Lista Medicamentos Controlados

Lista Medicamentos Controlados

©2005 Secretaria da Saúde do Estado da Bahia, Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde, Diretoria de Vigilância e Controle Sanitário.

2ª Edição.

É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

Tiragem 10.0

Distribuição e informações DIVISA - Diretoria de Vigilância e Controle Sanitário.

Av. Antônio Carlos Magalhães, s/nº, Centro da Atenção à Saúde Prof. Dr. José Maria de Magalhães Netto.

Salvador-BA. CEP 41.820-0 Tel.: (71) 3351-1515 / 3270-5775 - Fax: (71) 3570-5776 / 5777 E-mail: divisa@saude.ba.gov.br

Lista A1 - Substâncias Entorpecentes

Lista A2 - Substâncias Entorpecentes de uso permitido somente em concentrações especiais.

Lista A3 - Substâncias Psicotrópicas Lista B1 - Substâncias Psicotrópicas Lista B2- Substâncias Psicotrópicas Anorexígenas Lista C1 - Outras Substâncias sujeitas a Controle Especial Lista C2 - Substâncias Retinóicas Lista C3 - Substâncias Imunossupressoras Lista C4 - Substâncias Anti-retrovirais Lista C5 - Substâncias Anabolizantes

Lista D1 - Substâncias precursoras de entorpecentes e/ou psicotrópicas

Lista D2 - Insumos e síntese de envelopes e/ou psicotrópicos Lista E - Plantas que podem originar substâncias Lista F - Substâncias proscritas no Brasil

Todas as substâncias constantes das listas do regulamento sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial serão atualizadas e publicadas em Diário Oficial da União, e disponibilizadas no site w.anvisa.gov.br.

GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA Paulo Ganen Souto

SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA José Antônio Rodrigues Alves

SUPERINTENDENTE DE VIGILÂNCIA E PROTEÇÃO DA SAÚDE - SUVISA Maria Conceição Queiroz Oliveira Riccio

DIRETORA DE VIGILÂNCIA E CONTROLE SANITÁRIO DIVISA Raylene Logrado Barreto

ELABORAÇÃO: Marly Gonçalves Albuquerque

COLABORAÇÃO: Thiago Queiroz Barbosa

REVISÃO: Adilson Bispo Sacramento

MAPA CONSOLIDADO 1ª Via - autoridade sanitária.

2º Via - encaminhada pelo estabelecimento para a coordenação do programa.

3ª Via - Retira nos órgãos oficiais de dispensação.

RELAÇÃO MENSAL Entrega até o dia 15 (quinze) de cada mês em 02 (duas vias), sendo uma retida pela autoridade sanitária.

BALANÇO TRIMESTRAL Entrega: até dia 15 (quinze) dos meses de abril, julho, outubro e janeiro.

BALANÇO ANUAL Deverá ser entregue até o dia 31 (trinta e hum) de janeiro do ano seguinte.

A P R E S E N T A Ç Ã O Senhores Profissionais,

A Diretoria de Vigilância e Controle Sanitário do Estado da Bahia, constantemente atenta a divulgação da legislação, está disponibilizando esta publicação, com informações e esclarecimentos sobre a Portaria SVS/MS 344/98, que aprova o regulamento técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.

Esta é uma contribuição para a disseminação do conhecimento técnico e o fortalecimento de estratégias para a efetivação do controle de medicamentos, com apoio de todos apoios envolvidos.

Desta forma este material esta disponível aos profissionais de saúde como um instrumento de consulta, sobre os principais aspectos da Portaria SVS/MS 344/98, tendo como objetivo principal o controle e o uso racional das substâncias psicoativas, no Estado da Bahia.

BSPO - Deverá expressar a exata movimentação das substâncias controladas registradas nos livros, sendo vedado à utilização de ajustes, utilizando fator de correção, quando do preenchimento do BSPO.

BMPO - São dispensadas da apresentação do (BMPO) as farmácias das unidades hospitalares, clínicas médicas e veterinárias.

MCP M - O balanço do medicamento talidomida será apresentado a

Autoridade Sanitária, pelas farmácias privativas de unidades públicas que dispensem o referido medicamento para pacientes cadastrados nos programas governamentais específicos.

Os medicamentos e substâncias constantes da Portaria SVS/MS nº 344/98 e suas atualizações, deverão ser obrigatoriamente guardados sob chave ou outro dispositivo que ofereça segurança, em local exclusivo para este fim, sob a responsabilidade do farmacêutico.

Balanço de substâncias psicoativas e outras substâncias sujeitas a controle especial. (BSPO) - 3 vias

A1, A2, A3 B1, B2, C1 C2, C3, C4 C5

Balanço de medicamentos psicoativas e outros sujeitos a controle especial. (BMPO) - 2 vias

A1, A2, A3

B2, C4 DROGARIAS

Mapa do consolidado das prescrições de medicamentos. (MCPM) - 3 vias

C3 FARMÁCIAS DE UNIDADES PÚBLICAS DE SAÚDE TRIMESTRAL

Relação mensal de vendas de medicamentos. (RMV) - 2 vias

A1, A2, A3 B1, B2, C1 C2, C3, C4 C5

Relação mensal de Notificação de Receita A (RMNRA) - 2 vias

A1, A2, A3 FARMÁCIAS E DROGARIAS MENSAL

* O não atendimento a remessa dos balanços nos prazos estipulados, sujeitará o estabelecimento às penalidades previstas na legislação sanitária em vigor.

