Natação - ensine a nadar

Natação - ensine a nadar

(Parte 2 de 5)

Dentro desta definição, encontramos todas as respostas que identificam a necessidade de colocarmos muito amor no nosso trabalho, tratando-se de seres humanos iguais a nós.

Ao ensinarmos a nadar, devemos pensar em todos os aspectos que cercam os momentos dos nossos alunos, é através deles que vamos identificar as respostas para os "porquês" durante as mesmas.

Agora passaremos a fase do ensino propriamente dito, seus caminhos já foram conhecidos, só nos resta caminhar.

1 - O primeiro passo é o de se apresentar, conhecer os alunos, saber se já viram ou tomaram banho de rio, mar e piscina: 2 - Tente conhecer parcialmente as pessoas do grupo, suas aspirações e de onde vieram; 3- O terceiro ponto, é mostrar as dependências do local do curso, vestiários, duchas, piscina, local das atividades extras e materiais: 4 - Outro ponto, é colocar para todos a normativa perante o uso da piscina e do curso (Distribuir datilografado); 5 - Se possível, não inicie com aulas práticas especificas, converse bastante, demonstre interesse por todos; 6 - Não escolha premeditadamente determinados alunos do grupo; 7 - Procure ser agradável, naturalmente a primeira impressão é a mais importante; 8 - Seu trajar também é importante, os alunos sempre vêem no professor o seu espelho; 9 - Seja pontual mesmo nos dias em que não for dar aulas (práticas).

Após ter observado os itens acima, você vai entrar na aula propriamente dita:

1 AVILA, Fernando Bastos de. Pequena enciclopédia de moral civismo. Rio de Janeiro. MEC/FENAME, 1978. p. 21.

Para iniciarmos uma aula de "como ensinar a nadar" é importante observar os trajes dos alunos, verificando se estão dentro das normas do curso.

A chamada pode ser feita antes ou depois da aula, os retardatários devem ser orientados quanto ao horário.

Diversas são as maneiras de dividir um plano de aula, mais o importante é que você dê a sua aula de modo que a turma e progrida dentro das suas metas.

As formações rígidas (em coluna, fileiras), podem bitolar os alunos, procure deixá-los à vontade, mas dentro do seu domínio.

Apresentando sugestões, procure iniciar as aulas com exercícios de flexibilidade, jogos, exercícios educativos.

Mais adiante, vamos lhe mostrar alguns planos de auIas, aplicando algumas sugestões.

Estando preparado para iniciar a aula, vamos ver as fases do ensino de nadar:

1-0 primeiro passo, é tirar o medo dos alunos em relação a água. Só conseguiremos isto, realizando uma familiarização com o meio líquido através de atividades alegres, vivificantes e relaxantes.

Exemplifiquemos:

a) Verificar a temperatura da água com os pés e mãos: b) Aproximar-se da borda da piscina lentamente, procurando conhecê-la; c) Sentar na borda da piscina e molhar os pés;

d) Sentar na borda da piscina e jogar água noseu próprio corpo;

e) Sentar na borda da piscina, jogar água no seu companheiro; f) Sentar na borda da piscina, jogar água na sua cabeça; g) Sentar na borda da piscina, jogar água no peito do companheiro; h) Sentar na borda da piscina e bater os pés lentamente; i) Sentar na borda da piscina e bater os pés rapidamente; j) Sentar na borda da piscina e com bastante agilidade de mãos e pés, tentar molhar o companheiro; k) Pegar água com as mãos em forma de concha e tentar molhar os companheiros;

1) Sentar na borda da piscina, pegar água com as mãos, encher a boca e tentar molhar o companheiro; m) Sentar na borda da piscina e repetir algumas das atividades (as que foram mais aceitas).

Após ter conseguido que a maioria não tenha mais receio de brincar com a água fora da piscina, você irá colocá-los n'água.

Faça com que cada um desça as escadas lentamente até conseguir tocar no fundo da piscina, caso ela seja rasa ou de iniciação, se for de maior profundidade, coloque flutuadores em todos, caso necessário.

Se forem crianças que não possam tomar pé, segure-os com leveza e segurança.

Vejamos numa piscina de iniciação, onde todos possam ficar de pé com o tronco fora d'água:

- Realizar passeios exploratórios pela piscina em pequenos grupos; - Realizar passeios pela piscina, procurando encontrar objetos deixados pelo professor no fundo da mesma; - Faça jogos de correr em duplas, ao longo da piscina;

- Realize algumas estafetas (jogos de ir e pegar objetos, trazendoos de volta ao lugar determinado);

- Mande andar e correr de costas, realizando meia volta para os dois lados;

- Jogos com bolas (mini-volei, water-pólo simples, minibasquetebol).

Durante este trabalho, procure observar os alunos mais tensos, os mais inibidos, os que não fazem quase nada e os mais afoitos.

O tempo e o número de aulas destinado a esta fase devem ser em função dos alunos, aceitação e progresso.

Em todas as aulas seguintes, procure iniciar com algumas destas atividades para maior e melhor familiarização com o meio líquido.

Agora entre em uma piscina funda, onde nenhum dos alu nos possa alcançar os pés:

- Coloque flutuadores em todos e mande-os brincar um pouco na borda;

- Realize pequenos passeios pela piscina com um ou dois alunos, os outros permanecem na borda;

- Utilize as raias ou estique uma corda sobre a piscina, oriente para que todos locomovam-se de um lado para outro da mesma, sempre em segurança;

- Procure formar círculos, quadrados, retângulos e ou trás formações;

- Oriente a todos para que tentem flutuar na horizontal, de lado (direito e esquerdo);

- Pergunte quem é capaz de ir até o outro lado da piscina (a tarefa chave na motivação é "quem é capaz"), ela realiza milagres, tente;

- Procure jogar bola em duplas, elogiando os progressos dos alunos;

- Tente jogar bola com os alunos, dando maior atenção aos menos capacitados:

- Diga para que tentem transportar a bola segurando com as mãos, de um lado ao outro da piscina:

- Pergunte quem é capaz de transportar a bola, sem colocar as duas mãos dentro d'água.

Agora vejamos o que fazer com bebês com idade acima de 2 (dois) anos:

- Você deve verificar se a água é adequada aos nenéns, em termos de higiene e temperatura;

- Chegue junto das crianças com muita naturalidade, procurando dar segurança;

- Sorria naturalmente e procure segurá-la com leveza (espontaneamente);

- Nunca tente forçá-la a ir para a água, sempre encontre motivo para trazê-la;

- Converse com as mães um pouco mais afastadas da piscina se notar que estão prejudicando o seu trabalho;

- Locomova-se com ele lentamente, mas sempre brincando ou conversando;

- Algumas das atividades dadas anteriormente, podem ser adaptadas para bebês;

O importante é fazê-los sentir-se queridos e desejados, pois a água já foi seu habitat, o que faz com que as crianças tenham medo da água, é o sabão nos olhos durante o banho ou tomar água de sabão.

- Nunca jogue água bruscamente no seu rosto, sempre faça ações lentas;

(Parte 2 de 5)

Comentários