Parasitologia Aplicada ao Diagnóstico Laboratorial

Parasitologia Aplicada ao Diagnóstico Laboratorial

- Módulo III - Parasitologia Aplicada ao Diagnóstico Laboratorial

  • Juliana Fleck

Programação:

  • 1º Encontro: 20/05/08

  • - Estudo dos principais parasitas de importância clínica na rotina laboratorial

  • 2º Encontro: 27/05/08

  • - Estudo dos parasitas emergentes

  • 3º Encontro: 30/05/08

  • - Análise laboratorial

  • Aulas práticas: a serem agendadas

Objetivos

  • Estudar a patogenia, diagnóstico laboratorial, epidemiologia dos principais helmintos e protozoários que parasitam o homem;

  • Executar e interpretar os métodos de diagnóstico laboratorial das doenças parasitárias mais freqüentes.

Parasitologia

  • - Unidade 1 -

Parasitologia

  • Parasitismo: Associação entre seres vivos , onde existe unilateralidade de benefícios, sendo um dos associados prejudicados pela associação

  • Hospedeiro definitivo: é o hospedeiro final, que demonstra haver nele pleno desenvolvimento do parasita em condições ideais – geralmente há a reprodução assexuada do parasita

  • Hospedeiro intermediário: é o hospedeiro transitório, onde o parasita se desenvolve parcialmente.

Epidemiologia das Parasitoses

  • As doenças não se distribuem ao acaso na população, existem fatores de risco que determinam esta distribuição.

  • Ex: Malária – ocorre na região Norte, entre pescadores, caçadores, operários de estradas, cujo fator de risco está relacionado a facilidade do contato do indivíduo suscetível ao Anofelino e a suscetibilidade de alguns indivíduos

Medidas Preventivas

  • Medida que procuram impedir que o indivíduo adoeça, controlando os fatores de risco.

  • Ex: moradia adequada, saneamento, educação, alimentação, imunização, proteção contra acidentes, controle de vetores

  • Medidas aplicáveis aos indivíduos que se encontram sob a ação do agente patogênico, impedindo que a doença se desenvolva para estágios mais graves.

  • Ex: diagnóstico e tratamento precoce

  • medidas destinadas à reabilitação, aplicadas na fase em que esteja ocorrendo ou que já tenha ocorrido a doença.

  • Ex: reabilitação, fisioterapia, cirurgias de reparo, colocação de próteses, etc

Doenças Parasitárias

  • A preocupação com as parasitoses advém das conseqüências que provocam no homem, como má-absorção, diarréia, anemia, menor capacidade de trabalho, causando nas crianças, principalmente nas pertencentes às classes sociais menos favorecidas, baixo rendimento escolar e déficit no crescimento, constituindo assim um importante problema de saúde pública que está intimamente relacionado ao subdesenvolvimento, à falta de saneamento ambiental, à falta de educação e à desinformação sanitária.

Distribuição Mundial das Parasitoses

Parasitoses no Brasil

  • No Brasil, observam-se, em alguns bolsões de pobreza, taxas de infecção em torno dos 30%;

  • Queda na prevalência das enteroparasitoses em relação ao início dos anos 90;

  • De forma paralela à redução da infestação por parasitas clássicos, assiste-se à emergência de parasitoses consideradas raras.

Informações ambientais de protozoários patogênicos relacionados com excreções fecais

Sobrevivência de helmintos ao ambiente externo

Unidade II

  • PROTOZOÁRIOS

PROTOZOÁRIOS

AMEBÍASE

GIARDÍASE

TRICOMONÍASE

Unidade 3

  • Helmintologia

HELMINTOLOGIA

A patogenicidade dos helmintos se deve:

  • Migração de larvas através dos tecidos até o intestino;

  • Perfuração da parede intestinal;

  • Atividade hematófaga do verme;

  • Reação alérgica a substâncias secretadas pelo parasita;

  • Resposta imune não específica do hospedeiro a secreções, excreções e material da degeneração do parasita - eosinofilia

ASCARIDÍASE

ANCILOSTOMÍASE

ENTEROBÍASE OU OXIURÍSE

TRICOCEFALÍASE OU TRICURÍASE

ESTRONGILOIDÍASE

Unidade 3

  • Platelmintos

Teníase e Cisticercose

Himenolepíase

ESQUISTOSSOMOSE

Comentários