me por segundos, de novo. Ficava aterrorizada com a perspectiva de ser submetida a quaisquer entrevistas. - Compreendo - tranqüilizei-a. - E esteja certa de que respeitarei sua vontade. Entretanto, gostaria de lhe dizer que, se em alguma ocasião, quando quer que seja, desejar falar-me sobre Dibs, creia que será muito bem-vinda. Isso ficará a seu critério. Por minutos, senti-a menos contraída. Um pouco aliviada, talvez. - Meu marido também não gostaria de ser solicitado para reuniões - continuou. - Está certo - concordei. - O que decidirem será respeitado.

- Bem, quando for levar Dibs ao Centro, não poderei esperá-lo. Voltarei mais tarde, para apanhá-lo, quando estiver na hora. - Não haverá problema - assegurei-lhe. - A senhora poderá deixá-lo no Centro e esperá-lo no horário combinado. Ou ainda, se preferir, poderá enviar uma pessoa de sua confiança. - Muito obrigada. A senhora não imagina como apreciei sua compreensão - expressou-se depois de um longo silêncio. Terminamos nosso chá. Conversamos sobre assuntos superficiais. Dorothy foi lembrada com as estatísticas indicadoras de sua sanidade, característica evidente de uma "criança perfeita". A mãe de Dibs havia demonstrado muito maior medo, ansiedade e pânico em sua primeira entrevista do que Dibs na sessão inicial de terapia. Senti que não havia clima propício para persuadi-la dos benefícios de um tratamento pessoal.

guardado por trás de uma sofisticada porta polida. Etrancada

Seria ameaçá-la demais. E não quis assumir esse risco. Representaria a possibilidade de perder Dibs. E acreditava no potencial emergente daquela criança que a impulsionava a protestar contra a permanência de portas trancadas. Queria abri-las. Entendi seu esforço, percebendo as inúmeras portas que sua mãe fechara em sua vida. Na realidade, quantas tentativas partiram dela para impedir-nos de entreabrir a porta da ajuda terapêutica? Ainda na saída, voltou a insistir na modificação de nossas condições de trabalho. - Está certa de que não prefere atendê-lo em seu quarto de brinquedos? - perguntou-me. - Seus jogos são variados e atraentes. E poderíamos comprar qualquer outro objeto que a senhora indicasse. Qualquer um. Percebi seu visível desespero. Agradeci o oferecimento, e, de novo, afirmei que só poderia atendê-lo no Centro. - Comunicar-lhe-ei logo que decidamos - disse-me balançando o papel, que não mais soltou das mãos. - Muito obrigada - respondi-lhe, já saindo. No percurso até meu carro sentia o peso opressor de uma família acorrentada. Pensei em Dibs e em seu quarto de brinquedos maravilhosamente equipado. Nunca tinha entrado lá. Mas estava convicta de que todos os objetos para fins lúdicos que o dinheiro pudesse comprar ali estariam reunidos. E mais. Tudo zelosamente por uma fechadura segura! Lembrei-me da mãe de Dibs. Será que, mais tarde, ela decidiria relatar os fatos relevantes da história de seu filho? Sem dúvida, ser-lhe-ia uma penosa tarefa caracterizar as dinâmicas do relacionamento de sua família. Como se sentiria diante do drama de sua criança? Que papel atribuía a si nessa tragédia, que a tornava apavorada perante a perspectiva de ser entrevistada ou questionada sobre o assunto? Perguntei-me se havia conduzido a entrevista pelo caminho mais proveitoso ou se, pelo contrário, minha posição firme e radical a havia pressionado a tal ponto que estimulara seu recuo, impedindonos de estudar a problemática de Dibs. Senti forte desejo de adivinhar a decisão que aquele casal assumiria. Será que aceitariam as condições propostas? Será que teria outra oportunidade de rever Dibs? E se, em nome da esperança, sua e de seus pais, eu o encontrasse na sala de ludoterapia, quais seriam os resultados que dali adviriam?

