Psicologia da Saúde: Modelo de Projeto de Intervenção

Psicologia da Saúde: Modelo de Projeto de Intervenção

Lages 2008

2 LENIR BERNARDINO RODRIGUES,

Projeto de intervenção apresentado na disciplina de Estágio Básico Supervisionado em Psicologia da Saúde, no 5º Semestre do Curso de Psicologia da Universidade do Planalto Catarinense. Professora: Priscila Schneider

Lages 2008

3 SUMÁRIO

1.INTRODUÇÃO04
1.1 Problemática04
1.2 Justificativa05
2. OBJETIVO06
2.1 Objetivo Gerais06
3.MÉTODO07

REFERÊNCIA ......................................................................................................................08

4 1.INTRODUÇÃO

e para busca de remédios

Neste projeto de intervenção, procedemos a um levantamento de alguns parâmetros que envolvam a Saúde de usuários da Unidade Básica do bairro São Miguel, onde com observações realizadas junto a pessoas da comunidade foram constatados números significativos de idosos com Diabetes e/ou Hipertensão. Foi observado que no local os pacientes encontram-se uma vez ao mês para realizar cadastramento no programa HIPERDIA

De acordo com O Portal Lageano (Publicado em 24/01/2008) Lages tem 12.853 pessoas cadastradas, os números representam à soma de 340 diabéticos; 3.504 diabéticos com hipertensão e 9.009 hipertensos os números sobem para 16.348 pessoas porque, geralmente, são atendidas duas ou mais patologias clínicas por paciente.

1.1 Problemática

Com esse número expressivo de pacientes com diabetes e hipertensão a Psicologia poderá trabalhar a com Terapia de Grupo para resgatar auto-estima e apoiar os pacientes, esclarecendo dúvidas sobre a patologia, promovendo grupos de encontros de pessoas, garantindo a essas pessoas um mínimo de dignidade. A Terapia reforçará segundo Cabral & Nick(1979) uma participação de pessoas da comunidade cuja finalidade é cuidar e aliviar um estado desgastado com a doença, para que se traga de volta o bom funcionamento normal do organismo com um bom restabelecimento psicológico.

Segundo os autores existem várias correntes que apreciam a Terapia de Grupo e pondera mais eficaz que a individual, e proporciona ao terapêuta a oportunidade de atender mais pessoas e recompensa economicamente, ao paciente despensa menor e maior oportunidade de solucionar problemas interpessoais e sociais:

Várias correntes consideram a terapia de grupo mais eficiente do que a psicoterapia, uma vez que associam às técnicas analíticas tradicionais a possibilidades de avaliações sociométricas, como os fenômenos de simpatia, distanciamento social, homogeneidade, estereotipia, diferenças de representação de papel (protagonista ou coadjuvante) social, conceitos de atividade coletiva e entreajuda, formas de comunicação etc., (CABRAL & NICK, 1979, p. 162).

5 A Terapia Grupal é recomendada para amparar a Terapia Individual. Segundo

Solomon & Patch (1975) a Terapia de Grupo proporciona a cada participante dar e receber auxílio, pois respostas e interpretações de relatos são oferecidas por um paciente para outro, e nessa troca harmoniosa o paciente também se torna terapeuta.

1.2 Justificativa

Segundo Solomon & Patch (1975, p.445) “A terapia de grupo tem sido conduzidos por psiquiatrias, psicólogos e assistentes sociais". Assim o Psicólogo inserido no PSF poderá contribuir para uma busca de identidade pessoal e grupal desse grupo de Diabéticos e/ou Hipertensos, em especial as pessoas que freqüentam a Unidade Básica, respondendo às exigências de uma forma verdadeira e justa da comunidade, não somente com os pacientes, mas sim com toda a comunidade com esclarecimentos e informações para a família do doente.

2. OBJETIVO

- Estimular expressões espontâneas de sentimentos por parte dos pacientes da UBS1, num ambiente de aceitação tolerante da patologia.

2.1 Objetivos Gerais: - Conscientizar os pacientes sobre os danos causados pela doença para a saúde;

- Esclarecer principais cuidados a serem tomados quando diagnosticada a patologia;

- Conscientizar sobre a importância de a reeducação alimentar adequada para promoção da saúde, no controle da doença,

- Apoiar os pacientes na aceitação da doença, e reforçar a administração do tratamento medicamentoso para melhorar a condição de saúde dos pacientes.

1 UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE.

3.MÉTODO

Para atingir os objetivos do corpus desse projeto de intervenção, será proporcionado aos pacientes da Unidade de Saúde do bairro São Miguel, palestras educativas junto às famílias dos pacientes, será disponibilizada Terapia Grupal, com abordagem evocativa, pois para Solomon & Patch (1975, p.449) na “Terapia evocativa de grupo o dirigente favorece a interação entre pacientes e a prefere à comunicação paciente-terapeuta e (terapeuta-paciente)”.

Os encontros aconteceram semanalmente com grupos de pacientes cadastrados na

Unidade Básica do Bairro São Miguel, será utilizado o salão de festas do Centro Comunitário do bairro para os encontros grupais, não ultrapassara á 90 min.

As palestras junto às famílias e/ou usuários não irão ultrapassar 45 min, e será realizado no mesmo local, acontecerá mensalmente com temas definidos à priori por pacientes, para ser esclarecido a posteriori com palestras educativas.

CABRAL, Álvaro - Dicionário Técnico de Psicologia. Álvaro Cabral e Eva Nick, Editora Cultrix, São Paulo, 1979.

PORTAL LAGEANO. Sistema Hiperdia tem novos números - Categoria: Saúde. Publicada em 24/01/2008, Fonte: Comunicação - Prefeitura de Lages. Disponível em : http://www.portallageano.com.br/noticiasver.php?id=3691, acesso dia 19 de junho de 2008 as 21h45min min.

SOLOMON, Philip,1907-Manual de Psiquiatria, por Philip Solomon e Vernon D. Patch, São Paulo, Atheneu, Ed. Da Universidade de São Paulo ,1975.

Comentários