entorces e fraturas

entorces e fraturas

(Parte 1 de 5)

Entorces e fraturas

As lesões ligamentares (conhecidas como entorses ou torções) possuem graus de gravidade, sendo divididas em leves (o ligamento é tensionado, sem lesão da sua estrutura), moderadas (lesão de parte do ligamento ou complexo ligamentar) e graves (lesão completa). Os ligamentos mais comumente lesados são os do lado lateral, pois o mecanismo mais comum dos entorses é por inversão. O diagnóstico da lesão é dado pelo exame clínico e complementado pelos raios X. Ocasionalmente se utilizam o ultra-som ou a ressonância nuclear magnética para evidenciar as lesões porventura associadas.O tratamento das lesões leves ou moderadas visa o controle da dor e retorno rápido às atividades, e consta de repouso, elevação do membro, imobilização por tempo restrito(quando a dor é importante), uso de analgésicos e gelo. O retorno às atividades de antes da lesão é baseado nos sintomas, e possível, em geral, após 1 semana nas lesões leves e até 5 semanas nas moderadas.Para as lesões graves pacientes sem atividade física intensa são tratados da mesma forma, porém pacientes jovens e atletas devem ser submetidos ao tratamento cirúrgico na fase aguda. O período de recuperação é de 6 a 8 semanas.

Os entorses podem se associar a outras lesões que necessitam de tratamento diverso, por essa razão a avaliação inicial e o acompanhamento adequados são necessários para que o tratamento tenha melhores resultados, e se permita um retorno às atividades pré lesão o mais rápido possível.

FraturasÉ a quebra de um osso, causada por uma pancada muito forte, uma queda ou esmagamento. Há dois tipos de fraturas: Fraturas Fechadas, que apesar do choque, deixam a pele intacta, e o osso quebrado não é visível; Fraturas expostas (abertas), quando o osso fere e atravessa a pele. As fraturas expostas exigem cuidados especiais, portanto, cubra o local com um pano limpo ou gaze e procure socorro médico imediato. As Fraturas Fechadas caracterizam-se por Dor ou grande sensibilidade em um osso ou articulação. Incapacidade de movimentar a parte afetada, além do adormecimento ou formigamento da região. Inchaço e pele arroxeada, acompanhado de uma deformação aparente do membro machucado.O que fazer Não movimente a vítima até imobilizar o local atingido. Solicite assistência médica, enquanto isso, mantenha a pessoa calma e aquecida. Verifique se o ferimento não interrompeu a circulação sangüínea. Imobilize o osso ou articulação atingido com uma tala ou com apoio de papelão, bengala, galho de árvore, revista dobrada, travesseiro, manta dobrada, etc. Amarre as talas com tiras de pano, de uma forma que fiquem firme, mas sem apertar. Mantenha o local afetado em nível mais elevado que o resto do corpo e aplique compressas de gelo para diminuir o inchaço, a dor e a progressão do hematoma. Leve a vítima para o hospital, ou chame o serviço médico de emergência, imediatamente.

ProcedimentosBásicos DeTraumatologia

I)Traumatologia

Definição: É a área da medicina ,que tem por objetivo o estudo das lesões provocadas por traumatismos ( Sistema músculo-esquelético) sendo estas , lesões abertas ou fechadas.

II) Contusão

A)Definição: Traumatismo de baixa energia que,normalmente não causa impotência funcional

B)Exame físico: -Edema

  • Hematoma

  • Dor a palpação

C)Diagnóstico: Exame físico ,radiografias

D)Tratamento: - Crioterapia (gelo)

  • AINE ( antinflamatórios não esteróides)

  • Analgésico

  • Imobilização

III) Entorses

  1. Definição: Ocorre em região articular, e cursa com estiramento ligamentar, sendo dividido em:

    1. Grau I – Entorse leve, com ruptura microscópica, da estrutura ligamentar porém sem perda da integridade.

    2. Grau II – entorse moderado ,com ruptura parcial das fibras ligamentares, com estruturas ainda intactas (fig. 1)

    3. Grau III – Entorse severo, com ruptura completa da estrutura ligamentar (fig. 2)

Fig.1 Grau I

Fig.2 Grau III

  1. Exame físico:

a)G I e GII -Edema (leve e moderado)

  • Hematoma

  • Pode ou não apresentar impotência funcional

  • Dor a palpação

b) G III - Edema ( intenso)

  • Dor importante á palpação

  • Impotência funcional

  1. Diagnóstico: - exame físico, RX, ultrassonografia, Ressonância

  1. Tratamento:

G I,G II – crioterapia, AINE, imobilização

G III - tratamento cirúrgico, dependendo da área atingida , com reparação ligamentar

