Protocolo Clinica Medica

Protocolo Clinica Medica

(Parte 4 de 18)

Competência:

  • Compete ao enfermeiro treinar e supervisionar a execução da rotina;

  • Compete ao profissional de enfermagem a execução da rotina.

Material:

  • Alimento;

  • Frasco de dieta;

  • Seringa;

  • Prato;

  • Copo;

  • Talher.

Procedimento:

Paciente que come sozinho:

  • Lavar a mãos;

  • Verificar a dieta prescrita;

  • Ajudar o cliente a sentar;

  • Colocar os pratos, copos e mamadeira ao alcance do cliente, cortar o alimento se necessário;

  • Retirar o material após ingesta da dieta, oferecer material para higienização oral;

  • Deixar o cliente confortável;

  • Manter o ambiente em ordem;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar no prontuário aceitação / recusa de dieta.

14.1 Paciente que não come sozinho:

  • Lavar a mãos;

  • Verificar a dieta prescrita;

  • Ajudar o cliente a sentar;

  • Servir pequena quantidade de alimento de cada vez e vagarosamente, incentivando o cliente durante toda refeição;

  • Limpar a boca do cliente sempre que necessário;

  • Retirar o prato e oferecer água ao cliente;

  • Fazer higiene oral no cliente;

  • Deixar o cliente confortável;

  • Manter o ambiente em ordem;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar no prontuário aceitação / recusa de dieta.

14.2 Cliente lactente:

  • Lavar a mãos;

  • Verificar a dieta prescrita;

  • Colocar o paciente elevado no colo;

  • Observar o furo no bico da mamadeira;

  • Administrar dieta calmamente;

  • Colocar a criança para arrotar, observar regurgitamento / vômito e anotar;

  • Colocas a criança em decúbito lateral direto ou ventral;

  • Organizar o ambiente;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar no prontuário: horário, quantidade e intercorrências.

14.3 Cliente com sonda:

  • Lavar a mãos;

  • Verificar a dieta prescrita;

  • Colocar o cliente em decúbito lateral direito elevado;

  • Aspirar conteúdo gástrico e verificar estase;

  • Conectar o equipo a sonda;

  • Abrir pinça do equipo deixando gotejar gota a gota;

  • Injetar água após o termino da dieta;

  • Fechar a sonda;

  • Deixar o cliente confortável;

  • Manter o ambiente em ordem;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar no prontuário, quantidade, estase e observar distenção abdominal.

15.0 LAVAGEM GÁSTRICA

Objetivo:

  • Drenar conteúdo gástrico para a remoção de substâncias tóxicas, remoção de secreção gástrica acumulada, coleta de secreção gástrica para exames laboratoriais, controle de hemorragia digestiva, limpeza da cavidade gástrica, preparo de pacientes para cirurgias ou endoscopia.

Competência:

  • Compete ao enfermeiro treinar e supervisionar a execução da rotina;

  • Compete ao profissional de enfermagem a execução da rotina.

Material:

  • Sonda uretral / gástrica;

  • Gaze

  • SF 0,9%, conforme prescrição;

  • 2 cubas;

  • Seringa 10/20 ml;

  • Cuba rim.

Procedimento:

  • Lavar as mãos e reunir o material;

  • Orientar o cliente sobre o procedimento;

  • Passar SOG e/ou SNG;

  • Posicionar o cliente em decúbito lateral esquerdo;

  • Colocar luvas;

  • Colocar SF 0,9% na cuba;

  • Adaptar seringa a sonda e aspirar conteúdo gástrico antes de introduzir o líquido da lavagem;

  • Observar cor, odor, aspecto e medir volume aspirado;

  • Aspirar líquido da cuba rim;

  • Proceder a injeção e aspiração do conteúdo gástrico até que o líquido retorne límpido e a mesma quantidade injetada;

  • Injetar soro quantas vezes forem necessárias e desprezar na outra cuba rim;

  • Desconectar a seringa, fechar a sonda, retira-la ou deixá-la aberta em frasco conforme a prescrição médica;

  • Lavar as mãos;

  • Registrar o procedimento e as características do líquido aspirado (volume, cor, odor, aspecto) na folha de controles e checar prescrição médica.

16.0 DIETA POR GASTROSTOMIA

Objetivo:

  • Administrar dieta de forma segura para clientes impossibilitados de receber a mesma por via oral.

Competência:

  • Compete ao enfermeiro treinar e supervisionar a execução da rotina;

  • Compete ao profissional de enfermagem a execução da rotina.

Material:

  • Equipo + frasco pra dieta;

  • Seringa 10/20 ml;

  • Alimentos em temperatura adequada e volumes prescritos;

  • ABD para lavar sonda.

Procedimento:

  • Lavar as mãos e reunir o material;

  • Orientar o cliente sobre o procedimento;

  • Conferir dieta recebida a sua temperatura;

  • Acomodar o cliente mantendo decúbito elevado;

  • Preencher o equipo com o alimento;

  • Conectar o equipo à sonda e deixar que ele escoe pela força da gravidade lentamente, gota a gota;

  • Passar ABD após administração da dieta, conforme prescrição;

  • Lavar as mãos;

  • Registrar o procedimento e observações na folha de controles;

  • Comunicar anormalidades.

