Plantas arbustiva

  • Tronco lenhoso ramificado desde a base.

  • Altura de 1 a 4 m.

  • Podem ser utilizados isolados, formando cercas-vivas ou maciços.

  • Algumas espécies são adequadas à topiaria.

Técnica de podas de arbustos

  • Realizada para aumentar a floração

  • Arejamento

  • Eliminação de ramos secos, doentes, fracos, encurvados.

  • Rejuvenescimento da planta

  • TIPOS DE PODA

        • Poda de Formação
        • Poda de Floração
        • Poda de limpeza
        • Poda de Correção
        • Poda de rejuvenescimento

PODA DE FORMAÇÃO

  • Diferente de topiaria

  • Pouco empregada em arbustos

  • Mais comumente para cercas vivas

      • Corta-se as pontas dos ramos mais baixos
  • Para formação de arvoretas

      • Poda-se todos os ramos laterais

PODA DE FLORAÇÃO

  • Cada espécie tem uma característica própria de florescimento

  • Ex: Hibiscus e roseiras: florescem apenas nos ramos no ano corrente

        • Realizar podas antes que apareçam novos brotos

PODA DE LIMPEZA

  • Podas leves e simples: ramos secos, doentes, praguejados

PODA DE CORREÇÃO

  • Poda para permitir trânsito de pessoas (por exemplo)

  • Sempre no inverno – muitos galhos

PODA DE REJUVENESCIMENTO

  • Finalidade: reformar a copa

  • Remover os caules mais velhos

  • No final do inverno – antes do início da brotação

  • Ou todos os anos remover alguns caules

PLANTIO

  • ADUBAÇÃO

      • Calcário dolomítico ou magnesiano – 600g
      • Fosfato natural ou farinha de osso – 900 g
      • Esterco de gado ou comp orgânico – 12 lit
          • Cobertura – 120 g de 4-14-8 + Zn após pegamento
          • 90 g de sulfato de amônio cada vez (em parcelas)
  • COVA 40 x 40 x 40 cm

CERCA VIVA

  • Mudas – valetas ou covas individuais (50 cm de dist.) – para plantios mais compactos

  • Dentro da valeta

        • Linha simples
        • Linha dupla
        • Zigue zague
    • 1a. Poda: retomada do crescimento da muda
      • Não ultrapassar 50% da altura da copa
    • Poda de manutenção – de baixo para cima

Topiaria

Euphorbia pulcherrima

Schefflera arboricola 'Variegata

Nome científico: Clerodendron speciosissimum Nome popular: Clerodendro Família: Verbenaceae Origem: Ásia, Java Porte: até 2 metros.

  • Flores: na cor vermelho bem intenso, durante quase o ano todo. Características: Arbusto semi-herbáceo e perene, próprio para a formação de canteiros em grupos, onde o apelo visual é maior. Deve ser cultivado a pleno-sol em local de clima quente úmido, preferencialmente. Não tolera geadas O solo deve ser bem drenado e ligeiramente arenoso, como o que ocorre no litoral. Pode ser regada uma vez por semana, já que suporta solo mais seco.  Propagação: a sua multiplicação é bem fácil, a partir de mudas que surgem junto a planta.

Nome científico: Rhapis excelsa Nome popular: Palmeira-rapis,  Família: Palmaceae. Origem:  China. Porte: até 5 metros de altura. Flores: Verão.

  • Características: Palmeira de folhagem ornamental e muito utilizada em vasos ou grupos à meia-sombra. Suas flores possuem importância secundária. Prefere clima ameno. Propagação: principalmente por divisão de touceira.

Família: Araceae. Origem: México. Porte: até 3 metros de altura.

  • Características: Arbusto semi-herbáceo e de meia-sombra, cultivado normalmente como espécie isolada junto a muros ou paredes para seu apoio. Prefere clima quente e úmido das regiões tropicais. Produz frutos  no verão.

  • Propagação: por estaquia na divisão do caule.

