(Parte 2 de 2)

4.2.6 Ácido glucônico

Bastante estável e por essa razão é utilizado em detergentes ácidos. Utilizado para remover depósitos cáusticos, de aparelhos de transmissão de calor (evaporadores, pasteurizadores).

4.2.7 Ácido lático

É bastante estável e, por isso empregado em detergentes ácidos. Totalmente solúvel em água.

4.2.8 Ácido nítrico

Tem ação oxidativa, não presente nos ácidos de sua classe; essa ação protege metais contra atuação do ácido. Seu emprego é mais comum do que o ácido sulfúrico.

4.2.9 Ácido sulfamilico

É corrosivo, em menor grau do que o acido clorídrico e de igual atividade à dos ácidos glicólico e fosfórico. Utilizado para remoção de resíduos de pasteurizador, evaporador etc.

4.2.10 Ácido tartárico

Preço muito alto, por isso não é muito utilizado.

5 PRINCIPAIS FATORES NA ATUAÇÃO DOS DETERGENTES

Os principais fatores que condicionam a ação dos detergentes são:

  • Sua concentração de uso,

  • Tempo de atuação,

  • Temperatura,

  • Ação mecânica requerida.

Figura 1 - Fatores que influenciam a ação do detergente

5.1 CONCENTRAÇÃO

É função do produto utilizado. Existe uma concentração específica que corresponde à máxima eficácia da ação química.

5.2 TEMPO

É função dos outros parâmetros, em particular do tipo e quantidade de sujidade. O tempo de contacto deve ser suficiente para que o produto seja eficaz.

5.3 TEMPERATURA

Acelera as reações químicas.

5.4 AÇÃO MECÂNICA

É fundamental para retirar as sujidades das superfícies e dispersá-las na solução de limpeza. A modificação de qualquer um destes fatores implica necessariamente a alteração dos outros para que a eficácia da limpeza seja assegurada.

6 A ESCOLHA DO DETERGENTE

A escolha do detergente vai depender do tipo e da quantidade de sujidade a remover, assim como das suas características ao nível da solubilidade. Normalmente uma sujidade inorgânica requer um detergente ácido, enquanto que as sujidades orgânicas são mais bem removidas por detergentes alcalinos.

Na Tabela 3 é apresentada à correspondência entre os diferentes tipos de sujidade e os agentes de limpeza requeridos.

Tabela 3 - Agentes de limpeza para os diferentes tipos de sujidade

Fonte: manual de higienização.

No entanto, em grande parte das situações, os resíduos são misturas complexas, pelo que geralmente, os detergentes são misturas de vários agentes de limpeza, que incluem uma gama alargada de componentes alcalinos inorgânicos, ácidos orgânicos e alguns aditivos. Além das características funcionais pretendidas, os detergentes devem ser o menos corrosivos possível, estáveis e amigos do ambiente. A seleção final do detergente depende da consideração de todos os fatores acima referidos e deverá apoiar-se nas recomendações do fornecedor.

6.1 RECOMENDAÇÕES DE DETERGENTES

Levando em consideração aspectos como a natureza do resíduo a ser removido e suas características de solubilidade, os seguintes tipos de detergentes poderiam ser recomendados:

Quadro 1 – Detergentes recomendados na remoção de diferentes tipos de resíduos.

Natureza do alimento ou resíduo

Características de solubilidade

Tipo de detergente

Açúcares, ácidos orgânicos, sal

Hidrossolúvel

Detergente alcalino suave

Alimentos protéicos (carnes, aves, pescado)

Hidrossolúvel

Detergente alcalino clorado

Álcali-solúvel

Ligeiramente ácido - solúvel

Alimentos gordurosos (manteiga, margarina, óleos, carnes gordas)

Álcali-solúvel

Detergente alcalino suave ou forte

Não hidrossolúvel

Alimentos formadores de depósitos minerais (leite, cerveja, espinafre)

Ácido-solúvel

Detergente alcalino clorado ou suave, alternado com detergente ácido a cada 5 dias.

