Cobertura da rede de esgoto de alta floresta-mt

Cobertura da rede de esgoto de alta floresta-mt

(Parte 1 de 2)

ALTA FLORESTA – MT NOVEMBRO DE 2007

Pesquisa apresentando à Prof.ª Patrícia como requisito parcial para elaboração do trabalho de pequisa da disciplina de Iniciação a Metodologia Cientifica (IMC) do curso de Engenharia Floresta da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, Campus Universitário de Alta Floresta.

UNEMAT MATO GROSSO NOVEMBRO-2007

1 INTRODUÇÃO

A rede de esgoto é um conjunto de obras que serve para coletar os dejetos das casas, vindos de banheiros, lavatórios, pias e lavanderias, dando um destino final a eles. Esta rede é formada por varias estruturas, que tem início na calçada da residência ou empresa, neste local é colocada à caixa de visita, também conhecida como caixa de calçada e a partir daí que o morador vai fazer sua ligação com a rede. A caixa da calçada está ligada à rede coletora, que passa nas ruas.

Os canos maiores que recebem o esgoto da rede coletora são chamados coletores troncos e são responsáveis pelo escoamento do esgoto até a estação de tratamento de esgoto ou locais de lançamento (córregos, rios, mar).

As tubulações são implantadas a profundidades variadas, com certa declividade necessária para o encaminhamento do esgoto por gravidade, como nem sempre é possível o esgoto ir de um ponto a outro da mesma área, existem as estações elevatórias, que bombeiam o esgoto para as áreas mais altas, completando o ciclo.

A rede de esgoto melhora a saúde da comunidade, trazendo soluções sanitárias e ambientais para toda comunidade. A implantação da rede evita a contaminação da água subterrânea pela proximidade com as fossas e sumidouros, evitando doenças como: cólera, hepatite e leptospirose.

Em relação ao esgotamento sanitário, 47,8% dos municípios brasileiros não têm coleta de esgoto, 52,2% dos municípios que têm esgotamento sanitário, 32,0% coletam, mas não tratam e apenas 20,2% coletam e tratam o esgoto segundo o PNAD.

Recentemente no município de Alta Floresta está sendo implantada a rede de captação de esgoto, este será o objeto de estudo, pois está obra de saneamento básico é um marco para a obtenção de uma melhor qualidade de vida da população altaflorestense.

2 OBJETIVOS

2.1 OBJETIVO GERAL Verificar a cobertura da rede de esgoto de Alta Floresta.

2.2 OBJETIOS ESPECÍFICOS

- Verificar quais bairros serão beneficiados coma implantação da rede de esgoto e quais não contaram com este advento. - Averiguar o destino que terá o esgoto e se será tratado. Caso se for tratado de que forma. - Citar os principais benefícios sociais em decorrência dessa obra de saneamento básico. - Verificar como será feita a base de calculo da cobrança da taxa correspondente.

3 JUSTIFICATIVA

Tendo que a implantação do sistema de esgoto em Alta Floresta é inédita, ainda não existe uma pesquisa acerca da cobertura dessa rede e o destino dos dejetos, bem como se serão tratados e a taxa que será cobrada em decorrência disto.

Reduzindo o número de organismos patogênicos presentes nos esgotos, possibilitando o seu retorno ao Meio Ambiente sem o risco de transmissão de doenças no meio hídrico, assim resultando numa melhora para além de reduzir o custo do tratamento da água e a indisponibilidade desse recurso para diversos usos, dentre eles o consumo humano, industrial, comercial, assim como para as comunidades, evitando também prejuízos ao lazer e ao turismo, pelo mau aspecto, cheiro, presença de lixo e animais transmissores de doenças nas águas, degradação ambiental, protegendo a vida vegetal e animal e a depreciação dos patrimônios, pois os proprietários de áreas a vizinhas dos lançamentos de esgotos têm direitos legais ao uso da água em seu estado natural.

4 REVISÃO TEÓRICA

Uma instalação de esgotos sanitários é formada por canalizações (tubos) e caixas de concreto. As caixas destinam-se à manutenção das instalações e devem ter tampa de ferro fundido, para maior proteção.

A responsabilidade da concessionária é apenas realizar a ligação predial, que é o trecho entre a última caixa de inspeção e o coletor público, cuja manutenção é realizada gratuitamente pela empresa.

A instalação deverá conter ao menos uma canalização aberta para o exterior (é o tubo de ventilação), destinada à saída dos gases da rede coletora dos esgotos e a entrada de ar na canalização.

As águas de chuva, piscinas e jardins não devem ser escoadas pelas instalações de esgotos sanitários.

Os efluentes industriais somente podem ser lançados nas redes de esgotos após cuidados especiais, sob orientação do órgão público encarregado de fiscalizar essas questões de meio ambiente.

