Amostragem de Resíduos Sólidos

Amostragem de Resíduos Sólidos

(Parte 5 de 6)

Coletar as amostras de toda a seção vertical, em pontos opostos e em diagonal, passando pelo centro do recipiente (ver figura A.1)

Caminhões-tanque e similares Retirar as amostras através da abertura superior do tanque. Se for necessário, retirar a amostra de sedimentos através da válvula de purga

Se o tanque for compartimentado, retirar as amostras de todos os compartimentos

Lagoas e tanques abertos Dividir a área superficial em uma rede quadriculada imaginária. De cada quadrícula, retirar as amostras de maneira que as variações do perfil sejam representadas

Montes ou pilhas de resíduos1, 2) Retirar as amostras de pelo menos três seções (do topo, do meio e da base). Em cada seção, devem ser coletadas quatro alíquotas, eqüidistantes. O amostrador deve penetrar obliquamente nos montes ou pilhas (ver figura A.1)

Tanque e/ou contêiner de armazenagem Retirar a amostra através de abertura própria.

Para tanques e/ou contêiner com profundidades superiores a 1,5 m, retirar as amostras de maneira que as variações do perfil sejam representadas

Leitos de secagem, lagoas secas ou solo contaminado Dividir a superfície em uma rede quadriculada imaginária. De cada quadrícula retirar uma amostra representativa da área contaminada

1) Sempre que possível, proceder ao espalhamento do monte ou pilha, efetuando a coleta de amostra por quarteamento.

2) Deve-se proceder ao desmonte da pilha ou do monte, caso o amostrador não esteja adequado às condições e dimensões para a coleta de amostra.

NOTA O número de quadrículas é determinado pelo número desejado de amostras a serem coletadas, as quais, quando combinadas, dão uma amostra representativa dos resíduos.

ABNT NBR 10007:2004

12 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados

Detalhe da coleta em tambor

Detalhe da coleta em monte ou pilha (Seção e vista de topo)

Figura A.1 - Pontos de retirada de amostras de montes ou pilhas e de sacos, barris, de resíduos ou similares

ABNT NBR 10007:2004

Anexo B (informativo)

Sugestões de amostradores e procedimentos para utilização

B.1 Amostrador de resíduo líquido

Este amostrador é constituído por um tubo e um sistema de fechamento, podendo ser feito de polietileno ou vidro. As dimensões e sistema de fechamento do amostrador de resíduo líquido são mostrados na figura B.1. O amostrador de polietileno é usado para quase todos os resíduos, com exceção de alguns solventes incompatíveis com o polietileno. O amostrador de vidro é usado para quase todos os resíduos, com exceção das soluções alcalinas fortes e soluções fortes de ácido fluorídrico.

Dimensões em centímetros

Figura B.1 - Amostrador de resíduo líquido B.1.1 Procedimentos para utilização

Proceder da seguinte maneira: a) escolher o amostrador de polietileno ou vidro apropriado para amostrar o resíduo líquido considerado; b) assegurar que o amostrador está descontaminado e/ou estéril;

ABNT NBR 10007:2004

14 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados c) verificar se o amostrador está funcionando perfeitamente. Ajustar o mecanismo de fechamento para garantir uma vedação completa; d) usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem; e) colocar o amostrador na posição aberta; f) introduzir vagarosamente o amostrador no líquido a ser amostrado; g) quando o amostrador atingir o fundo do recipiente, colocá-lo na posição fechada; h) retirar vagarosamente o amostrador do recipiente, procedendo à limpeza de sua parede externa; i) transferir cuidadosamente a amostra para um frasco de amostragem, abrindo lentamente o amostrador; j) preservar a amostra, se necessário; k) tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a amostra para o laboratório; l) o amostrador de polietileno deve ser descartado e, quando for reutilizável, deve-se proceder à limpeza e descontaminação, conforme 3.1.3.3.

B.2 Amostrador de grãos

Este amostrador é feito com dois tubos telescópicos chanfrados, um externo e outro interno, geralmente de aço inoxidável ou material inerte descartável. O externo possui uma ponteira cônica que permite a introdução do amostrador na massa de resíduos a ser amostrada. O amostrador é aberto ou fechado pela rotação do tubo interno, possuindo as dimensões mostradas na figura B.2. Este amostrador é usado para resíduos em pó ou na forma granular com diâmetro inferior a 0,6 cm, acondicionados em sacos, tambores, barris, big bags e similares.

