Carderno de Atividades Ilustradas para o Educador

Carderno de Atividades Ilustradas para o Educador

(Parte 1 de 8)

Prevenção às Drogas

Projeto Renascer

Tema: VIDA SIM...drogas não.

Carlos Neher 2008

Ficha Técnica

1ª Edição/2008

Obra patrocinada pelo Projeto Renascer

* Para maiores informações escreva para:

Projeto Renascer

Coord. Projetos Especiais / Carlos Neher

Av. Alberto Bins, 954/01 – Porto Alegre-RS

CEP: 90030-141

Coord. Projetos Especiais

Thiago André Santos da Rocha

Fones: (51) 8213-7631 ou 3341-8650

Email: projetorenascer@zipmail.com.br

home-page: http://www.campanhaantidrogas.xpg.com.br

Equipe responsável pela Elaboração:

Helenita Domingues

Américo Jardim Pinto Júnior

Carlos Neher

Hélio Carlos Domingues

Cristine Neher - Colocação dos Desenhos e Arte

IMPRESSO NO BRASIL/PRINTED IN BRAZIL

PREVENÇÃO ÀS DROGAS - Caderno de Atividades para Programas de Prevenção Com Crianças de 09 à 12 anos. Compilado, traduzido e adaptado da Cartilha do D.A.R.E./USA.

1. Dependência Química 2. Prevenção 3. Cursos 4. Projetos Especiais 5. Pedagogia

Caderno de Atividades

Este caderno de atividades contém uma coletânea de exercícios e atividades especialmente adaptada para técnicos, educadores e agentes sociais que atuam diretamente com crianças.

Os exercícios e os vários textos, bem como algumas das cartilhas, foram traduzidas dos PROGRAMAS D.A.R.E. da Polícia dos EUA, e do PROGRAMA PROERD da PM do Estado de São Paulo com os auspícios e bênçãos do Coronel Geraldini, hoje na Reserva.

Apesar do caráter primeiro da obra ser INSTITUCIONAL essa cartilha sofreu profundas alterações a fim de servir como um instrumento pedagógico e de norte para uma caminhada antidrogas por quem quer que fosse! Isso faz parte do nosso projeto de envolver a comunidade, mesmo a leigos, na prática da prevenção primária às drogas!

A possibilidade de se trabalhar a Prevenção Primária às Drogas com crianças de 09 à 12 anos, através dessa obra passa a se tornar concreta, ainda que dependa da força de vontade e da disposição de um agente educador.

Durante alguns meses trabalhei procurando adaptar todas as atividades sugeridas neste manual, para um contexto geral, possibilitando que qualquer pessoa pudesse vir a trabalhar com os conteúdos dessa cartilha com seu grupo de alunos. É um PROGRAMA estruturado em uma ordem cronológica de atividades e assuntos, que pouco a pouco introduz a questão drogas com suas diversas implicações e conseqüências. É um tratado de Valorização da Vida, do Corpo Humano, das Relações Sociais e de Valores Éticos e Morais.

As possibilidades de aplicação desse programa são inúmeras, e certamente ele se adapta as políticas pedagógicas de construção da cidadania de qualquer Instituição de Ensino no Brasil.

Carlos Neher

Orientações ao professor

Amigo educador!

Hoje a escola tem a responsabilidade de ensinar a verdade científica dentro de um processo pedagógico inserido na política de ensino, através de todo o corpo docente, de todas as disciplinas, já que a prevenção às drogas é possível pela ação integrada dos Educadores, num somatório de forças.

Como Prevenir as Drogas na Escola

1- É muito importante que o professor procure se capacitar no assunto para adaptar a sua disciplina as informações que se relacionarem.

2- Dentro desse conhecimento adaptado, o professor deve abordar não apenas a droga como tal. Deve procurar valorizar a pessoa, levantar sua auto-estima, destacar suas necessidades, procurar produzir uma verbalização dos sentimentos de seus alunos, e destacar as influências para o desenvolvimento da personalidade e da maturidade.

3- Ter muito cuidado com as noções científicas e farmacológicas, a fim de evitar especulações, curiosidades próprias das crianças e jovens, sobretudo, quanto aos efeitos e tipos de drogas. Cuidar para não aumentar o leque!