Os elevados custos de construção de redes coletoras dificultam a implantação e universalização desse serviço e contribuem para o déficit de atendimento com essas unidades (FERNANDES, 1997).

Sobrinho e Tsutiya (2000) citam a seguinte distribuição do custo de construção de um sistema de esgoto sanitário: redes coletoras (75%), coletores tronco (10%), elevatórias (1%) e estações de tratamento (14%).

Segundo Soares (2004), apesar da noção geral de que devem ser realizados diferentes traçados da rede coletora, normalmente isso não é realizado nos projetos de engenharia, o que resulta em tubulações profundas e/ou no emprego de Estações Elevatórias.

O esgoto escoa dentro das tubulações a no máximo 75% da sessão dos tubos, ou seja, eles não preenchem todo o conteúdo da canalização. Elas são implantadas a profundidades variadas, com certa declividade necessária para o encaminhamento do esgoto por gravidade. As redes correm para as partes mais baixas de uma sub bacia, onde estão instalados os emissários. Em algumas situações, o esgoto é encaminhado para as partes mais altas, por meio das Estações Elevatórias de Esgotos.

5 METODOLOGIA

Para a realização do trabalho utilizou-se da pesquisa bibliográfica para a obtenção dos dados referentes a implantação do sistema de esgoto e demais assuntos relacionados.

Também foi empregada a pesquisa de campo valendo-nos questionários na averiguação do que as figuras sociais pensam a respeito de tal obra. Já com técnica da entrevista verificou-se junto a um dos responsáveis pelo projeto de implantação da rede de esgoto em Alta Floresta questões relacionadas à cobertura da rede, bem como o destino dos dejetos.

Valemo-nos também do arcabouço de informações presentes na internet, o que ajudou a melhor fundamentar e embasar a pesquisa, além de melhor corroborar os resultados.

Foi registrado também por meio de fotos digitais as etapas do processo de implantação, porém em uma ordem qualquer.

6 RESULTADOS E DISCUSSÕES

Segundo entrevista realizada no dia 31 de outubro do presente ano no escritório na Águas de Alta Floresta Ltda. na rua C3, Nº 318-Centro, com o engenheiro sanitarista Waldemar Milanski Junior um dos responsáveis pela execução do projeto da rede de esgoto, juntamente com os engenheiros civis Antônio Manuel da Silva e Mario Candia e a engenheira sanitarista Rosidelma Guimarães, projeto este de autoria da engenheira sanitarista Geysa Rodrigues Duque, foram respondidas diversas questões acerca da implantação da rede de esgoto na cidade de Alta Floresta. Onde teve o início das obras em outubro de 2006 com atrasos decorrentes do período das chuvas, tem por meta de conclusão setembro ou outubro de 2008.

O projeto de esgoto realizado por meio de financiamento da Caixa

Econômica Federal terá custo na casa dos 7 milhões de reais e contará com 68 km de rede de esgoto construída, beneficiando 5100 famílias na primeira etapa, estas residentes nos setores Centro, A, B, C, D, E, F, G, H, GS e parte do J e nos bairros Industrial, São José Operário, Novo Horizonte, Pombal e Santa Maria.

O edital de concessão obriga a construção da rede de esgoto até 2016 com atendimento de 70% da população, porém a concessionária Águas de Alta Floresta LTDA. atenderá 16% da população em 2007 e já em 2008 atenderá 70% da população. De acordo com Milanski cada gota de esgoto capitado é responsabilidade da empresa a partir da capitação na caixa de ligação. Alta Floresta contará com um sistema de certa forma moderno e muito eficiente para tratamento do esgoto capitado, sendo a 3a cidade do Mato Grosso a contar com este sistema o chamado Reator UASB que em português significa Reator Anaeróbio de Fluxo Ascendente onde 9,9% dos gases provenientes do esgoto são queimados evitando o extremo mau cheiro derivado do mesmo e filtra toda matéria orgânica presente. O esgoto segue por declive, ou seja, pela gravidade para as áreas mais baixas sendo necessária a construção de estações elevatórias de esgoto, que são bombas que mandam o esgoto para a estação de tratamento. Em Alta Floresta serão construídas quatro estações elevatórias dentre elas uma na Rua Teles Pires, na Rua Airton Senna e na rua G.

