(Parte 1 de 3)

POR LUIS CARLOS BURGOS LBURGOS23@TERRA.COM.BR

Aula 1 – Noções de eletricidade, símbolos e resistores1
Características de um bom multímetro para eletrônica1
Símbolos dos principais componentes eletrônicos1
Corrente – Tensão – Resistência elétrica2
Lei de Ohm3
Circuito elétrico3
Tipos de corrente elétrica3
Potência elétrica4
Estudo dos resistores4
Código de cores e leitura de resistores5
Aula 2 – Soldagem, multímetro e mais resistores6
Leitura de resistores especiais e potenciômetros6
Técnicas de soldagem7
Sugador de solda8
O multímetro ou multiteste8
Associações de resistores10
Outros tipos de resistores1
Aula 3 – Capacitor, ohmímetro e teste de resistores12
Uso do ohmímetro12
Teste de resistores13
Estudo dos capacitores14
Leitura dos capacitores15
Como testar os capacitores com o multímetro17
Como testar capacitores com o capacímetro17
Capacitores Variáveis18
Aula 4 – Diodos e transistores19
Estudo dos diodos19
Estudo dos transistores21
Aula 5 – CIs, bobinas, transformadores e fonte de alimentação25
Circuito Integrado (CI ou IC)25
Semicondutores SMD27
Bobinas ou indutores27
Transformador (trafo)28
Fonte de alimentação29
Aula 6 – Outros componentes3
Como testar um transistor MOSFET3
Bobinas e capacitores parecidos com resistores3
Relê34
Tiristores34
Transistor “Darlington”35
Fotoacoplador35

Por Luis Carlos Burgos lburgos23@terra.com.br Aula 1 – Noções de eletricidade, símbolos e resistores

1 - Características de um bom multímetro para eletrônica

O multímetro (também chamado de multiteste ou mitter) é o aparelho mais usado na bancada de eletrônica tanto para quem realiza consertos, quanto para quem faz experiências com circuitos e componentes eletrônicos. Tal aparelho é usado para medir tensão, corrente e resistência elétrica, além de outras medidas menos importantes. Existem dois tipos: analógicos com ponteiro e digitais com visor de cristal líquido. Para os modelos analógicos, os recomendados são os que têm as escalas de X1 e X10K e sensibilidade (precisão) de pelo menos 20 KΩ/V em DCV. Este número vem no canto inferior esquerdo do painel. No caso dos digitais, as escalas dependem da necessidade, porém seria interessante se ele puder ter um freqüencímetro (MHz) ou um capacímetro (nF ou µF).

2 – Símbolos dos principais componentes eletrônicos

Treinamento de eletrônica básica 1

Veja abaixo os símbolos de outros componentes que não estão na tabela:

(CI ou IC) ALTO FALANTE

Exercício 01

Abaixo vemos o circuito vertical de um televisor. Cada componente tem uma letra. Coloque o nome para cada componente ao lado do circuito:

3 – Corrente – Tensão – Resistência elétrica a – Corrente elétrica ( I ) – É o movimento ordenado de cargas elétricas. A unidade de medida da corrente elétrica é o AMPÈRE (A). Porém muitos circuitos eletrônicos funcionam com correntes menores que 1 A. Neste caso usamos o MILIAMPÈRE (mA) e o MICROAMPÈRE (µA). 1 mA = 0,001 A e 1 µA = 0,0.001 A.

b – Tensão elétrica ( V ) – É a diferença de cargas entre os pólos da pilha ao lado. A tensão elétrica é medida em VOLT (V). A tensão age como uma força que faz a corrente elétrica passar pelo circuito. A tensão da pilha é de 1,5 V, a da bateria de carro é 12 V e a da rede elétrica é 110 ou 220 V.

c – Resistência elétrica ( R ) - É a dificuldade oferecida pelos materiais à passagem da corrente elétrica. A resistência é medida em OHM (Ω). No desenho acima a resistência é oferecida pelos átomos do cobre, porém este material, devido à sua baixa resistência, é chamado de condutor. Os de resistência média são semicondutores e os de alta resistência são isolantes.

d – Resistor – É o componente formado por um material mau condutor (grafite, níquel-cromo ou filme metálico) usado para diminuir a corrente e a tensão em determinados pontos do circuito. O resistor também é medido em OHM (Ω).

Treinamento de eletrônica básica 2

Exercício 02

( A ) Tensão( ) Ω
( B ) Corrente( ) V
( C ) Resistência( ) A

Relacione as duas colunas:

4 – Lei de Ohm

Através dela é possível saber o valor da corrente que circula por um resistor: I = V/R. Por exemplo, se um resistor de 10 Ω é ligado numa fonte de 6 V, a corrente que passará por ele será: I = 6/10 = 0,6 A ou 600 mA.

