Musculação Treinamento

Musculação Treinamento

(Parte 1 de 4)

Curso de Musculação - Material de Curso de Musculação Gratuito

Programa, o que você irá aprender: •Periodização no Treinamento de Força

•Periodização: o que é isso?

•Prescrição do treinamento.

•Índice de progressão

•Sobre a Pressão Arterial

•Sobre o peso e a composição corporal

•Segurança

•O potencial benéfico

•Definição de força

•Classificação de força

•Descanso ativo

Introdução ao curso de musculação: Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Periodização: o que é isso? É o período ou temporada de treinamento pré-determinado, em que se encontra um indivíduo, possuindo etapas específicas durante o ano, com objetivos e conteúdos préestabelecidos e definidos para se chegar a um resultado final positivo.

Esta necessidade de períodos específicos baseia-se no fato de q o individuo não pode manter-se no seu máximo durante todo o ano ou período em que se treina. Portanto, existem 3 fases distintas que se caracterizam este processo de treinamento: Desenvolvimento: obtenção de uma base geral de força das estruturas ósteo-mioarticulares sólidas para a melhoria do condicionamento físico do individuo. Manutenção: estágio em que há uma conservação do ganho do nível físico adquirido, com a possibilidade de aumentar este nível, através a manipulação do volume e da intensidade do treino.

Diminuição: redução do volume e da intensidade do treino, evitando com isso um efeito deletério no organismo do indivíduo, chamado de sobretreinamento (overtraining).

A formulação de modelos para a periodização e estruturação dentro dos ciclos de treinamento de força, oferecem a possibilidade de superar erros e dificuldades de controle de conteúdo e de organização da própria atividade, além de eliminar muitos detalhes, simplificando o processo de treinamento, conservando as informações principais a que se refere o conteúdo e a estrutura do treinamento.

O treinamento de força, organizado de forma racional e científica, leva o indivíduo a uma otimização dos seus objetivos preconizados, chegando a um resultado positivo em um menor período de tempo.

Dentro do planejamento da periodização do treinamento de força, é importante objetivar dois períodos distintos de preparação:

Preparação Geral: tem como objetivo alicerçar e instaurar no indivíduo um condicionamento físico muscular geral, potencializando o nível de capacidade física do organismo pelo desenvolvimento e melhoria da força muscular geral, através um treinamento que visa preparar os grandes grupos musculares para um maior esforço posteriormente. Secundariamente, neste período de treinamento, os pequenos grupos musculares serão menos utilizados.

Preparação Específica: após um determinado período de tempo de treino, o professor poderá individualizar mais ainda este treinamento de força, já adicionando exercícios específicos para pequenos grupos musculares que o indivíduo mais gosta. Aumento qualitativo do treino. Uma maior concentração no trabalho específico do indivíduo no que diz respeito à técnica e a forma específica de execução do exercício assim como sua capacidade motora de execução. Lapidação motora do exercício.

O modelo de estruturação do treinamento provém dos seguintes componentes: melhoria dos índices funcionais mais importantes para a melhoria do condicionamento físico e objetivo do indivíduo; organização e planejamento do modelo do programa de sobrecarga de treino, necessidade para a sua realização.

O esquema lógico da construção da periodização do treinamento de força individual, deriva de uma planificação e organização semestral e/ou anual de treinamento.

A organização da sobrecarga de treinamento em cada período da planificação do programa de força, prevê a utilização do trabalho de força em blocos. Isto significa que, quando este efeito se realiza, desenvolve-se primeiramente a chamada preparação condicional geral, seguindo-se o princípio da separação dos volumes e intensidades das sobrecargas, criando com isso, condições favoráveis para uma profunda melhoria da preparação e do condicionamento físico do indivíduo, evitando-se com isso possíveis lesões futuras, já que se cria uma elevação do lastro fisiológico orgânico do indivíduo.

O conteúdo das sobrecargas de treino, ou dos blocos de preparação de força deve ser escolhido em função do regime de trabalho específico do aparelho neuromuscular e locomotor do indivíduo que executa o exercício específico.