Capítulo IV Por várias semanas, a família de Dihs manteve-se em completo silêncio. Telefonei para a escola e indaguei da diretora se recebera alguma comunicação de seus pais. Respondeu-me que nada lhe haviam dito sobre o assunto. Perguntei sobre Dibs. Soube que sua conduta continuava sem alterações. Permanecia freqüentando a escola com assiduidade. Todos lá apoiando-o, enquanto aguardavam o início da ludoterapia, que desejavam ansiosamente não tardasse. Enfim, certa manhã, recebi a folha liberatória, assinada por seus pais, dando-me permissão para escrever os relatórios das sessões. Uma pequena observação ao final da página reafirmava seu desejo de cooperar com o nosso trabalho. Sugeriam, também, que telefonássemos para sua casa com o objetivo de marcar a entrevista inicial com Dibs. Marquei a sessão para a quinta-feira seguinte, à tarde, na sala de ludoterapia do Centro. Pedi a minha secretária que confirmasse, com sua mãe, a possibilidade de atendimento naquele horário, por parte dela e de Dibs. Não houve nenhum inconveniente. Foi um verdadeiro alívio! A julgar pelo tempo consumido, seus pais não tomaram a decisão com facilidade. Era bastante significativa tal demora. E o que estaria acontecendo com Dibs durante esse intervalo? Seus pais o teriam examinado com olhares proféticos, tentando avaliar suas possibilidades? De qualquer maneira, vacilaram, medindo e pesando todos os ângulos e aspectos envolvidos na aventura. Uma grande tentação me aconselhava a telefonar para sua mãe, pressionando-a a trazer Dibs ao consultório ou pedindo que me desse ciência de sua deliberação. Só não obedeci a esse impulso porque compreendia que nada de importante conseguiríamos ao forçar uma decisão, caso não a tivessem tomado, e muito perderíamos se os perturbássemos no período de considerações. Foi uma longa espera, cheia de frustrações e perguntas. No dia combinado, Dibs chegou ao Centro com sua mãe. Ela dirigiuse à recepcionista dizendo que voltaria para buscá-lo dentro de uma hora e que ele poderia aguardá-la, ali mesmo, na sala de espera. Caminhei a seu encontro para cumprimentá-lo. Estava imóvel, no exato lugar em que sua mãe o havia deixado. Muito bem agasalhado, com casaco, chapéu, luvas e botas. - Boa tarde, Dibs - saudei-o. - Como é bom vê-lo de novo! Vamos para nossa sala de brinquedos. Fica bem no final do hall. Dibs estendeu sua mãozinha ao encontro da minha. Silenciosamente. Juntos, dirigimo-nos para a sala de ludoterapia. - Esta é uma outra sala - disse-lhe. - Mas bem parecida com aquela onde estivemos há várias semanas.

- Está bem - falou hesitante. A sala ficava no andar térreo. Cheia de luz solar. Mais atraente que a outra, embora o equipamento não diferisse significativamente do outro. As janelas abriam-se para um parque de estacionamento de carros, e, mais adiante, podia-se ver uma grande igreja revestida de pedras cinzentas. Logo que entramos, Dibs percorreu o recinto vagarosamente, tocando o material, nomeando os objetos com a mesma inflexão de voz que havia usado em sua primeira visita à outra sala de terapia. - Caixa de areia? Cavalete? Carteira? Tinta? Carro? Boneca? Casa de bonecas? - Cada um era segurado e indagado sobre sua identidade. Depois variou um pouco. - Isto é um carro? Sim, é um carro. Isto é areia? Sim, é areia. Isto é tinta? Sim, é tinta. Quando concluiu o circuito completo da sala, falei-lhe: - É mesmo. Quantos objetos diferentes estão neste compartimento, não é? E você segurou-os dizendo seus nomes. - É - respondeu suavemente. Não desejava apressá-lo. Por isso dava-lhe tempo para ver e examinar o que o cercava. Toda criança precisa de tempo para explorar seu mundo, a seu modo. Parou inerte no centro da sala. - Dibs, será que você gostaria de tirar seu chapéu e casaco? - perguntei-lhe, depois de um período de espera. - Está bem - respondeu.

- Tire seu chapéu. E seu agasalho, Dibs. Falava, mas não fazia a mais leve menção de movimento. - Bem, você falou-me que gostaria de tirar seu casaco e chapéu, não foi, Dibs? Ótimo! Vá. Tire-os, então. - Tire as luvas e as botas também - completou ele.