4- Os trabalhos sobre drogas devem procurar abordar as conseqüências do abuso e as seqüelas deixadas naqueles que se tornaram dependentes químicos (mesmo estando eles em abstinência ficam seqüelas para o resto da vida!).

5- As palestras feitas por pessoas estranhas à Escola podem ser muito úteis para a sensibilização do corpo docente, funcionários, pais e alunos matriculados, porém a escola deve responder a um processo que deve ser contínuo e pedagógico.

6- O educador de 1ª à 4ª série produz uma estratégia preventiva sem despertar a curiosidade com nomes de drogas ou suas características, evitando a curiosidade. Deve trabalhar mostrando as qualidades do corpo e da mente, além do prazer de viver a vida com saúde ao lado da família e de bons amigos.

7- O Educador de 5ª à 8ª série deve Ter muito mais cuidado já que está com o grupo de risco! A abordagem deve ser segura, evitando trabalhos sobre as drogas em si, os direcionando a procurar os problemas por elas causados, à nível bio-psico-social.

8- Uma boa idéia é procurar discutir com seus alunos as notícias do momento sobre o problema. Isso cria uma atmosfera de interesse, e com a reflexão e a crítica o Educador estará despertando o senso crítico do aluno.

9- No 2º grau o Professor deve estimular o desenvolvimento de estudos referentes à problemas psicológicos, reflexos na personalidade, a formação do id, ego e superego, contribuindo para que os alunos conheçam um pouco mais sobre si mesmos.

10- Nos cursos de Magistério deve ser incluído o estudo sobre as diversas abordagens, técnicas pedagógicas, terapias existentes para o tratamento de dependentes químicos, aspectos jurídicos, etc.

11- A Escola deve oferecer orientação à família, como palestras, debates, informativos, trocas de experiências, em reuniões específicas (uma boa idéia é aproveitar os dias de entrega de boletins!).

12- Funcionários e corpo administrativo da Escola devem também ser orientados nos trabalhos de prevenção, para juntos desenvolverem em harmonia a política da proposta preventiva.

13- A Direção da Escola deve estar atenta para elementos estranhos no espaço físico do estabelecimento. Linhas disciplinares devem orientar a Comunidade Escolar.

14- No caso de assédio de maus elementos, “aviões” na porta da Escola, solicitar via ofício aos órgãos da Segurança Pública, à Polícia federal, a ajuda necessária para combater o mal.

15- A Direção de Estabelecimento Escolar tem a competência e a responsabilidade de tomar todas as medidas necessárias na prevenção do tráfico ilícito e do uso indevido de drogas, nos recintos ou imediações de suas atividades(conforme artigo 4º da Lei Federal nº 6368/76).

O processo de sensibilizar vem antes do informar...

  1. Todo o educador deve compreender que no processo de educar, um método pedagógico específico para cada comunidade alvo deve ser adotado...

  2. Já podemos chegar a conclusão de que apenas a informação pura não faz prevenção, portanto alternativas para se atingir os alunos devem ser criadas;

  3. A informação técnica pode ser uma faca de dois gumes, pode fazer prevenção, mas também poderá induzir à experimentação da droga;

  4. A curiosidade pela experimentação pessoal dos efeitos de cada droga é um fato constatável em todo o adolescente atingido pela atual conjuntura social e cultural;

  5. Para inibir a curiosidade teremos que desenvolver o potencial autocrítico dos alunos através de um processo de sensibilização, antes mesmo do início de um programa de prevenção às drogas efetivo e permanente na escola.

Diversas técnicas de sensibilização podem ser utilizadas...

Do jardim à 4ª série

  1. A criança possui uma sensibilidade mais apurada e já compreende o sofrimento, visível nas ruas, na TV e entre os adultos.

  2. Apesar da tentativa de se superproteger a criança promovida pelos pais, fatos diários são observados por elas e estas notícias do dia-a-dia devem ser aproveitadas para a prática da sensibilização para o problema.

  1. As crianças estão acostumadas a receber informação pelos vários veículos de comunicação em massa disponíveis no ambiente doméstico, por isso quando abordadas, os problemas decorrentes do abuso de drogas devem ser lembrados pelo educador.

(Parte 1 de 8)

Comentários