A prática tem demonstrado que a periodização do treinamento de força segue um período de preparação básica, podendo chegar até 4meses, para que se estabeleçam as adaptações orgânicas estáveis no indivíduo e suficiente para conservar a capacidade de melhoria deste rendimento orgânico, evitando-se assim, futuras lesões ósteo-mioarticulares. Por isso, inicia-se pelo predomínio de trabalho de baixo volume e intensidade de treinamento.

As sobrecargas de treino não podem ultrapassar os valores e limites pré-determinados dentro da etapa específica de treino, pois não é adequado estimular desenvolvimentos de volume e intensidade de sobrecarga acima dos preconizados para evitar lesões, sendo necessário portanto manter o nível de capacidade de rendimento específico. Por isso que é desejável que se aumente periodicamente o volume e/ou a intensidade das sobrecargas de treinamento.

A força muscular refere-se à quantidade máxima de força ou tensão que um determinado músculo ou grupamento muscular pode gerar.

A potência muscular relaciona-se com a capacidade de gerar força muscular rapidamente. A potência é o produto da força muscular e da velocidade de movimento.

A resistência muscular refere-se à capacidade de sustentação de repetidas contrações musculares à nível aeróbio e/ou anaeróbio.

As respostas básicas fisiológicas ao treinamento de resistência e de força incluem: O aprimoramento das capacidades de contração muscular para a força e resistência. Aumento da massa muscular, massa óssea e da força do tecido conectivo. A massa muscular aumenta-se basicamente devido através a um aumento do tamanho das células musculares (hipertrofia). Embora existam alguns estudos já sugerindo que o treinamento de força, possam aumentar o n° de células musculares (hiperplasia).

A força muscular aumenta devido à modificações no sistema nervoso que controla a contração muscular e através das mudanças verificadas no próprio músculo.

O melhoramento da valência física força, permite que a pessoa que se exercita complete um maior n° de repetições com uma determinada sobrecarga submáxima antes da fadiga muscular precoce.

Prescrição do treinamento. A prescrição para o treinamento de força inclui vários componentes que podemos destacar:

Volume de sobrecarga, intensidade de sobrecarga, freqüência de treino, nível e lastro fisiológico do indivíduo, razão estímulo/descanso, grupamento muscular solicitado para o trabalho, tempo livre disponível para o treino, metas e objetivos a alcançar pelo programa de treinamento, n° de exercícios, etc.

Os programas de musculação em circuito mostraram-se capazes de promover aumentos moderados na potência aeróbia (4% à 7%), assim como aprimoramentos significativos tanto na força quanto na resistência muscular.

Índice de progressão: Os exercícios de treinamento de força devem progredir na medida em que ocorre a adaptação neuromuscular do indivíduo, esta progressão deve ser gradual e ocorrer durante o período de várias semanas ou meses para o aluno iniciante. Inicialmente os exercícios com baixa intensidade são recomendados para minimizar a sensibilidade dolorosa muscular e o risco de lesão ortopédica. A percepção do estado de esforço ao dar início a um programa de treinamento de força deve ser “confortavelmente pesado” para que haja a quebra da homeostase orgânica. Mais tarde, quando ocorrerem às adaptações, a percepção do esforço pode progredir para pesado ou muito pesado.

A periodização é uma forma efetiva e adequada de variar o volume e a intensidade do treinamento de força com o tempo. Um típico programa de treinamento de força periodizado inclui fases distintas: a fase inicial de treinamento, que geralmente consiste de exercícios com movimentos básicos e simples com volume e intensidade baixas preparando todo o organismo do indivíduo para um exercício subseqüente de maior volume de treino. Depois desse período de adaptação, temos o período chamado de manutenção muscular, onde se pode diminuir um pouco o volume de treinamento e aumentar um pouco a intensidade do mesmo.

