Armazenagem Resíduos Químicos

Armazenagem Resíduos Químicos

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

PÁGINA 1/10

REVISÃO 03

ELABORADO Wilson Camargo VERIFICADO

Anna Tereza P. S. T. Santos APROVADO

Nilo Duarte Dória REFERENDADO

André L. Gemal DATA 2/08/2002

SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Definições 4. Condições gerais 5. Condições específicas 6. Responsabilidade 7. Referências

D. Formulário “Requisição para Descarte de Resíduo Químico”

8. Anexos A. Definições quanto à Natureza dos Produtos B. Incompatibilidade de Alguns Reagentes C. Etiqueta Adesiva “Resíduo Químico”

1. OBJETIVO

Este POP fixa condições, padroniza, define e estabelece regras e recomendações que devem ser aplicadas pelas diversas subunidades organizacionais do INCQS, para armazenagem de resíduos químicos.

2. CAMPO DE APLICAÇÃO

Este POP se aplica ao armazenamento de resíduos químicos nos laboratórios e depósito geral do INCQS.

3. DEFINIÇÕES

Para efeito deste POP, são adotadas as seguintes definições:

3.1 - Resíduo químico É qualquer produto ou composto químico que não tem mais serventia para realização de

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 2 / 10 ensaios. 3.2 - Produto químico É o resultado de uma operação natural ou artificial. 3.3 - Composto químico

É uma substância em que a existência de ligações químicas garante a uniformidade de propriedades e a constância de composição.

3.4 - Incompatibilidade química

É a condição segundo a qual os produtos ou compostos químicos tornam-se perigosos, quando reservados ou armazenados próximos a outros, com os quais podem reagir, criando situações perigosas.

4. CONDIÇÕES GERAIS

4.1 - O armazenamento dos resíduos químicos nos laboratórios constitui a primeira etapa de manipulação para o futuro descarte definitivo. Em todas as etapas devem ser observados os seguintes aspectos básicos de segurança: identificação detalhada (ver Anexo C), registro e controle de descarte (ver Anexo D) dos resíduos químicos; não utilizar fórmulas na identificação.

4.2 - Observar se os dados contidos na etiqueta de identificação (ver Anexo C) obedecem aos estabelecidos nos POPs de Descarte de Resíduos Inorgânicos e de Resíduos Orgânicos, números 65.1120.004 e 65.1120.005.

4.2.1 - Os resíduos que não cumprirem estes POPs serão recusados na segunda etapa que é a de descarte provisório, de responsabilidade da Comissão Interna de Biossegurança do INCQS .

4.3 - Levar em consideração no armazenamento de resíduos, tanto para os laboratórios como para o depósito geral: a natureza (ver Anexo A), a incompatibilidade química (ver Anexo B), o volume e o tempo.

4.4 – Os resíduos para armazenagem devem ser acondicionados em frascos resistentes com tampa rosqueada, como por exemplo, bombonas de plástico de tamanho adequado ao volume do resíduo. O resíduo deve preencher em torno de 90% do volume disponível do recipiente, para minimizar os custos e riscos de armazenagem.

5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

5.1 - Para os laboratórios o local de armazenagem deve ter área pequena e sinalização indicadora de “Área Restrita a Resíduos Químicos”, porque o volume deve ser o menor

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 3 / 10 possível . 5.1.1 - Caso necessário, utilizar capelas que não são usadas para realização de ensaios.

5.1.2 - As prateleiras das estantes devem ser espaçadas e ter uma trave no limite frontal para evitar a queda dos frascos e, sempre que possível, dentro do alcance do campo visual; nenhum material, pontas ou arestas deverá se projetar além dos limites da prateleira.

5.2 - Para o depósito geral o local de armazenagem deve ser no pavimento térreo, com pelo menos uma parede voltada para o exterior; deverá ter janelas e a saída de emergência, deve ser bem localizada, sinalizada e livre para facilitar o seu uso.

5.2.1 - Deve existir um sistema de exaustão próximo ao teto para saída de vapores leves e outro junto ao piso para vapores pesados, adicionalmente aproveitar a ventilição natural das janelas.

