ERGONOMIA - Aula 01 Apresentação geral. Exercício de análise de objetos.

Ergonomia é o conjunto de estudos que visa a organização metódica do trabalho em função do fim proposto e das relações entre o homem e a máquina.

A palavra Ergonomia em grego significa: ERGO=Trabalho e NOMOS= Regras ou Leis naturais. Em 1949, nasce uma nova tecnologia de aplicação, quando a formação da primeira sociedade de ergonomia define:

Ergonomia é o conjunto de conhecimentos científicos relativos ao homem e necessários para os engenheiros conceberem ferramentas, máquinas e conjuntos de trabalho que possam ser utilizados com o máximo conforto, segurança e eficiência.

Em 2000, a International Ergonomics Association - IEA define como a disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema e também, é a profissão que aplica teoria, princípios, dados e métodos para projetar a fim de otimizar o bem-estar humano (levando em conta aspectos físicos e psicológicos) e o desempenho geral de um sistema. Os ergonomistas contribuem para o projeto e avaliação de tarefas, trabalhos, produtos, ambientes e sistemas para torná-los compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações do homem.

A Ergonomia, como ciência interdisciplinar, emprega intuição e bom senso, métodos científicos, além de técnicas empíricas, baseadas no método do ensaio e erro, buscando reduzir os problemas da relação homem-máquina mediante a adequação do aparelho ao operador.

A ergonomia compreende não apenas a construção de máquinas e sua adequação ao operador, mas também o aprimoramento do ambiente de trabalho, que influi decisivamente na produtividade; qualificação do usuário e seu treinamento, pois cada sistema homem-máquina tem características próprias.

A Ergonomia nasceu informalmente com o homem primitivo quando este teve que começar a criar seus próprios objetos para sua sobrevivência disponibilizando apenas de sua intuição criativa e bom senso.

A Idade Média foi um marco na criação e evolução de vários avanços técnicos, novas tecnologias, novos materiais e da pré-industrialização, surgindo os primeiros conceitos de produção em série.

Oficialmente, nasceu na 2ª Guerra Mundial. Um grupo de pessoas se uniu para solucionar problemas da relação homem-máquina, em relação ao projeto e à operação e manutenção dos equipamentos militares. Ficou evidente as incompatibilidades entre o progresso humano e técnico. Os aparelhos não se adaptavam às características humanas.

• 1ª Revolução Industrial (século XIX) - Máquina a Vapor (1774) • Princípios da Administração Científica (1900) - Frederick Taylor

• Cronoanálise (início do século X) - Princípios de Tempos e Métodos

• 2ª Revolução Industrial (1911) Henry Ford - linha de montagem, ritmo de trabalho ditado pela máquina, trabalhador em posição fixa e produção em série. • Conceito de Ergonomia (1948) - Projeto da Cápsula espacial

• 1949, Oxford, Inglaterra - Ergonomics Research Society

A ergonomia no Brasil começou a ser evocada na USP, nos anos 60 pelo Prof. Sergio Penna Khel, engenheiro de produção, que encorajou Itiro Lida a desenvolver a primeira tese brasileira em Ergonomia, a Ergonomia do Manejo. Também na USP, Ribeirão Preto, Paul Stephaneek introduzia o tema na Psicologia. Nesta época, no Rio de Janeiro, o Prof. Alberto Mibielli de Carvalho apresentava Ergonomia aos estudantes de Medicina das duas faculdades mais importantes do Rio, a Nacional (UFRJ) e a Ciências Médicas (UEG, depois UERJ); O Prof. Franco Seminério falava desta disciplina, aos estudantes de Psicologia da UFRJ. O maior impulso se deu na COPPE, no início dos anos 70, com a vinda do Prof. Itiro Lida para o Programa de Engenharia de Produção, com escala na ESDI/RJ. Além dos cursos de mestrado e graduação, Itiro organizou com Collin Palmer um curso que deu origem ao primeiro livro editado em português.

Organização do trabalho, medicina, fi siologia, psicologia do trabalho e cognitiva, percepcão visual, sociologia, antropologia, antropometria, teoria da informação, engenharias (produção, industrial, segurança, sistemas), arquitetura e urbanismo, design de produto, design gráfi co, design de ambientes, comunicação social, entre outras.

Tecnologias: informacional, cibernética, telemática, robótica. Normas nacionais e internacionais: ABNT, ISO, SAE, DIN etc.