5 – Circuito elétrico

É o caminho completo para a circulação de corrente elétrica. Abaixo vemos um circuito simples formado por uma bateria ligada num LED e um resistor:

Exercício 03

circula pelo LED

No circuito acima a bateria é de 9 V. O LED dá uma queda de tensão de 1,5 V. O resistor do circuito é de 1 K. Usando a Lei de Ohm, calcule a corrente que

6 – Tipos de corrente elétrica a - Corrente contínua (C ou DC) – Mantém sempre o mesmo valor e o sentido, sendo representada por uma linha reta. É produzida por tensão contínua de pilhas, baterias e fontes de alimentação.

b - Corrente alternada (CA ou AC) – Muda de valor e de sentido no decorrer do tempo. É fornecida pela tensão alternada da rede elétrica.

c - Corrente pulsante (CP) – Só muda de valor. Este tipo normalmente é obtido pela retificação da corrente alternada. Veja a representação dos tipos de correntes:

Treinamento de eletrônica básica 3 d - Freqüência – É a quantidade de vezes que a C.A. muda de valor e de sentido por segundo. É medida em HERTZ (Hz). A freqüência da rede elétrica é 60 Hz.

Exercício 04 es abaixo: Indique a freqüência das corrent

a quantidade de energia elétrica consumida por um aparelho ou circuito por É segundo. A potência é medida em WATT (W). Ela nos dá idéia do gasto de energia de um aparelho. Por exemplo: um ferro de solda de 60 W gasta mais energia elétrica que um de 30 W. Logo o ferro de 60 W aquece bem mais que o de 30 W. Para saber a potência elétrica de um aparelho eletrônico basta multiplicar a tensão que ele funciona pela corrente elétrica que passa pelo mesmo. P = V x I

Exercício 05

Um rádio do Paraguai veio com a seguinte indicação: 15 W PMPO. Ele funciona com 4 pilhas (6 V) e com o volume no máximo a corrente chega a 0,5 A. Qual a verdadeira potência consumida por ele?_

8 – Estudo dos resistores Como já vimos os resistores têm como função reduzir a corrente elétrica e a tensão sistor, menor a corrente

Características dos resistores

reinamento de eletrônica básica4

inal - Máximo de calor suportado pela peça. A potência nominal em vários pontos do circuito, como vemos abaixo. São feitos de materiais maus condutores tais como grafite, níquel-cromo e filme metálico.

Quanto maior o valor do re no circuito e maior a queda de tensão proporcionada por ele.

a – Resistência elétrica - Valor em ohms indicado no corpo através de anéis coloridos ou números. b – Tolerância - Indicada em % é a maior diferença entre o valor indicado e o valor real da peça. Exemplo: um resistor de 100 Ω e 5% pode ter seu valor entre 95 e 105 Ω; c – Potência nom depende do tamanho da peça. Para os resistores de grafite temos as potências de 1/16, 1/8, ¼, ½, 1 e 3 W. Os de metalfilme são de 1/3, ½, 1, 1.6, 2 e 3W. Os de fio vão de 2 a 200 W.

9 - Código de cores e leitura de resistores Os resistores de grafite e metalfilme possuem anéis coloridos no corpo para indicar

Ω, Exercício 06 seu valor em Ohms (Ω). Veja abaixo a tabela do código de cores usada para a leitura destes resistores:

Conversão de unidade: Quando o valor de um resistor é maior que 1000 usamos os múltiplos KILO (K) e MEGA (M). Veja os exemplos abaixo:

2.0Ω = 2K; 10.0.0 Ω = 10M; 6.800Ω = 6K8

Indique o valor dos resistores abaixo:

reinamento de eletrônica básica 5 T

Aula 2 – Soldagem, multímetro e mais resistores

1 – Leitura de resistores especiais e potenciômetros

a – Resistores de baixo valor (menores que 10 Ω) - Estes tipos tem a 3ª listra do corpo ouro ou prata. Ao lado vemos o exemplo de dois resistores deste tipo. Quando a 3ª listra é ouro, divida o valor das duas primeiras por 10 e quando é prata divida por 100.

b - Resistores de precisão (5 e 6 faixas) - A leitura começa pela faixa mais fina. O código é o mesmo. Abaixo vemos como é feita a leitura:

c – Resistores SMD – A leitura é indicada no corpo através de um número. O terceiro algarismo é o número de zeros a ser acrescentado aos primeiros. Observe:

