(Parte 1 de 2)

Robótica J. A. M. Felippe de Souza

1. - Introdução aos robôs

Os componentes electrónicos.

Os robôs.

A definição de robô.

Os robôs na literatura. A Robótica na literatura.

Os robôs no cinema.

A Robótica na realidade.

Cibernética. Os manipuladores e os robôs móveis na indústria.

Robô da série de TV “Perdidos no Espaço” dos anos 60’s.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Introdução aos robôs Os componentes electrónicos.

Na primeira metade do século X as válvulas electrónicas de vácuo que eram usadas nos aparelhos eléctricos e electrónicos desde rádios, televisores, telefones, até nos computadores electrónicos.

Fig. 1 - Uma válvula electrónica de vácuo.

Estas válvulas electrónicas de vácuo apresentavam grandes problemas: aqueciam em demasiado; consumiam muita energia; eram lentas; queimavam com frequência.

Na década de 1950 os transístores se tornaram comum e passaram a ser usados em tudo.

Os transístores eram pequenos e vieram substituir estas válvulas electrónicas de vácuo.

Fig. 2 - Transístor. Entretanto os transístores não eram ainda suficientemente pequenos.

Havia um limite de quão pequeno se poderia fazer um transístor pois eles tinham que ser conectados com fios à outros componentes electrónicos do circuito.

Surgiram então os circuitos integrados em 1958. Com os circuitos integrados o circuito todo fica num simples “chip”.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

A velocidade e a eficiência dos computadores aumentaram drasticamente com a introdução dos circuitos integrados.

Fig. 3 - Um circuito integrado dos anos 70’s.

Fig. 4 - Circuitos integrados actuais.

Nesta época surgiu o termo “software”.

Mas em 1970 a INTEL Corporation lançou no mercado um tipo novo de circuito integrado: o microprocessador.

Estes chips concentravam todos os componentes principais de um computador: a CPU (Central Processing Unit) ou Unidade Central de Processamento; a memória; e os controlos de entrada / saída (input / output).

A partir de então surgem os microcomputadores e empresas como a Microsoft, em 1975, a Digital Research Incorporation, em 1976 e a Apple em 1977.

Logo surgem outros microcomputadores, menores e mais baratos. Assim os usuários individuais também começaram a ter acesso à computadores.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Começa a era dos PC’s.

O termo PC surgiu em 1981 com o IBM-PC (IBM Personal Computer). E em 1984 a Apple introduziu o Macintosh.

Fig. 5 - Dois IBM-PC de 1981 (à esquerda) e dois Apple-Macintosh de 1984 (à direita).

A medida que estes microcomputadores se tornavam mais potentes, foi possível para eles ligarem-se em rede e isso veio por fim dar origem à Internet.

Mas os microprocessadores, foram ficando ainda mais avançados com as técnicas de miniaturização de circuitos.

Fig. 6 - Os microprocessadores Intel 386 e 486.

O microprocessador, ou simplesmente o “processador” é o responsável pelo “pensamento” do computador, determina a capacidade de processamento do computador e também o código de máquina que ele compreende (e, portanto, os programas que ele é capaz de executar).

Um “processador” é basicamente uma CPU num chip.

Microprocessadores não são usados apenas em computadores. Eles invadiram muitas áreas em produtos do nosso dia a dia.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Equipamentos eléctrico/electrónicos modernos como: câmaras digitais, máquinas fotocopiadoras, máquinas de lavar, forno microondas, telefones, etc., todos hoje têm microprocessadores.

Esses processadores continuaram a evoluir nos anos 90’s com uma maior miniaturização ainda e a preços cada vez mais acessíveis.

Fig. 7 - Os processadores Pentium I (à esquerda) e Pentium IV (à direita).

A redução dos custos de produção e do volume dos componentes permitiram a aplicação destes computadores nos chamados sistemas embutidos, que controlam aeronaves: embarcações; automóveis; e robôs (industriais e não industriais).

Fig. 8 - Um robô industrial (à esquerda) e um robô móvel (à direita).

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Os robôs.

Através dos séculos o homem tem buscado novas formas de melhorar os seus processos produtivos.

A partir da segunda metade do século X a tecnologia se desenvolveu e permitiu automatizar estes processos.

Surgiram conceitos como “robô” e “inteligência artificial”.

Mas levou cerca de 40 anos para os robôs estarem presentes em força nos processos industriais.

Fig. 9 - Robôs de hoje numa linha de produção.

Os primeiros robôs verdadeiros surgiram no final dos anos 50, início dos anos 60.

Eles vieram na sequência do desenvolvimento dos transístores e dos circuitos integrados.

Os braços industriais (ou manipuladores robóticos) modernos aumentaram sua capacidade e desempenho com o uso de microprocessadores e linguagens de programação mais avançadas à partir da década de 1980.

Estes avanços foram obtidos em parte graças aos grandes investimentos das empresas automobilísticas.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Fig. 10 - Robôs na linha de produção na indústria automóvel.

Há uma grande variedade de robôs e cada robô pode ter diferentes funções programadas.