Disciplinas formadoras

Filosofi a (cognição) Medicina Fisico-química Fisiologia do Trabalho Engenharia do Produto Organização

Autores

Platão, Aristoteles Ramazzini, Villermé, Tissot Lavoisier, Coulomb Amar, Chaveau, Marey Da Vinci, Vauban, Jacquart Taylor , Gilbreth, Ford

Principais disciplinas formadoras do pensamento ergonômico clássico

• Trabalho fisicamente pesado. • Trabalho em altas temperaturas

• Biomecânica: esforços, uso da coluna, posturas, uso de membros superiores, cadeiras e organização ergonômica dos postos de trabalho. • Método e organização do trabalho.

• Melhoria e confiabilidade humana.

• Prevenção da fadiga.

• Melhoria na organização do trabalho • Preparação para o trabalho - exercícios

• Orientação e cobrança de atitudes corretas

• Seleção mínima e pausas de recuperação

• Eliminação de movimentos / posturas críticas

ERGONOMIA FÍSICA | está relacionada com as características da anatomia humana, antropometria, fisiologia e biomecânica em sua relação a atividade física. Os tópicos relevantes incluem o estudo da postura no trabalho, manuseio de materiais, movimentos repetitivos, distúrbios músculo-esqueletais relacionados ao trabalho, projeto de posto de trabalho, segurança e saúde.

ERGONOMIA COGNITIVA | refere-se aos processos mentais, tais como percepção, memória, raciocínio e resposta motora conforme afetem as interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema. Os tópicos relevantes incluem o estudo da carga mental de trabalho, tomada de decisão, desempenho especializado, interação homem computador, stress e treinamento conforme esses se relacionem a projetos envolvendo seres humanos e sistemas.

ERGONOMIA ORGANIZACIONAL | concerne à otimização dos sistemas sóciotécnicos, incluindo suas estruturas organizacionais, políticas e de processos. Os tópicos relevantes incluem comunicações, gerenciamento de recursos de tripulações (CRM - domínio aeronáutico), projeto de trabalho, organização temporal do trabalho,

Posto de TrabalhoSituação de TrabalhoContexto da atividade

Realidade Antropotecnológica Tecido Industrial, Geografia Humana, História, Cultura

É a ferramenta com a qual se pode contar para a melhoria do padrão de qualidade dos objetos em geral. Nele, as qualidades desejadas são planejadas, concebidas, especificadas e determinadas para o objeto, amarradas à sua natureza tecnológica e aos demais processos que fazem parte da sua produção.

1ª ETAPA Tripé para o desenvolvimento de projetos: FUNÇÃO • ESTRUTURA • FORMA Devemos pensar na adequação e coerência das soluções dadas a partir desses 3 pontos básicos.

2ª ETAPA ELABORAÇÃO • CONFECÇÃO • FABRICAÇÃO Depende de recursos humanos, técnicos, tecnológicos, métodos adequados e suficientes para o alcance da qualidade final.

Avisos e advertências em embalagens; sistemas de sinalização; manuais de instrução; elementos de linguagem verbal e icônica; destaque de informação; uso de cor; ilustração estática; passo a passo de procedimentos operacionais. Ressaltam-se as questões de iluminação, legibilidade e decodificação, com ênfase para a lógica de utilização, em vez da lógica de funcionamento.

Uso do espaço interior ou urbano, com base nos conceitos de territorialidade, espaço público e privado e interação entre os indivíduos com o espaço; as barreiras arquitetônicas; os marcadores espaciais e os mapas cognitivos; a navegação e circulação no espaço.

Devemos refletir sobre uma cultura de sensibilização e de assimilação à filosofia ergonômica na metodologia do design.

Bibliografia Básica GOMES FILHO, João. “Ergonomia do Objeto”, Editora Escrituras, São Paulo, 2004. LIDA, Itiro. , “Ergonomia - Projeto e Produção” , Ed. Edgard Blücher LTDA RIO,Rodrigo Pires, PIRES, Licínia. , “Ergonomia - Fundamentos da Prática Ergonômica” , Ed:Health DUL, Jan. , “Ergonomia Prática” , Ed. Edgard Blücher LTDA. MORALES, Anamaria de Mont’Alvão. , “Ergonomia: conceitos e aplicações”, 2AB Editora, Série Design

UNIP 2006 - 7º módulo - Ergonomia Professora Haydée Martins haydee.hay@gmail.com

Comentários