A melhoria da qualidade de vida da população é missão precípua da DIVISA, que tem buscado servir ao cidadão do Estado da Bahia, nos mais altos padrões de excelência em Vigilância Sanitária frente ao controle de riscos a saúde.

Publicação como esta visam esclarecer e informar os profissionais de saúde, diretamente relacionados com substâncias e medicamentos controlados, permitindo que estes tenham melhores resultados na sua atenção e conseqüentemente contribuam para uma melhor qualidade de vida da população deste Estado.

5 AMPOLAS

A 30 DIAS DE

5 AMPOLAS

B 60 DIAS DE

5 AMPOLAS

ESPECIAL 30 DIAS DE

Acima das quantidades prescritas pela portaria SVS/MS nº 344/98 o prescritor deve preencher uma justificativa contendo o CID (Classificação Internacional de Doença) ou diagnóstico e posologia, datar e assinar, entregar juntamente com a notificação ao paciente para a aquisição do medicamento em farmácia ou drogaria.

A autoridade sanitária local cadastrará todos os profissionais prescritores, médicos, médicos veterinários e cirurgiões dentistas, para o fornecimento do talonário A e emissão de autorização para a confecção dos demais talonários. Para efetuar esta solicitação é utilizado o documento Requisição da Notificação de Receita, modelo abaixo:

• Autorização Especial - Licença concedida pela Secretaria de

Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (SVS/MS), a empresas, instituições e órgãos para o exercício de atividades de extração, produção, transformação, fabricação, fracionamento, manipulação, embalagem, distribuição, transporte, reembalagem, importação e exportação das substâncias constantes das listas anexas a este Regulamento Técnico, bem como os medicamentos que as contenham.

• DCB - Denominação Comum Brasileira.

• DCI - Denominação Comum Internacional.

• Droga - Substância ou matéria-prima que tenha finalidade medicamentosa sanitária.

• Drogaria - Estabelecimento de dispensação e comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos nas sus embalagens originais.

• Entorpecente - Substância que pode determinar dependência física ou psíquica relacionada, como tal, nas listas aprovadas pela

C onvenção Única sobre Entorpecentes.

• Farmácia - Estabelecimentos de manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, de comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, compreendendo a dispensação e o atendimento privativo de unidade hospitalar ou de qualquer outra equivalente de assistência médica.

• Licença de Funcionamento - Permissão concedida pelo órgão de saúde competente dos Estados, Municípios e Distrito Federal, para o funcionamento de estabelecimento vinculado à empresa que desenvolva qualquer das atividades enunciadas no artigo 2º da

Portaria SVS/MS nº 344/98.

• Livro de Registro Específico - Livro destinado à anotação, em ordem cronológica, de estoques, de entradas (por aquisição ou produção), de saída (por venda, processamento, uso) e de perdas de medicamentos sujeitos ao controle especial.

• Livro de Receituário Geral - Livro destinado ao registro de todas as preparações magistrais manipuladas em farmácias.

• Medicamento - Produto Farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico.

• Notificação de Receita - Documento padronizado destinado à notificação e prescrição de medicamentos: a) entorpecentes (cor amarela), b) psicotrópicos (cor azul) e c) retinóides de uso sistêmico e imunossupressores (cor branca). A Notificação concernente aos dois primeiros grupos (a e b) deverá ser firmada por profissional devidamente inscrito no Conselho Regional de Medicina, no Conselho Regional de Medicina Veterinária ou no Conselho Regional de Odontologia; a concernente ao terceiro grupo (c), exclusivamente por profissional devidamente inscrito no Conselho Regional de Medicina.

G) Data de emissão;

H) Assinatura do prescritor: quando os dados do profissional estiverem devidamente impressos no campo “emitente”, este poderá apenas assinar a Notificação de Receita. No caso de o profissional pertencer a uma instituição ou estabelecimento hospitalar, deverá identificar a assinatura com carimbo, contandose a inscrição no Conselho Regional, ou manualmente, de forma legível;

I) Identificação do comprador: Nome completo, número do documento de identificação, endereço completo e telefone;

J) Identificação do fornecedor: nome e endereço completos, nome do responsável pela dispensação e data do atendimento.

K) Identificação da gráfica: nome, endereço e C.N.P.J. impressos no rodapé da cada folha do talonário. Deverá constar também, a numeração inicial e final concedida ao profissional ou instituição e o número da Autorização para confecção dos talonários emitida pela Vigilância Sanitária local;

L) Identificação do registro: anotação da quantidade do medicamento aviada, no verso, e quando tratar-se de formulações magistrais, o número de registro da receita no livro de receituário.