Não hidrossolúvel

Álcali-insolúvel

Precipitado de águas claras (pedras)

Não hidrossolúvel

Detergente ácido

Álcali-insolúvel

Ácido-solúvel

Alimentos amiláceos, tomates, frutas, hortaliças

Parcialmente hidrossolúvel

Detergente alcalino suave

Álcali-solúvel

Fonte: manual de controle higienico-sanitário em alimentos.

7 CONCLUSÃO

Com base nestas considerações, é evidente que nenhum composto, isoladamente, poderá preencher em grau ótimo todas as características desejáveis acima enumeradas. É por isso que a formulação de detergentes industriais é assunto complexo, desenvolvido apenas em indústrias especializadas do setor de limpeza industrial.

Independentemente disso, todos os detergentes devem apresentar solubilidade rápida e completa, ação de saponificação, ação dispersante, poder emulsificante, ação de molhagem e bom enxágüe. Eles não devem ser corrosivos, podendo ser tensoativos, alcalinos, ácidos, fosfatos e sequestrantes.

Em linhas gerais, os principais detergentes poderiam ser divididos em: detergentes alcalinos fortes, detergentes alcalinos suaves, detergentes neutros, detergentes ácidos suaves, detergentes ácidos fortes.

Independente do tipo de detergente, a ação de limpeza se desenvolve numa série de etapas que poderiam ser resumidas: Contato direto e intenso da solução de detergente com o resíduo a ser removido (ação molhante ou penetrante); Deslocamento dos resíduos sólidos ou líquidos da superfície a ser limpa (ação saponificante, peptizante, dissolvente, emulsificante, etc.); Dispersão completa do resíduo na solução de limpeza (ação de suspensão e dispersante); Prevenção da redeposição do resíduo disperso na superfície do equipamento (ação lavagem).

Inúmeros fatores afetam o desempenho da solução de detergente aplicada a uma superfície, cabendo destacar os seguintes: Concentração do princípio ativo - A eficiência aumenta com o incremento na concentração, até um limite, acima do qual a eficiência estaciona, com o aumento de custo e efeito corrosivo; Período de contato do detergente com o resíduo - Em linhas gerais, a remoção dos resíduos é incrementada com o aumento do tempo de contato, até um limite a partir do qual o benefício será mínimo; Temperatura da solução - A eficiência é aumentada pelo aumento da temperatura, devido à menor ligação dos resíduos às superfícies, menor viscosidade das soluções, maior turbulência, maior solubilidade dos resíduos e maior velocidade das reações; Agitação ou turbulência da solução - Assegura um melhor desempenho, garantindo maior remoção dos resíduos.

Com o objetivo maior de garantir uma superfície adequadamente limpa, a formulação ou seleção de um detergente deve levar em consideração os seguintes aspectos: Natureza do resíduo a ser removido; Tipo de material utilizado na construção dos equipamentos, utensílios e superfícies; Método a ser empregado na limpeza (manual ou mecânico); e Características químicas, principalmente dureza, da água utilizada no preparo das soluções e na limpeza.

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, Nélio José; MACEDO, Jorge Antonio B.. Higienização na Indústria de Alimentos. São Paulo: Livraria Varela, 1996;

EVANGELISTA, José. Tecnologia de Alimentos. 2ª Ed. São Paulo: Livraria Atheneu, 1994;

Manual de Higienização. Disponível em: http://www.esb.ucp.pt/twt/seg_alim/codigosguias/Manual_higienizao.pdf. Acesso em 06 de julho de 2010.

SILVA, Eneo Alves. Manual de Controle Higiênico –Sanitário em Alimentos. São Paulo: Livraria Varela, 1995.

TRIGO, Viviano Cabrera. Manual Prático de Higiene e Sanidade nas Unidades de Alimentação e Nutrição. São Paulo: Livraria Varela, 1999.

(Parte 2 de 2)

Comentários