Amplificador Operacional

Amplificador Operacional

(Parte 1 de 2)

Este material visa fornecer conhecimentos básicos para a utilização dos amplificadores operacionais. Veremos vários circuitos onde serão abordadas todas as suas particularidades e serão mostradas formulas práticas para o rápido projeto desses circuitos. Serão mostrados circuitos Somadores, Subtratores e Comparadores além de fornecer conhecimento das particularidades do amplificador operacional.

O amplificador operacional (AOP) é um amplificador C multiestágio, com entrada diferencial, cujas características se aproximam de um amplificador ideal.

a) Resistência de entrada infinita; b) Resistência de saída nula; c) Ganho de tensão infinito; d) Resposta de freqüência infinita; e) Insensibilidade à temperatura. Mais adiante iremos analisar cada uma das características citadas acima.

O AOP é um componente eletrônico compacto construído da junção de resistores, capacitores e transistores. Este componente em tempos passados era largamente utilizado para computar as operações matemáticas como soma, integrações. Por isso recebe o nome de Amplificador Operacional. De acordo com o avanço tecnológico o Operacional foi anexado ao nome devido a sua versatilidade em implementações antes complexas e nos mais variados projetos. Sua representação gráfica é dada pela figura abaixo:

V+ – Entrada não Inversora V- – Entrada Inversora

VO – Tensão de Saída

O AOP possui duas entradas e uma saída onde à função é apresentar na saída o múltiplo da diferença entre as duas entradas onde A é o ganho de tensão do Amplificador Operacional.

É muito difícil enumerar a totalidade das aplicações deste fantástico componente, podemos dizer que sua utilização está presente na maioria dos equipamentos de sistemas de controle industrial, instrumentação nuclear e petroquímica, equipamentos médicos, computadores, etc.

Histórico do AOP Os primeiros AOP’s foram desenvolvidos na década de 40 através de válvulas, as características destes primitivos AOP’s eram bastante ruins. Com o surgimento do transistor na década de 50 foi possível evoluir o AOP com características bastante razoáveis. Porém foi quando na década de 60 com o surgimentos dos circuitos integrados que o amplificador operacional teve sua maior evolução onde no ano de 1963 a FAIRCHILD SEMICONDUCTOR® lançou o seu primeiro AOP monolítico µA702. Também como tudo que se desenvolve o µA702 apresentou uma série de problemas, tais como: - Baixa resistência de entrada;

- Baixo ganho;

- Alta sensibilidade a ruídos;

- Necessidade de alimentação diferenciada (-6V e +12V). Foi então que a própria FAIRCHILD, com apoio de Robert Widlar e sua equipe lançou em 1965 o conhecido µA709. Este último foi considerado o primeiro AOP “confiável” lançado no mercado. A seguir a mesma equipe projetou o famoso µA741, o qual foi lançado pela FAIRCHILD em 1968 e até hoje estes dois AOP’s ocupam posição de destaque no segmento. Evidentemente como os avanços tecnológicos não param hoje temos diversos tipos de AOP’s com características superiores às do µA709 e µA741, por exemplo LF351 (NATIONAL) e CA3140 (RCA) etc.

Existem inúmeros de fabricantes de circuitos integrados no mundo. Cada fabricante possui uma codificação diferente para identificar seus produtos. Um mesmo integrado pode ser produzido por vários fabricantes diferentes. Sendo assim é importante que o projetista conheça os diferentes códigos para poder identificar o fabricante e buscar o manual do mesmo (DATABOOK) do mesmo. Na tabela a seguir temos a codificação usada pelos fabricantes mais conhecidos no mundo e principalmente no Brasil. Como exemplo tomamos o 741.

Fabricantes Códigos

FAIRCHILD µA741 NATIONAL LM741 MOTOROLA MC1741 RCA CA741 TEXAS SN741 SIGNETICS SA741 SIEMENS TBA221 (741)

O AOP tem a função de amplificar o resultado da diferença entre suas entradas como no exemplo a seguir:

O exemplo acima está usando a diferença entre os dois sinais contínuos. Supondo que o ganho A seja de 100.0. Portanto a tensão de saída (VO) será VO = 100.0 (4,75mV – 4,8mV) = -5,0V. Por definição sempre o ganho A será positivo e sempre que V+ - V- for menor que zero a tensão de saída será negativa ou vice versa.

Ri = α

RO = 0 Ri = α

1) AOP ideal só amplifica a diferença dos sinais de entrada, nunca amplifica o sinal comum às duas entradas. Portanto podemos dizer que o AOP ideal nunca satura. 2) AOP ideal não consome e nem fornece corrente através de suas entradas, conseqüentemente a impedância das entradas do AOP é infinita (R1 = α)

3) AOP ideal tem impedância de saída nula (RO = 0). Isto significa que a saída é uma fonte de tensão ideal independente da corrente drenada pela carga acoplada a saída.

4) AOP ideal deve ter ganho A = α (infinito), ou seja para que a ampliação seja viável, inclusive para sinais de baixa amplitude o ganho de tensão é infinito. 5) AOP ideal deve ter um ganho A constante que independe do valor da freqüência dos sinais de entrada, não deve introduzir defasagem ou mesmo atraso no circuito e A é um número real e positivo. 6) AOP ideal deve apresentar insensibilidade a temperatura.

Ganho de Tensão O ganho de tensão que é obtido através da relação entre a tensão de saída pela tensão de entrada.