M) Identificação do registro: anotação da quantidade do medicamento aviada, no verso, e quando tratar-se de formulários magistrais, o número de registro da receita no livro de receituário.

As notificações de receita deverão conter todos itens devidamente impressos e apresentando as seguintes características e para a aquisição do medicamento todos os campos deverão estar preenchidos corretamente.

A) Sigla da Unidade da Federação; B) Identificação numérica:

- a seqüência numérica será fornecida pela Autoridade Sanitária competente dos Estados, Distrito Federal e Municípios;

C) Identificação do Eminente:

- nome do profissional com sua inscrição no Conselho Regional com a sigla da respectiva unidade da Federação; ou nome da instituição, endereço completo e telefone;

D) Identificação do usuário: nome e endereço completo do paciente e, no caso de uso veterinário, nome e endereço completo do proprietário e identificação do animal;

E) Nome do medicamento ou substância, prescritos sob a forma de denominação comum brasileira (DCB), dosagem ou concentração, forma farmacêutica, quantidade (em algarismo arábico e por extenso) e posologia;

F) Símbolo indicativo: no caso da prescrição de retinóides deverá conter um símbolo de uma mulher grávida, recortado ao meio, com a seguinte indicação: “Risco de graves defeitos na face, nas orelhas, no coração e no sistema nervoso do feto”.

• Precursores - Substâncias utilizadas para a obtenção de entorpecentes ou psicotrópicos e constantes das listas aprovadas pela Convenção Contra o Tráfico Ilícito de Entorpecentes e de

Substâncias Psicotrópicas.

• Preparação Magistral - Medicamento preparado mediante manipulação em farmácia, a partir de fórmula constante de prescrição médica.

• Psicotrópico - Substância que pode determinar dependência física ou psíquica e relacionada, como tal, nas listas aprovadas pela Convenção sobre Substâncias Psicotrópicas.

• Receita - Prescrição escrita de medicamento, contendo orientação de uso para o paciente, efetuada por profissional legalmente habilitado, quer seja formulação magistral ou de produto industrializado.

• Substância Proscrita - Substância cujo uso está proibido no Brasil.

A Notificação de Receita é o documento que acompanhado de receita autoriza a dispensação de medicamentos, a base de substâncias constantes das listas “A 1” e “A2” (Entorpecentes), “A3”, “B1” e “B2 ”

(Psicotrópicos) “C 2

” (Retinóicas para uso sistêmico) “C3 ”

(Imunossupressoras).

- Retinóides, imunossupressores (listas C 2 e C3 ) COR BRANCA.

- Antidepressivos, Retinóides uso tópico, antiretrovirais, anabolizantes e outros (listas C 1, C2, C4 e C5 ) COR BRANCA.

A Notificação de receita deverá estar preenchida de forma legível, sendo a quantidade em algarismos arábicos por extenso, sem emenda ou rasura.

A Notificação de receita será retida pela farmácia ou drogaria e a receita devolvida ao paciente devidamente carimbada, como comprovante do aviamento ou da dispensação.

O Formulário da Receita de Controle Especial, válido em todo território nacional deverá ser preenchido em 2 (duas) vias, manuscrito, datilografado ou informatizado, apresentando obrigatoriamente, em destaque, em cada uma das vias os dizeres: 1ª VIA - “Retenção da farmácia ou drogaria” e 2ª VIA - “Orientação do paciente a farmácia ou drogaria somente poderá aviar ou dispensar a receita, quando todos os itens estiverem devidamente preenchidos”.

Esta requisição com seqüência numérica deverá ser encaminhada pelo prescritor à gráfica para impressão dos blocos, que deverão conter 100 folhas (só jogos).

A Farmácia ou Drogaria somente poderá aviar ou dispensar, quando todos os itens da receita e da respectiva notificação de receita estiverem devidamente preenchidos.

O formulário da receita especial, válido em todo território nacional, deverá ser preenchido em 2 (duas) vias, manuscrito, datilografado ou informatizado, apresentando, obrigatoriamente em destaque em cada uma das vias os dizeres: 1ª VIA - “Retenção da Farmácia ou Drogaria” e 2ª VIA - “Orientação ao Paciente”.

A receita de controle especial deverá estar escrita de forma legível, a quantidade em algarismos arábicos por extenso, sem emenda ou rasura e terá validade de 30 dias, dias contados a partir da data de sua emissão contendo medicamentos a base de substâncias constantes das listas C 1 e C5 .

Para a solicitação do talonário de notificação de receita “A” e emissão de numeração para a confecção do talonário “B” e demais notificações o profissional deverá se dirigir ao serviço de VISA local para efetuar o cadastramento.

Os blocos de notificação A serão impressos pela DIVISA/SESAB e distribuídos gratuitamente aos profissionais cadastrados.

A numeração para confecção dos blocos de notificação B será fornecida pela VISA aos profissionais cadastrados mediante requisição de notificação de receita.

Comentários