TIG no Aluminio

TIG no Aluminio

(Parte 1 de 7)

w.infosolda.com.br/nucleo/downloads/ec.pdf1

Aplicabilidade do Processo MIG em

Eduardo Clodomiro Lopes lopeseduardo@ig.com.br
Gilberto Aparecido Gomesledeburita@yahoo.com.br
Renato Beserra da Silva renatobds@octane.com.br
Vanderlei R. de Oliveira vrolivei@tupy.com.br

estruturas de alumínio Orientador: Profº Luiz Gimenes Jr. gimenes@infosolda.com.br

1 – INTRODUÇÃO

Constatando a dificuldade encontrada e a carência técnica no Brasil, nós estamos direcionando esforços para a criação de um material que atendesse as necessidades, e que fosse acessível a todos que necessitassem de informações sobre soldagem estrutural por alumínio no processo MIG.

2 - CLASSIFICAÇÃO DAS LIGAS DE ALUMÍNIO

Em virtude das várias ligas de alumínio existentes e suas têmperas a “Aluminium Association” (A), criou uma classificação que até hoje é seguida por quase todo mundo. No Brasil a norma de classificação do alumínio é a “NBR 6834” que é compatível com a publicada pela

“Aluminium Association”. As ligas de alumínio são dividas em dois grandes grupos:

· Ligas Fundidas e • Ligas Trabalháveis.

3 - LIGAS TRABALHÁVEIS

Ligas trabalháveis são aquelas em que a forma final do produto é obtido pela transformação de um semimanufaturado

(lâmina, chapa, folha, perfil, vergalhão, forjado) obtido também pela transformação mecânica a frio ou a quente de um tarugo ou placa produzida pela solidificação do metal líquido. Para identificar as ligas de alumínio trabalháveis usa-se um sistema de números de quatro dígitos. O primeiro indica o grupo de liga de acordo com o elemento químico que aparece com maior teor na composição da liga, como segue: Tabela 1- Designação das ligas trabalháveis por grupos

(NBR 6834) PRINCIPAL ELEMENTO QUIMICO

1XXX Al não ligado com mínimo de 9% de pureza 2XXX Cobre

3XXX Manganês 4XXX Silício

5XXX Magnésio 6XXX Magnésio e Silício

7XXX Zinco

Os dois últimos dígitos identificam a liga de alumínio ou indicam a pureza do alumínio. Os dois últimos dígitos indicam modificações na liga original ou limites de impurezas. Ex: 1070: alumínio não ligado com 9,70% de pureza. O segundo dígito indica modificações nos limites de impureza, ou seja, houve um controle especial de um ou mais elementos presentes como impurezas.

Ex: 1350: alumínio com 9,50% de pureza, mas com controle de 3 elementos dados como

w.infosolda.com.br/nucleo/downloads/ec.pdf2

8XXX Outros elementos 9XXX Série não utilizada impurezas. Nos demais grupos de ligas (2XXX até 8XXX), os dois últimos dígitos são arbitrários, servindo apenas para identificar as diferentes ligas do grupo.

Os dígitos seguintes identificam a liga ou a pureza do alumínio. O último dígito que está separado dos outros por um ponto indica que o produto está em forma de peças ou lingote.

3.1 Trabalháveis não-tratadas termicamente

São ligas que o aumento das propriedades mecânicas só podem ser conseguidos por deformação a frio, porém, as propriedades assim conseguidas são reduzidas pelo aquecimento acima de determinadas temperaturas, por exemplo na soldagem, assim sendo elas só podem ser restauradas por trabalho a frio adicionas.

As ligas trabalháveis não-tratáveis termicamente são produzidas em várias têmperas , de acordo com o grau de encruamento e, são da série 1XXX, 3XXX, 4XXX e 5XXX.

3.2 Ligas trabalháveis tratáveis termicamente

São aquelas que reagem ao tratamento térmico e, conseguem um aumento de resistência mecânica. O calor durante a soldagem reduz as propriedades mecânicas destas ligas, porém as ligas podem ser retratadas após a soldagem.

A solubilização e o envelhecimento são os tratamentos térmicos que aumentam a resistência mecânica.

3.3 Têmpera

O termo têmpera nas ligas de alumínio designa o estado que o material adquire pela ação do trabalho a frio ou a quente, ou por tratamentos térmicos ou pela combinação de ambos. O sistema de nomenclatura de têmpera se baseia em letras, como segue:

3.4 Nomenclatura Básica

· “F” (como fabricado)

Aplica-se aos produtos em que não se exerce nenhum controle sobre as condições térmicas ou níveis de encruamento. Não especificam limites para as propriedades mecânicas.

• “O” (recozido)

Aplica-se aos produtos acabados, no estado em que apresentam o menor valor de resistência mecânica.

• “H” (encruado)

Aplica-se as ligas não tratáveis termicamente, em que o aumento da resistência mecânica é conseguido por deformação plástica a frio e que podem ser submetidas a um processo de recozimento para produzir um amolecimento parcial ou a um processo de estabilização.

• “W” (solubilizado)

Aplica-se somente em algumas ligas, as quais envelhecem naturalmente em

w.infosolda.com.br/nucleo/downloads/ec.pdf3

temperatura ambiente após solubilização.

· “T” (tratado termicamente)

Aplica-se nas ligas tratáveis termicamente, produzindo propriedades mecânicas estáveis diferentes de F, O e H, com ou sem encruamento complementar.

• “H1” (apenas encruada)

As propriedades mecânicas do material são obtidas exclusivamente por trabalho a frio.

• “H2” (encruada e recozida parcialmente)

As propriedades mecânicas são aumentadas mais do que o nível desejado e depois são diminuídas por recozimento parcial.

• “H3” (encruada e estabilizada)

Aplica-se somente aquelas ligas que amolecem com o passar do tempo após terem sido deformadas plasticamente a frio. Esse amolecimento pode ser acelerado e estabilizado com tratamento térmico após encruamento.

• Grau de deformação

O segundo dígito que se segue à designação H1, H2 e H3, indica o grau de encruamento, ou seja, a quantidade de deformação aplicada ao material.

3.5 Classificação das Têmperas T

• T1Resfriado após processo de

fabricação a uma temperatura elevada e envelhecida naturalmente até uma condição estável.

(Parte 1 de 7)

Comentários