PMR2360Apost Cap3Versao2004

PMR2360Apost Cap3Versao2004

(Parte 1 de 2)

Ações de controle básicas: uma análise do desempenho em regime estático

3.1 Introdução

Neste capítulo, as ações de controle básicas utilizadas em controladores industriais e o seu desempenho em regime estático são apresentadas.

3.2 Classificação de sistemas de acordo com o seu desempenho em regime estático

Seja o seguinte sistema em malha aberta:

O valor de N determina a classificação do sistema da seguinte forma:

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Figura 3.1: Sistema em malha fechada.

Erro estático Seja o sistema em malha fechada ilustrado na Figura 3.1. A função de transferência deste sistema pode ser escrita da seguinte forma:

e a função de transferência do erro do sistema pode ser escrita como:

O erro estático do sistema é calculado como:

Constante de erro de posição estático KP Para uma entrada a degrau R(s) = 1/s o erro estático ess pode ser calculado como:

ess = lim

A constante de erro de posição estático KP é definida como:

Dessa forma, o erro estático ess pode ser definido como:

• Para um sistema do tipo 0 (N=0):

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Para uma entrada degrau o erro estático ess em função de K pode ser resumido através da Tabela 3.1:

Tabela 3.1: Resumo do erro estático ess para uma entrada do tipo degrau.

Constante de erro de velocidade estático Kv Para uma entrada do tipo rampa R(s) = 1/s2, podemos calcular o erro estático como:

= lim

A constante de erro de velocidade estático Kv é definido como:

desta forma o erro estático ess pode ser definido como:

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

A Tabela 3.2 apresenta um resumo do erro estático ess para uma entrada do tipo rampa.

Tabela 3.2: Resumo do erro estático ess para uma entrada do tipo rampa.

Constante de erro de aceleração estático Ka Para uma entrada do tipo parábola R(s) = 1/s3 podemos calcular o erro estático como:

= lim

A constante de erro de aceleração estática Ka é definida como:

desta forma o erro estático ess pode ser definido como:

A Tabela 3.3 apresenta um resumo do erro estático ess para um entrada do tipo aceleração.

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Tabela 3.3: Resumo do erro estático ess para um entrada do tipo aceleração.

Resumo: erro estático em função do ganho K

Na Tabela 3.4 abaixo apresenta-se um resumo do erro estático do sistema em função do ganho K e do tipo de entrada padrão.

Entrada Degrau Rampa Aceleração

Tabela 3.4: Resumo do erro estático em função do ganho K e do tipo de entrada padrão.

3.3 Princípio do modelo interno

Na década de 70 um novo resultado conhecido como o Princípio do Modelo Interno foi desenvolvido por Francis e Wonham. Em resumo, este teorema estabelece que para que o erro do sistema de controle E(s) devido ao sinal de referência R(s) possa ser eliminado, o sinal de referência R(s) deve estar presente na função transferência em malha aberta G(s)H(s).

Mais especificamente, se o sinal de referência é dado por:

para que o erro do sistema de controle E(s) seja nulo então devemos ter:

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

3.4 Classificação dos controladores industriais

Os controladores industriais podem ser basicamente classificados segundo suas ações de controle básicas da seguinte forma:

1. Controlador Liga-Desliga (ON-OFF); 2. Controlador Proporcional (P); 3. Controlador Integral (I); 4. Controlador Proporcional-Integral (PI); 5. Controlador Proporcional-Derivativo (PD); 6. Controlador Proporcional-Integral-Derivativo (PID).

A maioria dos controladores utiliza eletricidade ou fluidos sobre pressão como fontes de potência. Desta forma, controladores podem ter suas funções de transferência implementada através de circuitos eletrônicos, circuitos hidráulicos e pneumáticos. Entretanto, é cada vez mais comum a utilização de controladores digitais utilizados em conjunto com conversores eletro-hidráulicos ou eletro-pneumáticos caso sejam necessários.

