(Parte 1 de 2)

Direito 1/A – FUNDAMENTOS ANTROPOLÓGICOS E SOCIOLÓGICOS - Professora: Regina Faria Arieira - www.direitofaa2010.xpg.com.br

EMENTA

Antropologia. Sociologia. Principais tendências do pensamento contemporâneo. Estudos sócio- antropológico.Visão geral da Sociologia e de seus temas básicos. Conceito, objeto e métodos sociológicos. Origens do pensamento sociológico. Fundamentação teórica dos clássicos e escolas sociológicas.

Bibliografia Básica

  • SCURO NETO, Pedro. Manual de sociologia geral e jurídica. 4.ed. São Paulo: Saraiva, 2000. 223p.

  • MACHADO NETO, Antonio Luís. Sociologia jurídica. 6.ed. São Paulo: Saraiva, 1987. 420p.

  • LUHMANN, Niklas. Sociologia do direito. 1.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985. 2.v.

Bibliografia Complementar

  • CHARON, Joel M. Sociologia. 5.ed.. São Paulo: Saraiva, 2001. 237p.

  • LARAIA, Roque. Como opera a cultura. In: Cultura: Um conceito antropológico. RJ: Jorge Zahar, 2000.

ANTROPOLOGIA

  • “Ciência da cultura humana”

  • É uma disciplina que investiga as origens, o desenvolvimento e as semelhanças das sociedades humanas, assim como as diferenças entre elas.

  • A palavra antropologia deriva de duas palavras gregas:

anthropos, que significa "homem" ou "humano"; e logos, que significa "pensamento" ou "razão".

  • A Antropologia, sendo a ciência da humanidade e da cultura, tem um campo de investigação extremamente vasto: abrange, no espaço, toda a terra habitada; no tempo, pelo menos dois milhões de anos, e todas as populações socialmente organizadas. Divide-se em duas grandes áreas de estudo, com objetivos definidos e interesses teóricos próprios: a Antropologia Física ou Biológica e a Antropologia Cultural.

O Âmbito da Antropologia

  • Para pensar as sociedades humanas, a antropologia preocupa-se em detalhar, tanto quanto possível, os seres humanos que as compõem e com elas se relacionam, seja nos seus aspectos físicos, na sua relação com a natureza, seja na sua especificidade cultural. Para o saber antropológico o conceito de cultura abarca diversas dimensões: universo psíquico, os mitos, os costumes e rituais, suas histórias peculiares, a linguagem, valores, crenças, leis, relações de parentesco, entre outros tópicos.

Origem

  • Embora o estudo das sociedades humanas remonte à Antigüidade Clássica, a antropologia nasceu, como ciência, efetivamente, da grande revolução cultural iniciada com o Iluminismo

Homem Vitruviano (Leonardo da Vinci)

Simetria do Corpo Humano e Simetria do Universo

  • Homem Vitruviano é baseado numa famosa passagem do arquiteto romano Marcus Vitruvius Pollio. Vitrúvio já havia tentado encaixar as proporções do corpo humano dentro da figura de um quadrado e um círculo, mas suas tentativas ficaram imperfeitas. Foi apenas com Leonardo da Vinci que o encaixe saiu corretamente perfeito dentro dos padrões matemáticos esperados.

  • O redescobrimento das proporções matemáticas do corpo humano no século XV por Leonardo e os outros é considerado uma das grandes realizações que conduzem ao Renascimento italiano. O desenho também é considerado como um símbolo da simetria básica do corpo humano e, para extensão, para o universo como um todo. A área total do círculo é identica à área total do quadrado e este desenho pode ser considerado um algoritmo matemático para calcular o valor do número irracional 1,618.

A Antropologia como Ciência

  • Até o século XVIII, o saber antropológico esteve presente na contribuição dos cronistas, viajantes, soldados, missionários e comerciantes que discutiam, em relação aos povos que conheciam, a maneira como estes viviam a sua condição humana, cultivavam seus hábitos, normas, características, interpretavam os seus mitos, os seus rituais, a sua linguagem. Neste século, a Antropologia adquire o satus de ciência, tendo como objeto a análise das "raças humanas".

  • No Século XIX, Boucher de Perthes utiliza o termo “homem pré-histórico”, a partir de achados arqueológicos, como utensílios de pedra, cuja idade se estimava bastante remota. Posteriormente, em 1865, John Lubock reavaliou numerosos dados acerca da Cultura da Idade da Pedra e compilou uma classificação em que enumerava as diferenças culturais entre o Paleolítico (homem selvagem, caçador/coletor) e Neolítico (que se inicia há 10 mil anos).

Evolução Humana: Australopitecus (3,6 milhões de anos), Homo Habilis (2 m.a.), Neanderthal (300 a 29 mil anos), Homo Sapiens…

Evolucionismo e Etnocentrismo

  • Com a publicação de dois livros, A Origem das Espécies, em 1859 e A descendência do homem, em 1871, Charles Darwin principia a sistematização da teoria evolucionista. Partindo desta obra, nascia a Antropologia Biológica.

  • Marcada pela discussão evolucionista, a antropologia do Século XIX privilegiou o Darwinismo Social, que considerava a sociedade européia da época como o apogeu de um processo evolutivo, em que as sociedades aborigenes eram tidas como exemplares "mais primitivos". Esta visão usava o conceito de “civilização” para classificar, julgar e, posteriormente, justificar o domínio de outros povos. Esta maneira de ver o mundo, ignorando as diferenças em relação aos povos tidos como inferiores, recebe o nome de etnocentrismo. É a Visão Etnocêntrica do homem europeu, que se atribui o valor de “civilizado”, fazendo crer que os outros povos estavam “situados fora da história e da cultura”.

