Estatística Descritiva

Estatística Descritiva

(Parte 2 de 10)

1.3.2 ORGANIZAÇÃO DE DADOS EM TABELAS

Objetivo: apresentar resumidamente, de maneira clara e precisa, um conjunto de dados estatísticos.

São elementos das tabelas:

Título – texto conciso, indicador do conteúdo de uma tabela. Localizado no topo da tabela, responde às perguntas: O quê? Quando? Onde?

Corpo – conjunto de linhas e colunas que contém informações sobre a variável em estudo. Cada cruzamento de uma linha com uma coluna constitui uma casa ou célula.

Cabeçalho – parte superior da tabela que especifica o conteúdo das colunas.

Coluna Indicadora – parte da tabela que especifica o tipo de informação que cada linha contém.

Fonte – identificador do responsável (pessoa física ou jurídica) pelo fornecimento dos dados. Não se indica a fonte no caso em que a tabela é apresentada pelo próprio pesquisador, ou pelo próprio grupo de pesquisadores, ou pela própria instituição que obteve os dados. É inscrita na primeira linha do rodapé (parte inferior da tabela) e deve ser precedida da palavra Fonte:. Notas – são informações de natureza geral que servem para esclarecer o conteúdo das tabelas ou para explicar o método utilizado no levantamento dos dados. As notas são colocadas logo após a fonte.

Chamadas – são informações de natureza específica que servem para explicar ou conceituar determinados dados. As chamadas são inscritas no rodapé após a Fonte e as Notas.

As chamadas devem obedecer às seguintes regras:

a) A chamada deve ser indicada por algarismo arábico, ou por asterisco, entre parênteses. A chamada deve ser escrita à esquerda da casa, quando feita no corpo da tabela, e à direita da coluna indicadora, quando feita nessa coluna. b) Se houver mais de uma chamada na mesma tabela, elas devem ser numeradas sucessivamente, de cima para baixo e da esquerda para a direita.

c) As chamadas são colocadas no rodapé da tabela, em ordem numérica e separadas por pontos. d) Quando a tabela ocupa várias páginas, as chamadas devem ser apresentadas na página em que aparecem.

Exemplo de tabela:

PRODUÇÃO BRASILEIRA DE CAFÉ Título 1991-1995

Coluna ANOS PRODUÇÃO (1.0 t) Cabeçalho

1993 2.122
1994 3.750

Rodapé FONTE: IBGE Corpo

1.3.3 NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TABELAS a) as tabelas devem ser delimitadas, no alto e em baixo, por traços horizontais; b) as tabelas não devem ser delimitadas, à direita e à esquerda, por traços verticais; c) o cabeçalho deve ser delimitado por traços horizontais; d) podem ser feitos traços verticais no interior da tabela, separando as colunas; e) as tabelas devem ter significado próprio, isto é, devem ser entendidas mesmo quando não se lê o texto em que estão apresentadas; f) as tabelas devem ser numeradas com algarismos arábicos; g) a tabela deve ser colocada no texto em posição tal que não exija, para a leitura, rotação da página em sentido horário; h) quando dois ou mais tipos de informação tiverem sido agrupados em um só conjunto, esse conjunto entra na tabela sob a denominação “outros”; i) as tabelas podem apresentar dados obtidos através de perguntas ou de entrevistas. Nesses casos, se parte das pessoas não respondeu a determinada pergunta, essa informação deve ser apresentada na tabela sob a especificação “sem declaração”; j) nenhuma célula da tabela deve ficar em branco. Toda célula deve apresentar um número ou um sinal, conforme a convenção: ... dado numérico não disponível

- dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento. 0 quando o valor é muito pequeno para ser expresso pela unidade utilizada x dado omitido, a fim de evitar a individualização da informação k) as tabelas muito longas precisam ser apresentadas em duas ou mais páginas.

Nesses casos, o cabeçalho deve ser repetido em todas as páginas, mas o título é escrito apenas na primeira. Nas demais páginas escreve-se, em lugar do título, “continua” e na última escreve-se “conclusão”. Só deve ser feito o traço inferior, que delimita a tabela, na última página; l) as tabelas com muitas linhas e poucas colunas ficam melhor apresentadas quando as colunas são organizadas em duas ou mais partes, escritas lado a lado. Essas partes são separadas por dois traços verticais. Nesses casos, o cabeçalho deve indicar o conteúdo das colunas em todas as partes; m) as tabelas com muitas colunas precisam ocupar duas páginas que se confrontam. Para facilitar a leitura, todas as linhas devem receber um número de ordem. O número de ordem deve ser escrito na primeira coluna da página à esquerda e na última coluna da página à direita; n) o total é geralmente apresentado na última linha, entre dois traços horizontais, embora também possa ser apresentado na primeira linha.

1.4 SÉRIES ESTATÍSTICAS

Uma série estatística é toda tabela que apresenta a distribuição de um conjunto de dados estatísticos em função do tempo, do local ou do fenômeno.

Tipos Básicos de Séries: • Temporal, Cronológica ou Histórica

• Geográfica, Territorial ou de Localização

• Categórica ou Específica

Série Temporal: usada para apresentar dados observados em determinado local, discriminados ao longo do tempo.

Exemplo:

Produção Brasileira de Motos 1996-1998

Fonte: Revista ISTO É – no1546

Apresentação do tempo:

• Toda série temporal consecutiva deve ser apresentada, em uma tabela, por seus períodos inicial e final ligados por um hífen (-). Exemplos: 1991 – 1995 apresenta dados numéricos para os anos de 1991, 1992, 1993, 1994, 1995; Out 1991 – Mar 1992 apresenta dados numéricos para os meses de outubro, novembro e dezembro de 1991 e janeiro, fevereiro e março de 1992.

• Toda série temporal não consecutiva deve ser apresentada, em uma tabela, por seus períodos inicial e final ligados por barra (/). Ex: 1991/1995 apresenta dados para os anos entre 1991 e 1995, deixando de apresentar dados numéricos para algum (ns) dos anos desta série.

Série Geográfica: usada para apresentar dados de diferentes regiões geográficas, em determinado tempo.

Exemplo:

Vacinação contra a Poliomielite 1993

Regiões Quantidade

Fonte: Ministério da Saúde

Série Categórica: usada para apresentar dados que se distribuem em diferentes categorias, em determinado tempo e local. Exemplo:

Avicultura Brasileira 1992

Espécies Número (1.0 cabeças)

Galinhas 204.160 Galos, frangos, frangas e pintos 435.465 Codornas 2.488

Fonte: IBGE

Séries Mistas ou Conjugadas (tabela de dupla entrada): quando são feitas combinações de duas ou mais séries.

Exemplo:

Exportação Brasileira 1985/1995

Fontes: MIC e SECEX Nota: Valores em percentagem

1.5 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DAS SÉRIES ESTATÍSTICAS

Os gráficos produzem uma visão mais rápida e viva do fenômeno em estudo, ajudando a visualizar as tendências e a interpretar os valores representativos deste fenômeno.

Requisitos Fundamentais na Representação Gráfica:

• O gráfico deve ser simples, claro e deve expressar a verdade sobre o fenômeno em estudo;

• Todo gráfico deve ter título e escala, para que possa ser interpretado sem que haja necessidade de esclarecimentos adicionais no texto;

(Parte 2 de 10)

Comentários