- Está certo - respondi. - Tire suas luvas e botas também, se você quer. - Está bem - sussurrou. Mas ali permaneceu estático e sem conforto dentro de seu casaco de mangas compridas. Começou a choramingar. Mantinha-se à minha frente, com a cabeça inclinada, chorando baixinho. - Bem, você gostaria de ficar sem os agasalhos, mas quer que o ajude a retirá-los. É isso? - Sim - concordou, com um soluço na voz.

- Está certo, Dibs. Você quer que o ajude a tirar seu casaco e chapéu. Venha até aqui que eu o farei. Estava sentada em uma cadeirinha e mantive-me nessa posição com um propósito: oferecia-lhe meu auxílio, mas como estava um pouco afastada, ele deveria andar alguns passos para obtê-lo. Dibs caminhou em minha direção. Trôpego e vacilante. - As botas também - falou em tom áspero.

- Pois não. Vou tirar suas botas.

- E as luvas - insistiu, torcendo as mãos.

- Claro, as luvas também - respondi-lhe. Quando terminei, Dibs estava mais leve, sem dúvida. Coloquei as luvas nos bolsos do casaco e entreguei a ele junto com o chapéu. Deixou-os cair no chão. Ergui-os e dependurei-os na maçaneta da porta. - Vamos dependurá-los aqui, até a hora da saída - disse-lhe. - Ficaremos juntos por uma hora. E, depois, você voltará para casa. Nada respondeu. Dirigiu-se ao cavalete e examinou as tintas. Ficou ali por um longo tempo. Pronunciou o nome das cores das tintas que ali encontrara. Reorganizou-as com calma. Colocou o vermelho, o amarelo e o azul na prateleira do cavalete. Com cuidado, separou-os nos seus espaços adequados e acrescentou as outras cores, completando assim o numero das seis cores básicas do espectro. Colocou então as cores terciárias nos lugares corretos, adicionou o branco e o preto, e assim organizou uma escala com todas as cores de acordo com seus valores hierárquicos. Tudo foi por ele elaborado com calma e em silêncio. Quando os percebeu em ordem exata, escolheu um pote e examinou-o. Observou seu interior. Misturou a tinta dentro com o pincel. Suspendeu-o para melhor vêlo sob a luz. Correu os dedos suavemente sobre o rótulo. Leu a marca comercial da tinta e o nome da cor. - Tinta Favor Ruhl. Vermelho. Tinta Favor Ruhl. Azul. Tinta Favor Ruhl. Preto. Essa era uma parcial resposta a uma antiga indagação. Sim, Dibs sabia ler. Estava agora obviamente lendo os rótulos de uma maneira completa. E, ainda, a escala de cores foi por ele corretamente organizada e denominada. - Bom, você sabe ler os rótulos dos potes de tinta - disse-lhe eu.

- E sabe muito bem os nomes das cores.

- É verdade - respondeu com vacilação. Então, sentou-se na mesinha e apanhou a caixa de lápis de cor. Leu o nome que estava escrito no estojo. Tomou o lápis vermelho e escreveu com letras de imprensa em letras firmes e bem definidas: VERMELHO. Fez o mesmo com todas as outras cores, escrevendo o nome na seqüência exata, formando um círculo. Escrevia e soletrava em voz alta. Olhei-o. Tentei responder-lhe verbalmente que estava reconhecendo seu esforço para comunicar-se comigo por meio daquela atividade. - Você está dizendo os nomes das cores e registrando-os com o lápis correspondente, não é? Estou percebendo. V-E-R-M-E-L-H-O, forma vermelho. - É - concordou.

- E ainda está elaborando um arco de cores, não é verdade?

