Protocolo Clinica Medica

Protocolo Clinica Medica

(Parte 2 de 18)

  • antes e após contato com o paciente;

  • após contato com material biológico;

  • antes e após procedimentos

  • Calçar luvas de procedimento sempre que houver risco de contato com sangue, secreção, excretas ou outros líquidos corporais;

  • Colocar avental sempre que houver risco de contato com material biológico;

  • Colocar mascara e óculos protetores sempre que houver risco de contato com material biológico com seu rosto.

Obs: Em caso de pacientes em isolamento de contato, utilizar EPI (equipamento de proteção individual).

7 .0 ROTINA DE ADMISSÃO

Objetivo:

  • Promover a assistência ao cliente atendo suas necessidades fisiológicas.

Competência:

  • Compete ao enfermeiro treinar e supervisionar a execução da rotina;

  • Compete ao profissional de enfermagem executar a rotina.

Material:

  • Box devidamente montado;

Procedimento:

  • Lavar as mãos;

  • Calçar as luvas;

  • Colocar cliente no leito, observando estado geral e necessidade de condutas imediatas;

  • Aferir dados vitais com TAX, FC, FR;

  • Promover conforto ao cliente deixando o ambiente tranqüilo e organizado

  • Lavar as mãos;

  • Realizar anotações de enfermagem.

  • Executar ordens medicas e de enfermagem.

Obs:

Ao entrar em contato com Pais ou Responsáveis, registrar no prontuário hábitos da criança, tais como: alimentação, sono, evacuações, habilidades verbal e motora, alergia, medicamentos utilizados.

Proceder ao exame físico céfalo-caudal do cliente, atentando para lesões, cicatrizes, feridas, sondas, curativo, acesso venoso, medicações utilizadas.

8.0 PUNÇÃO VENOSA

Objetivo:

  • Promover via de acesso para administração de soros, medicamentos e hemoderivados.

Competência:

  • Compete ao enfermeiro treinar e supervisionar a execução da rotina;

  • Compete ao profissional de enfermagem a execução da rotina.

Material:

  • Bandeja com:

    • Esparadrapo / fita microporosa;

    • Dispositivo para punção venosa – scalp / jelco de acordo com o acesso do cliente;

    • Algodão seco;

    • Álcool 70%

    • Garrote

    • Tree way com extensão;

    • Tala forrada com crepom se necessário.

Procedimento:

  • Reunir o material;

  • Lavar as mãos;

  • Orientar o cliente sobre o procedimento;

  • Calçar luvas de procedimento;

  • Escolher veia calibrosa e longe de articulações;

  • Não puncionar membro com a presença de fistulas arterio-venosas.

  • Preencher o tree way com extensão com solução prescrita;

  • Garrotear o membro a ser puncionado, exceto cabeça;

  • Fazer anti-sepsia do local com algodão embebido em álcool 70%;

  • Abrir o dispositivo de punção;

  • Passar ABD através do dispositivo, retirando o ar do mesmo;

  • Puncionar veia com bisel do dispositivo voltado para cima;

  • Introduzir todo dispositivo na veia, se scalp;

  • Introduzir 2/3 do dispositivo na veia, terminar de introduzir a parte plástica e retirar a parte metálica, se jelco;

  • Conectar o tree way com extensão, se jelco ao equipo;

  • Conectar o tree way simples, se scalp ao equipo;

  • Fixar com fita microporosa;

  • Imobilizar o membro se houver necessidade;

  • Ajustar gotejamento prescrito;

  • Manter o ambiente em ordem;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar no prontuário.

  • Trocar acesso a cada 72 horas ou quando necessário;

  • Identificar punção com esparadrapo com nome de quem realizou, data e calibre de scalp ou jelco utilizado.

9.0 ROTINA DE PREPARO DE SOROTERAPIA

Objetivo:

  • Restaurar e manter o equilíbrio hidroelétrico da criança.

Competência:

  • Compete ao médico a prescrição da soroterapia;

  • Compete ao enfermeiro treinar e supervisionar a execução da rotina;

  • Compete ao profissional de enfermagem a execução da rotina.

