1 - Sensores de Proximidade Indutivos: Os sensores indutivos são equipamentos eletrônicos capazes de detectar a aproximação de peças metálicas, componentes, elementos de máquinas, etc, em substituição às tradicionais chaves fim de curso. A detecção ocorre sem que haja o contato físico entre o sensor e o acionador, aumentando a vida útil do sensor por não possuir peças móveis sujeitas a desgastes mecânicos.

1.1 - Princípio de Funcionamento: O princípio de funcionamento baseia-se na geração de um campo eletromagnético de alta freqüência, que é desenvolvido por uma bobina ressonante instalada na face sensora. A bobina faz parte de um circuito oscilador que em condição normal (desacionada) gera um sinal senoidal. Quando um metal aproxima-se do campo, este por correntes de superfície (Foulcault), absorve a energia do campo, diminuindo a amplitude do sinal gerado no oscilador. A variação de amplitude deste sinal é convertida em uma variação contínua que comparada com um valor padrão, passa a atuar no estágio de saída.

1.2 - Face Sensora: É a superfície por onde emerge o campo eletromagnético.

1.3 - Distância de Acionamento: É a distância em que aproximando-se o acionador da face sensora, o sensor muda o estado da saída. A distância de acionamento é e m função do tamanho da bobina. Assim, não podemos especificar a distância sensora e otamanho do sensor simultaneamente.

1.4 - Distância Sensora Nominal (Rated Sn): É a distância sensora teórica, a qual utiliza um alvo padrão como acionador e não considera as variações causadas pela industrialização, temperatura de operação etensão de alimentação. É o valor em que os sensores de proximidade são especificados.

1.5 - Alvo Padrão (IEC-60.947-5-2): É u m acionador normalizado utilizado para calibrar a distância sensora nominal durante o processo de fabricação do sensor. Consiste de uma chapa de aço de 1mm de espessura, formato quadrado. Olado deste quadrado éigual ao diâmetro do círculo da face sensora ou 3 vezes a distância sensora nominal quando o resultado for maior que o anterior.

L=D (se 3xS n<D )o u: L=3xS n(se3xS n>D )

D - diâmetro da área onde emerge o campo eletromagnético

1.6 - Distância Sensora Real: Valor influenciado pela industrialização, especificado em temperatura ambiente (23ºC) etensão nominal, com desvio de 10%: 0,9 x Sn Sr 1,1 x S N

1.7 - Distância Sensora Efetiva (Effective Sr): Valor influenciado pela industrialização, especificada para temperatura ambiente (23 C) etensão de alimentação nominal:

1.8 -Distância Sensora Assegurada (Assured Sa): É a distancia sensora que seguramente pode-se operar, considerando todas as variações de industrialização, temperatura e tensão de operação: Sa 72% Sn

1.9 - Material do Acionador: A distância sensora operacional varia ainda com otipo de metal, ou seja, é especificada para oferro ou aço e necessita ser multiplicada por um fator de redução. 1.10 - Histerese: É a diferença entre o ponto de acionamento (quando o alvo metálico aproxima-se da face sensora) e o ponto de desacionamento (quando o alvo afasta-se do sensor). Este valor é importante, pois garante uma diferença entre o ponto de acionamento e desacionamento, evitando que em uma possível vibração do sensor ou acionador, a saída oscile.

1.1 - Repetibilidade: Pode ser considerado como a precisão do ponto de acionamento. Este parâmetro quantifica a variação da distância sensora nominal com: o tempo, temperatura etensão de alimentação.

1.14 - Semi-Embutido (Sensores Distancia Aumentada / Extendida): O campo eletromagnético emerge somente na face sensora mas é afetado por metais próximos a sua à face, podendo ser instalado em superfícies metálicas desde que obedeça uma distância livre a partir da superfície sensora. Esta distância varia de acordo com atabela abaixo:

Sn Diâmetro Distância (h) 2mm M8 x 1 0mm 4mm M12 x 1 0,5mm 8mm M18 x 1 2mm 15mm M30 x 1,5 3mm

Nota: para maiores detalhes de montagem e espaçamento dos sensores vide o Guia de Montagem em nosso website.

2 - Cuidados na Instalação: Relacionamos a seguir os principais cuidados que o usuário deve observar durante ainstalação dos sensores. A não observação destes itens pode provocar o mau funcionamento e até mesmo um dano permanente no sensor, com a conseqüente perda da garantia.

2.1 - Configuração Correta: Observar os diagramas de conexões identificando as cores dos fios ou os pinos dos conectores, antes de instalar o sensor evitando principalmente que a saída do sensor seja ligada a rede elétrica causando uma explosão interna.

2.2 - Cabo de Conexão: Evitar que o cabo de conexão do sensor seja submetido a qualquer tipo de esforço mecânico.