- É - repetiu. Apanhou, em seguida, a caixa de aquarelas. Leu o nome registrado na caixa. Deu pequenos toques de tinta colorida em um pedaço de papel de desenho, obedecendo à mesma rígida e deliberada hierarquia das cores. Tentava manter meus comentários de acordo com sua ação, evitando falar em demasia para não indicar qualquer orientação ou demonstrar alguma expectativa específica, para ele concretizar. O que queria era comunicar-lhe compreensão ou simplesmente reconhecimento de sua exteriorização referencial. Desejava que fosse ele quem abrisse os caminhos. Deveria segui-lo, respeitá-lo e entendê-lo. Desejava fazê-lo sentir que a ele caberiam as iniciativas a serem assumidas naquele recinto. Quanto a mim, reconheceria seu esforço, numa dupla comunicação, baseada na realidade concreta, que funcionaria como experiências compartilhadas por nós dois. Não queria proclamar admiração pelas suas habilidades. Por que surpreender-me diante da evidência de sua capacidade? Quando a liberdade de iniciativas se abre para um indivíduo, sua escolha recai sobre as atividades em que se sente mais seguro. Qualquer exclamação de surpresa ou elogio pode ser interpretada como indicadora da direção a seguir. E, com isso, outras esferas de exploração são fechadas, representando perdas da maior importância para ele. Todas as pessoas procedem com precauções para proteger a integridade de sua personalidade. Estávamos familiarizando-nos um com o outro. Aqueles objetos que Dibs mencionou, ao situar-se na sala, eram realidades que não estavam envolvidas em nenhum contexto afetivo sério. Constituíam, no entanto, ingredientes compartilhados por nós dois, uma ponte para nossa comunicação. Para Dibs, eram conceitos seguros. De quando em quando, relanceava os olhos em minha direção, mas logo os desviava. Sem dúvida, essas atividades iniciais transbordavam uma riqueza de revelações. Hedda tinha, de fato, soberbas razões para ter fé em Dibs. Na verdade, aquela criança estava não somente pronta para emergir, mas já começando a longa aventura do desabrochar. Qualquer que fosse seu problema, podíamos agora retirar-lhe o rótulo de retardado mental. Dibs entrou no depósito de areia. Enfileirou os soldados combinando os pares, dois a dois. A areia penetrou-lhe os sapatos. Olhou-me, apontou para os pezinhos, choramingando. - Que é isso? - perguntei-lhe. - A areia está entrando em seus sapatos? Acenou com a cabeça afirmativamente. - Se você quiser, poderá tirá-los.

- Está bem - respondeu-me em tom áspero. Mas não fez nenhum movimento. Pelo contrário, sentou-se, fitando os calçados e lamuriando-se. Esperei. - Você tirará seus sapatos - falou com grande esforço.

- Você gostaria de tirar os seus e quer que o ajude, não é? Assentiu com um movimento de cabeça. Prestei-lhe a assistência solicitada. Desamarrei os laços e retirei-lhe os sapatos dos pés. Com muita cautela, colocou os pés na areia. Mas não por muito tempo. Logo quis sair. Aproximou-se da mesa e observou os blocos e peças de jogos de armar. Então, calma e deliberadamente, começou a sobrepor peça por peça. O grande bloco assim formado tremeu e se desmoronou. Dibs esfregou as mãos uma na outra. - Miss A.! - gritou, chamando-me pelo nome, com que, a partir daí, iria tratar-me. - Ajude-me, e bem depressa. - De fato, você gosta de pedir minha ajuda, não é verdade?

- Sim - respondeu, com um relancear de olhos.

- Bem, que quer que eu faça? Diga-me, Dibs. Perto da mesa, Dibs olhava os blocos, apertando as mãozinhas contra o peito. Silencioso. Ele e eu. Em que estaria pensando? O que estaria procurando? Qual seria a melhor maneira de ajudá-lo? Queria comunicar-lhe meu esforço de compreendê-lo. Pouco sabia sobre seu mistério. E ele também. Mas nessa nossa ignorância repousava parte de nossa esperança. Por isso esperava. Seria um ato de violência invadir seu mundo privado para tentar arrancar-lhe respostas. Se conseguisse fazê-lo sentir minha confiança nele, como pessoa que tem verdadeiras razões para suas atitudes, se pudesse transmitir-lhe a convicção de que não há respostas escondidas para ele adivinhar, nem padrões de conduta estandardizados, nem uma solução pronta para seu problema em minha mente, e nem pressa para fazer qualquer coisa - Dibs poderia conquistar, mais e mais, um sentimento de segurança em si mesmo, para entender e aceitar suas próprias reações. Isso levaria tempo, verdadeiro esforço, grande paciência por parte de nós dois. De repente, levantou-se, estendeu os braços, segurando um bloquinho de construir em cada mão e os fez colidir com estampido. - Uma destruição! - exclamou.