Material:

  • Rótulo de soro devidamente preenchido;

  • Frasco com soro prescrito;

  • Ampolas de soluções a adicionar;

  • Algodão;

  • Álcool 70%;

  • Fita adesiva;

  • Seringa com agulha;

  • Equipo de soro (gota /microgota / bomba)

Procedimento:

  • Proceder, com atenção, a leitura da prescrição médica e transcrever a composição do soro para o rótulo com os seguintes dados: nome e leito do cliente, componentes do soro, volume, gotejamento, inicio e data;

  • Lavar as mãos e reunir o material;

  • Preceder desinfecção com algodão e álcool 70% da ponta do soro e das ampolas, quebrando / abrindo as mesmas;

  • Aspirar os componentes sem contaminar e colocar no frasco;

  • Conectar o equipo;

  • Retirar o ar, pinçar e proteger a extremidade do equipo;

  • Fixar o rótulo;

  • Datar o equipo;

  • Organizar o material e levar ao cliente;

  • Conectar o equipo ao acesso venoso, verificando sua permeabilidade;

  • Ajustar o gotejamento fazendo a contagem durante 1 min. conforme prescrição médica;

  • Anotar no prontuário;

  • Manter ambiente organizado;

  • Lavar as mãos.

Obs: Se não for prescrito gotejamento, calcular de acordo com a formula:

n° de gotas / min = VOLUME TOTAL

3 x nº horas

n° de microgotas / min ou ml/h = VOLUME TOTAL

n° horas

10.0 ROTINA DE PREPARO E ADMINISTRACAO DE MEDICAMENTO

Objetivo:

  • Fornecer suporte medicamento a fim de restabelecer a saúde do paciente.

Competência:

  • Compete ao enfermeiro treinar e supervisionar a execução da rotina;

  • Compete ao técnico de enfermagem executar a rotina.

Observação: As vias de admissão são:

10.1 Via oral

Material:

  • Bandeja com:

  • Seringa;

  • Copo descartável;

  • Medicamento;

  • Rótulo de identificação: nome do cliente, leito, medicamento, dose e horário.

Procedimento:

  • Conferir prescrição e preparar rótulo;

  • Lavar mãos;

  • Agitar o medicamento antes do uso;

  • Preparar e / ou colocar o medicamento dentro do copo ou seringa;

  • Guardar o medicamento ao abrigo da luz e do calor;

  • Orientar o cliente sobre o procedimento;

  • Administrar o medicamento, certificando-se que o cliente realmente engoliu;

  • Oferecer água, suco ou leite após a administração de medicamento, observando interações em ordem;

  • Manter o ambiente em ordem;

  • Lavar as mãos;

  • Checar a prescrição;

  • Registrar o procedimento e observações na folha de controles.

Obs: Conservação dos medicamentos líquidos por VO:

  • Xarope e suspensões: os frascos devem ser rotulados com a data de abertura, e assinatura de quem o abriu. Tem validade de 30 dias após a abertura do frasco.

  • Antibióticos: devem ser rotulados após reconstituição com data, diluição e assinatura de quem diluiu. Ver a citação do fabricante quanto a validade.

10.2 Via intraocular

Material:

  • Colírio prescrito;

  • Gaze.

Procedimento:

  • Lavar as mãos;

  • Posicionar o cliente em dorsal;

  • Separar as pálpebras com o polegar e o indicador e puxar a pálpebra suavemente;

  • Instilar o medicamento sem tocar o conta gostas nas pálpebras;

  • Soltar a pálpebra inferior e fechar as pálpebras para que o medicamento distribua na superfície ocular;

  • Secar o excesso de medicamento com uma gaze e acomodar o cliente;

  • Lavar as mãos;

  • Registrar o procedimento e as observações e checar o horário na folha de prescrição;

  • Manter o ambiente em ordem.

10.3 Aplicação tópica

Material:

  • Medicamento prescrito;

  • Luvas de procedimento;

  • Abaixador de línguas para pomadas;

Procedimento:

  • Lavar as mãos e reunir o material;

  • Orientar a criança sobre o procedimento incentivando-a a executá-lo;

  • Calçar luvas.

  • Expor o local a ser aplicado o medicamento;

  • Remover a pomada anterior, fazendo a limpeza da área com água e sabão ou outra solução proscrita;

  • Secar bem o local;

  • Aplicar o medicamento de acordo com as suas indicações;

  • Aplicar pomadas com auxilio do abaixador de língua;

  • Aplicar loções com auxilio de luvas;

  • Vestir e acomodar o cliente;

  • Reunir o material e organizar o ambiente;

  • Lavas as mãos;

  • Registrar no relatório de enfermagem.

10.4 Via retal

Material:

  • bandeja com gaze;

  • supositório;

  • luva de procedimento;

  • sonda retal/uretral.

Procedimento:

(Parte 2 de 18)

Comentários