Tensão de OFFSET Um AOP real tem a saída de um amplificador ideal nula, mas quando suas entradas estão em curto circuito. Nos amplificadores reais acontece um casamento de impedâncias imperfeito dos dispositivos de entrada normalmente diferencial a saída do AOP pode ser diferente de zero quando ambas as entradas assumem potencial zero. Significa dizer que há uma tensão C equivalente, na entrada chamada de tensão de OFFSET. Os valores desta tensão normalmente nos amplificadores comerciais estão situados na faixa de 1 a 100mV os componentes comerciais estão dotados de entradas para ajuste da tensão de OFFSET.

SLEW RATE Define-se SLEW RATE (SR) de um amplificador como sendo a máxima variação de tensão de saída por unidade de tempo. Normalmente o SR é dado em V/µs. Em termos gerais, podemos dizer que o valor de SR nos dá a “velocidade” de resposta do amplificador. Quanto maior o SR, melhor será o amplificador.

O AOP 741 possui o SR = 0,5V/µs, o LF351 possui SR = 13V/µs e o LM318 possui SR=70V/µs.

Em textos nacionais costuma-se traduzir SLEW RATE por taxa de subida, taxa de resposta, taxa de giro, etc. Para calcular o SR basta aplicar a formula abaixo:

SR = 2π. F. VP

Convém frisar que VP é a amplitude máxima ou valor de pico do sinal senoidal de saída.

A equação nos diz que a função SR (determinado pelo fabricante), o projetista deverá estabelecer um comprometimento entre as variáveis F e VP, ou seja, para F deve ser F fixado ter-se-á um valor máximo de

VP e vice versa. Caso não observe este fato, o sinal de saída poderá sofre uma distorção acentuada, conforme a figura abaixo (no caso de onda senoidal).

OVERSHOOT Finalmente, resta-nos considerar uma outra característica citada nos manuais dos fabricantes denominada OVERSHOOT, a qual costuma ser traduzida por “sobrepassagem” ou “sobredisparo”. O OVERSHOOT é o valor, dado em porcentagem, que nos indica quanto o nível de tensão de saída foi ultrapassado durante a resposta transitória do circuito, ou seja, antes da saída atingir o estado permanente. Para o 741, o OVERSHOOT é da ordem de 5%. Convém frisar que o OVERSHOOT é um fenômeno prejudicial, principalmente quando se trabalha com sinais de baixo nível.

A alimentação do amplificador operacional e feita de forma simétrica, podendo em alguns casos utilizar uma monoalimentação.

Agora que já conhecemos o amplificador operacional podemos estudar seus modos de operação que são: - Sem Realimentação;

- Realimentação Positiva;

- Realimentação Negativa;

Sem Realimentação Este modo é conhecido como operação em malha aberta, por utilizar o ganho do operacional estipulado pelo fabricante, ou seja, não se tem o controle do mesmo. Este modo de operação é largamente empregado em circuitos comparadores.

Realimentação positiva Este modelo de operação é denominado operação em malha fechada. Pois o ganho do operacional é obtido pelo projetista. Apresenta como desvantagem uma instabilidade ao circuito. Aplicado em circuitos osciladores. Neste modo de operação o AOP não trabalha como amplificador de sinais, pois sua resposta não é linear.

Realimentação Negativa Este modo de operação é o mais importante e o mais utilizado em circuitos com AOP, veja que a saída é reaplicada à entrada inversora do AOP através de RF. Existem várias aplicações para os AOP com realimentação negativa entre elas podemos destacar: - Amplificador Inversor;

- Amplificador Não Inversor;

- Amplificador Somador;

- Amplificador Diferencial;

- Diferenciador;

- Integrador;

- Filtros Ativos, etc.

Este modo de operação como na realimentação positiva tem característica de malha fechada, ou seja, o ganho é determinado por R1 e RF e pode ser controlado pelo projetista.

Conceito de Curto-Circuito Virtual Para explicar melhor este conceito assumiremos que o ganho do AOP seja infinito. Então sabemos que a relação ideal é VO = A(V+ - V-) é sempre válida. Portanto podemos afirmar que:

VO V+ - V- = A ≈ 0

Pois VO é finito e A = α. Porque se utiliza o sinal de “aproximadamente igual” ao invés de “igual” a zero na expressão dada? – Isto é feito para lembrar que estamos na realidade empregando um artifício matemático (formalmente, devemos dizer que A tende a infinito, mas não o é – na prática A situa-se tipicamente entre 105 e 107). Desta forma podemos notar que teremos uma tensão de entrada V- igual (tendendo) ao valor de tensão de saída. Esta técnica nos permite dizer que quanto maior for A, mais o valor da entrada V+ se aproxima do valor da entrada V- para valores finitos de VS. Em outras palavras, ela nos chama a atenção que pela tensão das entradas do AOP pois é como se as entradas inversoras e não inversora estivessem sido curto circuitado. Sabemos também que não existe corrente por onde tem um curto momentâneo. Denominou-se o termo curto circuito virtual para designar este estado onde as tensões em dois pontos distintos são idênticas (como em um curto-circuito) e suas correntes são nulas. Pode-se empregar o conceito de terra virtual nos amplificadores sempre que considerarmos o mesmo com ideal sempre curto circuitando mas não fisicamente.

Amplificador Inversor

(Parte 1 de 2)

Comentários