- Foi uma destruição?

- Foi sim - respondeu. - Uma destruição! Um caminhão entrou no parque de estacionamento e parou junto de nossa janela aberta: Dibs correu para fechá-la, apesar do calor que fazia. - Feche a janela - dizia.

- Você quer fechar a janela? - perguntei. - Mas está quente aqui dentro com a janela aberta. - É verdade - respondeu.

- Feche você a janela, Dibs. Ah! Você a quer mesmo fechada.

- É isso mesmo - disse. - Dibs vai fechá-la - falou com bastante firmeza. - Realmente, você sabe o que quer, não é? Esfregava desajeitadamente seu rosto, onde as lágrimas haviam deixado tantos vestígios. Teria sido tão fácil tomá-lo nos braços e consolá-lo, estender o horário, tentar abertamente dar-lhe demonstração de afeto e simpatia. Mas qual o valor que tal atitude teria diante dos problemas emocionais da vida daquela criança? Não teria ele que voltar para casa independentemente de sua vontade? Evitar enfrentar a realidade não o ajudaria. Dibs precisava desenvolver sua força para encarar seu mundo, mas essa fortaleza deveria brotar de seu interior, e o exterior deveria ser experimentado tal qual se apresentava. Qualquer mudança significativa para Dibs deveria vir de seu interior. Não podíamos transferi-la para seu meio ambiente. A hora se havia esgotado e Dibs estava pronto para sair. Tomou minha mão e encaminhamo-nos para a sala de recepção. Sua mãe lá o aguardava e parecia muito bem. Dibs intranqüilo, inseguro de si e da situação. Quando Dibs a viu, atirou-se no chão, esperneando e gritando seu protesto. Despedi-me dele, cumprimentei sua mãe, disse-lhe que gostaria de vê-lo na semana seguinte e os deixei. Houve um tremendo alarido na sala de espera, enquanto sua mãe tentava levá-lo. Seu embaraço crescia com a resistência de Dibs. Não estava satisfeita comigo mesma por ter-me omitido, mas nada podia fazer a não ser deixá-los resolver o problema à sua maneira. Pareceu-me que, se eu permanecesse ali observando-os ou interferindo, somente iria confundi-los e complicar a situação. Não poderia ficar a favor ou contra Dibs ou sua mãe. Não queria tomar nenhuma posição que implicasse crítica sobre o comportamento da mãe ou do filho. Assim, parecia que o melhor procedimento seria deixar a cena sem envolver-me pessoalmente.

Capítulo V Na semana seguinte, Dibs retornou ao Centro de Orientação Infantil, exatamente na hora marcada para a terapia. Encontrava-me em meu escritório, quando a recepcionista tocou a campainha que anunciava sua chegada. Fui imediatamente para a sala de recepção e encontrei-o perto da porta. Sua mãe já havia saído. - Boa tarde, Dibs - cumprimentei-o, aproximando-me. Nada respondeu. Mantinha-se de olhos baixos. - Vamos para a sala de brinquedos - disse-lhe, estendendo-lhe minha mão. Tomou-a e percorremos o hall até a sala de brinquedos. Esperei a seu lado que tomasse a iniciativa de entrar. Depois de ter penetrado no recinto, Dibs recuou repentinamente, segurando a porta. Havia nela uma placa dependurada. Ergueu-se e retirou-a. - "Não perturbe" - leu. Virou o letreiro e olhou as palavras no verso. - "Ludo" - leu pausadamente. Bateu de leve com um dedo sobre o final da palavra. Era um nome novo para ele. Terapia. Estudou-o em todos os detalhes. - "Terapia" - pronunciou. - Terapia - repeti com a pronúncia correta.

- Sala de ludoterapia? - indagou.

- Exatamente - respondi.

- Sala de ludoterapia - repetiu, entrando e fechando a porta atrás de nós. - Você vai tirar seu chapéu e o casaco - disse ele. Sabia que ele se referia a si mesmo. Dibs raramente se tratava a si próprio como eu. - Você quer que eu tire meu casaco e meu chapéu? perguntei-lhe.

- Sim - concordou.

(Parte 1 de 4)

Comentários