Observação:

  • Equipo validade 24 h e o mesmo devera ser lavado com ABD após cada dieta;

  • Equipo bomba de infusão contínua, deverá ser lavado com ABD de 4/4h.

1 7.0 ROTINA DE SONDAGEM VESICAL

Objetivo:

  • Promover a drenagem de urina em situações em que há impedimento da micção espontânea. Pode ser alivio ou de demora;

  • Monitoração contínua do debito urinário;

  • Reeducação vesical;

  • Coleta de urina para exames.

Competência:

  • Compete ao enfermeiro executar a rotina.

17.1 Sondagem de Alívio (SVA)

Material:

  • sonda uretral estéril;

  • cuba rim estéril;

  • luva cirúrgica estéril;

  • luvas estéreis procedimento;

  • PVPI tópico;

  • sabão neutro

  • gaze estéril;

  • campo estéreis;

  • ABD 10 ml / SF 0,9% - 125 ml;

  • xilocaína gel / ABD 10 ml.

Procedimento:

  • Reunir material;

  • Lavar as mãos;

  • Calcar luvas de procedimento.

17.1.1Paciente feminino

  • Friccionar gaze embebida em sabão neutro na raiz das coxas, retirar o excesso com gaze seca;

  • Friccionar SFO,9% / ABD até retirar o sabão;

  • Friccionar gaze embebida em PVPI-tópico nos grandes lábios e intróito vaginal, delicadamente.

17.1.2 Paciente masculino

  • Friccionar gaze embebida em sabão neutro na raiz das coxas, escroto e 1/3 próxima das coxas; iniciar pelo corpo do pênis em direção a raiz das coxas; fazer num único sentido, deixar agir por 2 minutos, retirar o excesso com gaze seca;

  • Friccionar a glande delicadamente, com gaze embebida em PVPI-tópico.

  • Retirar as luvas de procedimento;

  • Abrir pacote com a sonda;

  • Calças luvas estéreis (cirúrgica);

  • Colocar campo estéril sobre as coxas, abdômen;

  • Lubrificar a sonda com xilocaína gel / ABD;

  • Introduzir a sonda delicadamente, evitando traumatismo;

  • Retirar a sonda após esvaziamento vesical;

  • Medir a urina e despreza-la;

  • Manter o ambiente em ordem;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar o procedimento no prontuário.

17.2 Sonda vesical de demora

Material:

  • Sonda de Foley estéril;

  • Cuba rim estéril;

  • Luvas de procedimento estéril;

  • Luvas estéreis cirúrgicas;

  • PVPI tópico;

  • Sabão neutro;

  • Gazes

  • Pinça;

  • Campo estéril;

  • Xilocaína gel;

  • ABD;

  • Seringa 10 ml;

  • Sistema coletor fechado;

  • Esparadrapo

Procedimento:

  • Reunir material;

  • Lavar as mãos;

  • Calçar luvas estéreis (procedimento);

  • Proceder a lavagem externa conforme descrito;

  • Retirar as luvas de procedimento;

  • Abrir o pacote com a sonda + sistema fechado SVD;

  • Calçar as luvas estéreis cirúrgicas;

  • Colocar campo estéreis sobre as coxas e abdômen;

  • Conectar sonda ao sistema com xilocaína gel / ABD;

  • Introduzir a sonda delicadamente, evitando traumatismo;

  • Insuflar o balonete da sonda com ABD, conforme especificação do fabricante;

  • Fixar a sonda na região interna da coxa;

  • Posicionar a bolsa coletora abaixo da bexiga, sem encosta-la no chão;

  • Manter o ambiente em ordem;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar o procedimento no prontuário.

Obs: Em caso de mudança de decúbito e transporte clampear a SVD, para evitar refluxo vesical.

18.0 ROTINA DE COLETA DE URINA PARA EXAMES

Objetivo:

  • Coletar urina para exames;

Competência:

  • Compete ao enfermeiro treinar e supervisionar a execução da rotina;

  • Compete ao profissional de enfermagem a execução da rotina.

Material:

  • Coletor feminino / masculino;

  • Água e sabão;

  • Gaze;

  • Luva estéril.

Procedimento:

  • Lavar as mãos;

  • Calçar as luvas;

  • Fazer anti-sepsia da genitália;

  • Colocar o coletor;

  • Trocar o coletor de 20’ em 20’, caso não haja presença de urina, deverá ser feita nova anti-sepsia para troca;

  • Encaminhar ao laboratório o material colhido devidamente identificado com: nome, data, material e horário;

  • Manter o ambiente organizado;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar no prontuário o procedimento realizado.

19.0 ROTINA DE COLETA DE URINA EM PACIENTES COM CATÉTER VESICAL

(Parte 4 de 18)

Comentários