Existem robôs:

na indústria; de uso doméstico; de ajuda médica, em hospitais; para trabalhos perigosos ou em zonas de risco como: para desmontar bombas; entrarem em locais radioactivos; salvar pessoas em incêndios, terramotos e outras catástrofes; para irem no fundo do mar; etc.

Os robôs são chamados “humanóides” quando têm características semelhantes às humanas.

Na Fig. 1 aparecem dois robôs humanóides japoneses, um que se movimenta com rolamentos (à esquerda) e outro bípede (à direita).

No capítulo 4 voltaremos a falar nos “robôs humanóides”.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Fig. 1 - Robôs humanóides.

Por outro lado, os robôs são chamados de “andróides” quando que se assemelham com pessoas.

O feminino de “andróide” é “ginóide”, mas entretanto é muito pouco usado.

O termo “andróide” é frequentemente usado em referência a robots de ambos os "sexos".

Fig. 12 - Robôs andróides: do filme Terminator 2, Arnold Schwarzenegger no papel de um andróide (à esquerda e à direita em cima) e do filme Terminator 3, T-X, a robô girl, isto é, a garota robô (à direita em baixo).

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Os robôs andróides na verdade são uma criação da ficção científica e ainda estão muito longe de ser uma realidade.

A definição de robô.

O termo robô vem originalmente do idioma checo ‘robota’, que significa “trabalhos forçados”.

Ele foi criado por Karel Capek (1890-1938), escritor checo que escreveu um romance famoso em 1921 chamado

“R.U.R.” (“Robôs Universais de Rossum”).

Rossum projectou e construiu um exército de robôs que acabaram por se tornarem muito inteligentes e dominaram o mundo.

Fig. 13 - R.U.R, de Karel Capek, 1921. (Museu de Praga, República Checa).

Nesta obra Capek fala da desumanização do homem face a um meio tecnológico.

Além disso os robôs não eram de origem electro-mecânica como são os de hoje, mas criados através de meios químicos.

Mais tarde termo robô foi adoptado para significar um mecanismo automático que realiza trabalhos e movimentos humanos.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Os robôs podem ou não ter o aspecto semelhante ao de um homem.

Em geral não têm, ou têm apenas o aspecto de partes deste (como por exemplo a um braço).

Fig. 14 - Um robô manipulador (ou braço robótico).

Existem muitas formas de definir o termo “robô”.

A definição de robô segundo o R.I.A., 'Robôics Institute of America' (ou seja, Instituto Americano de Robótica) é:

Robô é um manipulador reprogramável e multi-funcional projectado para mover materiais, partes, ferramentas ou dispositivos especializados através de movimentos variáveis programados para desempenhar uma variedade de tarefas.

Obviamente esta é uma definição rígida e insípida. De uma forma mais informal podemos dizer que:

Um robô é um dispositivo que permite realizar trabalhos mecânicos, normalmente associados a seres humanos, de uma maneira muito mais eficiente e sem a necessidade de pôr em risco a vida humana.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Mas temos que tomar cuidado pois uma definição muito simples do termo “robô” pode incluir coisas como uma máquina de lavar, um sinal de trânsito ou mesmo um caixa automático de banco.

Fig. 15 - Um máquina de lavar, um caixa automático de banco e um sinal de trânsito. Outra definição de robô:

Um robô é uma máquina projectada para imitar algumas acções humanas.

Não precisa se parecer com o ser humano, mas tem que executar as tarefas automaticamente.

No sentido figurativo a palavra robô também é usada com frequência:

Dizemos que uma pessoa que se comporta como 'robô', ou seja, que executa ordens sem pensar, ou que trabalha como uma máquina.

Os Robôs na literatura.

Muito antes de Karel Capek, robôs já tinham aparecido na literatura.

Existe uma lenda grega de Cadmus que fez com que os dentes de um dragão virassem soldados. Assim quando o dragão abrisse a boca um exército de gladiadores saía de dentro dela.

Há também o mito de Pigmalião que deu vida a estátua de Galatea.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Na mitologia clássica o deus Vulcan ou Hephaestus criou servos mecânicos, alguns inteligentes, outros utilitários. Havia mesmo uma mesa com três pernas que se movimentava por sua conta.

Fig. 16 - Figuras lendárias ou mitológicas. Da esquerda para direita: Cadmus e o seu dragão; Pigmalião e sua estátua Galatea; Vulcan ou Hephaestus; e Golem.

Há também uma lenda judaica que fala de Golem, uma estátua que ganha animação.

Um outro mito norueguês foi o gigante de pedra Mökkurrkalfi ou Mistcalf construído para ajudar Hrungnir no duelo com Thor, o Deus do Trovão.

As ideias mais antigas que podem ser relacionadas com robôs são de 350 A. C. pelo matemático grego Archytas de Tarentum. Ele criou uma ave mecânica com propulsão a vapor.

Fig. 17 - Hrungnir & Thor (à esquerda), o matemático grego Archytas de Tarentum (ao centro), sua ave mecânica (à direita).