3.5 Ações de controle básicas

3.5.1 Controlador Liga-Desliga (ON-OFF)

Num sistema de controle tipo Liga-Desliga (ON-OFF), o elemento de atuação possui apenas duas posições, ou seja, o dispositivo fornece apenas dois valores na saída. A grande utilização deste tipo de controlador pode ser justificada pela simplicidade da sua construção e pelo seu baixo custo.

O controlador Liga-Desliga pode ser equacionado da seguinte forma. Seja u(t) o sinal de saída do controlador e e(t) o sinal de entrada. O sinal de saída u(t) permanece no valor máximo ou mínimo, dependendo se o valor do erro é positivo ou negativo, de tal forma que:

onde U1 e U2 são constantes. O valor mínimo U2 é em geral zero ou −U1.

Tais controladores são em geral implementados através de dispositivos elétricos, principalmente válvulas solenóides. As Figuras 3.2-(a) e (b) ilustram o diagrama de blocos de

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama controladores Liga-Desliga. A Figura 3.2-(b) ilustra o diagrama de bloco de um controlador Liga-Desliga sujeito a um intervalo diferencial. Neste caso, a saída do controlador u(t) se mantêm com o valor presente até que a entrada e(t) sofra uma variação equivalente ao intervalo diferencial. Muitas vezes, o intervalo diferencial é resultado de atritos e folgas não intencionais, mas mais frequentemente trata-se de uma característica intencional para evitar uma freqüência de chaveamento excessiva do dispositivo que pode comprometer a sua vida útil.

Figura 3.2: (a) Diagrama de blocos de um controlador Liga-Desliga - (b) Diagrama de blocos de um controlador Liga-Desliga com intervalo diferencial.

A Figura 3.3 ilustra um sistema de controle do nível de um líquido, onde uma válvula eletromagnética controla a altura do líquido h no tanque através da variação do fluxo de entrada de água qi. O tanque pode ser esvaziado através de uma válvula que controla o fluxo de saída. A válvula possui somente dois estados: aberta ou fechada. Desta forma, o fluxo de entrada de água qi é constante ou nulo.

Figura 3.3: (a) Sistema de controle de nível - (b) Válvula eletromagnética. 27 de Agosto de 2004 - 7:18 PM 43 DRAFT V 4.0

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

A Figura 3.4 ilustra a altura do líquido h variando entre os dois valores limites que acionam a mudança de estado da válvula eletromagnética. Note que o valor da altura h segue uma das duas curvas exponenciais que correspondem a curva para o enchimento do tanque e para o esvaziamento do tanque. Ainda na mesma figura, é possível concluir que a amplitude de oscilação pode ser reduzida através da redução do intervalo diferencial. Isto no entanto, tem como conseqüência um aumento da freqüência de chaveamento da válvula comprometendo sua vida útil. A magnitude do intervalo diferencial deve ser determinado considerando um balanço entre a precisão e o tempo de vida do componente.

3.5.2 Controlador Proporcional (P)

Para um controlador com ação de controle proporcional a relação entre a ação de controle u(t) e o erro de atuação e(t) é dado por:

O diagrama de bloco deste tipo de controlador está ilustrado na Figura 3.5.

Figura 3.5: Diagrama de blocos de um controlador proporcional. 27 de Agosto de 2004 - 7:18 PM 4 DRAFT V 4.0

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

3.5.3 Controlador Integral (I)

Na ação de controle integral, o valor da ação de controle u(t) varia proporcionalmente ao

Ou,

A sua função de transferência pode ser representada como:

Se o valor de e(t) dobra, então o valor de u(t) varia duas vezes mais rápido. Se e(t) = 0 o valor de u(t) permanece estacionário.

O diagrama de bloco deste tipo de controlador está ilustrado na Figura 3.6.

Figura 3.6: Diagrama de blocos de um controlador integral.

