Revolução Industrial

Revolução Industrial

1. ORIGENS E CARACTERÍSTICAS REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.

   

É o nome que se dá ao grande desenvolvimento industrial verificado na Inglaterra, a partir de 1760, cujo impacto foi profundamente sentido em todas as esferas da atividade humana: econômica, política, social, cultural. Foi a Revolução Industrial apenas parte de todo um longo processo de transição econômica que deu origem à moderna economia capitalista. Suas características são:

a) desenvolvimento do setor fabril:

b) aplicação da energia à indústria;

c) melhoramentos dos meios de transporte e comunicação;

d) aumento do domínio do capitalismo;

e) grande desenvolvimento tecnológico.

· POR QUE A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL COMEÇOU NA INGLATERRA.

A Revolução Industrial começou na Inglaterra devido aos seguintes fatores:

a) a Inglaterra, líder da Revolução Comercial, havia obtido grandes lucros e conquistado     mercados que estimulavam os empreendimentos industriais;

b) possuía o mais sólido sistema monetário da Europa;

c) o suprimento do trabalho era excelente, devido à expulsão dos camponeses de     suas terras pelo sistema de "cercamento";

d) o clima de Lancashire era úmido, propício á fiação de algodão

e) tinha grande quantidade de carvão disponível e de fácil acesso;

f) a nobreza deixara de ser uma casta exclusiva e hereditária e         possuidora de riqueza. Os que faziam fortuna podiam independentemente do seu nascimento, ascender às altas camadas sociais.

. O PROGRESSO TECNOLÓGICO.

O primeiro ramo da indústria que atingiu extraordinário progresso foi o de tecidos, devido aos grandes inventos, tais como:

a) a máquina de fiar, de Janies Hargreaves;

b) o tear hidráulico, de Rchard Arkwright;

c) a máquina de fiar algodão, de Samuel Cronipton;

d) o tear mecânico, de Edmund Cartwright;

e) o descaroçador de algodão, do americano Eli Whitney;

f) a máquina a vapor, inventada por Thomaz Newconen e aperfeiçoada por James Watt;

g) a locomotiva, de George Stephenson;

h) o barco a vapor, de Robert Fulton.

· EXPANSÃO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. Os ingleses, até à metade do século XIX, foram quase os únicos beneficiados pelo desenvolvimento industrial. Depois, outros países os acompanharam. O primeiro foi a Bélgica. Mais tarde a França, em ritmo mais lento. A partir de 1 850, expandiu-se pela Europa Central, Rússia, América e Ásia, especialmente pelo Japão.

· A SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. - Começou em 1850, com as seguintes características:

a) o aço substituiu o ferro como elemento base;

b) a eletricidade e os derivados do petróleo suplantaram o vapor;

c) o surgimento de novas formas de organização industrial;

d) a produção em larga escala;

e) o desenvolvimento das máquinas automáticas;

f) a especialização do trabalho;

g) o predomínio da ciência no setor industrial;

h) a expansão da produção agrícola, com a invenção de máquinas agrícolas e o desenvolvimento da química do solo;

i) a formação de centros de aprendizagem industrial;

j) a formação de sociedades anônimas, de trustes e de cartéis.

· O PROGRESSO TECNOLÓGICO DA SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL:

a) os veículos a gasolina foram fabricados na Alemanha por Daimler e Benz, por volta de 1 880;

b) Henry Ford, em 1 908, iniciou a produção de carros em grande escala e mais baratos;

c) Graham Bell inventou o telefone;

d) Henrich Hertz consegue a transmissão de ondas eletromagnéticas através do éter;

e) Thomas Alva Ediwn inventou a lâmpada com filete incandescente;

f) Dunlop obtém o pneumático em 1 880..

2. AS CONSEQÜÊNCIAS

A Revolução Industrial, que influenciou todo o desenvolvimento econômico do mundo contemporâneo, provocou o aparecimento da grande indústria, do grande comércio, do colonialismo, da classe capitalista, de novas doutrinas sociais, das grandes cidades, das rivalidades entre as nações.

· A GRANDE INDÚSTRIA.