Exercício 07 Indique o valor dos resistores abaixo:

d - Valores padronizados de resistores de grafite - São os valores encontrados no mercado: 1 – 1,1 – 1,2 – 1,3 – 1,5 – 1,8 – 2 – 2,2 – 2,4 – 2,7 – 3 – 3,3 – 3,9 – 4,3 – 4,7 – 5,1 – 5,6 – 6,2 – 6,8 – 7,5 – 8,2 – 9,1 e os múltiplos e sub múltiplos de 10 de cada valor destes até 10 M.

e - Potenciômetros - São resistores cuja resistência pode ser alterada girando um eixo que move um cursor de metal sobre uma pista de grafite. Alguns deles não têm eixo, sendo chamados de trimpot. Ao lado vemos estes componentes:

Treinamento de eletrônica básica 6

2 – Técnicas de soldagem a – Adquirindo boas ferramentas – Quanto ao ferro de solda, deve ser de 30 ou 40 W ponta fina. Os melhores são: Hikary, Weller, etc. A solda deve ser de boa qualidade. As melhores são: Best, Cobix, Cast, etc. O sugador deve ter boa pressão. Os melhores são: AFR, Ceteisa, etc.

b - Ferro de solda – É uma ferramenta contendo um fio de níquel-cromo dentro de um tubo de ferro galvanizado ou latão. Esta parte é a resistência do ferro. Dentro da resistência vai encaixada uma ponta de cobre recoberta com uma proteção metálica. Ao ligar o ferro na rede, passa corrente pela resistência e esta aquece a ponta até a temperatura adequada para derreter a solda. Abaixo vemos esta ferramenta:

c - Limpeza da ponta do ferro – Quando ligamos o ferro pela primeira vez sai uma fumaça. Esta é a resina que recobre a resistência. Isto é normal. À medida que ele esquenta devemos derreter solda na sua ponta. Esta operação chama-se estanhagem da ponta. Abaixo vemos como deve ficar a ponta do ferro:

Com o ferro quente, após algum tempo de uso, sua ponta começa a ficar suja. Para limpá-la usamos uma esponja de aço tipo “Bom-bril” ou uma esponja vegetal daquelas que vem no suporte do ferro, conforme observamos ao lado: É só passar a ponta do ferro sobre a esponja úmida e após isto colocar um pouco de solda na ponta. NÃO SE DEVE NUNCA LIMAR OU LIXAR A PONTA, POIS ISTO ACABA COM ELA.

d - Operação correta de soldagem – Abaixo vemos a forma correta de se aplicar solda numa trilha da placa de circuito impresso e descrevemos o procedimento: d.1 – Segure o ferro pelo cabo de madeira ou plástico da mesma forma que seguramos o lápis ou caneta para escrever; d.2 – Limpe e estanhe a ponta do ferro; d.3 – Espere até o ferro estar na temperatura de derreter a solda; d.4 – Encoste a ponta ao mesmo tempo na trilha e no terminal da peça. Faça uma ligeira pressão e não mova a ponta do lugar; d.5 – Aplique solda apenas na trilha na região do terminal do componente; d.6 – Retire rapidamente a ponta e a solda deverá ficar brilhante. É claro que isto também dependerá da qualidade da solda usada.

Treinamento de eletrônica básica 7

3 – Sugador de solda

É a ferramenta usada para retirar a solda dos componentes nos circuitos. É formada por um pistão impulsionado por uma mola dentro de um tudo de plástico ou metal. Quando o pistão volta a sua posição, a solda é aspirada para dentro de um tudo. Veja abaixo um excelente sugador da AFR com uma camisinha de borracha no bico:

omo usar corretamente um sugador de solda - Abaixo vemos a seqüência para

--o bem em cima da solda na multiteste

C aplicar o sugador de solda e retirar um componente da placa:

1 Encoste a ponta do ferro na solda que vai ser retirada. O recomendável aqui é colocar um pouco mais de solda no terminal do componente. Isto facilita a dessoldagem; 2 - Derreta bem a solda no terminal do componente; 3 - Empurre o embolo (pistão) do sugador e coloque posição vertical, sem retirar o ferro; 4 - Aperte o botão, o pistão volta para a posição inicial e o bico aspira a solda para dentro do sugador; 5 - Retire o ferro e sugador ao mesmo tempo. Agora o componente está com o terminal solto. Se ficar ainda um pouco de solda segurando o terminal, coloque mais e repita a operação.