3.5.4 Controlador Proporcional-Integral (PI) A ação de controle proporcional-integral pode ser definida como:

A função de transferência pode ser escrita como:

onde KP é o ganho proporcional e Ti é denominado tempo integral. 1/Ti é denominado taxa de reset (reset rate). A taxa de reset é o número de vezes por unidade de tempo que a parte proporcional da ação de controle é duplicada.

A Figura 3.7-(a) ilustra o diagrama de blocos de um controlador proporcional integral.

Para um hipotético sinal de erro e(t) do tipo degrau ilustrado na Figura 3.7-(b) o sinal de controle u(t) resulta como ilustrado na Figura 3.7-(c).

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Figura 3.7: (a) Diagrama de blocos de um controlador proporcional integral - (b) Entrada degrau para e(t) - (c) Gráfico correspondente para o sinal de controle u(t).

3.5.5 Controlador Proporcional-Derivativo (PD)

A ação de controle proporcional-derivativa é definida como:

e a função de transferência é dada por:

onde a constante KP é o ganho proporcional e a constante TD é denominada tempo derivativo.

A ação de controle derivativa fornece uma ação de controle proporcional à derivada do erro. O tempo derivativo Td é o intervalo de tempo que a ação de controle derivativa antecede a ação de controle proporcional.

A Figura 3.8 ilustra o diagrama de blocos do controlador PD e a o gráfico saída do controlador u(t) caso a entrada e(t) seja uma rampa unitária.

Figura 3.8: (a) Diagrama de blocos de um controlador PD - (b) entrada e(t) como rampa unitária - (c) saída do controlador u(t).

A ação de controle derivativa possui a vantagem de ser antecipatória, entretanto, possui a desvantagem de amplificar sinais de ruído além de poder causar a saturação do atuador.

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Além do mais, a acão de controle derivativa nunca pode ser utilizada isoladamente pois sua ação é efetiva apenas durante o período transitório.

3.5.6 Controlador Proporcional-Integral-Derivativo (PID)

A combinação das ações de controle proporcional, integral e derivativa resulta na ação de controle que pode ser definida como:

dt (3.37)

e a função de transferência é dada por:

Tis onde KP é o ganho proporcional, Ti é o ganho integral e Td é o tempo derivativo.

A Figura 3.9 ilustra o diagrama de blocos do controlador PID e a o gráfico saída do controlador u(t) caso a entrada e(t) seja uma rampa unitária.

Figura 3.9: (a) Diagrama de blocos de um controlador PID - (b) entrada e(t) como rampa unitária - (c) saída do controlador u(t).

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

3.6 Efeitos da ação de controle integral e derivativa

Se para um sistema de controle de uma planta que não possui um integrador 1/s for utilizado um controlador proporcional, um erro estacionário ou offset ocorrerá para uma entrada do tipo degrau. Este erro estacionário pode ser eliminado caso seja utilizado uma ação de controle integral.

Na ação de controle integral, o sinal de controle u(t) é equivalente a área do gráfico do sinal de erro e(t) até o instante t. Desta forma, o sinal de controle u(t) pode ter um valor diferente de zero mesmo que o erro e(t) seja equivalente a zero. como ilustrado na Figura 3.10-(a) Isto é obviamente impossível para o caso de controle proporcional. A Figura 3.10- (b) ilustra o gráfico do sinal de controle u(t) e o correspondente do sinal de e(t) para o caso de controle proporcional. Note que a ação de controle integral apesar de remover o offset pode levar o sistema a ter um comportamento oscilatório de amplitude decrescente ou até crescente o que é indesejável.

Figura 3.10: (a) Gráficos de e(t) e u(t) mostrando erro nulo para ação de controle não nula (ação integral) - (b) Gráfico de e(t) e u(t) mostrando erro nulo quando a ação de controle também é nula (ação proporcional).

