Relatório de física III

Relatório de física III

(Parte 1 de 2)

RELATÓRIO DE FÍSICA III

(Montagem circuito e medições)

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO .................................................................................................03

2. OBJETIVOS ......................................................................................................03

3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ....................................................................03

a - Lei de Ohm

b – Gerador e receptor ideal

c – resistência elétrica e Lei de Kirchoff

4. MONTAGEM DO CIRCUITO.............................................................................07

4.1- Placa de montagem ......................................................................................07

4.2- Multímetro ..................................................................................................08

5. ANÁLISE EXPERIMENTAL...............................................................................09

5.1- Instrumentos Utilizados ..............................................................................09

5.2- Procedimentos ..............................................................................................09

a – Medições ( tabelas) ................................................................................09

b – Procedimento preliminares .................................................................. 10

6 . CONCLUSÃO ........................................................................................................12

6.1 – Análise dos resultados

7. Referências Bibliográficas.....................................................................13

  1. INTRODUÇÃO

As atividades nos domínios da eletricidade e eletrônica exigem, constantes realizações de medições de grandezas elétricas, para isso a utilização de aparelhos adequados e escencial. Pois as medições se reduzem das mais variáveis situações, na suas utilização, e cada vez mais generalizada, os transdutores adequados remetem a tarefa de medição de grandezas não – elétrica para um problema de medição de uma ou mais grandezas elétricas, que geralmente conduz tensões ou correntes.

Conhecer esses princípios básicos de geração da eletricidade, e aplicar corretamente a teoria das Leis de Kirchoff e a Lei de Ohm no experimentam; utilizando conscientemente a instrumentação voltada para fim, o funcionamento das fontes de tensão utilizadas para alimentar circuitos elétricos; bem como os estudo relacionado às bases tecnológicas.

• Eletricidade estática: eletrização, campo elétrico, potencial elétrico, diferença de potencial;

• Eletrodinâmica: corrente elétricos condutores e isolantes elétricos;

• Resistência elétrica: conceito e unidade de medida

•Resistores: tipos, formas, código de cores.

•Associação de resistores em matriz de contatos.

• Fontes de tensão contínua: características básicas; associação de fontes.de tensão contínua;

• Capacitores: funcionamento; utilização em etc.

  1. OBJETIVOS

Capacitar o aluno a utilizar conscientemente os princípios relacionados à concepção e análise do funcionamento de circuitos elétricos, bem como torná-lo apto a utilizar componentes eletroeletrônicos usualmente presentes em equipamentos voltados para a área de atuação, bem como habilitar a utilizar adequadamente os medidores de parâmetros elétricos (multímetro, osciloscópio, capacímetro; freqüencímetro, gerador de sinal); identificando e assim a montar circuitos elétricos em matriz de contatos, medir parâmetros elétricos em circuitos elétricos (tensão e corrente etc);

Portanto bem tanto aos parâmetros de Utilizar, dimensionar, identificar e testar componentes semicondutores; como:

• Montar pequenos protótipos de circuitos em placas impressas;

• Utilizar linguagem técnica compatível.

Dessa forma verificamos os resultados e assim possível calcular os valores das correntes de acordo com os dados do roteiro.Como de propósito reforçar os estudo realizado em sala de aula em utilizar as leis aplicadas à análise de circuitos elétricos às (Leis das malhas, leis dos nós, teoremas de Thevenin e Norton, superposição).

  1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

    1. A Lei de Ohm

O cientista alemão Georg Ohm realizou várias experiências medindo as voltagens e as correntes correspondentes quando aplicadas em diversos condutores feitos de substâncias diferentes. Verificou então que, para muitas matérias, principalmente os metais, a relação entre a voltagem e a corrente mantinha-se constante, isto é,

E com representa o valor da resistência R do condutor. Logo, Ohm concluiu que para aqueles condutores tinha-se R = constante.

