(Parte 2 de 3)

Tensão de Escoamento

Tensão (N/mm²)

Logo, do diagrama, temos: σe ≅ 270 MPa

Módulo de Resiliência

Resiliência é a capacidade de um material absorver energia quando deformado elasticamente, e, quando descarregado da tensão que provocou a deformação, devolver esta energia.

A Resiliência pode ser calculada pela área do gráfico Tensão x Deformação de Engenharia onde ocorre regime elástico.

O intervalo em que esta área se encontra foi calculado através da partição do gráfico em retângulos. O limite inferior foi calculado por retângulos inferiores ao gráfico, e o limite superior por retângulos superiores ao gráfico.

Os valores encontrados foram:

calculo da area (MPa) Inferior Superior

Assim, foi obtido o valor médio Resiliência = 1,086 MPa

Módulo de Tenacidade

Tenacidade é a capacidade do material deformar-se plasticamente e absorver energia antes da ruptura. Pode ser aproximada pela área total do gráfico Tensão x Deformação de Engenharia.

A área do gráfico foi aproximada pelo mesmo método utilizado para o cálculo da Resiliência. A tabulação destes dados encontra-se em anexo. Como resultado foram obtidos os seguintes dados:

Limite Superior: 473,0098 Limite Inferior: 461,0294

Valor médio: Tenacidade = 467,02 MPa

Tensão limite de Resistência Mecânica

É a máxima tensão que o corpo de prova pode ser submetido sem sofrer estricção.

Pode ser estimada como a maior tensão no gráfico de Tensão x Deformação de Engenharia.

Logo, da tabulação em anexo, temos:

Limite de Resistência Mecânica = 724,70 MPa

Tensão de Rupura

É a tensão na qual o material se rompe. De acordo com a tabulação em anexo, temos:

Tensão de Ruptura = 720,0 MPa

Alongamento

É o aumento de comprimento verificado na tração até a ruptura do corpo de prova.

É determinado pela expressão ε = ( Lf – L0) / L0 x 100

Como Lf = 8,125 e L0 = 50,0, temos ε = 76,25%

Estricção É uma medida do estrangulamento da seção. É dada pela expressão φ = ( S0 – Sf) / S0 x 100 Portanto, como S0 = 12,5mm2 e Sf = 7,09 mm2, temos:

φ = 43,26%

I. Tensão x Deformação Real

Ao se utilizar as expressões εreal = ln (L/L0)

Areal = A0 / exp(εreal) σreal = F / Areal obtivemos os valores de deformação real, área real e tensão real, respectivamente. Tais valores podem ser encontrados em anexo.

O gráfico obtido foi:

Tensão Real (N/mm²)

A partir dos valores foi plotado um gráfico di-log para calcular a tensão corrigida para os valores de tensão e deformação onde ocorre interferência de tensões não axiais e formação de pescoço.

y = 0,3711x + 7,2346

Series1 Linear (Series1)

A partir da formula σcorrigida = k εreal n

Obteve-se os valores:

N = 0,3711 K = e7,2346 = 1386,6

I. Tensão x Deformação Corrigida

tensão Real

Tensão de Engenharia Tensão Corrigida

3.2 Ensaio de Dureza

Primeira análise: Para o ensaio de dureza, durante a primeira etapa foram analisadas 5 placas sobrepostas em um apoio de metal. Os valores encontrados foram muito diferentes das análises posteriores, devido ao que chamamos de “Efeito-mola”.

Resultados da 1a análise do ensaio de dureza:

Profundidade (m) Leitura (HRB) 1 0,298 48,0 2 0,308 49,0 3 0,318 45,5

Segunda análise: Para o ensaio de dureza, durante a segunda etapa, decidimos eliminar o efeito mola. Para tanto, analisamos somente uma placa em um apoio de metal.

Resultados da 2a análise do ensaio de dureza:

Profundidade (m) Leitura (HRB) 1 0,196 61,0 2 0,186 65,0 3 0,178 67,0

(Parte 2 de 3)

Comentários