O produto do tratamento do esgoto será despejado no córrego Severo nas proximidades do aeroporto da cidade onde também se localiza a estação de tratamento constituída pelo reator e lagoas de estabilização onde o esgoto chega à estação e aguarda tratamento. Milanski diz ainda que a água advinda do tratamento estará menos poluída que a água do córrego portanto diluindo a poluição do mesmo. A fiscalização diária ficará a cargo da Secretária Estadual do Meio Ambiente (SEMA), com coleta de amostras de água do efluente e de locais antes e depois do despejo do esgoto. De acordo com Art. 45, da Lei federal 1.445/2007 e artigo 52 do Decreto Municipal 670/2002 toda edificação permanente urbana será conectada à rede de esgotamento sanitário disponível e estará sujeita ao pagamento de tarifa e de outros serviços públicos decorrentes da conexão e do uso desses serviços. Será necessária a construção da caixa de gordura por iniciativa do cliente o que possibilitará a ligação do ramal predial na rede. A taxa cobrada será equivalente a 90% do valor da conta de água. Sendo que em outras cidades é cobrado 100%, ou seja, dobra a conta.

o tratamento do esgoto doméstico

Também foi salientado durante a entrevista que a água de jardins, da lavagem de caçadas e das chuvas devem ser direcionadas para as galerias pluviais e não para a rede de esgoto. Assim como o esgoto industrial que terá tratamento a cargo da respectiva indústria e também não deve ser direcionado à rede de esgoto. Em muitas outras cidades como a própria São Paulo a negligência ou falta de fiscalização leva muitas indústrias a despejarem seu esgoto na rede comprometendo

A implantação está sendo feita com mão-de-obra da própria concessionária e com mão-de-obra terceirizada dependendo da tarefa desempenhada. O projeto apenas honera custos para a concessionária uma vez sabendo dos seus altos custos de implantação e manutenção, segundo Waldemar Milanski, se o projeto conseguir se pagar já será um bom resultado, pois lucros dificilmente são esperados nesse tipo de obra.

A companhia Águas de Alta Floresta Ltda. orienta a desativação das fossas sépticas que tanto contaminam o solo e os lençóis freáticos ocasionando doenças como hepatite, cólera, leptospirose além de muitas outras que comprometem a saúde pública. Foi informado durante a entrevista que para cada um dólar investido em saneamento básico, como as obras de esgoto, quatro dólares são poupados com a saúde. Apesar disso foi enfrentada resistência por parte dos moradores em razão do preço do serviço.

Para saber a opinião das figuras sociais foram realizados questionários com representantes de três bairros que serão atendidos pela obra na cidade.

No questionário feito com os senhores Roberto Teixeira Nunes representante do bairro São José Operário, Aparecido Pascoal Neto do bairro Santa Maria, Francisco de Freitas do setor Industrial foi constatado que há o conhecimento que está sendo implantada à rede de esgoto e que haverá melhora da qualidade de vida da população, porém houve divergência quanto a preferência de fossa séptica ou rede de esgoto onde houve duas respostas a favor da coleta de esgoto e uma a favor de fossa, bem como se os moradores irão aderir à rede de esgoto em que houve uma resposta pela adesão dos moradores e duas atestando a resistência dos mesmo em função da taxa cobrada.

Segundo o relatório das nações unidas estima-se que 6% da população do mundo em desenvolvimento não contava com saneamento adequado até 1990. Hoje, esse percentual caiu para 50%, o que deixa o mundo distante da meta de 3%. Nesse ritmo, o compromisso não deve ser atingido até 2015, calcula o relatório. Já em Alta Floresta a concessionária Águas de Alta Floresta Ltda. irá anteceder o prazo estipulado para cobertura de 70% da população urbana altaflorestensse fixado pelo edital de concessão para 2016, e em 2008 pretende atender este contingente populacional de 70%.

7 CONCLUSÕES

Tendo em vista os aspectos observados podemos concluir que a rede de esgoto está sendo implatada com pujança e tende a atender os parâmetros básicos do saneamento em nossa cidade.

A introdução da rede de esgoto em nossa cidade representa um salto quantitativo em termos de desenvolvimento tanto social, com as melhoras na saúde decorrentes do esgoto que não irá poluir os córregos e o lençol freático ou ainda com os diversos empregos diretos e indiretos criados com as obras e manutenção da estrutura, quanto com a melhora de nossa economia, uma vez que, nossa cidade esta em uma rota turística, não tanto de presença de turistas mas de sua passagem para se encaminhar para as pousadas adjacentes, e também abrindo margem para futuros projetos de intensificação do turismo na região, pois num pais onde 47,8% do esgoto é coletado e apenas 20,2% é tratado, uma cidade na floresta amazônica com potencial turístico que possui um sistema de coleta e tratamento de esgoto é um atrativo a mais. Porém nem toda população será atendida com o advento, em função dos elevados custos da implantação e a distância de alguns setores ou bairros.

12 8 BIBLIOGRAFIA

FERNANDES, C. Esgotos Sanitários. 1ª ed. Ed. Universitária. Paraíba, 1997. MENDONÇA, Nayalane, KAMPEL, Maria Mecler. Guia para elaboração de projeto de trabalho de conclusão de curso. Rio de Janeiro, 2003.

SOARES, J.M. Importância do Traçado no Custo de Construção da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Belém. 2004.Dissertação de Mestrado.Universidade Federal do Pará.2004.

(Parte 1 de 2)

Comentários