Este resultado é conhecido como Lei de Ohm: Para um grande número de condutores (principalmente os metais), o valor da resistência permanece constante, não dependendo da voltagem aplicada ao condutor.ou seja, designada como: V= R.I.

Unidade SI de resistência elétrica é o ohm, símbolo Ω no esquema de circuito uma resistência é representada por ou inverso da resistência elétrica designa – se por condutância elétrica G; G=1/R; a unidade SI de condutância é o siemens, símbolo S . a figura ..... mostra resistência de diferentes potencia e o código de leitura do valor de resistência elétrica.

    1. Gerador e Receptor Ideal

A tensão nos terminais da bateria ideal chama-se forçaeletromotriz (fem). A fem da bateria resulta de um fenômeno químico que ocorre dentro dela e que força a corrente elétrica a atravessá-la de seu pólo negativo para o positivo. Representa-se a bateria ideal mediante o esquema:

Fig.1 – Gerador Ideal.

O gerador é ideal caso não apresenta resistência interna.

Receptor elétrico ideal é um dispositivo que consome energia elétrica, transformando-a em outra forma de energia. Um receptor é ideal se seu circuito interno não oferece resistência elétrica. A tensão nos terminais chama-se força contraeletromotriz (cfem). Representa-se o receptor ideal mediante o esquema:

Fig.2 – Receptor Ideal

    1. Redes Elétricas e as Leis de Kirchoff

Um circuito, como o da firgura 1, possui mais do que um caminho fechado e é uma rede elétrica. Os pontos de encontro de dois ou mais fios são chamados nós da rede.

Um ramo é o trecho de circuito entre dois nós consecutivos. Malha de uma rede qualquer caminho fechado. No circuito da Fig.1 R4, R3 e R5 formam uma malha.

As redes elétricas são resolvidas mediante duas leis, chamadas leis de Kirchoff.

1ª Lei de Kirchoff : Lei dos nós.

A soma das correntes que chegam num nó é igual à soma das correntes que saem do mesmo nó.

2ª Lei de Kirchoff : Lei das Malhas.

Quando se percorre uma malha completa, a soma algébrica de todas as forças eletromotrizes, contra-eletromotrizes e produtos R·i encontrados na malha é zero.

4 . montagem do circuito

4.1 PLACA DE MONTAGEM

A placa de montagem permite monta o circuito elétrico, assegurando a estabilidade mecânica e a realização de ligações entre diversos componentes elétricos do circuito, discretos ou não, com relativa facilidade. Na fig....... mostra o esquema realizado no experimento. Como se ver todos os buracos das placas de teste tem internamente um sistema de mola que permite um bom contacto elétrico com o fio de ligação; todo o buraco nas linhas vertical corresponde a um modo dois grupos centrais, com isso permitindo diversas ligações internas na face inferior.as linhas laterais são particularmente indicas para ligação das alimentações / ou sinais a ser ligados a diferentes pontos na montagem..

4.2 Multímetro

Destinado a medir e avaliar grandezas elétricas, um Multímetro ou Multiteste (Multimeter ou DMM - digital multi meter em inglês) é um instrumento que pode ter mostrador analógico (de ponteiro) ou digital.

Utilizado na bancada do experimento (laboratório f); incorporando os diversos instrumentos de medidas elétricas num único aparelho como voltímetro, amperímetro e ohmímetro por padrão e capacímetro, frequencímetro, termômetro entre outros.

Porem dessa diversa utilização de fazer madição de tensão, corrente ou resistência devemos usar a escalar de maior alcance, para de seguida comutar, sucessivamente, para escalar de menor alcance, ate se atingir a escala com maior numero de algarismo significativo. Contudo o erro de leitura do multímetro é metade da menor unidade que se pode ler no visor.

5.ANÁLISE EXPERIMENTAL

5.1 – INSTRUMENTOS UTILIZADOS

  • 1 Multímetro;

  • 3 resistores;

  • 1 fonte de 12V;

  • 1fonte de 15V;

  • 1 placa montagem do circuito

(Parte 1 de 2)

Comentários