curativo e tipos de curativo

curativo e tipos de curativo

(Parte 1 de 3)

CURATIVO E TIPOS DE CURATIVOS

 

FERIDA: é toda solução de continuidade na superfície interna ou externa do organismo, podendo ser de dois tipos:

-         ferida não cirúrgica: é a decorrente de doenças, traumatismos, etc.;

-         ferida cirúrgica: é a realizada pelo cirurgião por meio de instrumentos especializados. As feridas poderão sangrar, infectar-se, podendo provocar saída ou retenção de secreção (purulenta, serosa), deiscência dos pontos, aumento da extensão e/ou profundidade da ferida.

 

CURATIVO

É todo material colocado diretamente sobre uma lesão a fim de prevenir uma contaminação. Portanto, as finalidades do tratamento das feridas são:

-         evitar a contaminação das feridas limpas;

-         reduzir a infecção das lesões contaminadas;

-         facilitar a cicatrização

-         remover as secreções

-         promover a hemostasia

-         facilitar a drenagem

-         proteger a ferida

-         aliviar a dor

 

CICATRIZAÇÃO

É a transformação do tecido de granulação em tecido cicatricial, sendo a cicatriz a etapa final do processo curativo da ferida.

A cicatrização ocorre de duas formas:

-         por primeira intenção: é quando se aproximam as superfícies da ferida por sutura, fita adesiva ou outros mecanismos;

-         por segunda intenção ou granulação: é quando não acontece aproximação de superfícies, e nesse espaço proliferam as granulações, que, por sua vez, serão recobertas pelo epitélio.

Os fatores que afetam a cicatrização normal são:

-         nível nutricional: a diminuição dos elementos protéicos, vitamina C e desidratação são os principais causadores do retardo da cicatrização;

-         condições de vascularização: como o sangue fornece os elementos cicatrizantes, quanto melhor a circulação, mais eficiente será a cicatrização.

-         Idade: ocorre um retardo nos idosos;

-         Edema: por dificultar a união das extremidades da ferida e diminuir a vascularização local

-         Administração de drogas que mascaram a presença de infecção.

-         Administração de drogas anticoagulantes

-         Técnica de curativo: provocada pela troca insuficiente, falhas de técnica asséptica, curativo apertado e outros.

-         Alteração da taxa de glicose sanguinea.

 

CURATIVOS

-         fechado ou bandagem: sobre a ferida é colocada gaze, pasta ou compressa, fixando-se com esparadrapo ou atadura de crepe.

Nas feridas com infecção nas cavidades ou fistulas, pode-se irrigar soro fisiológico ou antisseptico com auxilio de uma seringa;

-         aberto: recomendado nas incisões limpas e secas, deixando-se a ferida exposta;

-         compressivo: indicado para estancar hemorragia ou vedar uma incisão.

 

VANTAGENS E INDICAÇÕES PARA CADA TIPO DE CURATIVO

-         curativo fechado

Absorver a drenagem de secreções;

Proteger o ferimento das lesões mecânicas

Promover hemostasia, através de curativo compressivo;

Impedir contaminação do ferimento por fezes, vomito, urina;

Promover o conforto psicológico do paciente;

-         curativo aberto

Eliminar as condições necessárias para o crescimento de microrganismos (calor, umidade, ausência de luz solar etc).

Permitir melhor observação e detecção precoce de dificuldades no processo de cicatrização;

Facilitar a limpeza;

Evitar reações alérgicas ao esparadrapo;

Ser mais barato.

  

TIPOS DE CURATIVOS

ÁCIDO LINOLEICO-AGE

O ácido linolênico é vital para a função de barreira , é o maior componente lipídico no extrato córneo normal gorduroso;

É vital para a resistência à água, pois é o maior constituinte da barreira epidérmica (60%).

É o único que tem capacidade de reverter ou reparar a função de barreira da pele onde a deficiência dietética não está envolvida.

Estes tem grande ação na aceleração do processo de cicatrização pois auxiliam a quimiotaxia e diapedese dos leucócitos.

É indicado: para lesões abertas não intactas, e profilaxia das ulceras de pressão.

Modo de usar:

Aplicar no local afetado utilizando uma gaze;

Trocar a cada 12 à 24 horas

 

ALOE VERA – BABOSA

Trata-se de curativo não aderente com aloe Vera. É empregado como gaze não aderente.

Pode ser utilizado in natura.

É indicado: queimaduras de primeiro e segundo grau, ulcerações refratárias, dermatite de contato periostomia.

Modo de usar:

Freqüência de troca 12 à 24 horas.

 

(Parte 1 de 3)

Comentários