O próximo período de treino é onde chamamos de fase de incremento e construção muscular, onde já é enfatizado um aumento tanto do volume quanto da intensidade do treinamento. O último período ou fase de treino pode chamar de redução do treino objetivando assim uma diminuição tanto do volume quanto da intensidade do treinamento, evitando-se assim lesões mioarticulares no indivíduo.

Após esta última fase, o ciclo de periodização pode recomeçar, sem nenhum problema. Em qualquer dos objetivos almejados devem ser coerentes com as necessidades do indivíduo, adequadas as suas condições e plausíveis de serem alcançadas no período de tempo estipulado. Dentre os efeitos do treinamento de força, podemos citar:

Sobre o sistema cardiovascular: Bradicardia de repouso. Bradicardia em esforços submáximos. Aumento do volume sistólico e de ejeção. Aumento do volume ventricular esquerdo.

Aumento da espessura da parede ventricular. (efeito compensatório do miocárdio ao aumento da pressão arterial oriundo da constrição provocada pelas contrações musculares). Maior eficiência do conjunto de O2 pelo miocárdio.

Sobre as doenças cardiovasculares e coronarianas: Menor índice de doenças vasculares coronarianas em indivíduos treinados anaerobiamente.

Redução de fatores de risco de doenças arteriais coronarianas vasculares. Efeitos favoráveis na hipertensão arterial, dislipidemias, hiperlipidemias, hipercolesterolemias, hipertrigliceridemias, entre outros fatores de risco além do perfil fisiológico e aptidão física de indivíduos cardiopatas.

Nenhuma arritmia ou problema cardiovascular na aplicação do treinamento com pesos em cardiopatas na forma circuitada.

Sobre a Pressão Arterial: A elevação da pressão arterial depende da intensidade, volume (duração), e quantidade da massa muscular envolvida na contração muscular.

Aumentos da pressão arterial com trabalhos isométricos. Redução da pressão arterial com trabalhos isotônicos. O aumento da pressão arterial pode estar relacionado ao aumento da massa muscular devido ao uso de esteróides anabólicos androgênicos e do estado de sobretreinamento (overtraning).

Sobre o peso e a composição corporal: Aumento da massa corporal magra. Redução da leitura das dobras cutâneas. Redução da gordura corporal total. Redução do peso corporal total. Aumento da densidade óssea. Sobre níveis hormonais: Aumento da liberação e produção da testosterona humana naturalmente pelo organismo.

Aumento da liberação e produção do Hormônio do crescimento humano. Melhora da utilização dos hormônios contra-reguladores (catecolaminas) no organismo. Melhora da utilização dos hormônios insulina e glucagon pelo organismo. Sobre a aptidão física e condicionamento físico: Aumento da força muscular. Aumento da resistência muscular. Aumento da capacidade aeróbia. Aumento da capacidade anaeróbia. Aumento da flexibilidade. Aumento da resposta ao estímulo da contratilidade muscular. Maior capacidade de tolerância à acidose metabólica. Melhora da coordenação neuromuscular e motora.

Outros efeitos positivos: Redução dos níveis de LDL e VLDL. Aumento dos níveis de HDL. Hipertrofia seletiva de fibras musculares, oriundas de diferentes tipos de indução de acordo com o volume e a intensidade dos estímulos.

Alterações fisiológicas favoráveis aos sistemas energéticos ATP-PC e glicolítico. A prática docente do treinamento de força com pesos externos (musculação), é caracterizada pelo estilo de ensino de programação individualizada, onde se desenvolve um trabalho individual e totalmente personalizado, prevendo diferenças individuais nos 3 domínios (cognitivo, afetivo e psicomotor), havendo relativa independência, por parte de cada cliente/indivíduo, pois ele irá trabalhar e efetuar todo o seu sistema de treinamento dentro do seu próprio ritmo de condicionamento físico, desenvolvendo a iniciativa e a responsabilidade. Os elementos didáticos ficam assim caracterizados:

(Parte 1 de 4)

Comentários