Apostila Manutenção

Apostila Manutenção

(Parte 1 de 13)

Manutenção Industrial

SENAI-CFP “Alvimar Carneiro de Rezende”

Via Sócrates Marianni Bittencourt, 711 – CINCO

CONTAGEM – MG – Cep. 32010-010 Tel. 31-3352-2384 – E-mail: cfp-acr@fiemg.com.br

Manutenção Industrial

Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade

Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica

Diretor Regional do SENAI e Superintendente de Conhecimento e Tecnologia Alexandre Magno Leão dos Santos

Gerente de Educação e Tecnologia Edmar Fernando de Alcântara

Autores Abilio José Weber Dario do Amaral Filho João Pedro Alexandria Jr. José Antônio Peixoto Cunha Pedro Araujo

Texto Dario do Amaral Filho

Colaboradores Augusto Lima de Albuquerque Neto Célio Renato Bueno Ruiz José Luiz Gonçalves José Saturnino Peopke

Unidade Operacional Centro de Formação Profissional “Alvimar Carneiro de Rezende”

1° EDIÇÃO/2008

1 AULAA U L A

Com a globalizaçªo da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas.

– O que a manutençªo tem a ver com a qualidade total? Disponibilidade de mÆquina, aumento da competitividade, aumento da lucratividade, satisfaçªo dos clientes, produtos com defeito zero...

– Nªo entendi! Vamos comparar. Imagine que eu seja um fabricante de rolamentos e que tenha concorrentes no mercado. Pois bem, para que eu venha a manter meus clientes e conquistar outros, precisarei tirar o mÆximo rendimento de minhas mÆquinas para oferecer rolamentos com defeito zero e preço competitivo.

Deverei, tambØm, estabelecer um rigoroso cronograma de fabricaçªo e de entrega de meus rolamentos. Imagine vocŒ que eu nªo faça manutençªomanutençªomanutençªomanutençªomanutençªo de minhas mÆquinas... – Estou começando a compreender.

Se eu nªo tiver um bom programa de manutençªo, os prejuízos serªo inevitÆveis, pois mÆquinas com defeitos ou quebradas causarªo:

•diminuiçªo ou interrupçªo da produçªo; •atrasos nas entregas;

• perdas financeiras;

•aumento dos custos;

•rolamentos com possibilidades de apresentar defeitos de fabricaçªo;

•insatisfaçªo dos clientes;

•perda de mercado.

Para evitar o colapso de minha empresa devo, obrigatoriamente, definir um programa de manutençªo com mØtodos preventivos a fim de obter rolamentos nas quantidadesquantidadesquantidadesquantidadesquantidades previamente estabelecidas e com qualidadequalidadequalidadequalidadequalidade. TambØm devo incluir, no programa, as ferramentasferramentasferramentasferramentasferramentas a serem utilizadas e a previsªo da vida œtil de cada elementocada elementocada elementocada elementocada elemento das mÆquinas.

Todos esses aspectos mostram a importância que se deve dar à manutençªo.

Introduçªo à manutençªo

AULAUm breve histórico

A manutençªo, embora despercebida, sempre existiu, mesmo nas Øpocas mais remotas. Começou a ser conhecida com o nome de manutençªo por volta do sØculo XVI na Europa central, juntamente com o surgimento do relógio mecânico, quando surgiram os primeiros tØcnicos em montagem e assistŒncia.

Tomou corpo ao longo da Revoluçªo Industrial e firmou-se, como necessidade absoluta, na Segunda Guerra Mundial. No princípio da reconstruçªo pósguerra, Inglaterra, Alemanha, ItÆlia e principalmente o Japªo alicerçaram seu desempenho industrial nas bases da engenharia e manutençªo.

Nos œltimos anos, com a intensa concorrŒncia, os prazos de entrega dos produtos passaram a ser relevantes para todas as empresas. Com isso, surgiu a motivaçªo para se prevenir contra as falhas de mÆquinas e equipamentos. Essa motivaçªo deu origem à manutençªo preventiva.

Em suma, nos œltimos vinte anos Ø que tem havido preocupaçªo de tØcnicos e empresÆrios para o desenvolvimento de tØcnicas específicas para melhorar o complexo sistema Homem/MÆquina/ServiçoHomem/MÆquina/ServiçoHomem/MÆquina/ServiçoHomem/MÆquina/ServiçoHomem/MÆquina/Serviço .

Conceito e objetivos

adequaçªoadequaçªoadequaçªoadequaçªoadequaçªo, a restauraçªorestauraçªorestauraçªorestauraçªorestauraçªo, a substituiçªo substituiçªo substituiçªo substituiçªo substituiçªo e a prevençªo prevençªo prevençªo prevençªo prevençªoPor exemplo, quando

Podemos entender manutençªo como o conjunto de cuidados tØcnicos indispensÆveis ao funcionamento regular e permanente de mÆquinas, equipamentos, ferramentas e instalaçıes. Esses cuidados envolvem a conservaçªoconservaçªoconservaçªoconservaçªoconservaçªo, a mantemos as engrenagens lubrificadas, estamos conservando-as. Se estivermos retificando uma mesa de desempeno, estaremos restaurando-a Se estivermos trocando o plugue de um cabo elØtrico, estaremos substituindo-o.

De modo geral, a manutençªo em uma empresa tem como objetivos: •manter equipamentos e mÆquinas em condiçıes de pleno funcionamento para garantir a produçªo normal e a qualidade dos produtos; •prevenir provÆveis falhas ou quebras dos elementos das mÆquinas.

Alcançar esses objetivos requer manutençªo diÆria em serviços de rotina e de reparos periódicos programados.

A manutençªo ideal de uma mÆquina Ø a que permite alta disponibilidade para a produçªo durante todo o tempo em que ela estiver em serviço e a um custo adequado.

Serviços de rotina e serviços periódicos

Os serviços de rotina constam de inspeçªo e verificaçªo das condiçıes tØcnicas das unidades das mÆquinas. A detecçªo e a identificaçªo de pequenos defeitos dos elementos das mÆquinas, a verificaçªo dos sistemas de lubrificaçªo e a constataçªo de falhas de ajustes sªo exemplos dos serviços da manutençªo de rotina.

AULAA responsabilidade pelos serviços de rotina nªo Ø somente do pessoal da manutençªo, mas tambØm de

todos os operadores de mÆquinas. Salientemos que hÆ, tambØm, manutençªo de emergŒncia ou corretiva que serÆ estudada logo adiante.

Os serviços periódicos de manutençªo consistem de vÆrios procedimentos que visam manter a mÆquina e equipamentos em perfeito estado de funcionamento. Esses procedimentos envolvem vÆrias operaçıes:

•monitorar as partes da mÆquina sujeitas a maiores desgastes; •ajustar ou trocar componentes em períodos predeterminados;

•exame dos componentes antes do tØrmino de suas garantias;

•replanejar, se necessÆrio, o programa de prevençªo;

•testar os componentes elØtricos etc.

Os serviços periódicos de manutençªo podem ser feitos durante paradas longas das mÆquinas por motivos de quebra de peças (o que deve ser evitado) ou outras falhas, ou durante o planejamento de novo serviço ou, ainda, no horÆrio de mudança de turnos.

As paradas programadas visam à desmontagem completa da mÆquina para exame de suas partes e conjuntos. As partes danificadas, após exame, sªo recondicionadas ou substituídas. A seguir, a mÆquina Ø novamente montada e testada para assegurar a qualidade exigida em seu desempenho.

(Parte 1 de 13)

Comentários