Que se caracteriza por: utilização da má-quina, desenvolvimento do setor fabril, divisão do trabalho, especialização, produção em grande escala, produção em série, concentração nas proximidades dos centros consumidores com facilidade para a obtenção de matérias-primas, aplicação de grandes capitais, aplicação de conhecimentos científicos, e por ser internacional.

· O GRANDE COMÉRCIO.

Cujo desenvolvimento se deve ao aparecimento da máquina e ao progresso dos meios de transportes e de comunicação, entre tantos outros, caracteriza-se por: bolsas de valores, câmaras de comércio, companhias de seguro, operações bancárias, busca de mercados externos, agências de publicidade.

· A CLASSE CAPITALISTA.

Constituída de industriais, comerciantes, banqueiros, aplicou capitais no estabelecimento de indústrias, na aquisição de matérias-primas e de mão-de-obra. Monopolizou o grande comércio e o sistema bancário. Individualistas, pretendiam liberdade total para a indústria, liberdade total para o comércio.

· ASCENSÃO DA CLASSE OPERÁRIA.

Com a Revolução Industrial ampliou-se o mercado de trabalho. Muitos trabalhadores abandonaram seus domínios e saíram em busca de melhores condições de vida nas grandes cidades. Na Inglaterra, principalmente, essa mudança não foi vantajosa. O operário passou a viver separado da família, preso a horários, mal remunerado, em trabalho monótono, habitando bairros anti-higiênicos. Sua situação preocupou os pensadores do século passado. Surgira as doutrinas sociais e econômicas.

As Doutrinas Sociais E Econômicas.

A doutrinas sociais coincidiam em alguns pontos fundamentais. Eram contrárias ao liberalismo dos economista do século XVIII, ao capitalismo, e favoráveis ao restabelecimento da "soberania" do trabalho. As principais doutrinas sociais:

Socialismo utópico, que concebia a organização de uma sociedade de caráter ideal. Seus representantes foram Roberto Owen (1 771 a 1 858), rico industrial inglês; Saint-Simon 1 760 a 1 825), francês e Carlos Fourier (1 772 a 1 837), francês também.

Socialismo científico, que tem por fundamentos a interpretação econômica da História. Seus representantes foram: Carlos Marx (1 818 a 1 883), advogado alemão de origem judaica, e Frederico Engels (1 820 a 1 895), compatriota e colaborador de Carlos Marx.

Questões Sociais.

A Igreja, diante dos problemas sociais, mor-mente os da classe operária, preconizou reforma em bases cristãs. Combateu a violência e a revolução social do marxismo. Entre os principais documentos que contêm os princípios da doutrina social da Igreja está a Rerum Novarum, encíclica do Papa Leão XIII, promulgada em 1 891. O quadragésimo ano da Rerum Novarum foi comemorado com a publicação da encíclica Quadragésimo Ano (1 931), do Papa Pio XI. Do Papa João XXIII temos: Pacem in Terris e Mater et Magistra. O Papa Paulo VI é o autor da Populorum Progressio. Sobre o controle da natalidade elaborou a Humanae Vitae.

ASCENSÃO DA BURGUESIA AO PODER POLÍTICO.

A burguesia, que chegara ao poder econômico com a Revolução Comercial, atingiu o poder político com a Revolução Industrial. Na França, derrubou a dinastia dos Bourbons. Na Inglaterra, contribuiu para a reforma eleitoral. Na Alemanha, auxiliou a formação do Estado Nacional Alemão. Nos Estados Unidos, formou um potencial econômico extraordinário.

RESUMO

Revolução Industrial: desenvolvimento econômico verificado na Inglaterra, no século XVIII, que provocou profundas transformações na vida política, social e cultural. Característicos: aumento do poder do capitalismo, desenvolvimento do setor fabril, progresso tecnológico, aplicação da energia à indústria.

Por que o Revolução Industrial começou na Inglaterra: Revolução Comercial, sólido sistema monetário, mobilidade social, disponibilidade de carvão. Expansão do Revolução industrial: Bélgica, Europa Central, Rússia, América, Ásia.

Conseqüências da Revolução Industrial: grande indústria, colonialismo, formação da classe capitalista, ascensão do proletariado, aparecimento de novas doutrinas sociais, crescimento das classes.

Comentários