5.2.2 - Utilizar caixas de papelão, bombonas de papelão ou plásticas para separar e acondicionar os frascos com resíduos químicos (ver Anexos A e B).

5.2.3 - Forrar o piso com estrados (pallet) plásticos ou de madeira para arrumar as caixas e/ou bombonas, facilitando a limpeza e o transito no local.

5.3 - Prover de extintores de incêndio, compatíveis com o produto ou composto químico especificado na etiqueta “Resíduo Químico” da embalagem, e ser de fácil acesso.

5.4 - Instalar um equipamento para refrigeração ambiental caso a temperatura ambiente ultrapasse a 38 ºC.

5.5 - Evitar superfícies quentes, chamas abertas e descargas eletrostáticas.

5.6 – É proibido fumar.

6. RESPONSABILIDADE

É responsabilidade do chefe de Departamento, a implantação e a verificação do funcionamento correto deste POP.

Todo servidor que produza este tipo de material é responsável pelo armazenamento correto.

7. REFERÊNCIAS

PALMEIRA, J. Procedimento para recepção, depósito, distribuição e eliminação de produtos químicos. Centro de Pesquisas da Petrobrás

DESCARTE de Resíduos Inorgânicos. In: MANUAL da Qualidade. Rio de Janeiro: INCQS/FIOCRUZ. (65.1120.004).

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 4 / 10

DESCARTE de Resíduos Orgânicos. In: MANUAL da Qualidade. Rio de Janeiro: INCQS/FIOCRUZ. (65.1120.005).

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 5 / 10

1 - Produtos inflamáveis

São aqueles que entram em ignição quando em contato com oxigênio ou outros oxidantes, através de choques mecânicos, aumento de temperatura e reações químicas. São exemplos o éter, álcool etílico e acetona.

2 - Produtos corrosivos

São aqueles que atacam as superfícies ocasionando a destruição dos materiais em diferentes graus de intensidade. São exemplos: ácido sulfúrico, ácido perclórico e ácido fluorídrico.

3 - Produtos explosivos

São aqueles que podem decompor-se rapidamente oxidando-se, quando se processam grandes volumes de gases ou, por calor intenso, provocando expansão do ar ao redor. São exemplos os nitro-compostos orgânicos, os sais do ácido fulmínico e o acetileno.

4 - Produtos tóxicos

São aqueles que, quando absorvidos pelo organismo (via ingestão, via inalação ou via pele e mucosas), causam distúrbios fisiológicos podendo conduzir até a morte. São exemplos o gás sulfídrico, o clorofórmio e o ácido cianídrico.

5 - Produtos radioativos

São aqueles capazes de emitir partículas ou radiações, por caracterísiticas de instabilidade de seu núcleo atômico. São exemplos o urânio e carbono 14.

6 - Produtos oxidantes

São exemplos os permanganatos e os dicromatos

São aqueles capazes de fornecer oxigênio em reação química, pré-dispondo a risco de incêndio ou explosão, quando em contato com substâncias em estado químico reduzido.

---------------------------- /ANEXO A – cont.

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 6 / 10

ANEXO A – cont.

7 - Produtos pirofóricos

São aqueles que reagem violentamente com oxigênio do ar ou com a umidade do mesmo, em condições normais de temperatura e pressão, gerando calor, gases inflamáveis e fogo. São exemplos o sódio metálico e o potássio metálico.

8 - Produtos cancerígenos

São aqueles que induzem diversos tipos de cancer. São exemplos a piridina, o tetracloreto de carbono, o tolueno, o benzeno e as anilinas.

9 - Produtos teratogênicos

São aqueles que causam mal formação congênita. São exemplos a talidomida e o óxido de etileno.

10 - Produtos irritantes

São aqueles que causam irritação primária nos tecidos expostos por contato ou aerosol sem, entretanto, destruí-los ou levá-los a mudanças irreversíveis. São exemplos o formol, o clorofórmio e o cloro.