3.6.1 A ação de controle integral para o caso do controle de nível de líquido

A Figura 3.1 ilustra um sistema de controle de nível e o diagrama de blocos correspondente. Assume-se aqui a utilização de um controlador integral I. Assume-se aqui um sistema linearizado, desta forma as variáveis de setpoint x, vazão de entrada qi, vazão de saída qo e nível de líquido h são medidas em relação aos seus valores estacionários X, Q e H.

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Figura 3.1: (a) Sistema de controle de nível de líquido - (b) Diagrama de blocos.

Como ilustrado na Figura 3.1-(b) a planta neste caso é dada por:

onde

e C é a capacitância do tanque. O controlador integral é dado por:

Sendo o sistema estável, o erro estático ess para uma entrada do tipo degrau pode ser calculado utilizando-se o teorema do valor final:

Desta forma, verificamos que a ação de controle integral elimina o erro estático para uma entrada a degrau.

Resposta a distúrbios de torque (Controle Proporcional) Aqui é investigado o efeito de um distúrbio de torque na entrada da planta como ilustrado na Figura 3.12. O controlador proporcional fornece um torque T(s) para o posicionamento de um elemento de carga que consiste de um momento de inércia e um atrito viscoso.

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Figura 3.12: Sistema controle sob a ação de um distúrbio de torque D(s).

Assume-se aqui que a referência possui valor nulo, R(s) = 0, a função de transferência entre C(s) e D(s) é dada por:

Portanto, E(s)

O erro estático ess devido a um distúrbio de torque do tipo degrau de magnitude Td é dado por:

Em regime estático o controlador proporcional fornece um torque −Td, o qual é igual em magnitude mas de sinal oposto ao distúrbio de torque de valor Td. O valor da saída do sistema devido ao degrau de distúrbio de torque é dado por:

css = −ess = Td KP

O erro estático pode ser reduzido com o aumento do ganho KP. Aumentando este valor pode-se tornar a resposta do sistema mais oscilatória.

Resposta a distúrbios de torque (Controle Proporcional Integral) Para eliminar o offset devido ao distúrbio de torque é necessário a inserção de um efeito integral. A ação de controle integral está ativa sempre que existe um erro diferente de zero. A Figura 3.13 ilustra o diagram de blocos do sistema de controle utilizando um controlador PI de um sistema de carga composto de um momento de inércia e um atrito viscoso.

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Figura 3.13: Controlador PI de um sistema de carga sujeito a um distúrbio de torque.

A função de transferência em malha fechada é dada por:

Se o sinal de entrada for nulo, r(t) = 0 o sinal de erro pode ser expresso como:

Se o sistema de controle for estável, ou seja, se as raízes da equação característica:

possuírem parte real negativa então pode-se utilizar o teorema do valor final como:

Desta forma, o erro estático devido a um distúrbio de torque do tipo degrau pode ser eliminado se for utilizado um controlador do tipo PI.

Note que agora com a utilização do controlador PI temos um sistema de 3a. ordem.

Desta forma, o sistema de controle pode-se tornar instável para um valor grande de KP. O sistema de 2a. ordem é sempre estável se os coeficientes do polinômio são todos positivos.

É importante notar que se o controlador fosse do tipo integral como na Figura 3.14 o sistema se tornaria instável porque a equação característica:

Notas de Aula PMR2360 Newton Maruyama

Figura 3.14: Controlador Integral de um sistema de carga sujeito a um distúrbio de torque.

3.6.2 Ação de controle derivativa

A Ação de controle derivativa quando adicionada ao controlador proporcional proporciona um controlador com maior sensibilidade. Uma vantagem da ação derivativa é o seu caráter antecipatório já que é proporcional à derivada do erro. Desta forma, quando o erro começa a crescer a ação derivativa inicia uma ação corretiva antes que o erro se torne grande, aumentando assim a estabilidade do sistema.

(Parte 1 de 2)

Comentários