Apostila excelente Aut Ind clp ladder

Apostila excelente Aut Ind clp ladder

(Parte 1 de 7)

FUMEP – Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba

EEP – Escola de Engenharia de Piracicaba COTIP – Colégio Técnico Industrial de Piracicaba

Prof. Msc. Marcelo Eurípedes da Silva Piracicaba, 29 de Agosto de 2005

1) Introdução

A palavra automação está diretamente ligada ao controle automático, ou seja ações que não dependem da intervenção humana. Isso é discutível pois a “mão do homem” é necessária indiscutivelmente pois sem ela não seria possível a implantação de tais processos automáticos, mas a discussão destes conceitos não é um dos objetivos deste texto.

O conceito filosófico para o surgimento da automação é muito antigo, remontando da época de 3500 e 3200 a.C., com a utilização da roda. O objetivo era sempre o mesmo, o de simplificar o trabalho do homem, de forma a substituir o esforço braçal por outros meios e mecanismos, liberando o tempo disponível para outros afazeres, valorizando o tempo útil para as atividades do intelecto, das artes, lazer ou simplesmente entretenimento (Silveira & Santos, 1998). Enfim, nos tempos modernos, entende-se por automação qualquer sistema apoiado em microprocessadores que substitua o trabalho humano.

No âmbito fabril, para realizar na prática a “Automação Industrial” é necessário conhecer uma grande quantidade de conceitos e técnicas, e por isso os grandes projetos neste campo envolvem uma infinidade de profissionais e os custos são suportados geralmente por grandes empresas.

Para começar a entender os conceitos aqui apresentados, o primeiro passo é o de entender o que é um controle, quais são seus elementos básicos e quais são os seus principais tipos.

De uma forma geral um processo sob controle tem o diagrama semelhante ao mostrado na figura 1.1.

Figura 1.1 – Diagrama simplificado de um sistema de controle automático

Existem vários exemplos de processos que podem ser controlados, dentre eles o acionamento de motores de forma seqüencial, a dosagem de componentes químicos, a medição de uma peça, entre outros. Neste conetexto os sensores são dispositivos sensíveis a um fenômeno físico, tal como temperatura, umidade, luz, pressão, etc. Eles são responsáveis pelo monitoramento do processo, enviando um sinal ao controlador que pode ser discreto (abertura ou fechamento de contatos), ou analógico. Caso o sinal seja transformado em uma corrente elétrica, tem-se o caso dos transdutores.

Os atuadores são os dispositivos responsáveis pela realização de trabalho no processo ao qual está se aplicando a automação. Podem ser magnéticos, hidráulicos, pneumáticos, elétricos, ou de acionamento misto.

E finalmente o controlador é responsável pelo acionamento dos atuadores, segundo um programa inserido pelo usuário do sistema de controle.

O objetivo deste curso é o de estudar o elemento “controlador” dentro de um ambiente industrial. No curso de Engenharia Mecânica, já existe uma disciplina destinada a apresentação do controle analógico de processos, assim o foco desta disciplina está no controle discreto. O principal elemento controlador estudado será o Controlador Lógico Programável (CLP).

1.1) Controles analógico e discreto

Ainda referindo-se a figura 1.1 nota-se que toda a comunicação entre os diferentes sistemas é feita através de variáveis físicas. Para efeito de controle, estas variáveis podem ser dividas em analógica e digital.

As variáveis analógicas são aquelas que variam continuamente com o tempo, conforme mostra a figura 1.2(a). Elas são comumente encontradas em processos químicos advindas de sensores de pressão, temperatura e outras variáveis físicas. As variáveis discretas, ou digitais, são aquelas que variam discretamente com o tempo, como pode ser visto na figura 1.2(b).

Figura 1.2 – Variáveis analógicas e digitais

Dessa forma podemos definir o Controle Analógico como aquele que se destina ao monitoramento das variáveis analógicas e ao controle discreto como sendo o monitoramento das variáveis discretas. O primeiro tipo englobar variáveis discretas, consistindo assim em um conceito mais amplo.

Ainda no controle analógico podemos separar entradas convencionais, tais como comandos do operador, ou varáveis discretas gerais, das entradas analógicas advindas de sensores ligados diretamente as saídas do processo. Estas últimas serão comparadas a uma referência que consiste no valor estável desejado para o controle, como mostra a figura 1.3. Esta referência também é conhecida como “set-point”. Neste tipo de controle, onde as saídas são medidas para cálculo da estratégia de controle dizemos que há uma “realimentação”. Esse sistema é conhecido como sistema em “malha fechada”.