IV) Luxação

  1. Definição: Desencaixe de uma articulação, causando ruptura completa dos ligamentos e da cápsula articular ( fig.3 )

  2. Exame físico: -Edema

  • Deformidade

  • Dor intensa

  • Incapacidade funcional

Fig. 3

OBS: Pode ocorrer lesão vásculo-nervosa associada

  1. Diagnóstico: exame físico, RX ( para visibilizar alguma fratura associada), utrassonografia, RM

  1. Tratamento : É uma urgência, realiza-se redução sob anestesia e após imobilização, dependendo da região é feito tratamento cirúrgico

Obs: Redução (mecanismo na qual recoloca á estrutura deslocada no seu local de origem)

V) Lesões Musculares

  1. Definição: Traumatismo direto ou indireto no músculo levando á lesão parcial ou total da fibra muscular

    1. Lesões indiretas, são causadas por contrações súbitas (ex: quando tenta-se evitar uma queda) pode provocar lesão pequena localizada e até ruptura na fibra muscular

    2. Lesões diretas, normalmente causados por objetos cortantes(facas,tesouras)

  1. Exame físico: - Edema

  • Hematoma

  • Dor á palpação, podendo ocorrer a interrupção da integridade muscular

  1. Diagnóstico: exame físico,RX, ultrassonografia, RM

  1. Tratamento: Depende do tipo da lesão, indo desde crioterapia seguida de imobilização ,chegando até ao tratamento cirúrgico

VI) Fraturas

  1. Definição: Ocorre quando o osso, perde a capacidade de transmitir normalmente,ás cargas durante o movimento, por perda de sua integridade estrutural

  1. Dividida em: - Exposta (aberta) , quando há lesão de tecidos moles e ocorre exposição da fratura com o meio exterior (Fig 5)

  • Fechada , quando á pele ainda esta intacta ( Fig. 4 )

  • Cominutiva , quando apresenta mais do que dois fragmentos

  • Patológica , ocorre em uma área enfraquecida por doença pré existente (osteoporose ,tumoração...)

  • Por esforço (stresse) , por carregamento repetido ocorre fadiga do osso ( militares , dançarinas ,atletas)

Fig. 4

Fig. 5

  1. Exame físico: - Dor espontânea á palpação

  • Perda da função

  • Deformidade , atitude de proteção

  • Mobilidade anormal , crepitação

  • Edema ,hematoma

  • Pode ocorrer lesão vásculo-nervosa

  1. Diagnóstico: Exame físico

  • Radiografia (deve incluir uma articulação acima e uma abaixo da lesão)

  • Tomografia , RM

  1. Tratamento : Depende do grau da fratura e o comprometimento de partes moles .

  • Conservador ( talas , gessos, trações) ( Fig 6,7,8)

  • Incruentos ( realiza-se redução sem abrir á pele) ( Fig. 9)

  • Cruentos ( cirúrgicos , com placas, parafusos ,fixadores)

Fig. 6

Fig. 7

Fig. 8

OBS: Indicação absoluta de tratamento cirúrgico

  • Fraturas expostas

  • Fraturas articulares instáveis e com desvio

  • Falhas ou insuficiência do tratamento conservador

  • Polifraturados e politraumatizados

  • Interrupção do aparelho extensor ( frat. de olécrano , patela...)

  • Fraturas associadas á lesões vásculo-nervosas

  1. Funções das imobilizações:

  • Alívio da dor

  • Evitar lesão adicional de partes moles ( especialmente vasos e nervos

  • Evitar fraturas fechadas de se tornarem abertas

  • Pode diminuir á incidência de embolia gordurosa

  • Facilita o transporte do paciente e os estudos radiográficos

  1. Método de realizar redução: ( Fig. 9)

  • Aplicar tração longitudinal do membro

  • Inverter o osso do mecanismo que produziu á fratura

  • Alinhar o fragmento proximal com o distal

Fig. 9

  1. Imobilizações improvisadas:

a) Qualquer estrutura rígida pode ser utilizada entre elas:

  • bengalas

  • ripas de madeira

  • revistas ,jornais ( Fig . 10)

  • guarda-chuvas

  • em membros inferiores pode amarrar um ao outro

  • pode fixar o braço ao troco com uma tipóia

Fig. 10

I ) Material necessário para á confecção de uma imobilização: ( fig. 11)

  • malha tubular

  • algodão ortopédico

  • luva de procedimento

  • gesso

  • faixa de crepe

Fig . 11

fratura do fêmur distal

OSTEOPOROSE

(Parte 1 de 5)

Comentários