Dimensões em centímetros

Figura B.2 - Amostrador de grãos

B.2.1 Procedimentos para utilização Proceder da seguinte maneira: a) verificar se o amostrador está descontaminado e/ou estéril; b) usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem; c) colocar o amostrador na posição fechada e introduzi-lo no material; d) girar o tubo interior até posição aberta;

ABNT NBR 10007:2004 e) agitar o amostrador algumas vezes para permitir que os materiais entrem pelas suas fendas; f) fechar o amostrador e retirá-lo do material, procedendo à limpeza da parede externa; g) colocar o amostrador na posição horizontal e com as aberturas para cima; h) girar e retirar o tubo interno; i) transferir a amostra coletada no tubo interno para um frasco de amostragem; j) preservar a amostra, se necessário; k) tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a amostra para o laboratório; l) limpar o amostrador e embalá-lo em saco plástico para limpeza posterior; m) o amostrador de polietileno deve ser descartado e, quando for reutilizável, deve-se proceder à limpeza e descontaminação, conforme 3.1.3.3.

B.3 Amostrador de montes e pilhas - “Trier”

Este amostrador é feito com um tubo longo de aço inox e possui uma parte chanfrada em quase todo o seu comprimento. A ponta e as bordas do chanfro são afiadas para permitir que o material a ser amostrado seja cortado quando o amostrador girar no interior da massa de resíduos. As dimensões do amostrador “trier” são mostradas na figura B.3, podendo sofrer alterações de acordo com a utilização. Este amostrador é usado de modo similar ao amostrador de grãos. Quando o pó ou material granular está úmido ou aglomerado, deve-se usar o amostrador “trier” e não o amostrador de grãos.

Dimensões em centímetros

Figura B.3 - Amostrador “trier”

B.3.1 Procedimentos para utilização Proceder da seguinte maneira: a) verificar se o amostrador está com as bordas convenientemente afiadas, descontaminado e/ou estéril; b) usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem; c) introduzir o amostrador no material a ser amostrado, em um ângulo entre 0° e 45° com a horizontal; d) girar o amostrador uma ou duas vezes para cortar o material; e) retirar vagarosamente o amostrador do material, assegurando-se de que a sua abertura está para cima; f) transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula ou escova;

ABNT NBR 10007:2004

16 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados g) preservar a amostra, se necessário; h) tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a amostra para o laboratório; i) limpar o amostrador e embalá-lo em saco plástico para limpeza posterior; j) o amostrador de polietileno deve ser descartado e, quando for reutilizável, deve-se proceder à limpeza e descontaminação, conforme 3.1.3.3.

B.4 Pá

Este amostrador é um tipo de pá de jardineiro, com lâmina normalmente afiada. Um desenho desta pá é mostrado na figura B.4. Esta pá pode ser usada para coletar amostras de materiais granulares, amostras em recipientes rasos e amostras superficiais de solo.

Figura B.4 – Pá

B.4.1 Procedimentos para utilização Proceder da seguinte maneira: a) verificar se a pá está descontaminada e/ou estéril; b) usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem; c) introduzir a pá no material a ser amostrado, retirando um volume de amostra suficiente; d) transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula; e) preservar a amostra, se necessário; f) tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a amostra para o laboratório; g) limpar a pá e embalá-la em saco plástico.

B.5 Trado

Este amostrador é normalmente utilizado em sondagens de solo, podendo ser utilizado para amostragem de resíduos. O seu acionamento pode ser manual ou mecânico, e a preservação ou destruição do perfil do material a ser amostrado depende do tipo de broca utilizada.

O trado é particularmente útil na coleta de amostras a profundidades maiores que 20 cm. Um esquema de um trado é mostrado na figura B.5.

ABNT NBR 10007:2004

Dimensões em centímetros

Figura B.5 – Trado

B.5.1 Procedimentos para utilização Proceder da seguinte maneira: a) verificar se o trado está descontaminado e/ou estéril; b) usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem; c) selecionar a broca adequada; d) colocar o trado sobre o ponto de amostragem; e) cravar até a profundidade de amostragem desejada; f) retirar o trado e transferir a amostra coletada para um frasco de amostragem; g) transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula; h) preservar a amostra, se necessário; i) tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a amostra para o laboratório; j) limpar o trado e embalá-la em saco plástico.

(Parte 5 de 6)

Comentários