Figura 1.3 – Estratégia de controle analógico com realimentação

Se não há a medição das saídas dizemos que o sistema tem “malha aberta”. Este último é o mais aplicado nas automações industriais convencionais pois abrangem grande parte das indústrias mecânicas e por isso será o foco do curso.

1.2) Diferentes tipos de entradas e saídas

Como já dito antes, estaremos estudando o comportamento do controlador em um ambiente automatizado. Mas está bem claro que este comportamento é definido através de um programa do usuário e do comportamento das entradas e em alguns casos também das saídas. Assim neste tópico cita-se o exemplo de algumas entradas e saídas, que podem influenciar no comportamento do controlador. Lembrando que algumas destas entradas serão vistas em maiores detalhes posteriormente.

A) Entradas discretas: são aquelas que fornecem apenas um pulso ao controlador, ou seja, elas têm apenas um estado ligado ou desligado, nível alto ou nível baixo, remontando a álgebra boolena que trabalha com uns e zeros. Alguns exemplos são mostrados na figura

CONTROLADOR PROCESSO Saídas Entradas

Sensores

Referência +

-CONTROLADOR PROCESSO Saídas

Entradas

Sensores

Referência +

1.4, dentre elas: as botoeiras (1.4a), válvulas eletro-pneumáticas (1.4b) , os pressostatos (1.4c) e os termostatos (1.4d).

Figura 1.4 – Entradas discretas

B) Entradas multi-bits: são intermediárias as entradas discretas e as analógicas. Estas destinam-se a controles mais precisos como no caso do motor de passo ou servomotores. A diferença para as entradas analógicas é que estas não exigem um conversor analógico digital na entrada do controlador. Um exemplo clássico é o dos Encoders, utilizados para medição de velocidade e posicionamento. Estes podem ser observados na figura 1.5.

Figura 1.5 – Exemplos de entradas multi-bits – Encoders

C) Entradas analógicas: como o próprio nome já diz elas medem as grandezas de forma analógica. Para trabalhar com este tipo de entrada os controladores tem conversores analógico-digitais (A/D). Atualmente no mercado os conversores de 10 bits são os mais populares. As principais medidas feitas de forma analógica são a temperatura e pressão. Na figura 1.6 tem-se mostra-se o exemplo de sensores de pressão ou termopares.

Figura 1.6 – Exemplos de entradas analógicas – Termopares

D) Saídas discretas: são aquelas que exigem do controlador apenas um pulso que determinará o seu acionamento ou desacionamento. Como exemplo têm-se elementos mostrados na figura 1.7: Contatores (1.7a) que acionam os Motores de Indução (1.7b) e as Válvulas Eletro-pneumáticas (1.7c).

Figura 1.7 – Exemplos de saídas discretas

E) Saídas multi-bits: têm o conceito de operação semelhante as entradas da mesma categoria. Como principais exemplos têm-se os drivers dos Motores de Passo (figura 1.8a) e os servomotores (figura 1.8b).

Figura 1.8 – Exemplos de saídas multi-bits: Motor de Passo e Servomotor

F) Saídas analógicas: como dito anteriormente, de forma similar o controlador necessita de um conversor digital para analógico (D/A), para trabalhar com este tipo de saída. Os exemplos mais comuns são: válvula proporcional, acionamento de motores DC, displays gráficos, entre outros.

1.3) Considerações finais

Além dos conceitos sobre entradas e saídas dos controladores, apresentados aqui de forma resumida, o conceito de Automação Industrial compreende um conceito amplo e vasto. Para se ter uma noção, cada elemento de sensor ou atuador presente nos parágrafos anteriores tem o seu próprio funcionamento, que em algumas automações tem de ser bem entendidos.

No caso dos sensores todo o comportamento é previsto através de efeitos físicos, existe uma disciplina denominada de “Instrumentação” cujo objetivo é o de somente estudar estes elementos.

Para os atuadores, só para os motores de indução, existe uma grande quantidade de bibliografia disponível, e ainda tem-se os Motores de Passo e os Servomotores.

Como pode ser observado ainda na figura 1.1, a cadeia de automação não consiste apenas nas entradas, saídas e controles, mas também na comunicação de dados entre os elementos, o que leva um estudo a parte das redes industrias.

Algum tempo atrás, principalmente nas indústrias químicas, existia o conceito de controle centralizado, possível com a introdução da instrumentação eletrônica. Neste conceito existia uma sala localizada a grandes distâncias do núcleo operacional. Esta sala destinava-se a centralizar todo o controle efetuado ao longo do parque fabril. Atualmente existem diversas outras salas de controle, distribuídas geograficamente, interligadas entre si e a uma sala central de supervisão. Surgiu então o conceito do controle distribuído.

Uma das derivações da estratégia de controle distribuído é a do SDCD – Sistema

(Parte 1 de 7)

Comentários