(Parte 1 de 3)

UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP

Profº Morilla

Furação

Grupo:

Bruna Charleaux Peres RA: 8723249

Bruna dos Santos T. do Patrocínio RA: 8733600

Marcelo Rodrigues RA: 8732337

Roberto José Francisco Filho RA: 8727422

Willian de Souza Faria RA: 8716560

Turma: EA6B

Disciplina: Processos de Fabricação

Novembro – 2008

Agradecimentos

Agradeço a todos os integrantes do grupo pela colaboração, a Deus, ao Profº Morilla e a mãe da Bruna por nos deixar fazer todos os trabalhos e as reuniões de estudo na casa dela.

"O importante é isto: Estar pronto para, a qualquer momento, sacrificar o que somos pelo que podemos vir a ser".

Charles Du Bois

Sumário

  1. Furação ......................................................................................8

  2. Constituição de uma máquina de furar ...................................9

  3. Tipos de máquinas de furar ...................................................11

  4. Dispositivos de sujeição de peças ........................................15

  5. Brocas ......................................................................................16

  6. Características geométricas das brocas ..............................21

  7. Ferramentas e operações especiais......................................24

7.1. Alargamento ...................................................................24

7.2. Escareamento ................................................................28

7.3. Rebaixamento ................................................................29

7.4. Polimento .......................................................................30

7.5. Roscamento ...................................................................31

  1. Ângulos de Furação...............................................................34

  2. Tipos de cavacos e meios de remoção ...............................35

10.Tipos de rebarbas ................................................................. 35

11.Erros comuns na geometria do furo ....................................36

12. Forças e momentos em furação...........................................36

13.Conclusão............................................................................... 37

Referências Bibliográficas ..........................................................38

Índice de Figuras

Figura 1 – Furadeira vertical................................................................ 9

Figura 2 – Mandril universal tipo Jacobs............................................ 10

Figura 3 – Retirada de mandril ou ferramenta do cone Morse...........10

Figura 4– Furadeira de bancada e furadeira radial .......................... 12

Figura 5 – Furadeira gêmea............................................................... 13

Figura 6 – Furadeiras de múltiplas árvores........................................ 14

Figura 7 – Dispositivos de fixação..................................................... 15

Figura 8 – Partes de uma broca helicoidal......................................... 16

Figura 9 – Broca de centro................................................................. 17

Figura 10 – Broca calçada................................................................. 17

Figura 11 – Brocas com dentes postiços........................................... 18

Figura 12 – Brocas canhão................................................................ 18

Figura 13– Brocas múltiplas.............................................................. 19

Figura 14– Brocas com furos para refrigeração................................ 20

Figura 15 – Broca anular.................................................................... 20

Figura 16 – Ângulos característicos de uma broca............................ 21

Figura 17 – Alteração em brocas tipo N............................................. 24

Figura 18 – Alargadores cilíndricos.................................................... 25

Figura 19 – Alargador de expansão................................................... 25

Figura 20 – Alargadores cônicos....................................................... 26

Figura 21 – Alargadores com pastilhas intercambiáveis.................... 27

Figura 22 – Desandador e desandador T.......................................... 28

Figura 23 – Escariador....................................................................... 29

Figura 24 – Rebaixador...................................................................... 29

Figura 25 – Alargadores com piloto fixo e postiço............................. 30

Figura 26 – Acessórios para polimento.............................................. 30

Figura 27 – Tipos de machos e suas aplicações............................... 31

Figura 28 – Exemplos de ferramentas............................................... 32

Figura 29 – Exemplos de ferramentas............................................... 33

Índice de Tabelas

Tabela 1 – Broca tipo H...................................................................... 22

Tabela 2 – Broca tipo N...................................................................... 22

Tabela 3 – Broca tipo W......................................................................23

1. Furação

Processo mecânico destinado à obtenção de um furo, geralmente cilíndrico, com auxílio de uma ferramenta multicortante. Junto com fresamento e torneamento, é a operação de usinagem mais utilizada na indústria.

Diferente do torneamento, a rotação ocorre no eixo da ferramenta, com avanço perpendicular à superfície a ser furada.

Operação de desbaste (provém fraco acabamento superficial), o processo de furação é usado em conjunto com grande parte dos processos de fabricação a fim de prover elementos de fixação, muitas vezes de importância secundária, ou pré-furos para acabamento através de outros processos (alargamento, brochamento).

A importância da operação de furação se pode ser avaliada no consumo de ferramentas. Estima-se o consumo de brocas seja da ordem de 250 milhões de unidades por ano.

(Parte 1 de 3)

Comentários