Nome científico: Gardenia jasminoides Nome popular: Gardênia, Jasmim do Cabo. Família: Rubiaceae Origem: China

  • Porte:  Até dois metros de altura. Flores: Primavera-verão, na cor branca (simples ou dobradas). Características: Arbusto semi-lenhoso de flores muito perfumadas. Pode ser cultivado em renques ou como planta isolada, à meia-sombra. Prefere clima ameno. Propagação: Por estacas.

Nome científico: Cycas revoluta Nome popular: Sagu, Cica Família: Cycadaceae Origem: Ásia

  • Porte: Até 3 metros de altura

Nome científico: Cycas circinalis Nome popular: Cica Família: Cycadaceae Origem: Filipinas, Madagascar e África tropical. Porte: Até 3  metros.

  • Características: Arbusto dióico, semi-lenhoso, muito semelhante à Cycas revoluta (acima), a diferença principal está nas folhas que são macias e suavemente curvadas nas extremidades, já  as da espécie revoluta são duras e pontiagudas. O crescimento também é muito lento e a planta tem uma vida muito longa.

Nome científico: Chrysalidocarpus lutescens Nome popular: Areca-bambú. Família: Palmaceae. Origem: África, Madagascar. Porte: até 8 metros de altura.

  • Flores: primavera.  Características: Palmeira entouceirada bem aclimatada no Brasil e cultivada em vasos, isoladamente ou em conjuntos a meia-sombra. Quando exposta a pleno-sol sua folhagem fica com as pontas amareladas. Prefere clima tropical. Propagação: por sementes.

Nome científico: Senna bicapsularis Nome popular: Aleluia, pau-de-cachimbo. Família: Caesalpinoideae. Origem: Brasil. Porte: Até 4  metros. Flores: Primavera-verão.

  • Características: Arbusto lenhoso de ramagem densa muito utilizado em renques, conjuntos ou formando cerca viva à pleno-sol, em várias regiões do país. Produz uma floração amarela muito intensa e ornamental, desenvolvendo vagens com mucilagem interna  muito apreciadas por pássaros. É bem tolerante a solos úmidos o que permite seu cultivo em margens de tanques, riachos, etc. Exige poucos tratos culturais.

  • Propagação: Por sementes colhidas após a floração.

Nome científico: Ixora coccinea Nome popular: Ixora, Ixora coral. Família: Rubiaceae Origem: Índia Porte: Até 2 metros de altura. Flores: Verão-Outono.

  • Porte: Até 2 metros de altura. Flores: Verão-Outono. Características: Arbusto lenhoso de pouca ramificação e florescimento intenso. Desenvolve-se à pleno sol ou meia-sombra e prefere clima quente e úmido. As flores são alaranjadas, amarelas ou rosas e atraem muitos pássaros e borboletas.Pode ser cultivada em grupos ou renques. Propagação: Por estaquia de galhos.

Família: Liliaceae;

  • Família: Liliaceae;

  • Origem: América do Norte e Central;

  • Porte: até 6 m de altura;

  • Características: Arbusto semi-lenhoso, com tronco que aparenta em sua base, uma semelhança com a pata do elefante, daí seu nome popular. A folhagem constitui em uma espécie de cabeleira pendente muito ornamental. Pode ser cultivada em vasos em sua fase jovem, à pleno sol. No jardim, adquire aspecto muito ornamental e escultórico quando organizada em grupos, em locais amplos. Podendo também ser cultivada de modo isolado com excelente resultado final, como na foto ao lado. Prefere clima quente e úmido mas apresenta tolerância ao clima ameno;

  • Propagação: Por sementes.

Família: Liliaceae;

  • Família: Liliaceae;

  • Origem: Índia, Polinésia e Malásia;

  • Porte: até 2,5 m de altura;

  • Flores: de importância secundária;

  • Características: Arbusto perene, semi-lenhoso e de folhagem muito exuberante, pertencente a um grupo com grande número de variedades de formas e cores diferentes. São folhas com margens e manchas em tonalidades róseas, verdes e cremes. Pode ser cultivado em grupos, renques ou em vasos, a pleno-sol ou meia-sombra. Prefere clima quente e úmido;

  • Propagação:    Por sementes ou  estacas.

Família: Verbenaceae

  • Família: Verbenaceae

  • Origem: Brasil, América do Sul, central e Norte.

