Sistema Respiratório

Sistema Respiratório

a a p p p í í í t t t u u u l l l o

Constituem as últimas porções da árvore brônquica. A parede alveolar é comum a dois alvéolos vizinhos, e fala-se, portanto, em parede ou septo interalveolar. Este constitui em duas camadas de epitélio simples pavimentoso separadas por capilares sangüíneos, fibras reticulares e elásticas, fibroblastos e substância fundamental do conjuntivo. O ar alveolar é separado do sangue capilar por: - Uma camada de líquido que recobre o alvéolo e que contém surfactante;

- O epitélio alveolar

- Uma lâmina basal epitelial

- Um estreito espaço intersticial entre o epitélio alveolar e a membrana capilar

- A lâmina basal do capilar

- A membrana endotelial do capilar.

Os alvéolos possuem 2 tipos de células:

Pneumócito tipo I: células pavimentosas que formam uma camada de revestimento quase contínuo na parede alveolar;

Pneumócito tipo I: células arredondadas ou cubóides encontradas entre os pneumócitos tipo I. Produzem o surfactante alveolar. Essa substância é responsável por reduzir a tensão superficial da água no interior do alvéolo, facilitando as trocas gasosas.

Aula prática

PULMÃO (Visualizar e distinguir) - Bronquíolos terminais

- Bronquíolos respiratórios

- Ácinos

- Alvéolos

Curiosidades

A área da superfície total da membrana respiratória é de cerca de 70 metros quadrados no adulto normal. Isso equivale a uma área de piso de 8,25 por 8,5 metros. A quantidade total de sangue existente nos capilares que circula por esse enorme espaço é de 60 a 140 mililitros. Aí fica fácil entender a rapidez com que ocorrem as trocas gasosas de oxigênio e gás carbônico.

Alvéolo simples ou em sacos alveolares, constituídos por diversos alvéolos.

Pneumonia: infecção pulmonar causada por diversas espécies de bactérias e, às vezes, por fungos. A bactéria se instala nos pulmões, provocando aumento da secreção de muco e ruptura das paredes dos alvéolos. Os sintomas da doença são: febre alta, falta de ar, dores no peito e expectoração de catarro viscoso e, às vezes, sanguinolento. Em geral, atinge pessoas que estão com sua resistência orgânica debilitada.

Tuberculose: infecção causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis que se instala geralmente nos pulmões. Os alvéolos pulmonares inflamam-se e sofrem necrose (morte celular). A região necrosada é circundada por um tecido fibroso que limita e isola o foco infeccioso. Em geral, as lesões de uma primeira infecção tuberculosa regridem espontaneamente. No caso de uma reinfecção, pode ocorrer de os focos infecciosos atingirem, além dos pulmões, outros órgãos, causando lesões nos tecidos. Os sintomas da tuberculose pulmonar são febre, sudorese noturna, fraqueza e perda de apetite e de peso. O tratamento é feito com antibióticos.

Bronquite Crônica: os bronquíolos secretam quantidade excessiva de muco, tornando-se comprimidos e inflamados. Os cílios do epitélio bronquiolar deixam de bater, e muco e partículas de sujeira vão se acumulando, dificultando a passagem do ar. A respiração torna-se curta e os acessos de tosse são constantes. Pessoas com bronquite crônica, em geral, acabam por desenvolver enfisema. Mais de 75% dos pacientes com bronquite crônica são ou foram fumantes.

Enfisema: muito raro em pessoas que nunca fumaram. É a obstrução completa dos bronquíolos, com aumento da resistência à passagem de ar, principalmente durante as expirações. Pode ocorrer, então, rompimento das paredes dos alvéolos, com formação de grandes cavidades. Isso diminui a eficiência dos pulmões em absorver oxigênio e há sobrecarga do coração como forma de compensar a deficiência pulmonar. A sobrecarga leva a maioria dos pacientes com enfisema a morrer de insuficiência cardíaca.

Câncer de Pulmão: a causa principal é o hábito de fumar (80%). Diversas substâncias contidas no cigarro são cancerígenas. Células cancerosas originadas nos pulmões se multiplicam descontroladamente, podendo invadir outros tecidos do corpo, onde originam novos tumores.

Embolia Pulmonar: fechamento repentino da artéria pulmonar ou de um de seus ramos, provocado por bolhas de ar, fragmentos de tumores ou freqüentemente por coágulos sanguíneos.

O fechamento de uma artéria de pequeno calibre pode passar despercebido, mas se uma grande artéria for atingida, a pessoa é acometida por dor súbita no peito, falta de ar, aumento da transpiração, palpitações, cianose e eventualmente é levada à morte. A embolia pulmonar é responsável por cerca de 4% dos óbitos ocorridos nos grandes hospitais.

Rinite Alérgica: inflamação das mucosas que revestem as cavidades nasais devido a processos alérgicos. Como conseqüência da inflamação, as células passam a produzir excesso de muco, que escorre pelas narinas.

Asma Brônquica: contração espástica do músculo liso nos bronquíolos, acarretando extrema dificuldade na respiração. A mucosa que reveste internamente os bronquíolos incha e passa a produzir mais secreção, o que contribui para diminuir o calibre dos condutos respiratórios. A causa habitual consiste na hipersensibilidade contrátil dos bronquíolos em resposta a substâncias estranhas no ar. Quando o indivíduo inala uma substância alergizante, essa reage com anticorpos ligados aos mastócitos, induzindo a liberação de histamina, substância de reação lenta da anafilaxia, fator quimiotático dos eosinófilos e bradicinina. A combinação desses fatores provoca edema localizado nas paredes dos pequenos bronquíolos e espasmo do músculo liso bronquiolar. Seus sintomas são ataques intensos de espirros, inflamação da mucosa nasal e olhos, e respiração difícil. A dificuldade respiratória prejudica a oxigenação do sangue e, em casos muito graves, pode ocorrer cianoses.

Síndrome da angústia respiratória do recém-nascido: ocorre em prematuros de baixo peso, nos quais tem alvéolos com raios pequenos e falta de surfactante (só começa a ser secretado pelos alvéolos entre o sexto e o sétimo mês de gestação), assim seus pulmões tem extrema tendência a se colapsar.

Cianose: tonalidade azulada da pele devido ao excesso de hemoglobina desoxigenada nos vasos sangüíneos da pele, principalmente nos capilares. Dispnéia (“fome de ar”): incapacidade de ventilar o suficiente para suprir a demanda de ar.

Comentários