Leonardo da Vinci (1452-1519) desenhou os detalhes de um cavaleiro mecânico. Estes desenhos ficaram perdidos por muitos anos e foram reencontrados nos anos 1950’s. O projecto era baseado na sua investigação anatómica que o levou a desenhar o famoso Homem Vitruviano.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Fig. 18 - Leonardo da Vinci (à esquerda), seu Homem Vitruviano (ao centro) e desenhos do seu robô (à direita).

O robô de da Vinci consistia de dois sistemas independentes: pernas com três graus de liberdade, e braços com quatro graus de liberdade (ombro, cotovelo, pulso e mãos).

A energia para controlar os braços vinha do peito do robô, onde da Vinci projectou um controlador mecânico analógico programável.

As pernas recebiam energia através de cabos que eram conectados à locais chaves nos tornozelos, joelhos e quadris.

Mas este robô de da Vinci, embora uma ideia arrojada para época (século XV), não passou de desenhos que nunca saíram do papel.

O primeiro robô que foi construído e funcionou foi criado pelo francês Jacques Vaucanson (1709-1782), que fez um robô humanóide que tocava flauta, assim como um pato mecânico que dizem que comia e defecava.

Fig. 19 - Jacques Vaucanson (1709-1782), à direita; seu pato mecânico, ao centro; e seu robô tocador de flauta.

E. T. A. Hoffmann escreveu um conto em 1817 intitulado “The Sandman” onde aparece uma mulher que é uma robô boneca.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Mary Shelley escreveu em 1818 a famosa obra “Frankenstein”, que ficou sendo considerada a primeira obra de ficção científica.

Luís Senarens escreveu em 1885 “Electric man” (Homem Eléctrico) poucos anos depois de Thomas Edison ter descoberto a luz eléctrica.

Entretanto, o romance de Karel Capek, “R.U.R.”, do qual já falamos acima, retratava robôs numa linha de produção fazendo mais robôs. Ou seja, trazia a possibilidade dos robôs virem a dominar a raça humana.

A Robótica na literatura.

O nome “Robótica” foi criado em 1941, também na literatura.

Numa obra do escritor russo-americano Isaac Asimov (1920-1992) intitulada “Runaround” o termo Robótica foi utilizado como sendo o estudo e o uso de robôs. Mais tarde o termo foi adoptado pela comunidade científica.

Este conto foi compilado mais tarde (em 1950) no livro “I, Robô” (“Eu, robô”) e mais recentemente (2004) retratado no cinema.

Foi neste conto que Asimov fez a primeira apresentação explícita das suas Leis da Robótica.

Asimov foi um dos maiores autores da ficção científica e criou as suas leis da robótica como parte do universo futurista no qual ambientou muitos de seus livros.

O objectivo das leis, programadas no cérebro positrónico dos robôs, seria proteger os humanos de qualquer possível dano causado pelas máquinas inteligentes.

Fig. 20 - Isaac Asimov (1920-1992).

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Leis da Robótica de Asimov

1). Um robô não pode fazer mal a um ser humano nem, por inacção, permitir que algum mal lhe aconteça.

2). Um robô deve obedecer às ordens dos seres humanos, excepto quando estas contrariarem a primeira lei.

3). Um robô deve proteger sua integridade física, excepto quando isto contrariar a primeira ou a segunda lei.

Claro que as coisas não funcionam exactamente como planeado, e várias histórias de Asimov mostram resultados imprevistos da obediência dos robôs às Leis da Robótica.

Asimov via seus robôs como produto da mente de engenheiros de senso prático, que embutiriam normas de segurança nos circuitos das máquinas de forma a não permitir a existência do tradicional cliché da ficção científica da época, que era “o robô como uma ameaça aos humanos”.

Fig. 21 - Alguns livros de ficção científica de Isaac Asimov.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Algumas vezes, os robôs viam-se em situações nas quais tornava-se difícil ou impossível seguir as três leis.

Em outras ocasiões, os robôs interpretavam de forma demasiadamente literal uma ordem e criavam conflitos lógicos.

Existem variantes e modificações para as Leis da Robótica de Asimov. Outros autores que também trabalharam no mesmo universo ficcional criado por Asimov introduziram suas próprias versões.

No conto “Little Lost Robot”, temos um robô programado somente com a primeira parte da primeira lei, ou seja, que não pode fazer mal a um ser humano mas pode, por inacção, permitir que algum mal lhe aconteça.

Em “Robots and Empire”, Asimov incluiu uma lei número zero, que amplia para a toda a espécie humana o que antes só se aplicava a indivíduos.

Lei #0 da Robótica de Asimov

0). um robô não pode fazer mal à humanidade nem, por inacção, permitir que algum mal lhe aconteça.

Em qualquer de suas formulações, as Leis da Robótica de Asimov são um excelente pretexto para discutir o tema da moralidade.

Mesmo seguindo literalmente um grupo de normas artificialmente criadas, o comportamento resultante poucas vezes é o esperado, e está sempre sujeito a interpretações conceptuais relativas.

Fig. 2 - Isaac Asimov também escreveu guias e livros biográficos da ciência e de si próprio.

J. A. M. Felippe de Souza 1. - Introdução aos robôs

Outro dos grandes autores da ficção científica,

(Parte 1 de 2)

Comentários