2.3 - Oscilação: Como os sensores são resinados, pode-se utilizá-los em máquinas com movimentos, apenas fixando o cabo junto ao sensor através de braçadeiras, permitindo que só o meio do cabo oscile.

2.4 - Suporte de Fixação: Evitar que o sensor sofra impactos com outras partes ou peças e não seja utilizado como apoio.

2.5 - Partes Móveis: Durante ainstalação observar atentamente a distância sensora do sensor e sua posição, evitando desta forma i mpactos com o acionador.

2.6 - Porcas de Fixação: Evitar o aperto excessivo das porcas de fixação.

2.7 - Produtos Químicos: Nas instalações em ambientes agressivos solicitamos contatar nosso depto técnico, para especificar o sensor mais adequado para a aplicação.

2.8 - Condições Ambientais: Evitar submeter o sensor a condições ambientais severas com temperatura de operação acima dolimite do sensor.

2.9 - Cargas Indutivas: Os sensores possuem proteção contra os picos de tensão gerados por cargas indutivas, mas aconselhamos utilizar supressores de ruídos nas bobinas das solenóides, ajudando a eliminar os altos picos de tensão. Nota: vide em nosso website os manuais Sensores C e C A com recomendações sobre os cuidados com as cargas dos sensores.

2.10 - Cablagem: Conforme as recomendações das normas técnicas, deve-se evitar que os cabos de sensores einstrumentos de medição e controle utilizem os mesmos eletrodutos dos circuitos de força. Nota: Apesar dos sensores possuírem proteção para ruídos, caso os cabos dos sensores ou da fonte de alimentação utilizarem as mesmas canaletas dos circuitos de potência com motores, freios elétricos, disjuntores, contatores, etc; as tensões induzidas podem possuir energia suficiente para danificar os sensores.

2.1 - Lâmpadas Incandescentes: Não se deve utilizar lâmpadas incandescentes com os sensores, principalmente nos modelos de corrente alternada, pois a resistência do filamento frio provoca uma corrente de pico, que pode danificar permanentemente o sensor. As cargas indutivas, tais como contatores, relés, solenóides, etc; devem ser bem especificados pois tanto a corrente de chaveamento como a corrente de surto podem danificar o sensor.

3 - Tipos de Configurações Elétricas:

3.1 - NPN (Sinck) ? São sensores que possuem no estágio de saída um transístor que tem função de chavear (ligar e desligar) oterminal negativo da fonte.

3.2 - PNP (Source) ? São sensores que possuem no estágio de saída um transístor que tem função de chavear (ligar e desligar) oterminal positivo da fonte.

3.3 - Sensor Namur ? Semelhante aos sensores convencionais, aplicado tipicamente em atmosferas potencialmente explosivas, deve ser utilizado com barreiras de segurança intrínseca. O sensor Namur consome u ma corrente 3mA quando desacionado, e com a aproximação do alvo a corrente de consumo cai abaixo de 1mA, quando alimentado por um circuito de 8V eimpedância de 1K .

3.4 - Sensor a 2 Fios ? Similar aos fim de curso mecânico os sensores são ligados em série com a carga. Observe que uma pequena corrente circula pela carga quando o sensor está desacionado, requerida para a alimentação do circuito interno. Verifique o correto acionamento da carga considerando que existe ainda uma pequena queda de tensão sobre o sensor.

3.4.1 - Sensores Corrente Contínua a 2 Fios:

* Nota: Sensores com conector 4 pinos não possui pino de aterramento.

3.5 - Sensores Corrente Alternada a 3 Fios: Recomendado quando a corrente residual ou a queda de tensão dos sensores 2fios não é compatível com a carga.

3.6 - Sensor CA / C C( Corrente Alternada e Contínua): Sensores a 2fios multialimentação que operam em qualquer tensão na faixa de 20 a 250V tanto em C como e m CA.

Todos os sensores a 2 fios com conector V13 em CA (modelos WA e WF) e C A/C (modelos UA, UZA, UF e UZF) possuem o terminal de aterramento no pino 1.

Rua Tuiuti,1237 - Cep.: 03081-0 - São Paulo -SP - Brasil

Tel.: (011) 6190-0400 Fax: (011) 6190-0404 E-mail: vendas@sense.com.br - http://www.sense.com.br

Material Fator

Ferro ou Aço 1,0 Cromo Níquel 0,9

Aço Inox 0,85 Latão 0,5 Alumínio 0,4 Cobre 0,3

Sensores Indutivos d ³ d 0,81xSn

0,81 xSn

FURO 3d d

1.12 - Embutido: Este tipo de sensor tem o campo eletromagnético emergindo apenas na face sensora e permite que seja montado em uma superfície metálica .

1.13 - Não Embutido: Neste tipo o campo eletromagnético emerge também da superfície lateral da face sensora, sensível à presença de metal ao seu redor.

3000000121C - Abril/2003 Para informações completas veja oitem Manual de Instruções do produto em nosso website: w.sense.com.br

Comentários