  • Porte: 1 a 1,5 m de altura

  • Flores: produz pequenas flores de cor violeta ou brancas, formadas na primavera-verão. As flores não têm grande importância ornamental.

  • Características: Arbusto lenhoso de ramagem densa amarelo-esverdeada, que fica com cor mais exuberante se exposto à sol-pleno. Produz pequenos frutos amarelos no outono,  que atraem os pássaros. Utilizado em bordaduras e cercas vivas. Prefere clima quente e úmido mas é muito utilizado no sul do Brasil. Tipo de solo é o rico em matéria orgânica, ou seja, bem adubado. Suporta solos mais secos e regas semanais.

  • Propagação: Por estaquia de ponta de ramos.

Família: Euphorbiaceae

  • Família: Euphorbiaceae

  • Origem: Ásia - Índia e Polinésia.

  • Porte: de 2 a 3 m de altura.

  • Flores: Sem importância ornamental.

  • Características: Arbusto semi-lenhoso, de folhagem muito vistosa em diversos formatos e coloridos diferentes. Existem as variedades de folhas estreitas, largas, recortadas ou retorcidas em tons de vinho, amarelo, verde, creme, etc. A planta aceita meia-sombra mas é sob sol-pleno que sua folhagem tem a cor mais exuberante e forte. São plantas nativas em clima tropical e apresentam pouca resistência ao frio. Podem ser utilizadas em vasos, em conjuntos ou renques no jardim. Não aceitam bem as podas e não gostam de solos encharcados. São resistentes aos ventos fortes.

  • Propagação: Por estaquia ou alporquia.

Família: Musaceae

  • Família: Musaceae

  • Origem:China e Vietnã.

  • Porte: de 1,50 a 2 metros de altura.

  • Flores: primavera-verão.

  • Características: Arbusto semi-lenhoso e rizomatoso cultivado preferencialmente  em grupos à pleno-sol ou meia-sombra e em regiões de clima tropical, tipo quente e úmido. O solo deve ser rico em matéria orgânica e o local não deve ventar muito para que a folhagem não fique com má aparência, como folhas muito rasgadas, por exemplo.

  • Propagação: Por divisão da planta através de mudas laterais que brotam a partir dos rizomas e deixam a planta com aspecto entouceirado.

Família: Musaceae.

  • Família: Musaceae.

  • Origem: América do Sul, Peru.

  • Porte: de 2 a 3 m de altura.

  • Flores: Quase o ano todo

  • Características: Arbusto  rizomatoso cultivado como espécie isolada ou  em grupos à pleno-sol ou meia-sombra e em regiões de clima tropical, tipo quente e úmido. O solo deve ser rico em matéria orgânica e o local não deve ventar muito para que a folhagem não fique com má aparência, como folhas muito rasgadas, por exemplo. Não tolera baixas temperaturas.

  • Propagação: Por divisão de touceiras

Origem: Índia e Madagascar.

  • Origem: Índia e Madagascar.

  • Porte: 2 a 3 m de altura.

  • Características: Arbusto semi-lenhoso característico de clima quente e úmido tropical. Tolera meia-sombra ou sol-pleno e apresenta uma folhagem ornamental. Cultivado em vasos ou compondo maciços no jardim, o solos deve ser bem fértil e irrigado cerca de 2 a 3 vezes por semana, dependendo do clima.

  • Propagação: Por meio de estacas de ponta de ramos.

Nativa do Brasil. Geralmente essa espécie é empregada na forma topiada. Floresce praticamente durante o ano todo, são mesófitas (crescem em terreno entre muito seco e muito úmido), de pleno-sol e utilizadas formando renques ou grupos.  A buganvile, por ser um arbusto lenhoso escandente, é muito utilizada cobrindo e colorindo arcos em entradas de jardins.

  • Nativa do Brasil. Geralmente essa espécie é empregada na forma topiada. Floresce praticamente durante o ano todo, são mesófitas (crescem em terreno entre muito seco e muito úmido), de pleno-sol e utilizadas formando renques ou grupos.  A buganvile, por ser um arbusto lenhoso escandente, é muito utilizada cobrindo e colorindo arcos em entradas de jardins.

Comentários