Matematica para enfermeiros

Matematica para enfermeiros

(Parte 1 de 4)

PROFESSOR NELSON LAGE2001

Para calcular a velocidade de gotejamento de um determinado medicamento, devemos considerar a seguinte relação:

3º ×HORASDEN OMEDICAMENTDOVOLUME

Devemos observar que o volume do medicamento deverá ser expresso em mililitros (ml), enquanto que o tempo em horas.

Não podemos esquecer que: 1 litro equivale a 1000 mililitros; ½ hora ou 30 minutos equivalem a 0,5 horas; ¼ hora ou 15 minutos equivalem a 0,25 horas;

Exemplo:

Foi prescrito a um paciente um volume de 1,5 litros de Soro Fisiológico, com uma duração de tratamento de 24 horas. Qual a velocidade de gotejamento?

Volume = 1,5 litros que equivale a 1500 mililitros; Tempo = 24 horas;

Resolução:

Devemos, nesse caso aproximar o resultado para 20 gotas por minuto.

Mesmo contra as regras de aproximação ensinadas em matemática, devemos sempre aproximar os resultados para a unidade imediatamente abaixo do resultado encontrado, por tratar-se de medicamentos.

Consiste na administração de drogas muito irritantes por via endovenosa ou então hidratação de crianças.

No caso dos cálculos dispensáveis às microgotas, devemos considerar a seguinte relação:

1 gota equivale a 3 microgotas.

Sendo assim, para calcular a velocidade de

MICROGOTEJAMENTO de um determinado medicamento, basta aplicar o cálculo de gotejamento e multiplicar o resultado encontrado por três.

Exemplo:

Foi prescrito a um paciente um volume de 0,5 litros de Soro Fisiológico, com uma duração de tratamento de 10 horas. Qual a velocidade em microgotas?

Volume = 0,5 litros que equivale a 500 mililitros; Tempo = 10 horas;

Resolução:

Observe que o resultado apresentado está em gotas por minuto.

Basta agora multiplicar o resultado por três, já desprezando as casas decimais:

16 x 3 = 48 microgotas por minuto.

Caso não fosse desprezada a casa decimal encontrada no cálculo das gotas, o resultado seria de 49,8 microgotas, que estariam quase duas microgotas acima do resultado considerado. 2 microgotas por minuto, seriam 120 microgotas em 1 hora, que dariam 1200 microgotas em 10 horas de tratamento, que seriam 400 gotas nas mesmas 10 horas, que representa um volume de 20 mililitros, se considerarmos que 20 gotas equivalem a 1 mililitro.

Para termos condições de desenvolver os cálculos relativos a dosagem de insulina, devemos considerar a seguinte relação:

F = frasco disponível em Unidades; P = prescrição médica em Unidades; S = seringa utilizada em Unidades; X = quantidade de Unidades necessárias.

Ou seja:

A quantidade de Unidades necessárias (X) está para o frasco (F), assim como a prescrição (P) está para a seringa (S). O que define uma regra de três simples.

Fazendo então, o produto dos meios pelos extremos, teremos a seguinte fórmula:

Não devemos esquecer nunca, que todos os elementos dados na fórmula acima, devem ser representados em UNIDADES.

Exemplo:

Calcular quantas Unidades devem ser retiradas de um frasco de insulina, sendo a prescrição médica de 10 Unidades de insulina regular, frasco disponível de 40 Unidades e seringa de 80 Unidades.

Frasco = 40 Unidades; Prescrição = 10 Unidades; Seringa = 80 Unidades.

Resolução:

OBS: Nos casos em que a Seringa disponível não é graduada em Unidades, devemos fazer a seguinte correlação:

Frasco de 80 Unidades significa que em cada 1 mililitro obtemos 80 Unidades.

Exemplo:

Calcular quantos mililitros devemos retirar do frasco de insulina, sendo a prescrição médica de 10 Unidades de insulina NPH, frasco disponível de 80 Unidades e seringa de 3 mililitros.

Frasco = 80 Unidades; Prescrição = 10 Unidades; Seringa = 3 mililitros.

Resolução:

Como o grau de pureza da insulina é de 80

Unidades por mililitro, significa que se retirarmos 1 mililitro de insulina do frasco, teremos 80 Unidades.

Sendo assim, usamos a seguinte relação:

Logo:

Repare que para cada décimo de mililitro (0,1 ml) teremos 8 Unidades de insulina. Para que tenhamos as 10 Unidades prescritas serão necessários 0,125 mililitros.

Na resolução destes problemas, normalmente são usadas as regras de três simples, pois, os medicamentos podem ser apresentados com concentrações diferentes das prescritas pelos médicos.

Além disso, a concentração dos medicamentos poderá ainda ser expressa em miligramas (mg) ou ainda em unidades (U).

Nos cálculos envolvendo preparo de dosagem de uma solução qualquer, devemos atentar sempre para a concentração apresentado nas embalagens e ainda na quantidade de solvente empregado.

Considerando:

C = concentração do medicamento; S = solvente; P = prescrição médica; X = quantidade a ser aplicada;

C→ S
P→ X

Teremos:

(Parte 1 de 4)

Comentários