Evolução da Antropologia

  • Dos séculos XVI-XIX deu-se o período da “Literatura Etnográfica” quando predominaram os relatos sobre viagens onde eram mencionadas as características dos povos “descobertos” constituindo uma descrição de sua língua, raça, religião. As descrições eram feitas geralmente por missionários, viajantes, exploradores, etc. As características físicas e sociais de povos diferentes eram tratadas em conjunto nas teorias sobre “raças”;

  • No fim do século XIX surge o “Evolucionismo Social” também chamado de “Racismo Científico” (por inserir o conceito de raça superior ou inferior) ou “Darwinismo Social”. É desenvolvido o conceito de que as sociedades evoluem de um estado mais “primitivo” para outro mais “civilizado”, porém é nesse período que sai de cena o conceito de “raça” substituído pelo de “cultura”;

  • Ainda no século XIX surge a “Escola Sociológica Francesa” onde são definidas as regras do método sociológico (Émile Durkheim) e conceitos como a busca pelo “Fato Social Total”, as representações coletivas, etc.;

  • No início do século XX o estudo das características sociais e culturais dos povos ganhou o nome de “Antropologia Social” na Inglaterra, “Antropologia Cultural” nos EUA e “Etnologia” na França, chegando ao patamar de disciplina científica autônoma.

  • Na década de 20, é a vez da corrente teórica do “Funcionalismo” segundo a qual os valores sociais e culturais devem ser compreendidos. É nesta fase que predomina a ênfase no trabalho de campo;

  • Na década de 30 predomina o “Culturalismo Norte-Americano” onde há a ênfase na identificação de padrões culturais (estilos de cultura);

Cultura: Um Conceito Antropológico

  • O Conceito antropológico de cultura passa necessariamente pelo dilema da unidade biológica e a grande diversidade cultural da espécie humana. Um dilema que permanece como tema central de numerosas polêmicas e que aponta para a preocupação, há muito presente, com a diversidade de modos de comportamento existentes entre os diferentes povos.

  • Nos anos 40, surge o “Estruturalismo” (do qual fez parte Lévi-Strauss) com a distinção entre natureza e cultura, os princípios da organização da mente, etc.;

  • Nos anos 60, temos a “Antropologia Interpretativa” com profunda inspiração hermenêutica e desenvolvimento da interpretação antropológica;

  • E, por fim, nos anos 80, a “Antropologia Pós-Moderna” ou “Crítica” com a “politização” da relação “observador-observado” e a crítica dos paradigmas teóricos.

CULTURA

“as palavras têm uma história e, de certa maneira, também as palavras fazem a história”

ORIGEM DO TERMO CULTURA

  • CULTURA (latim):cuidado dispensado ao campo ou ao gado.

  • XIII: designa uma parcela de terra cultivada.

  • XVI (começo): não significa mais um estado (da coisa cultivada), mas uma ação (o fato de cultivar).

  • XVI (metade): pode designar também a cultura de uma faculdade, o fato de trabalhar para desenvolvê-la (cultura das artes, cultura das letras, etc.)

ORIGEM DO TERMO CULTURA

  • Iluminismo ou esclarecimento foi um movimento intelectual surgido na França, na segunda metade do século XVIII (o chamado "século das luzes"), que enfatizava a razão e a ciência como formas de explicar o universo. A inspiração do Iluminismo parte da Revolução Intelectual do século XVII, com tríplice paternidade:

No vocabulário francês do século XVIII:

  • Tanto cultura quanto civilização são termos utilizados apenas no singular, marcando o UNIVERSALISMO e o HUMANISMO dos filósofos.

  • Em 1882, em uma célebre conferência chamada “O que é uma nação?”, Ernest Renan afirmava com convicção que:

  • “antes da cultura francesa, da cultura alemã, da cultura italiana, existe a cultura humana”.

  • A idéia alemã de cultura evoluiu pouco no século XIX sob a influência do nacionalismo.

  • ALEMANHA – cultura liga-se ao conceito de nação.

  • FRANÇA – cultura está relacionada à idéia de desenvolvimento intelectual e confunde-se, muitas vezes, com civilização. Unidade do gênero humano.

  • Enfim, o debate franco-alemão do século XVIII ao século XX representa duas concepções de cultura: uma PARTICULARISTA e a outra UNIVERSALISTA.

  • Essas duas idéias estão na base das maneiras de definir o conceito de cultura nas ciências sociais contemporâneas.

  • Dois caminhos seguidos por etnólogos:

  • Privilegia a unidade e minimiza a diversidade, reduzindo-a a uma diversidade temporária, seguindo um esquema evolucionista;

  • Privilegia a diversidade, demonstrando que ela não é contraditória com a unidade fundamental da humanidade.

  • Modo de vida global de um povo;

  • Legado social que o indivíduo adquire de seu grupo;

  • Forma de pensar, sentir e acreditar;

  • Abstração do comportamento;

  • Teoria elaborada por um antropólogo sobre a forma como um grupo de pessoas se comporta realmente;

  • Celeiro de aprendizagem em comum;

(Parte 1 de 2)

Comentários