1 - Produtos narcóticos

São produtos que atuam sobre o sistema nervosos central provocando efeitos comportamentais como perda do controle motor e de coordenação até a inconsciência. São exemplos o clorofórmio, o éter de petróleo, a piridina, o tetracloreto de carbono e o gás sulfídrico.

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 7 / 10

Manter este fora do contato de :

Ácido acético Ácido crômico, ácido nítrico, compostos hidroxilados, etilenoglicol, ácido perclórico e permanganatos;

Acetileno Cloro, bromo, cobre, fluor, prata e mercúrio;

Ácido crômico Ácido acético, naftaleno, cânfora, glicerol, terebentina, álcool e líquidos inflamáveis em geral;

Ácido cianídrico Ácido nítrico e substâncias alcalinas;

Ácido fluorídrico Amônia (gás ou solução aquosa);

Ácido nítrico Ácido acético, anilina, ácido crômico, ácido cianídrico, sulfeto de hidrogênio, líquidos inflamáveis, gases inflamáveis, acetona e álcool;

Ácido oxálico Prata e mercúrio;

Ácido sulfúrico Clorato de potássio, perclorato de potássio e permanganato de potássio;

Amônia anidra Mercúrio, cloro, iodo, bromo, ácido fluorídrico e hipoclorito de cálcio;

Anilina Ácido nítrico e peróxido de hidrogênio;

Bromo Amônia, acetileno, butadieno, butano, propano, metano (ou outros gases de petróleo), hidrogênio, benzeno, terebentina e metais em pó fino;

Carbureto de cálcio Água (forma acetileno);

Carvão ativo Hipoclorito de cálcio e todos os agentes oxidantes;

---------------------------- /ANEXO B – Cont.

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 8 / 10

ANEXO B – Cont.

Cloratos Sais de amônio, ácidos, metais em pó, enxofre, materiais orgânicos ou combustíveis em pó;

Cloro O mesmo que para o bromo; Cobre Acetileno e peróxido de hidrogênio; Fluor Deve ser totalmente isolado;

Hidrocarbonetos em geral Fluor, cloro, bromo, ácido crômico, peróxido de sódio e peróxidos em geral;

Iodo Acetileno , amônia e hidrogênio;

Líquidos inflamáveis Nitrato de amônio, ácido crômico, peróxido de sódio e halogênios;

Metais alcalinos e alcalinos terrosos tais como: sódio, potássio, magnésio e cálcio

Água, tetracloreto de carbono, dióxido de carbono, halogênios e hidrocarbonetos clorados;

Mercúrio Acetileno, ácido fulmínico e amônia (produzido em misturas ácido nítrico-etanol);

Potássio Tetracloreto de carbono, dióxido de carbono e água;

Perclorato e clorato de potássio Ácido sulfúrico e outros ácidos;

Permanganato de potássio Glicerol, etilenoglicol, ácido sulfúrico e benzaldeído;

Prata Acetileno, ácido oxálico, ácido tartárico e compostos de amônio;

Peróxido de sódio Metanol, etanol, ácido acético, glicol, benzaldeído e bissulfeto de carbono;

Sódio Tetracloreto de carbono, dióxido de carbono e água.

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 9 / 10

Depto:_ Sala:_ Bl:_

Conteúdo Qualitativo: _ _ Classificação: _ _ Advertência: _ _ CIB n.º _/_ Data: _/_/_ Visto:_

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos - CEP 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (0xx21) 2573-1072 - Fax: (0xx21) 2290-0915

MANUALDA QUALIDADE

65.1120.006

REVISÃO 03

PÁGINA 10 / 10

MS/FIOCRUZ
INCQSREQUISIÇÃO PARA DESCARTE DE RESÍDUO QUÍMICO
Data: _/_/CIB N.º :__

Requisitante:_

Especificação do Material:_

Quantidade:_

Advertência:_ _

Departamento/Bloco/Laboratório/Sala:_

Responsável do Laboratório pelo Descarte Recebido por

Observação: As etiquetas e formulários com a palavra “rejeito(s)” em lugar de “resíduo(s)” ainda continuarão sendo usados, até que se esgote todo o estoque.

Comentários