– 4O multímetro ou

medir resistência e testar componentes. 8

É o aparelho usado basicamente para medir corrente, tensão e resistência elétrica. A função do multiteste é escolhida pela chave AMPERÍMETRO (DCmA) ou (DCA) – Para medir corrente contínua, VOLTÍMETRO (DCV) – Para medir tensão contínua, ACV – Para medir tensão alternada e OHMÍMETRO (Ω) – Para

Treinamento de eletrônica básica a – Como medir tensão contínua – Coloque a chave do multímetro na função de DCV, escolha a escala mais próxima a cima da tensão a ser medida, ponta vermelha no ponto de maior tensão e a preta no de menor tensão. Veja abaixo:

Exercício 08 Indique a tensão medida pelos multímetros abaixo:

Treinamento de eletrônica básica 9 b – Como medir tensão alternada – Coloque na função de ACV, escala mais róxima acima da tensão, porém não há polaridade para colocar as pontas. A leitura da mesma forma que a função DCV. Veja como medir a tensão AC num trafo:

c – Como medir corrente elétrica p é

Aqui é um pouco mais difícil. Coloque na função DCmA ou DCA. Corte uma parte do circuito. Coloque o ultímetro em série, com a ponta vermelha mais próxima do +B. a medida de corrente não é usada nos consertos, devido ao trabalho de interromper o circuito e aplicar as pontas. Veja ao lado o procedimento:

5 – Associações de resistoresm

A associação é a ligação feita entre vários resistores para se obter um determinado valor de resistência para o circuito. Podem ser ligados em série, paralelo ou misto.

a – Associação em série – É aquela na qual todos estão no mesmo fio, um após o outro, como vemos ao lado. Neste circuito a corrente é a mesma em todos e a tensão se divide entre eles. A resistência equivalente é a soma dos valores: Rt = R1 + R2

b – Associação em paralelo – É aquela na qual os resistores são ligados um ao ntos. A corrente se divide entre lado do outro, aos mesmos po eles e a tensão é a mesma em todos. Se os dois resistores tiverem o mesmo valor, a resistência equivalente é a divisão de um deles pela quantidade de peças: Rt = R/n, onde n é a quantidade de resistores em paralelo. Se forem diferentes, divida o produto pela soma dos valores: Rt = R1 x R2/ R1 + R2.

Exercício 09 Indique o valor das seguintes associações:

Treinamento de eletrônica básica 10

6 – Outros tipos de resistores a – Potenciômetros multivoltas -pridinho e um eixo tipo sem-fim. evagar. É usado em circuitos onde o abaixo:

Tem o corpo com

Girando este eixo, ele varia a resistência bem d ajuste da resistência deve ser bem preciso. Veja

b - Varistor – É um resistor especial que diminui a sua resistência quando a tensão nos seus terminais aumenta. É usado na entrada de força de alguns aparelhos, protegendo-os de um aumento de tensão da rede elétrica. Quando a tensão nos terminais ultrapassa o limite do componente, ele entra em curto, queima o fusível e

c - desliga o aparelho.

Termistor – Este tipo de resistor varia a resistência com a temperatura. Existem os termistores positivos (PTC) que aumentam a resistência quando esquentam e os negativos (NTC) que diminuem a resistência quando esquentam. É usado em circuitos que requerem estabilidade mesmo quando a temperatura de operação aumente.

d - Barra de resistores - São vários resistores interligados dentro de uma única peça, tendo um terminal comum para todos. É usado em circuitos que requerem economia de espaço. Também pode ser chamado de resistor package (pacote de resistores).

e - Fotorresistores - Também chamados de LDR, variam a resistência de acordo com a luz incidente sobre ele. Quanto mais claro, menor é a sua resistência. São usados em circuitos sensíveis a iluminação ambiente.

reinamento de eletrônica básica 1 T

Aula 3 – Capacitor, ohmímetro e teste de resistores

1 – Uso do ohmímetro a – Como saber se o ohmímetro está com a escala queimada – Coloque na escala de X1 e segure as pontas pela parte metálica sem encostá-las. Se o ponteiro mexer, a escala de X1 está com o resistor interno queimado (geralmente de 18 Ω). Faça a mesma coisa na escala de X10 (resistor desta escala em torno de 200 Ω).

b - Leitura do ohmímetro - Para usar o ohmímetro, devemos ajustar o ponteiro sobre o zero através do potenciômetro na escala que for usada (X1, X10, X100, X1K e X10K). Se o ponteiro não alcançar o zero, é porque as pilhas ou baterias estão fracas. Na leitura acrescentamos os zeros da escala que estiver a chave. Abaixo vemos como deve ser zerado o ohmímetro:

(Parte 1 de 3)

Comentários